domingo - 17/06/2018 - 05:36h

A José Romero, uma lágrima e uma prece


Por Marcos Araújo

Em tempos de tecnologia, as notícias (boas ou ruins) vêm por aplicativos eletrônicos. Recebi uma mensagem do Prof. Benedito Vasconcelos reproduzindo uma nota do Departamento de Geografia da Universidade do Estado do RN (UERN), lamentando a morte do Prof. José Romero Araújo Cardoso.

Em Fortaleza, onde curso um doutorado, entre uma tarefa acadêmica e outra, brota uma lágrima nos olhos e paro para fazer uma prece para Romero. Rezo para sua alma. Rogo pela intercessão de Nossa Senhora para lhe dar acolhida.

Rezo também pela incompreensão que ele foi vítima. Preto e pobre, Romero foi alvo do estigma e do preconceito. Na Uern, creio – lastimo pelos alunos que se julgam sábios -, nunca recebeu a atenção devida.

Louco por Josué de Castro – outro negro, que travou uma luta contra a fome (acreditem os que veneram Lula, foi ele quem pensou antes do PT a renda mínima como combate à pobreza!) -,  odiava o regime militar por ter impedido a indicação do autor de Geografia da Fome ao prêmio Nobel da Paz.

Genial por excelência, sofreu também as contingências de um casamento fracassado. Enveredou pelo caminho tortuoso das drogas, em busca de um alento pelo desprezo conjugal. Sofreu, e muito!

Lembro de sua mãe e de sua tia. As duas largaram suas casas e passaram meses em Mossoró. Nessa luta, merece relevo a pessoa de Dona Chiquita, de saudosa memória, que assumiu a recuperação de Romero como meta de vida.

Naquela época não se entendia a dependência química como doença e a Uern até ensaiou um processo demissional, obstado depois por puro bom senso. Nesse tempo, recebia ele quase todo dia em nosso escritório. Eu e Lindocastro Nogueira, advogado da Associação dos Docentes da Uern (ADUERN).

Ouvimos as lamúrias do seu coração dezenas de vezes.

Depois de recuperado, convidei ele pelo menos cinco vezes para falar aos meus alunos no Curso de Direito. Dizia repetidas vezes: um dos homens mais inteligentes que tinha conhecido em vida.

Contudo, essa sociedade europeizada, branca e mesquinha, legatária genética de europeus de quinta categoria, não admite a inteligência dos descendestes de africanos. Um preto genial é uma ameaça. E ainda mais quando esse “preto” tem vícios comportamentais…Era mais Romero, na sua bizantinice de homem pecador do que muitos “Santos” de conduta impoluta.

Como lembrava o lisboeta Fernando Pessoa, gostava de Romero porque “tenho amigos para saber quem eu sou, pois vendo-os loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que a normalidade é uma ilusão imbecil e estéril”.

Romero era gênio. Como tal, vivaz entusiasta dos seres humanos, sem cor, raça ou qualquer atributo de gênero.

Só incensava um deles: Vingt-Un Rosado! Para ele, nunca houve ninguém mais inteligente…Escrevia como ninguém, e, assim como o negro Castro Alves, tinha sede do saber.

Lembrando Castro Alves,

“Desta sede de saber,
Como as aves do deserto
- As almas buscam beber…
Oh! Bendito o que semeia
Livros… livros à mão cheia…
E manda o povo pensar!
O livro caindo n’alma
É germe – que faz a palma,
É chuva – que faz o mar”.

Requiescat in pace, Romero!

Deus te acolha e cure tuas mágoas.

Seu amigo, Marcos Araújo

Marcos Araújo é professor, escritor e advogado

Categoria(s): Artigo

Comentários

  1. maria lucia f rosado amaral diz:

    Marcos ,linda e merecida homenagem a Romero.Pessoa querida e admirada por nos.Um lutador que

    Deus o acolha e proteja,Que seja mais respeitado nesta nova dimensão,

  2. Robson Lucy diz:

    Grande ser humano, sempre atendia a todos, sem diferença. Ensinou muito, dentre outras coisas, sobre o cangaço no nordeste durante suas aulas e conversas informais nos corredores da FAFIC. Vai fazer muita falta. Descanse em Paz professor Romero.

  3. Raniele Costa diz:

    Marcos que belo texto sobre o mestre José Romero, fui seu amigo e aluno desde que ele chegou a Mossoró sou testemunha de tudo que você falou sobre ele, Romero agora descansa em paz, que coincidência ? Bem pertinho do nosso grande mestre Vingt-un Rosado , ele tinha por Vingt-un uma admiração imensurável.

  4. Castro diz:

    A inteligência e sabedoria do professor Romero era impressionante, grande perca para o curso de geografia.
    Apesar dos seus problemas pessoais era um dos únicos professores que sempre falava comigo xom um sorriso no rosto

  5. Naide Maria Rosado de Souza diz:

    Marcos. Quantas lágrimas a lindeza de suas palavras provocaram em mim. Eu já chorara quando soube do falecimento de Romero. Meu amigo do Facebook que me encantava com sua inteligência. Meu amigo simpático e que provocava a minha admiração.
    Hoje, você me mostra a vida e sofrimentos dele. Desconhecia tudo isso.
    Atrás da letra, tem uma pessoa. Uma pessoa que poderia ter me enriquecido mais…voou cedo demais!

  6. Mário Ilo Garcia diz:

    Tenho guardado alguns livros e CDs que adquiri com ele. alguns me foram por ele presenteados.
    Mas, meu caro Marcos Araujo, diante do relato referente à discriminação, conheci uma figura que também foi professor, (do ensino médio) e escritor. Era negro, foi vítima das drogas, e consequentemente do preconceito. Adquiri um dos seus livros, quando ele me pediu para levar dois exemplares para oferecer à duas pessoas que ele nominou, dizendo que eram suas amigas. Ambas professoras, e uma das quais, professora universitária. Nenhuma quis comprar, e eu para não vê-lo decepcionado, paguei os dois livros. Refiro-me ao Professor (de saudosa memória) Damião Sabino

  7. iris Maia diz:

    Conhecia o Prof. Romero de vistas e pelo seus escritos que dava para perceber sua inteligência. Lamento.
    Minha oração pelo seu espírito.
    Belo texto do conterrâneo Dr. Marcos Araújo, que bom que Lula também pensou como Josué de Castro e pôs em prática progrma que tirou milhões de brasileiro da condição de miséria, em Doutor????

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.