sexta-feira - 27/01/2017 - 11:57h
Política e história

A ‘versão’ e a ‘mentira’ saem perdendo na crise prisional do RN

Estratégia do governo foi desconstruída por fatos óbvios e mostra grave erro na guerra da informação

Mineiro de Bocaiuva, o deputado federal e ex-vice-presidente da República José Maria Alkmin foi fundador (em 1945) e influente nome do Partido Social Democrático (PSD), um dos tentáculos do getulismo.

É dele, uma frase que poucos sabem ser de sua lavra – mas que é repetida incontáveis vezes no universo do jornalismo político brasileiro:

- O fato não vale nada, o que vale é a versão!

Alkmin e Goebbels são duas versões da mesma estratégia que foge à realidade (Foto: montagem do Blog)

Agarrado intuitivamente a essa tese, o governo Robinson Faria (PSD) sustentou até agora a defesa do indefensável, na crise prisional do estado, que eclodiu dia 14 último no presídio de Alcaçuz.

- Está tudo sob controle – repetiu o governador em vários pronunciamentos, matérias oficiais e entrevistas.

Fotos, entrevistas e vídeos provavam que ele estava equivocado, longe da realidade.

Na imprensa nativa e redes sociais o governo lançou contra-ofensiva para provar que sua versão valia mais do que o fato. Perdeu também essa guerra.

Lição do caso

Coube à chamada Grande Imprensa, órgãos de comunicação com abrangência nacional (portais, sites, jornais e TV´s), a força de desconstruir a estratégia do governo. Apenas mostrou o que era mais do que visível, como depoimentos de representantes da área de Segurança Pública, atestando que houve negociação com representantes dos criminosos.

A maior prova de que o governo adotava a estratégia de vender a versão como uma verdade, mesmo sem sucesso, é que ninguém foi exonerado. A começar pelo secretário da Justiça e Cidadania (SEJUC), Wallber Virgolino, que admitiu o diálogo de submundo para pacificar a rebelião em Alcaçuz (veja AQUI).

Bem mais famoso e de origem amplamente conhecida, é o mantra do ministro da Propaganda nazista, Joseph Goebbels, que trata da mesma questão:

- De tanto se repetir uma mentira, ela acaba se transformando em verdade.

Alkmin e Goebbels não foram inspirações sensatas nesse caso. Que fique a lição.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Política / Reportagem Especial

Comentários

  1. joão de deus maia de oliveira diz:

    A crise
    “Não pretendamos que as coisas mudem, se sempre fazemos o mesmo. A crise é a melhor bênção que pode ocorrer com as pessoas e países, porque a crise traz progressos. A criatividade nasce da angústia, como o dia nasce da noite escura. É na crise que nascem as invenções, os descobrimentos e as grandes estratégias. Quem supera a crise, supera a si mesmo sem ficar “superado”.Quem atribui à crise seus fracassos e penúrias, violenta seu próprio talento e respeita mais aos problemas do que as soluções. A verdadeira crise, é a crise da incompetência. O inconveniente das pessoas e dos países é a esperança de encontrar as saídas e soluções fáceis. Sem crise não há desafios, sem desafios, a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crise não há mérito. É na crise que se aflora o melhor de cada um. Falar de crise é promovê-la, e calar-se sobre ela é exaltar o conformismo. Em vez disso, trabalhemos duro. Acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para superá-la”.
    Optimismo, Confiança, Fé, Amor e Trabalho.
    Muita Paz para a vossa semana.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.