quarta-feira - 16/01/2013 - 07:57h
Governo do RN

Falta de alternativas e ausência de favorito para 2014

Rosalba Ciarlini e Robinson poderão se enfrentar num cenário que não anima eleitorado potiguar

Faltando cerca de um ano e meio para a campanha ao Governo do Estado em 2014, é precipitado se falar em favoritismo de algum nome ou apontarmos – por exemplo – que a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) está alijada do processo, em face de uma gestão até o momento sem rumo e sem prumo.

Alto lá.

Robinson e Rosalba - dia 17 de outubro de 2010: sincera hipocrisia mútua

De antemão, é difícil se fazer uma configuração prévia quanto aos times da oposição e governo para a peleja de 2014. Foi-se o tempo em que tudo era facilmente destrinçado por cores, gestos e companhias. Há muitos anos convivemos com políticos e partidos híbridos, andróginos.

Essas máquinas políticas, versão “total-flex”, são especialistas num mimetismo que confunde até mesmo os seus eleitores. Tudo em nome da sobrevivência num teatro de guerra em que o amigo de hoje pode se transformar em adversário de amanhã.

Olhando assim a distância, o que parece ser a oposição basicamente se mexe com o vice-governador dissidente Robinson Faria (PSD). Ele finalmente empina postulação própria a governador, depois de se revelar um excelente aliado à combustão de Wilma de Faria (PSB) e Rosalba Ciarlini (DEM) ao governo.

Mas é precipitado lhe conceder a perigosa condição de “favorito”.

Na verdade, Robinson faz-se viável muito mais pelo o que o Governo Rosalba Ciarlini não consegue ser, do que pelo o que ele imagina que é.

O vice-governador rompeu com o governo antes do primeiro ano de gestão. A partir daí, ficou estacado na oposição ao esquema que ele ajudou a entronizar no poder.

Até a disputa de 2014, por mais que consiga amealhar apoios, o vice-governador dependerá – e muito – da performance do governo que ele resolveu renegar.

A pré-campanha será crucial para os propósitos de Robinson, como foi decisiva à vitória de Rosalba em 2010.

Robinson sabe bem disso.

Ele rompeu com o governismo capitaneado por Wilma, proporcionando à Rosalba um capital importante com seu apoio, além de subtração direta nas forças governistas que terminou lançando o então vice-governador Iberê Ferreira (PSB) candidato a governador.

Para a corrida eleitoral de 2014, a história parcialmente se repete.

Rosalba trabalha para não sofrer desnutrição, principalmente com a hipotética saída do PMDB de sua base aliada. Robinson sonha em atrair a simpatia dos insatisfeitos com o governo e de representar a esperança de mudança (sempre essa palavrinha mágica e surrada), em contraponto ao que a governadora tem representado.

Surpresas

Nesse enredo podem surgir surpresas. Por enquanto, ninguém tem robustez para ser um elemento catalisador das multidões.

Temos, mesmo, é uma multidão de incrédulos e desapontados. Robinson não é popular nem populista. Rosalba definha na governadoria.

Mas é improvável ou pouco provável, como queira, que tenhamos duas candidaturas de oposição à Rosalba. Ninguém descarte que o nunca surpreendente PMDB faça outro movimento brusco e, dessa feita, aposte numa postulação própria.

O que vai ocorrer com a pré-candidatura do deputado Henrique Alves (PMDB) à presidência à Câmara Federal, acaba tendo conexão direta com a política de alianças no Rio Grande do Norte.

Robinson pode ser abraçado pelo PMDB, obtendo seu apoio. O PMDB, desgarrado do governismo, o puxaria para um chapão, com outro papel. Vice novamente? Quem sabe?

O prefeito natalense Carlos Eduardo Alves (PDT) e a deputada federal Fátima Bezerra (PT) não estão na mesa de apostas como candidatos ao governo. O senador-ministro Garibaldi Filho pode desembarcar na pista e alterar essa bipolarização Robinson-Rosalba.

Carlos tem a missão hercúlea de ser o reconstrutor de Natal, o que adiante lhe renderia popularidade a projeto de maior envergadura adiante.

Fátima sonha com o Senado. Se der, ótimo. Não se viabilizando, não terá dificuldades na reeleição à Câmara Federal.

Garibaldi há tempos que se desinteressou pelo governo rosalbista. Se for candidato, mela também projeto de Robinson. Aí sim, surgiria alguém com a aura de favorito.

Sobrou mais quem para enfrentar Rosalba e a máquina do governo, mesmo que cabaleante?

Dessa distância, ajustando bem o periscópio, quase nada mais é possível ser detectado. Quadro revela como há um empobrecimento de nomes e uma esqualidez de projetos alternativos à gestão da coisa pública.

É algo desolador.

Isso é ótimo para Rosalba. Só depende dela emergir. Do outro lado, quase nada lhe intimida e impõe-lhe uma suposta derrota antecipada. Se não sofrer baixas no elenco de forças que sustentam o governo, continuará viva.

Seu maior adversário não é Robinson: é seu próprio modelo de gestão político-administrativa.

Robinson, em resumo, não depende só de si. Seu cabo-eleitoral (indireto) principal é Rosalba, a quem ajudou. Ele acena como antítese dessa forma de governar; seria uma negação à “Rosa”.

Diante de tantas incertezas, um slogan do deputado Tiririca (PR-SP), na campanha eleitoral de 2010, faz o norte-rio-grandense pensar alto: “Pior não fica”.

Será?

Categoria(s): Reportagem Especial

Comentários

  1. Marcos Pinto. diz:

    Atentai bem que foi diante um cenário com essa mesma configuração que o Geraldo Melo – o famoso “TAMBORETE” pegou a deixa e saiu candidato, preenchendo um vácuo simbolizado pela candidatura do João Faustino – O “JOÃO DO CORAÇÃO”. O pior é a constatação de que dentre todos os atuais políticos potiguares, nenhum desperta a atenção do eleitorado como algo novo, confiável, isento das amarras às oligarquias políticas potiguares.

  2. Marcos Pinto. diz:

    Após a divulgação da vitória da Rosalba ROSADUS ao governo, no outro dia eu “Cantei a bola” de que em menos de um ano de sua administração o Robinson Faria romperia com o governo (Leia-se Carlus Augustus), posto que “Dois bicudos não se beijam”. Dois egos inflados, dois egocêntricos e totalitaristas – O C.A. e o Robinson.

  3. irmão reginaldo diz:

    Ta na hora do nosso povo da a resposta . elegendo um governo que não busque apenas acordão, mas governe com transparença respeitando o eleitor. uma politica seria na saúde na educação e segurança. sempre atento nas nessecidade do povo em todas as repartição pública .

  4. irmão reginaldo diz:

    coisa tao simples como uma identidade 03 a 04 meses para fazer uma 2* via e a primeira via não diferente tem de domir no local para pegar ficha. essas outras demostra a incopetencia dos nossos representante . e humilhação para o cidadão ….

Trackbacks

  1. [...] reportagem especial sob o título “Falta  de alternativas e ausência de favoritos para 2014“, veiculada no dia 16 deste mês, às 7h57, era assinalada a seguinte observação, logo em [...]

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.