• Curso de Oratória de Francisco Lavor em Mossoró 15 a 28-01-18 veiculação - TOPO
sexta-feira - 12/01/2018 - 08:45h
Futuro ameaçado

Greves na Uern chegam a 382 dias com Rosalba e Robinson

Governante atual bate recorde de antecessora e já totaliza 210 dias de paralisação, contra 172 dela

Hoje, 12 de janeiro de 2018, os professores da Universidade do Estado do RN (UERN) totalizam 382 dias parados. Número representa quase dois anos (quatro semestres) de período letivo sem aulas. Um prejuízo incalculável para milhares de alunos, quem realmente paga o “pato”.

A soma refere-se aos últimos sete anos.

O feito não deve ser creditado apenas ao atual chanceler da instituição, governador Robinson Faria (PSD). Entretanto ele já possui dois recordes nessa relação com a Uern.

Em sua gestão ocorreu a maior greve (147 dias, em 2015) e o maior tempo cumulativo de paralisações também.

O atual movimento grevista – iniciado em 10 de novembro de 2017 – chegou a 63 dias. Assim, a soma das duas paralisações atinge 210 dias. Por enquanto.

Com a ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP) foram duas greves: a primeira, com 106 dias; a seguinte, 66. Então, 172 dias de braços cruzados. No cômputo geral, 382 dias sem aulas.

Greves de professores, com sindicalistas da Saúde, até aqui não tiveram efeito algum; prioridade é polícia (Foto: cedida)

Na quarta-feira (10), os técnicos-administrativos da Uern resolveram entrar em greve também, reforçando o movimento do professorado. Em novembro, tinham rejeitado a proposta de paralisação.

Segundo pregação do comando de greve da Associação dos Docentes da Uern (UERN), essa é uma “greve por dignidade” – ao cobrar pagamento de salários em dia e maior respeito à instituição. Implicitamente, admitiu que há considerável possibilidade de atingir o mesmo resultado da anterior: nada.

A atual greve foi aprovada em assembleia, sob o argumento que o professorado iria participar de uma ampla mobilização de servidores das administrações direta e indireta do estado. Puro sofisma. Não foi o que aconteceu.

Apenas parte ínfima da Saúde e os uernianos foram à luta e obtiveram alguns dias de notoriedade, graças a spray de pimenta disparado por policiais militares. Servidores do Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN) logo resolveram seus problemas e sumiram da infantaria das batalhas.

Quem de fato mexeu com o governo e projetou-se além das divisas do Rio Grande do Norte, foi o protesto “Segurança com Segurança” da Polícia Militar e bombeiros militares, além da “Operação Padrão” da Polícia Civil.

Outra vez, os professores estão isolados e até aqui sem poder de pressão eficaz, como a eficiente estratégia dos policiais, que deixaram a população sem a essencial segurança (mesmo que esquálida).

Noutro viés de abordagem, é fácil perceber que a importância imaterial da Uern – ignorada pelo governo e boa parcela da opinião pública – não garante seu futuro. Fechada, quase ninguém percebe. Aberta, precisa provar que vale a pena.

Primeiro, os donos do poder vendem ações da Potigás; em seguida será a Caern, sem que quase ninguém perceba que outros patrimônios públicos ficarão ainda mais justificáveis à negociação.

É um enredo tão lógico, que fica difícil acreditar que a academia não saiba disso e siga dando argumentos para que, de fato, seja dispensável – apesar de ser a maior obra humana já erigida em Mossoró, para o RN e para o Brasil.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI e o Instagram clicando AQUI.

Categoria(s): Administração Pública / Política

Comentários

  1. Raniele Costa diz:

    Eu bem que avisei que essa greve não adiantaria de nada , não atingiu o governador não adianta, têm que ter agressividade , atingir a sociedade e os Políticos.

  2. Inácio Augusto de Almeida diz:

    MESMO FURTANDO DISTRIBUÍRAM UNIFORME ESCOLAR
    A pedido do Ministério Público Federal (MPF) em Ilhéus (BA), a Justiça determinou liminarmente o bloqueio de bens no valor de R$ 2.346.431,84 do prefeito de Itapitanga, Dernival Dias Ferreira, e mais 36 envolvidos em desvios de recursos de Educação e Saúde. As decisões referem-se a quatro ações do MPF, nas quais os acusados respondem por irregularidades, em 2007 e 2008, no uso de verbas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), Salário Educação, SUS (Sistema Único de Saúde), Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).
    ISTO ACONTECEU EM ITAPITANGA-BA
    Itapitanga é um pequeno município baiano com população estimada de 10.335 habitantes.
    Fico a imaginar de quanto é o furto na Saúde e na Educação em cidades maiores do que Itapitanga.
    Felizmente o MPF pegou estes ladrões.
    Em outros lugares os ladrões continuam a furtar descaradamente o dinheiro da Saúde e da Educação. Não distribuem Uniforme Escolar, Medicamentos, Material Escolar e quando servem Merenda Escolar é da pior qualidade.
    Quando teremos investigação das denúncias que acontecem em quase todas as cidades brasileiras de furto nas verbas da Saúde e da Educação?
    https://combatecorrupcao.blogspot.com.br/
    ////////
    OS RECURSOS SAL GROSSO SERÃO JULGADOS NESTE MILÊNIO?
    É PRECISO PRIVATIZAR A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL!

Deixe uma resposta para Inácio Augusto de Almeida Cancelar resposta

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.