domingo - 22/04/2018 - 09:00h

Lirismo torto


Por François Silvestre

Quem nasceu no pé da serra, e depois subiu a serra, e depois morou na serra, tem por destino certo viver com a cabeça nas nuvens.

Quem nasceu na beira do rio, e depois entrou no rio, e depois nadou no rio, tem por destino certo viver contra a correnteza.

Quem nasceu na praia do mar, e depois entrou no mar, e depois nadou no mar, tem por destino certo enfrentar a força das ondas.

Quem nasceu na beira do mato, e depois entrou no mato, e depois se perdeu no mato, tem por destino certo ser presa do caçador.

Quem nasceu na entrada da rua, e depois entrou na rua, e depois morou na rua, tem por destino certo enganchar-se na multidão.

Quem nasceu na franja da bandeira, e depois marchou com a bandeira, e depois se enrolou na bandeira, tem por destino certo fugir de todos os hinos.

Quem nasceu ouvindo hinos, e depois cantou os hinos, e depois ensinou os hinos, tem por destino certo fugir de todas as bandeiras.

Quem nasceu na porta da biblioteca, e depois se fez de biblioteca, e depois sumiu na biblioteca, tem por destino certo esconder-se por trás dos livros.

Quem nasceu no patamar da igreja, e depois entrou na igreja, e depois rezou na igreja, tem por destino certo duvidar das orações.

Quem nasceu na rua do fórum, e depois entrou no fórum, e depois conheceu o fórum, tem por destino certo zombar da pompa forense.

Quem nasceu ao som da política, e depois entrou na política, e depois conheceu a política, tem por destino certo a escolha entre a mentira ou a fuga.

Quem nasceu na escada da escola, e depois entrou na escola, e depois aprendeu na escola, tem por destino certo rever quase tudo que aprendeu.

Quem nasceu no primeiro verso do soneto, e depois atravessou os quartetos, e conseguiu passar dos tercetos, tem por destino certo desvencilhar-se das rimas.

Quem nasceu no escuro do mofumbo, e depois saiu do mofumbo, e viu a luz pelas mãos da parteira, tem por destino certo rir-se da vida e desdenhar da morte.

Quem nasceu na porta do bar, e depois entrou no bar, e depois se embriagou no bar, tem por destino certo recitar a verdade do vinho.

Té mais.

François Silvestre é escritor

Categoria(s): Crônica

Comentários

  1. Amorim diz:

    PQP, não queria comentar, mas acho que desta vez superou-se.
    Com orgulho. Parabéns.
    Ass. Desconhecido Ignorante.
    Lembranças aos seus.

  2. João Claudio diz:

    Muito bom. Muito bom. Ah, se eu tivesse um filho assim.

    Me permite?

    Quem nasceu ao som da política (♬ Aluízio Alves, vem do sertão, lá do Cabugi) e depois entrou na política (a bola é suuuuuua, $iganinho) e depois conheceu a política (deputado federal durante por quatro décadas. Conhece como ninguém) tem por destino certo…. destino certo…. destino certo…

    Qual o destino? Qual? Qual? Quaaaaaaaaaaaalll?????

    Ora, a Academia de Polícia do Rn.

  3. Paulo Barra Neto diz:

    Françoi genial como sempre!

  4. Paulo Barra Neto diz:

    François.

  5. Sétima Freire diz:

    Que maravilha!!!

  6. Naide Maria Rosado de Souza diz:

    Quem nasceu com muita falta de ar, que sofreu o mal da asma grave e não morreu, tem como certo superar o que demais vier, e sentir-se dispneico, ao ver alguém ofegante, porque a lembrança permanece, não dá para fugir.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.