• Expofruit - Teaser - 20-07-18 a 21-08-18 - Topo
domingo - 10/12/2017 - 06:50h

O Açude Grande


Por Jânio Rêgo

Meia-Lua e eu estamos cada vez mais amigos. Naquele ponto de amizade que transforma o trivial em raridade e deslumbramento.

Ontem, bem cedinho, refizemos o percurso do Açude Grande com o entusiasmo da primeira vez, ele correndo na frente, ziguezagueando entre moitas como um perdigueiro matuto, e eu lento como um peregrino urbano a caminho do santuário.

O Açude Grande é um monumento, o mais importante da ancestralidade da Catingueira, marco da luta primordial pela água.

De lá contam-se histórias de trabalho na construção da parede rústica e de desforras familiares em defesa do patrimônio territorial:

“Antônio Petronilo botou o rifle na lua-da-sela e foi tomar satisfação com ele…” – ouço pela voz memorial de Albertina Melquíades, nora da matriarca Zefinha Fernandes, irmã desse Antônio destemido.

Já foi mais sombria e úmida a vereda que nos leva até lá, entrançada por juremas, angicos, aroeiras frondosas e arbustos urticantes.

Hoje os roçados abeiram-se do antigo ‘corredor’ e o sol entra facilmente entre a folhagem mais rala clareando o chão de areia e pedras vulcânicas.

Mas a chegada, pelo sangradouro, mantém a friagem que sobe do chão e o descortínio da paisagem, com um pedaço de serra ao longe, me induz reverência silenciosa à grandeza dos homens e da Natureza.

Sentado numa pedra remota admiro o porão seco como quem vê Chico Rocha dando cambalhotas n’água e um magote de meninos saltando da ingazeira que cresceu na revensa.

Mas o Inquieto amigo late e late, e é hora de continuar a caminhada,voltando pelo baixio de tio Epifânio, saindo lá no local do engenho onde se comia alfinim com caldo de cana moída pela junta de bois sonolenta…

Já vou, Meia-Lua, já vou!

Jânio Rêgo é jornalista

Categoria(s): Crônica

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.