• Cachaça San Valle - Topo - Nilton Baresi
terça-feira - 23/04/2024 - 14:34h
RN real

Livre iniciativa faz desvio em BR e Dnit ainda tenta fazer o seu

A odisseia do tráfego na BR-304 (Natal-Mossoró) tem mais um capítulo. Nesse domingo (21), em Lajes, Sertão Central, a livre iniciativa fez o que governos estadual e federal não conseguem há quase um mês – abrir um desvio ao trânsito.

O atalho foi aberto num terreno rural privado, com extensão de cerca de 2,7 km. Seu proprietário, identificado por Armando Filho, começou a fornecer o caminho em suas terras, sob cobrança de R$ 30,00 por veículo de pequeno porte.

A rota tem liberação  de fluxo de carros entre 5 e 17h. Uma retroescavadeira alugada fez a trilha com apoio de diversos proprietários de veículos alternativos, que amargam grandes prejuízos desde que ponte sobre o rio Ponta de Serra foi destruída por enxurrada no dia 31 de março.

Paralelamente, o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT) anunciou nesta terça-feira (23), o terceiro prazo para concluir o desvio iniciado dia 3 deste mês. Seriam 15 dias, passaram para 30 e agora prevê início de maio.

“Importante esclarecer que a nova estrutura terá conformações diferentes da travessia que colapsou, visando elevar a capacidade de vazão no segmento e afastar o risco da ocorrência de sinistros,“ garantiu o Dnit.

*Vídeo do X de Túlio Ratto.

Compartilhe:
Categoria(s): Gerais
terça-feira - 23/04/2024 - 08:32h
Mossoró

Abrasel Regional trabalha para fortalecimento de lutas

Berg Linhares assumiu entidade em agosto de 2023 (Foto: BCS)

Berg Linhares assumiu entidade em agosto de 2023 (Foto: BCS)

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL/RN), Regional de Mossoró, trabalha avanço em sua organização interna e ampliação de alcance. O comentário é feito por Berg Linhares, presidente da Abrasel – Regional de Mossoró.

Segundo ele, hoje são 54 municípios abrangidos pela regional, incrustados nas regiões Oeste, Médio Oeste e Alto Oeste, além do Vale do Açu e Costa Branca

Linhares assumiu entidade em agosto do ano passado, para mandato de três anos. Ele afirma que ao lado dos demais dirigentes e apoio da Seccional do RN, o foco é tornar a Abrasel mais representativa na luta por pautas do setor. “Somos porta-vozes de milhares de negócios e precisamos da união do segmento, participando da vida da entidade,” reforça.

A Abrasel/RN é uma organização de cunho associativo empresarial que tem como missão representar e desenvolver o setor de alimentação fora do lar (AFL), facilitando o empreender e melhorando a qualidade de vida no País.

Compartilhe:
Categoria(s): Gerais
  • San Valle Rodape GIF
terça-feira - 23/04/2024 - 02:42h

Pensando bem…

“O costume é a força que fala mais forte do que a natureza,

Nos faz dar provas de fraqueza.”

Noel Rosa

Compartilhe:
Categoria(s): Pensando bem...
segunda-feira - 22/04/2024 - 18:48h
Pesquisa eleitoral

Adversária tem dianteira de 16,4% em relação a prefeito

Claudinha e Flávio têm confronto com maioria para ela, nesse momento (Fotomontagem do BCS)

Claudinha e Flávio têm confronto com maioria para ela, nesse momento (Fotomontagem do BCS)

O Blog do BG divulgou pesquisa eleitoral focalizando o município oestano de Rodolfo Fernandes, em trabalho realizado pelo Instituto AgoraSei de Natal. A sucessão municipal coloca confronto entre Ana Cláudia Almeida Cavalcante ou “Claudinha,” e o atual prefeito José Flávio Morais, o “Flávio de Tico.”

Veja resultado abaixo da pergunta Estimulada:

Claudinha foi a mais citada por 51,7%, contra 35,3% de Flávio de Tico, enquanto 9,7% Não responderam e 3,3% Branco/nulo.

Maioria pró-Claudinha é de 16,4 pontos percentuais.

Em 2020, Claudinha (PP) ficou em segundo lugar na disputa municipal, com 43,40% dos votos válidos, perdendo para Francisco Wilton Cavalcante Monteiro (MDB), o “Lilito”, que somou 53%. Em 4 de março de 2021, com sua renúncia, assumiu a prefeitura Flávio de Tico, o seu vice.

Perfil da pesquisa

A pesquisa foi realizada nos dias 11 e 12 de abril deste ano e ouviu 400 eleitores, de 16 anos de idade e acima, nas zonas urbana e rural do Município de Rodolfo Fernandes-RN.

O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 4.7 pontos percentuais, para mais ou para menos sobre os resultados totais da amostra.

A pesquisa foi registrada no TSE com a identificação RN-00364/2024.

Compartilhe:
Categoria(s): Política
  • Art&C 25 anos - Institucional - 19-12-2023
segunda-feira - 22/04/2024 - 17:44h
Regeneron ISEF

Maior feira de ciência e engenharia do mundo terá estudantes do RN

Alice e Mayara são estudantes de Tibau (Foto: divulgação)

Alice e Mayara são estudantes de Tibau (Foto: divulgação)

Duas estudantes potiguares estarão representando o Brasil e o Rio Grande do Norte na Regeneron ISEF (International Science and Engineering Fair), que acontece entre os dias 11 a 17 de maio, em Los Angeles, Califórnia (EUA). É considerada a maior feira pré-universitária de ciências do mundo e o Brasil terá 12 estudantes oriundos de diferentes estados da federação.

Alice Keroly Diógenes Araújo, 18, e Mayara Louise de Oliveira Silva, 19, da Escola Estadual Rui Barbosa, de Tibau, são os nomes do RN.

Elas foram premiadas na Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia (MOSTRATEC), que é considerada a maior feira de jovens pesquisadores da América Latina.

Conheça o projeto do Rio Grande no Norte que foi credenciado através da Mostratec:

Sea Sponge

Estudantes: Alice Keroly Diógenes Araújo (18) e Mayara Louise de Oliveira Silva (19)

Orientadora: Yandra Thais Rocha da Mota

Instituição: Escola Estadual Rui Barbosa

O projeto das estudantes de Tibau visa identificar e reduzir os índices de vazamentos de óleo no ambiente marinho, além de diminuir os números de resíduos orgânicos descartados indevidamente na cidade de Tibau-RN. Dessa forma decidiu-se produzir uma esponja com a finalidade de reter óleos encontrados no mar, e nas aguas residuais, e simultaneamente reutilizar a fibra do coco e o resíduo de camarão encontrado em nossa regiao costeira, ajudando o meio ambiente e à população em geral que sofre com essa catástrofe.

Compartilhe:
Categoria(s): Educação / Gerais
segunda-feira - 22/04/2024 - 16:44h
São Gonçalo do Amarante

Fátima é reprovada por 56,2%; Lula é aprovado por 60%

Reprovação de Fátima Bezerra em São Gonçalo - 22-04-2024A pesquisa AgoraSei e site Anna Ruth Dantas questionou sobre a avaliação do Governo Fátima Bezerra (PT) aos eleitores de São Gonçalo do Amarante na Grande Natal. Os números mostram que 56,2% Desaprovam e outros 37% Aprovam.

A mesma pesquisa mostra que 6,8% Não responderam.

Presidente

Quanto à gestão do presidente Lula (PT), o cenário é diferente. Maioria dos entrevistados separa um do outro, apesar da ligação política umbilical.

O governo presidencial é aprovado por 60% da população de São Gonçalo do Amarante. Outros 35,6% dos entrevistados Desaprovam e 4,4% Não responderam.

Prefeito

Em relação ao prefeito petista Eraldo Paiva, 45,8% Desaprovam e 36,8% Aprovam. Já outros 17,4% não responderam.

O governo do presidente Lula é aprovado por 60% da população de São Gonçalo do Amarante. Outros 35,6% dos entrevistados desaprovam e 4,4% não responderam. Reprovação de Eraldo Paiva em São Gonçalo do Amarante - Pesquisa AgoraSei-Anna Ruth Dantas 22-04-2024

Dados da pesquisa

A pesquisa foi realizada nos dias 13 e 14 de abril deste ano. Ao todo 500 eleitores, de 16 anos de idade e acima, nas zonas urbana e rural do Município de São Gonçalo do Amarante, foram ouvidos.

O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 4.4 pontos percentuais, para mais ou para menos sobre os resultados totais da amostra. A pesquisa foi registrada no TSE com a identificação RN-02168/2024.

Leia tambémEx-prefeito tem larga maioria e atual prefeito é o mais rejeitado

Compartilhe:
Categoria(s): Política
  • Art&C - PMM - 12 de Abril de 2024 - Arte Nova - Autismo
segunda-feira - 22/04/2024 - 15:46h
São Gonçalo do Amarante

Ex-prefeito tem larga maioria e atual prefeito é o mais rejeitado

Estimulada para prefeito - segundo cenário - Anna Ruth Dantas-AgoraSei 22-04-2024O ex-prefeito de São Gonçalo do Amarante, Jaime Calado (PSD), está em marcha batida para retornar à municipalidade, se mantiver estabilidade de intenções de voto, pesquisa a pesquisa. A mais nova mostra que ele tem maioria de 27 pontos percentuais sobre o atual prefeito Eraldo Paiva (PT) e noutro cenário essa vantagem é de 28,4 pontos percentuais.

A pesquisa foi apresentada pelo Instituto AgoraSei na página virtual da jornalista Anna Ruth Dantas.

No primeiro cenário, com Geraldo Veríssimo, Jaime Calado aparece com 48,4% e o atual gestor Eraldo Paiva com 21,4%. Em seguida, Geraldo Veríssimo com 4,2%. Brancos, nulos e nenhum somaram 7%. Não responderam 19%.

No segundo cenário, sem o nome de Geraldo Veríssimo, Jaime Calado aparece com 51,6% e Eraldo Paiva com 23,2%. Brancos, nulos e nenhum somaram 7%. Não responderam 18,2%.

RejeiçãoRejeição de ERaldo Paiva - Pesquisa AgoraSei - Anna Ruth Dantas - 22-04-2024

No quesito Rejeição, a situação do prefeito Eraldo Paiva segue ruim. Ele está em primeiro lugar com 37,4%, contra 29,8% de Geraldo Veríssimo e 18% de Jaime Calado. Sem Reijeição/Votaria em todos com 21,4% e Sem Opinião/Não Respondeu somou 15%.

Dados da pesquisa

A pesquisa foi realizada nos dias 13 e 14 de abril deste ano. Ao todo 500 eleitores, de 16 anos de idade e acima, nas zonas urbana e rural do Município de São Gonçalo do Amarante, foram ouvidos.

O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 4.4 pontos percentuais, para mais ou para menos sobre os resultados totais da amostra. A pesquisa foi registrada no TSE com a identificação RN-02168/2024.

Compartilhe:
Categoria(s): Política
segunda-feira - 22/04/2024 - 14:30h
MCJ

Cidade Junina 2024 será lançado em Natal nessa terça-feira

Convite-MCJ-2024O lançamento do “Mossoró Cidade Junina (MCJ)” 2024, em Natal, acontecerá nessa terça-feira (23 de abril).

Será às 8h30, no Sesc Rio Branco.

A gestão municipal apresentará programação e vai tirar dúvidas sobre o evento.

O lançamento é especialmente voltado para a imprensa, abrindo canal para maior divulgação e fortalecimento da marca MCJ como atração ao turismo no município.

Leia também: Veja a programação do MCJ 2024 com atrações nacionais e até internacional

Compartilhe:
Categoria(s): Administração Pública / Gerais
  • San Valle Rodape GIF
segunda-feira - 22/04/2024 - 08:42h
Copacabana, RJ

Bolsonaro defende anistia para presos de 8 de janeiro

Concentração aconteceu nesse domingo (Foto: Reprodução CNN)

Concentração aconteceu nesse domingo (Foto: Reprodução CNN)

Do Canal Meio e outras fontes

Elon Musk e Alexandre de Moraes. Esses foram os dois nomes mais citados na manifestação em favor do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), organizada pelo pastor Silas Malafaia, na praia de Copacabana, no Rio, nesse domingo (21). Em seu discurso, Bolsonaro exaltou Musk, dono do X, que definiu como “um homem que teve a coragem de mostrar para onde a nossa democracia estava indo” e a quem pediu uma salva de palmas.

O ex-presidente não mencionou Moraes diretamente. Repetindo o que falou na Av. Paulista há dois meses, negou responsabilidade pela minuta para um golpe de Estado e defendeu anistia a quem participou dos atos de 8 de janeiro.

“Anistia é algo que sempre existiu na história do Brasil”, disse ele. “Não queiram condenar um número absurdo de pessoas porque alguns erraram invadindo e depredando patrimônio como se fossem terroristas ou golpistas”, afirmou depois.

Os ataques ao ministro do Supremo Tribunal Federal ficaram por conta de Malafaia. “Alexandre de Moraes é uma ameaça à democracia”, afirmou o pastor, que chamou o inquérito das fake news de “aberração jurídica”.

Malafaia ainda criticou Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Senado, chamando-o de “frouxo, covarde, omisso” por não abrir um processo de impeachment contra Moraes. Além disso, defendeu que os chefes de Exército, Marinha e Aeronáutica deveriam renunciar a seus cargos até que o Senado fizesse “uma investigação profunda” sobre a tentativa de golpe.

Compartilhe:
Categoria(s): Política
segunda-feira - 22/04/2024 - 07:48h
Uern

Concurso registra 35,9% de ausentes e poucos incidentes

Certame tinha quase 19 mil inscritos (Foto: Uern)

Certame tinha quase 19 mil inscritos (Foto: Uern)

Após oito anos, a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) realizou um novo concurso público para provimento de 106 vagas imediatas para docentes e técnicos. As provas objetivas e discursivas foram aplicadas neste domingo (21), em 21 locais em Mossoró.

Estavam inscritos ao certame quase 19 mil pessoas, mas número de candidatos ausentes foi de 35,9%, percentual considerado dentro dos padrões pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional, Cultural e Assistencial Nacional (IDECAN), instituição responsável pelas provas. Conforme o Idecan, os gabaritos oficiais devem ser publicados nesta segunda-feira, 22 de abril, na página www.idecan.org.br.

A aplicação dessa etapa do concurso transcorreu nos dois turnos. Pela manhã fizeram provas os candidatos a vagas de técnicos de nível superior; já no período da tarde foram aplicadas as provas para cargos de técnico de nível médio, docentes, instrutores musicais, instrutores de Libras, tradutores de libras e advogados.

Tentativa de fraude

Ocorreram situações pontuais durante a aplicação das provas no período da tarde. Uma candidata foi flagrada tentando passar as questões por aplicativo de mensagens. Os fiscais perceberam um comportamento atípico e agiram antes que ela conseguisse enviar qualquer informação. De acordo com informações do Idecan, a candidata confessou ter colaborado com uma quadrilha que pretendia fraudar o concurso. Além de ser desclassificada, ela foi encaminhada por policiais militares à delegacia de plantão.

Segundo a banca organizadora do concurso, outros quatro candidatos foram desclassificados por burlar as regras do concurso – três tentando manter os celulares ligados e um tentando sair do local com o caderno de provas escondido.

Para os cargos de técnico de Audiovisual e Técnico Programador visual, ocorreu um incidente de troca de provas. O caso foi resolvido pelo Idecan, com acompanhamento da Comissão do Concurso, e os candidatos tiveram um tempo extra.

Compartilhe:
Categoria(s): Administração Pública / Gerais
  • Art&C - Ecomax - Bosque das Carnaúbas - 10 a 24 de Abril de 2024
segunda-feira - 22/04/2024 - 06:44h
RN

Governo promove mais 236 membros da Segurança Pública

Governadora assinou promoções na sexta-feira (Foto: Raiana Miranda)

Governadora assinou promoções na sexta-feira (Foto: Raiana Miranda)

A governadora Fátima Bezerra (PT) garantiu nessa sexta-feira (19), a promoção de um total de 236 profissionais da segurança pública do estado, entre oficiais e praças da Polícia Militar do Rio Grande do Norte e do Corpo de Bombeiros Militar. A promoção saiu no Diário Oficial do Estado de sábado (20).

Sob sua gestão já foram realizadas 14.924 promoções entre oficiais e praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar.

“Hoje são 195 praças e 10 oficiais, totalizando 13.793 promoções na Polícia Militar durante a primeira e segunda gestão do Governo Fátima, demonstrando total valorização para os profissionais de segurança pública da polícia militar”, afirma o Coronel Alarico Azevedo, comandante da Polícia Militar do Rio Grande do Norte.

Por parte dos bombeiros militares, foram promovidos 25 praças e seis oficiais, totalizando  1.131 ao todo, “mais do que o efetivo previsto em lei”, ressalta o comandante do Corpo de Bombeiros Militar do RN, coronel Luiz Monteiro.

A promoção inclui terceiros sargentos, segundos e primeiros subtenentes, além de coronéis, tenentes-coronéis e majores da Polícia Militar; e também subtenentes, primeiros, segundos e terceiros sargentos, mais os oficiais do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte.

Compartilhe:
Categoria(s): Segurança Pública/Polícia
domingo - 21/04/2024 - 23:56h

Pensando bem…

“Não sejas doce demais, para não seres devorado. Nem sejas amargo demais, para não seres cuspido fora.”

Provérbio judaico

Compartilhe:
Categoria(s): Pensando bem...
  • Art&C - PMM - 12 de Abril de 2024 - Arte Nova - Autismo
domingo - 21/04/2024 - 13:00h
Homenagem

Adeus à “Tia Ciça” Nogueira

O editor desta página e Cícera Nogueira, dia 28 de fevereiro de 2014 (Foto: Arquivo)

O editor desta página e Cícera Nogueira, dia 28 de fevereiro de 2014 (Foto: Arquivo)

Minha querida “Tia Ciça“,

Não tens ideia do abatimento que sofri com essa informação passada logo cedo por seus familiares. Sabes como gostava de ti, como sou grato por sua generosidade.

Posterguei visitá-la nas últimas semanas e não cheguei. Até planejei levar um presente, para atenuar os batidos que levaria, pela ausência.

Esse coração largo vai fazer falta a muita gente.

Inclua-me nessa lista sem-fim.

Descanse em paz.

*Homenagem singela à ex-vereadora Cícera Nogueira, 87, falecida neste domingo (21), em Mossoró – Veja AQUI. “Tia Ciça” foi alguém que sempre se doou e ofertou até o básico, de sua casa e família, para socorrer quem tinha menos ainda, do que ela.

*Velório acontece agora na Câmara Municipal de Mossoró e sepultamento será às 16h deste domingo, no Cemitério São Sebastião, Centro da cidade.

📸Foto em 28 de Fevereiro de 2014, há mais de dez anos, em evento de inauguração e funcionamento de verdade da UPA do Belo Horizonte – Mossoró.

Compartilhe:
Categoria(s): Crônica / Política
domingo - 21/04/2024 - 12:00h

Limítrofe

Por Bruno Ernesto

Foto do próprio autor da crônica

Foto do próprio autor da crônica

Até que ponto a degradação humana lhe afeta?

Lembro de um filme alemão chamado Das experiment (A experiência), lançado em 2002 e dirigido por Oliver Hirschbiegel, o qual reproduz um experimento realizado no ano de 1971 na universidade de Stanford.

Nele, vinte voluntários são divididos em dois grupos, sendo oito deles carcereiros e demais prisioneiros.

O experimento consistia em observar o comportamento dos dois grupos simulando uma prisão.

Uma semana após o início, o nível de violência e degradação humana foi tão surpreendente, com uma total falta de controle dos voluntários que faziam o papel de carcereiros, que esses passaram a praticar todos os tipos de violência contra os voluntários no papel de prisioneiros, o que forçou sua interrupção.

Quando falamos de degradação humana pela violência física, estranhamente, ela desperta mais interesse e é incrivelmente mais atraente para as pessoas; embora muitos não admitam.

Entretanto, há uma degradação humana, muitas vezes silenciosa, porém tão cruel e, por vezes, igualmente mortal.

Vez ou outra vemos nos noticiários matérias acerca da situação econômica no Brasil e mundo a afora. Invariavelmente, não muito animadoras. Mas a vida segue.

Há dois autores que escreveram sobre privações e dificuldades em dois sistemas político-econômicos distintos e que, ainda hoje, geram grandes discussões: capitalismo e socialismo.

A diferença básica entre suas obras, é que uma, tal qual o filme, foi um experimento; e outra, foi pura realidade.

Conhecido pelo seu famoso livro 1984, o ingglês, George Orwell, uma obra tanto distópica quanto satírica, iniciou sua vida literária com o livro “Na pior em Paris e Londres”, escrito na década de 1920, quando largou tudo para iniciar sua vida literária, entretanto, só publicado em 1933.

A obra foi idealizada por Orwell para relatar a situação limite de pessoas com dificuldades financeiras. Uma população invisível.

Conta a vida das mais variadas pessoas. Desde sapateiros, pedreiros, cozinheiros, trabalhadores braçais, desempregados, até estudantes universitários, demonstrando que a ruína financeira, a miséria e o desamparo material, deterioram rapidamente qualquer perspectiva, quando se está extremamente necessitado, alterando e, repetidamente, interrompendo planos, ainda que seja por um prato de comida ou um lugar para passar a noite, registrando vividamente o desespero e luta diária de uma pessoa no intuito único de conseguir o básico naquela situação crítica de sobrevivência naquelas duas cidades que representam, ainda hoje, o capitalismo: Paris e Londres.

Para tanto, como uma forma de melhor imergir naquele mundo, passou, literalmente, a viver naquelas mesmas condições e, assim, poder relatar fielmente como era aquela situação de vida.

Orwell, brilhantemente registrou que a primeira experiência com a pobreza vem carregada com o temor de que ela estava prestes a acontecer.

Dizia ele que muito embora as pessoas relutassem, mais cedo ou mais tarde, ela – a pobreza – se materializaria, e tudo se dava de forma prosaicamente diferente, porém, de forma completa, extremamente diferente e extraordinariamente complicada.

E a primeira coisa que se conhecia era a baixeza peculiar da pobreza e as mudanças que ela impõe; o desnudamento de si mesmo, e a invisibilidade.

De uma hora para a outra, tudo se esvai entre os dedos e diante dos olhos.

O outro autor é russo Serguei Dovlátov, autor do livro “A mala”.

Em “A mala”, ele traz à tona sua história de como emigrou da antiga União Soviética para os Estados Unidos da América no final da década de 1970, relatando as dificuldades de sobreviver em sua terra natal no auge da Guerra Fria.

Ilustradamente, no início de sua obra, ele resume, sarcasticamente, que o regime socialista solucionava tudo, até a oferta e a procura de meias de crepe, como foi ocaso do fiasco de sua negociação na compra de uma grande carga de meias de crepe finlandesas verdes, e que no outro dia houve uma inundação de meias de crepe russas custando um décimo do valor que pretendia vendê-las.

Além disso, descreveu, de forma sutil, entretanto, bastante direta e crua, que a situação econômica estava tão deteriorada, que mesmo tendo ficado revoltado ao saber que, pelas regras da União Soviética, quem emigrava só poderia levar consigo três malas, descobriu que tudo que possuía naquele tempo, mal ocupava uma mala.

Assim, apesar de situações distintas, o aviso é o mesmo: tudo é limítrofe.

Bruno Ernesto é professor, advogado e escritor

Compartilhe:
Categoria(s): Crônica
  • Art&C 25 anos - Institucional - 19-12-2023
domingo - 21/04/2024 - 11:28h

Cambridge e sua universidade

Por Marcelo Alves

Foto Web

Foto Web

Assim como Oxford (sobre a qual escrevi dia desses), Cambridge está a cerca de uma hora de trem de Londres. Não é uma cidade grande. Pouco menos de 150 mil habitantes, acredito. Dominada pelo rio Cam, ela está também entre os mais visitados destinos turísticos do Reino Unido. E aqui vai uma dica para quem quer flanar por lá: o passeio deve começar pela King’s Parade, rua/praça defronte ao King’s College, que, pela sua localização, marca a vida de cidade.

Cambridge tem aquele apelo todo especial para os que gostam do chamado “turismo cultural”. Isso está relacionado à sua universidade. Antiquíssima, ela foi fundada em 1209, a partir de uma dissidência de estudiosos de Oxford. Arenga boa! Cambridge está hoje entre as melhores universidades do mundo. Um dos primeiríssimos lugares em qualquer ranking.

Ela conta com cerca de 20 mil alunos. A maioria é de graduação, sure. Mas há um alto percentual de pós-graduandos, em torno de 30/40 por cento do total, com o consequente impacto positivo no orçamento, nas pesquisas, nas publicações etc. Ela é o sonho – e para a grande maioria não passará de um sonho – de muitos estudantes nacionais e estrangeiros.

Tal qual a congênere de Oxford, a organização/governança da Universidade de Cambridge é sui generis. Na governança central, possui departamentos, faculdades ou “schools”, grandes museus (como o maravilhoso Fitzwilliam Museum, dedicado à arte em geral e a antiguidades), laboratórios (entre eles o Laboratório Cavendish, que já “laureou” uns 30 prêmios Nobel), a gigantesca University Library e a Cambridge University Press. Mas há a peculiar estruturação dual com o sistema de instituições independentes e autogovernadas, chamadas “colleges”, aos quais estão vinculados todos os docentes e os estudantes e que servem como um misto de residência e centro de estudos. Cambridge possui hoje 31 colleges.

Alguns, como o citado King’s, o Trinity e o St. Jonh’s, para dar alguns exemplos, são prestigiadíssimos. O dinheiro investido em Cambridge – basicamente dinheiro público em uma instituição administrada “privativamente” – gera um conhecimento inestimável. Nas artes, na filosofia, na política, no direito, nas ciências e por aí vai. Isso é o que eu tenho como uma bela “parceria público-privada”.

Cambridge também comemora haver “educado” personalidades de grande destaque nos mais diversos métiers. Na política, Cambridge deu o primeiro e o mais jovem dos primeiros-ministros do Reino Unido, Robert Walpole e William Pitt “The Younger”, respectivamente. Nas letras, Cambridge celebra Christopher Marlowe, John Milton, Samuel Pepys, Lawrence Sterne, W. M. Thackeray, Kingsley Amis, John Dryden, William Wordsworth, Samuel Taylor Coleridge, Lord Byron e Lord Alfred Tennyson, entre outros. Na filosofia, ela vem com Erasmus de Rotterdam, Francis Bacon, Bertrand Russell e Ludwig Wittgenstein. Na economia, com gente do top de Thomas Malthus e John Maynard Keynes.

Mas parece ser nas “ciências” que Cambridge escreveu, ao longo dos séculos, a sua mais bela página. Para se ter uma ideia, Isaac Newton e Charles Darwin, dois dos mais importantes nomes da história da humanidade, passaram por Cambridge. Isso sem falar em James Clerk Maxwell, que, juntamente a Newton e Einstein, é considerado um dos maiores físicos de todos os tempos. Ou em Charles Babbage e Alan Turing, pais da ciência da computação que hoje conhecemos. Aliás, pais e pioneiros não faltam em Cambridge.

Foi em Cambridge, em 1932, seguindo os passos de pioneiros como J. J. Thomson e Ernest Rutherford, que Ernest Walton e John Cockcroft realizaram, pela primeira vez na história, a cisão do átomo de maneira controlada. Assim como foi em Cambridge que, em 1953, Francis Crick e James Watson descobriram a estrutura do DNA, o que lhes deu, acompanhado de Maurice Wilkins (do Kings College London – KCL, onde fiz o meu PhD), o Prêmio Nobel de Medicina de 1962. E eles são apenas dois dos oitenta e tantos prêmios Nobel de Cambridge, número que nenhuma outra universidade conseguiu bater.

Bom, viva a ciência e todas as artes de Cambridge!

Marcelo Alves Dias de Souza é procurador Regional da República, doutor em Direito (PhD in Law) pelo King’s College London (KCL) e membro da Academia Norte-rio-grandense de Letras (ANRL)

Compartilhe:
Categoria(s): Crônica
domingo - 21/04/2024 - 10:48h

Direito à liberdade de expressão

Por Odemirton FilhoLiberdade de Expressão

Ultimamente, o debate sobre o direito à liberdade de expressão tem ganhado relevância no meio político e jurídico. Há uma gama de ardorosos defensores de parte a parte. Discussões acaloradas, por vezes, agressivas, têm sido a tônica dos últimos tempos; todos são os donos da razão.

De um lado, os defensores da liberdade de expressão alegam que não se pode cercear o direito de dizer o que se pensa, com fundamento no que prescreve a Constituição Federal:

“É livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato; é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”. (Art. 5º).

E mais:

“A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição; é vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística”. (Art. 220).

Diz o professor de direito Constitucional, Dirley da Cunha Júnior: “a liberdade de opinião, portanto, constitui-se em direito fundamental do cidadão, envolvendo o pensamento, a exposição de fatos atuais ou históricos e a crítica”.

Por outro lado, há quem afirme que nenhum direito é absoluto. Existem limites que devem ser respeitados. O direito à liberdade de expressão não alberga o direito à liberdade de agressão. Não se pode, dizem, usar o direito de se expressar para a prática de crimes, como, por exemplo, a injúria, a calúnia e a difamação.

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, acusado por alguns de estar instaurando uma ditadura do Poder Judiciário, diz que a liberdade de expressão não é liberdade de agressão, não é liberdade de ofensa, de ameaça. “Esse discurso de que (com a regulação das redes) o que se quer limitar é liberdade de expressão, é um uma narrativa construída pela extrema direita no mundo todo. Porque é um discurso fácil”.

Percebe-se que há argumentos razoáveis de ambos os lados. A nossa Constituição Republicana garante à liberdade de dizer o que pensamos, pois “é vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística”.

E se alguém nos ofender? Nesse caso, é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem, sem prejuízo das ações penais quando praticados crimes contra a honra, garantindo-se o contraditório e a ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes.

Ressalte-se que não é liberdade de expressão, e sim crime previsto no Art. 286 do Código Penal, quem incitar, publicamente, a prática de crime, bem como, quem incita, publicamente, animosidade entre as Forças Armadas, ou delas contra os poderes constitucionais, as instituições civis ou a sociedade.

Acrescente-se que o debate sobre o limite da liberdade de expressão não é hoje. O filósofo britânico John Stuart Mill, em livro publicado no ano de 1859, Sobre a liberdade, já dizia:

“O mal particular em silenciar a expressão de uma opinião é que constitui um roubo à humanidade; à posteridade, bem como à geração atual; àqueles que discordam da opinião, mais ainda do que àqueles que a sustentam. Se a opinião for correta, ficarão privados da oportunidade de trocar erro por verdade; se estiver errada, perdem uma impressão mais clara e viva da verdade, produzida pela sua confrontação com o erro – o que constitui um benefício quase igualmente grande”.

E continua:

“Nunca podemos ter a certeza de que a opinião que procuramos amordaçar seja falsa; e, mesmo que tivéssemos, amordaçá-la seria, ainda assim, um mal.

Assim, diante de tudo o que foi exposto, é possível afirmar que, atualmente, há cerceamento do direito à liberdade de expressão no Brasil?

Tirem as suas conclusões, se possível, sem as amarras do radicalismo político-ideológico que viceja no país e no mundo.

Odemirton Filho é colaborador do Blog Carlos Santos

Compartilhe:
Categoria(s): Artigo
  • Art&C - PMM - 12 de Abril de 2024 - Arte Nova - Autismo
domingo - 21/04/2024 - 10:04h

“Dr. Jivago” em três momentos de minha vida

Por Inácio Rodrigues 

Cartaz - Reprodução

Cartaz – Reprodução

Assistir “Dr. Jivago” em três momentos distintos da minha vida foi como ver três filmes diferentes, cada um revelando camadas divergentes, não só da obra, mas também das minhas próprias convicções e experiências pessoais. A primeira vez, aos dez anos, eu vi Yuri Jivago como um herói burguês; aos dezoito, sob a influência da ideologia socialista, julguei-o por outros prismas; e, finalmente, na maturidade, o percebi como um homem dividido entre dois amores, refletindo sobre as complexidades humanas, tendo como pano de fundo a Revolução Russa.

Aos dez anos, minha percepção de “Dr. Jivago” foi pintada com as cores da simplicidade infantil. Yuri Jivago, com sua postura nobre, seu talento para a poesia e medicina, emergiu para mim como um herói quase mítico. O luxo sutil de sua vida antes da revolução, contrastando com a decadência ao seu redor, não me parecia uma questão de privilégio, mas de merecimento, diante do que ele representava.

Via nele a personificação do sucesso individual, um farol de civilidade e cultura em meio ao caos que dominava aquele microcosmo. A Revolução Russa, por sua vez, era o pano de fundo dramático, uma tempestade que desafiava o protagonista a manter sua integridade, sua altivez e posição, frente a uma sociedade profundamente dividida.

Aos dezoito anos, minha visão do mundo estava saturada de ideais socialistas. Reassistindo “Dr. Jivago”, minha empatia pelo personagem principal se transformou em crítica feroz. Enxerguei Jivago não mais como herói, mas como um símbolo da burguesia, cujos dilemas pessoais pareciam triviais frente às lutas coletivas daqueles que a revolução pretendia emancipar e empoderar como seres sociais.

A poesia e o amor, outrora elementos de beleza universal, agora me pareciam indulgências de quem tinha o privilégio de ignorar a luta de classes. A Revolução Russa, em minha interpretação juvenil e até inocente, era o despertar necessário, e Jivago, com sua hesitação e falta de compromisso político, uma figura obsoleta.  Enquanto um sofrimento inominável se desenrolava, ele estava envolto em temas menores, sentimentalismos indefinidos e fúteis.

Na maturidade, minha compreensão de “Dr. Jivago” e de seu protagonista se aprofundou significativamente. Percebi Yuri Jivago não como herói ou vilão, mas como um homem profundamente humano, cuja verdadeira batalha era interna.

Os dilemas amorosos, antes vistos como fraquezas e futilidades, revelaram-se reflexos das contradições que todos enfrentamos. A divisão de seu coração entre Tonya e Lara simbolizava a eterna luta entre o dever e desejo, entre o conforto do conhecido e a paixão pelo desconhecido.

Nesta fase, a Revolução Russa ganhou novas camadas de significados pessoais para mim. Entendi que, além de ser um evento político e social, ela representava as mudanças inevitáveis que todos nós enfrentamos, as revoluções internas que desafiam nossas crenças e valores. Jivago, com sua relutância em abraçar a causa bolchevique, não era mais apenas um símbolo de apatia política, mas um indivíduo tentando preservar sua humanidade em um mundo que exigia escolhas impossíveis e que relegava o eu e suas complexidades ao nada.

REFLETINDO DE MANEIRA BREVE e rasa sobre essas três visões de “Dr. Jivago”, percebi que cada uma delas captura verdades essenciais, não só sobre o filme, mas sobre a natureza humana e a sociedade de cada tempo. Na infância, vi a importância do indivíduo; na juventude, a força do coletivo; e na maturidade, a complexidade das importantes escolhas pessoais em contextos históricos amplos.

Talvez a questão não seja qual análise é a mais correta, mas como cada uma reflete um estágio de compreensão e empatia sobre o filme e o personagem que lhe dá o nome. “Dr. Jivago” é uma obra rica e multifacetada, que oferece diferentes significados a diferentes espectadores, em diferentes momentos de suas vidas. O verdadeiro poder do filme, e de qualquer grande obra de arte, reside em sua capacidade de nos fazer refletir, questionar e, por fim, obter algum nível de crescimento pessoal.

A maturidade, e também problemas de saúde, me ensinaram que a vida, assim como a história, raramente oferecem respostas simples. Yuri Jivago, com suas fraquezas e contradições, é um lembrete de que, em meio às grandes narrativas da história, existem histórias pessoais de amor, perda e buscas por significados próprios da condição humana. E talvez seja na apreciação dessas histórias “menores” que encontramos nossa maior humanidade.

Veja e reveja o filme, na fantástica interpretação de Omar Sharif, Julie Christie, Geraldine Chaplin e Alec Guinness. Imperdível em qualquer época da vida.

Inácio Rodrigues é bacharel em direito e delegado da Polícia Civil do RN

*Baseado no romance de Boris Pasternak, Dr. Jivago é um médico e poeta que inicialmente apoia a revolução Russa, mas, aos poucos, se desilude com o socialismo e se divide entre dois amores: a esposa Tania e a bela plebeia Lara. Lançado em 1965, a fita teve direção de David Lean e trilha sonora de Maurice Jarre. Ganhou cinco Oscars, nas categorias de Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Direção de Arte – A Cores, Melhor Fotografia – A Cores, Melhor Figurino – A Cores e Melhor Trilha Sonora.

Compartilhe:
Categoria(s): Crônica
domingo - 21/04/2024 - 09:22h
Luto

Perdemos a ex-vereadora Cícera Nogueira, mulher de coração largo

Cícera Nogueira faleceu de insuficiência respiratória Foto: Arquivo)

Cícera Nogueira faleceu de insuficiência respiratória Foto: Arquivo)

Faleceu no Hospital da Hapvida Mossoró à madrugada deste domingo (21), sob diagnóstico de “insuficiência respiratória”, a ex-vereadora em duas legislatura Cícera Nogueira de Carvalho. Faria 88 anos no próximo dia 29.

Seu velório acontecerá até às 14h no templo da Assembleia de Deus no bairro Santo Antônio, cruzamento da Prudente de Morais com Jeremias da Rocha, em frente ao Posto Olinda. Após esse horário, seguirá para a Câmara dos Vereadores e ficará até às 16h.

Depois, haverá cortejo para sepultamento no fim da tarde no Cemitério São Sebastião, Centro.

A ex-vereadora deixa quatro filhos: Júlia, Júnior, José Nilson e Jean e uma infindável legião de amigos e admiradores.

Era tia do atual vereador Ricardo de Dodoca (UB).

Pesar oficial

A Prefeitura Municipal de Mossoró emitiu Nota de Pesar pelo falecimento de Tia Ciça. Veja abaixo:

É com profundo pesar que a Prefeitura Municipal de Mossoró, em nome de todos os servidores municipais, se solidariza com os familiares e amigos da ex-vereadora Cícera Nogueira de Carvalho, 88 anos, pelo seu falecimento, ocorrido neste domingo (21).

Tia Cíça, como era carinhosamente conhecida, exerceu o cargo de Vereadora por dois momentos e construiu uma história admirável com seu carisma. Deixa como legado uma belíssima trajetória notada pelo respeito ao próximo, amor e dedicação à família e amigos e relevantes serviços prestados ao nosso município.

Nota do BCS – Minha querida, não tens ideia do abatimento que sofri com essa informação passada logo cedo por seus familiares. Sabes como gostava de ti, como sou grato por sua generosidade. Posterguei visitá-la nas últimas semanas e não cheguei. Até planejei levar um presente, para atenuar os batidos que levaria, pela ausência.

Esse coração largo vai fazer falta a muita gente. Inclua-me nessa lista sem-fim.

Descanse em paz.

Compartilhe:
Categoria(s): Gerais / Política
  • San Valle Rodape GIF
domingo - 21/04/2024 - 08:50h

Aniversário em nuvens coloridas

Foto ilustrativa feita pelo próprio autor da crônica, em sua casa

Foto ilustrativa feita pelo próprio autor da crônica, em sua casa

Por Marcos Ferreira

Posso afirmar, modéstia à parte, que sou um tipo discreto, apesar da circunferência craniana. Hoje, porém, quero sair um pouco dessa característica e apontar quatro indivíduos, denunciá-los por uma benfazeja conspiração a mim destinada. Isto ainda em virtude da passagem do meu natalício, ocorrida aos 10 de abril. Aproveito o momento para agradecer a todos aqueles que, de um modo ou de outro, não deixaram essa obscura data passar em brancas nuvens, como se diz popularmente. Não deixaram, não.

O dia dos meus anos transcorreu em meio a nuvens bem coloridas, afagos e muito carinho. Gente que eu nem esperava pegou o telefone e me deu os parabéns.

Vejamos se não entrego os “acusados” logo de cara. Vamos protelando um tantinho a revelação dos conspiradores. Sim, meu intuito é fazer um pouco de suspense, bancar o mestre Conan Doyle, mas sem a pretensão (podem crer!) de me comparar ao criador do célebre detetive Sherlock Holmes. De jeito algum.

Bem, acho que não terei como ocultar os nomes dos “acusados” dessa forma, fazendo rodeios em demasia, esgotando a paciência do leitor. Temo que essa estratégia (brincadeira de esconde-esconde) faça com que um Valdemar Siqueira, um Rocha Neto, uma Vanda Jacinto, uma Zilene Medeiros ou um Fransueldo Vieira de Araújo, por exemplo, fiquem entediados com tantas delongas e se interessem por ver apenas o que hoje os talentosos cronistas Odemirton Filho e Bruno Ernesto escreveram.

Obviamente que há outros articulistas deste Blog Carlos Santos não menos interessantes. Pois é, reconheço que o circunlóquio está excessivo, longo por demais. Então cuidemos logo de encurtar a conversa e revelar os envolvidos na conspiração.

Antes, para que a palmatória do esquecimento não me castigue, quero registrar que meu aniversário teve um bolo da melhor qualidade. Foi feito por Natália, boleira de mão cheia. Felizmente não estava coberto de velas miúdas nem com uma plaquinha de número 54 indicando o antes ou o depois de Cristo.

Além do bolo, continuando com as gentilezas, informo que fui surpreendido com outros presentinhos que me deixaram muito contente. É isso. Não tenho porque negar. Senti-me querido, lisonjeado, da mesma forma como me senti com as mensagens nas redes sociais, pelo WhatsApp, nos telefonemas e também da maneira como fez meu querido amigo Elias Epaminondas, que queimou a linha de largada e já me parabenizou uns cinco dias antes no Facebook. A todos sou grato.

Agora, enfim, vamos aos benditos conspiradores: a bancária aposentada Bernadete Lino, de Caruaru; o gramático João Bezerra de Castro, de Parnamirim; e o poeta Francisco Nolasco, este último do País de Mossoró.

Os três, num trabalho de equipe apoiado por Natália, especialmente a partir do olhar sensível de Bernadete Lino, visitaram um tal de Mercado Livre e, quando eu me dei conta, eis que chegou a esta Euclides Deocleciano, 32, nada mais, nada menos que uma lindíssima escrivaninha. Ou seja, Bernadete Lino, atenta a uma crônica com a minha felina Preciosa em cima do meu espaço de escrita (uma pequena banca de plástico), propôs aos demais amigos a aquisição do referido móvel.

Claro que esse gesto me agradou não só pelo aspecto material. Sobretudo pela delicadeza de quem, embora tão longe geograficamente da realidade e do cotidiano deste homem de letras dos cafundós, falou consigo própria e decidiu que mereço algo mais do que uma mesa de plástico apertada para escrever. Por anos a fio, o que não era nenhum segredo, produzi os meus textos em tais condições.

Foi Bernadete, portanto, com o seu olhar atento e bondoso, quem orquestrou a compra desta confortável escrivaninha em que ora redijo estas palavras emotivas. Cada vez mais, ao contrário de tempos outros, vejo que estou cercado por pessoas que me têm sincera estima e benquerer. Assim como Cilene Freitas, amiga e vizinha que me brindou com uma belíssima (permitam mais este superlativo) caneca de louça na qual foi gravada uma foto deste cronista. Tudo feito de modo carinhoso, antecipado, com o nobre intuito de fazer este coração de escriba bater mais feliz.

É muito bom ser lembrado. Mas é ainda melhor não ser esquecido. É possível que o leitor considere que há redundância nessa questão de memória e esquecimento, contudo lhes asseguro que existe uma diferença semântica, algo conotativo. Deixemos isso de lado. Meu aniversário não passou em brancas nuvens, não caiu na deslembrança. Vieram as nuvens coloridas e isso me fez muito bem.

Marcos Ferreira é escritor

Compartilhe:
Categoria(s): Crônica
sábado - 20/04/2024 - 23:54h

Pensando bem…

“As oportunidades multiplicam-se à medida que são agarradas”

Sun tzu

Compartilhe:
Categoria(s): Pensando bem...
  • Art&C 25 anos - Institucional - 19-12-2023
sábado - 20/04/2024 - 08:30h
Campanha municipal

Petismo e bolsonarismo querem seus semideuses em Mossoró

Nacionalização de discurso interessa aos dois lados; um se alimenta do outro (Montagem de Brenda Silva)

Lula e Bolsonaro em Montagem de Brenda Silva, em luta de esgrima 

Mossoró poderá ter este ano, em sua campanha presidencial, a presença de dois protagonistas da política brasileira nos últimos anos. Um, ex-presidente da República. Outro, o atual presidente.

Isso mesmo.

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e o presidente Lula (PT) podem participar de campanha municipal pelas ruas de Mossoró.

Bolsonaro já tem pré-candidato definido: o ex-vereador Genivan Vale (PL).

O petismo, ainda não.

Procura alguém que se disponha a participar da disputa com a legenda ou noutra legenda a ser apoiada.

As duas correntes políticas querem seus respectivos demiurgos puxando votos.

Compartilhe:
Categoria(s): Política
sábado - 20/04/2024 - 08:18h
Futebol

Potiguar faz amistoso neste sábado de olho no Brasileirão

Alvirrubro venceu Sampaio Corrêa fora de casa no domingo (Foto: ACDP)

Alvirrubro terá competição com grupo muito competitivo (Foto: ACDP/Arquivo 2024/São Luís-MA)

O Potiguar enfrentará neste sábado (20), às 16h, a Seleção de Upanema/RN.

O jogo-treino será realizado no Estádio O Freirão, em Upanema/RN.

Time alvirrubro prepara-se para o Brasileirão da Série D, depois de participação na Pré-Copa do Nordeste e Campeonato Estadual 2024.

O Potiguar terá Série D com chave pesada e por isso tem feito série de contratações. Entre os adversários, os campeões potiguares e paraibanos, respectivamente América e Sousa. Além deles, Santa Cruz de Natal, Iguatu, Treze de Campina Grande-PB, Atlético-CE e Maracanã-CE.

Competição com oito grupos de clubes de todo o país começará dia 28 deste mês. O Potiguar está no Grupo A 3, mandando seus jogos no Estádio Edgarzão em Assú, devido interdição do Estádio Nogueirão em Mossoró, que sofreu sérios danos em fevereiro último, com vendaval que destruiu parte de sua estrutura ainda liberada para público e jogos.

Compartilhe:
Categoria(s): Esporte
Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2024. Todos os Direitos Reservados.