domingo - 22/05/2022 - 12:18h

O portal

Por Inácio Augusto de Almeida 

Céu azul sem uma nesga de nuvem a anunciar uma linda noite de estrelas brilhantes.

Tinha acabado de voltar e já fechava os olhos na tentativa de ir mais cedo para além do horizonte.

Lembrou-se da primeira vez que chegara àquele local… subir, escada, tênis, progresso,

De longe avistou uma grande igreja encimada com duas torres. A estrada de chão batido cercada de mato nos dois lados e o aviso da luz de combustível alertando ser preciso abastecer. Só então percebeu que o carro era diferente do seu e não sabia para onde estava indo.

Bem em frente da enorme igreja pessoas conversavam e crianças brincavam.

No ar um cheiro de felicidade.

Surpreso e alegre ficou quando pessoas a quem nunca antes tinha visto apertavam sua mão. Esqueceu até ali estar para colocar gasolina no carro.

Caminhando chegou a um casarão e certo ficou de que ali já estivera quando reconheceu a grande e bonita rede branca.

Subiu e do andar superior avistou um grande vale, onde cordeiros branquinhos se misturavam com a relva verdinha formando um lindo quadro. Ao fundo um lago.

Seus pensamentos viajavam e mergulhou em devaneios mil.

Tudo lhe pareceu tão diferente do descrito por Dante Alighieri…

Uma mão pousou no seu ombro e reconheceu a inconfundível voz do Lopes.

Lembra-se de ter ficado frente a frente com o Lopes, mas não ter visto o rosto do amigo. Apenas sentia sua presença.

Por estar gostando tanto do lugar acabou esquecendo da gasolina.

E muitos outros amigos viu, mas não se lembra de nenhum rosto.

Apenas sentia a presença de todos e entendeu porque enxergamos mais com o coração.

Sabia ter Lopes há muito feito a travessia e por lá ficado. Mas isto só percebia quando estava cá.

Pensou porque todos não iam logo para lá e ouviu de um amigo que só depois de cumprido o ciclo vital. Tolice querer antecipar a passagem.

Entendeu existir um mundo sem ambições, mundo de virtudes. Mundo só alcançável através do aperfeiçoamento nesta preparação para a travessia definitiva.

Olhou para o céu azul e riu.

Sabia não ter apenas sonhado. Sabia, mas precisava ter certeza absoluta. Certeza não se tratar de um simples sonho.

Deitou e relaxou. Aos poucos a igreja com suas duas torres, a grande praça e o casarão. Tinha conseguido o domínio da passagem. Era como se estivesse de posse da chave do portal.

Entendeu ser agora possível ir e vir quantas vezes quisesse.

Procurou pelo Lopes, mas não o encontrou. Começou a perguntar pelo velho amigo e ninguém sequer ouviu suas perguntas. Começou a entender que ali eles é que falavam quando queriam.

Sentiu-se um telefone que só podia atender, mas nunca chamar.

Notou a presença de Lopes e alegrou-se por não mais se sentir só na multidão. E Lopes foi direto ao assunto.

Explicou-lhe que a passagem definitiva só acontece no momento certo e que os apressados erravam o caminho e ali não chegavam. E lhe aconselhou, agora que tinha a certeza da existência de local tão maravilhoso, a dedicar o tempo que ainda faltava para a passagem definitiva a se melhorar mais e mais, porque, lá como cá, existiam várias escalas.

Antes que conseguisse dizer alguma coisa, Lopes continuou e perguntou se tinha percebido a presença de Teresa de Calcutá ou de Dulce. De Lampião ou de algum corrupto.

Imediatamente voltou e, deitado na cama, riu.

Riu e chorou.

Riu de felicidade por ter visto o outro lado.

E chorou por ter desperdiçado tantas oportunidades de se melhorar.

Olhou, não para o céu azulado e sem nuvens, mas para o teto do quarto onde um marimbondo buscava encontrar a janela para se livrar das limitações.

Inácio Augusto de Almeida é escritor e Jornalista

Categoria(s): Crônica
domingo - 22/05/2022 - 10:50h

Livros e cidades

Por Marcelo Alves

Seja viajando profissionalmente, seja como turista ocasional, uma coisa que faço há tempos (aliás, fazia, quando viajava deveras) é relacionar o país ou a cidade para a qual estou indo com uma obra literária, de ficção ou não, e lê-la ou relê-la, antes ou mesmo durante a minha viagem.

Foto de New York (Reprodução)

Foto de New York (Reprodução)

Para mim, alguns livros tornaram-se a história, a cara e a alma de certas cidades. As leituras fazem o viajante, posso dizer neste caso. “Amor a Roma” (1982) de Afonso Arinos de Melo Franco, “Paris é uma festa” (“A Moveable Feast”, 1964) de Ernest Hemingway e “Os anos 20” (“The Twenties”, 1975) de Edmund Wilson, respectivamente sobre Roma, Paris e Nova York, estão nesse grupo. Vou mais longe: eles criaram no meu espírito uma imagem quase sensorial dessas grandes metrópoles. É gostoso. Recomendo muitíssimo.

Sempre fiz isso de forma amadora. Aleatória. Com a obra de referência (ou de preferência) que estivesse ao meu alcance. E, lembremos, a literatura é infinita. Mas agora achei algo “profissional”. Uma ferramenta digital chamada “Books Around America”, da Crossword-Solver.com, que, em relação aos EUA, a partir do código postal ou da cidade pesquisada, permite descobrir livros cujas tramas se passam ao derredor de onde se vive (se você vive nos EUA, por óbvio) ou para onde se viaja (se estamos falando de turistas literários).

Já andei xeretando o “Books Around America”. E achei livros sobre algumas das minhas cidades de sonho e consumo nos EUA. Acerca da histórica Boston, encontrei “The Scarlet Letter” (1850), de Nathaniel Hawthorne, sobre os quais, livro e autor, eu até já escrevi. Da universitária Princeton (NJ), achei “The Rule of Four” (2004), de Ian Caldwell e Dustin Thomason, indicadíssimo para quem se vê resolvendo mistérios no ambiente de uma gigante instituição de ensino.

De Los Angeles, topei com “The Big Sleep” (1939), de Raymond Chandler (1888-1959), o meu escritor noir preferido (e que me desculpe o grande Dashiell Hammett). “Interview with the Vampire” (1976), de Anne Rice, mostra as ruas de uma Nova Orleans que devaneio não tão diferentes da atual cidade de festas e crenças.

E, claro, tem a gigante Nova York, cidade, mas também o Estado, com tantos títulos, entre eles “The Great Gatsby” (1925), de F. Scott Fitzgerald, para mim a quintessência da riqueza e da Era do Jazz americanas. Mas isso são apenas as minhas preferências. Há muito mais. Afinal, se a citada NY é colossal, a literatura, como já dito, é infinita.

Para ilustrar ainda mais, vou fazer uso de uma estória/história passada em uma belíssima cidade do sul dos EUA: Savannah, no estado da Georgia. O livro é “Midnight in the Garden of Good and Evil” (1994), de John Berendt. É um “romance não ficcional”, pois baseado em fatos reais. Basicamente, narra a história de um colecionador/negociante de arte, acusado e julgado pelo homicídio de um garoto de programas, tido por seu amante.

Um “romance jurídico”, portanto.

Mas o livro é também, explicitamente, um retrato da linda Savannah e do profundo sul dos EUA. Foi e é best-seller do New York Times ou de tantas outras listas do gênero.

O livro foi transposto para o cinema em 1997. O roteiro é mais ou menos fiel ao livro e à história original (de boca em boca, cada um acrescenta o seu fuxico). Mesmo título, com direção de Clint Eastwood e estrelado por craques como Kevin Spacey, John Cusack e Jude Law. E gente da própria cidade, famosos ou não, figuram no filme.

De toda sorte, aqui, a cidade ganha dimensões superlativas. O filme foi rodado quase inteiramente na Savannah de alamedas e mansões, incluindo a Mercer House, registros de um passado, glorioso e trágico, ainda não inteiramente findo.

Curiosamente, ainda hoje me recordo do dia em que comprei o DVD do filme, em Cambridge (UK), porque estava numa promoção dos diabos. E recordo-me da vontade de conhecer o sudeste dos EUA, Savannah, Charleston, Richmond e por aí vai. Tive a oportunidade e confirmei suas belezas. Aliás, não só eu. Dizem que, após “Midnight”, o livro, o turismo em Savannah cresceu exponencialmente. A literatura é boa em todos os sentidos.

Bom, às vezes essa minha mistura ler e visitar não dá certo. Paciência. Entre ler e poder, a distância é enorme. C’est la vie. Por enquanto, aliás, seja pelo rescaldo da pandemia ou pelas moedas estrangeiras nas alturas, a gente vai só sonhando com essas terras distantes. Paradinhos, lendo livros, assistindo a filmes ou xeretando essas ferramentas interativas curiosíssimas.

Marcelo Alves Dias de Souza é procurador regional da República e doutor em direito (PhD in Law) pelo King’s College London – KCL

Categoria(s): Crônica
  • Banner - Executiva - Detran/RN - 12 de 05 a 10 de 06 de 2022
domingo - 22/05/2022 - 09:30h

A noite, os mosquitos e a lua

Por Honório de Medeiros

Foto de Honório de Medeiros, paisagem nordestina,Fui visitar Seu Antônio de Luzia, lá no Feijão, Sítio “Canto”, Serra da Conceição, rumo quebrado para a Serra do Camará.

João, seu filho, João de Antônio de Luzia, a quem eu encontrei, antes, na Pedra do Mercado, me preveniu: “tá falando muito pouco e escutando demais.”

“Por quê?”

“Sei não. Eu pergunto o que é e ele, sentado naquela cadeira de balanço, estira a mão para cima e sacode os dedos como se estivesse espantando mosca.”

Seu Antônio estava lá no mesmo lugarzinho de sempre, cadeira de balanço, na calçadinha de sua casa de tijolos crus, olhando o tempo, cumprimentando os passantes com um balançar de cabeça para cima e para baixo.

“Boa tarde, Seu Antônio, como vão as cousas?”.

“Boa tarde!”.

Mandou, com um gesto, que eu tomasse assento na outra cadeira de balanço.

Então eu me danei a falar e ele só olhando, escutando e calando.

Lá para as tantas, me fiz de atrevido e perguntei: “o Senhor perdeu o gosto de falar?”

Ele ficou calado um tempão, pigarreou e disse: “tem muita gente sabendo de tudo, falando muito; eu, quanto mais vivo, menos sei das coisas.”

Parou, pigarreou de novo, tomou um gole de café, cuspiu no chão de barro, e rematou: “O pouco que sei é o que eu faço com as mãos: cortar um capim, debulhar um feijão, pegar um balde d’água no poço…”.

Mais não disse. Mais não perguntei.

Ficamos os dois, cismarentos, enquanto a tarde ia e a noite chegava.

A noite e os mosquitos. A noite, os mosquitos e a lua, que já se atrevia.

Honório de Medeiros é professor, escritor e ex-secretário da Prefeitura do Natal e do Governo do RN

Categoria(s): Crônica
domingo - 15/05/2022 - 11:38h

Imaginação

Por Inácio Augusto de Almeida 

Viajar na máquina do tempo é um sonho acalentado pelo ser humano há muitos e muitos anos. E este desejo tem sido alimentado cada dia de maneira mais intensa por religiões e pela indústria cinematográfica.

Desconhece o homem que tem dentro de si a máquina do tempo?a-maquina-do-tempo-h-g-wells-livro-resumo-resenha-1895-700x361

Se é possível voltar no tempo, visitar o passado?

Basta fechar os olhos, ativar a memória, e o transporte à época desejada acontece instantaneamente. Nossa memória é a passagem para o passado.

Imagine-se criança, com seu primeiro brinquedo. Brinquedo que agora vê e que Papai Noel trouxe. Depois você viaja e está frente a frente com sua primeira professora, aprendendo o ABC e a contar nos dedinhos da mão.

Viu como é possível voltar ao passado?

Mas nunca cometa a loucura de querer voltar, fisicamente, para reencontrar as pessoas e as coisas que fizeram parte do seu passado.

Tudo vai lhe parecer muito diferente, mesmo sem nada ter mudado.

Fiz essa experiência revisitando locais da minha infância e juventude. A única coisa que consegui foi destruir ilusões que acalentei por tantos anos. Já não encontrei a professora que me ensinou as primeiras letras. Apenas vi fotos que me foram mostradas por um neto dela. A enorme sala onde ficava, com os coleguinhas, ainda estava lá. Só que de enorme não tinha nada. Era apenas um pequeno cômodo da casa que meus olhos infantis viram como uma enorme sala.

Procurei a casa onde morei e constatei que a alta calçada onde eu andava de velocípede, na verdade não passava de uma calçada de pequena altura. Ri do medo que sentia de cair da calçada com meu velocípede.

Todos as fantasias iam desabando, mas a decepção maior aconteceu quando procurei e encontrei a primeira namorada.

Na minha imaginação estava muito viva a menina de olhos negros, tranças longas de cabelos castanho claro e riso bem aberto na janela todas as tardes. E vi-me frente a frente a uma esbelta e risonha senhora, com grossos óculos, cabelos curtos, brancos e com um bisneto no braço. Rindo nos abraçamos. E eu a me perguntar em que estrela estava a minha namorada…

Saí arrependido de ter voltado.

Voltado para quê?

Para destruir a bela imagem que carreguei por tantos anos? Para me convencer que nossos destinos eram paralelos?

Não sei. Sei que de tudo ficou a certeza que tinha cometido a loucura de destruir a mais bela fantasia da minha vida.

O presente está aqui e agora. Basta abrir os olhos e o coração. Dispensável qualquer máquina. Por que além de abrir os olhos, abrir também o coração?

Os olhos enxergam tão pouco… O essencial só conseguimos ver com o coração.

Se virarmos a máquina do tempo para o futuro, podemos sonhar, dar asas à nossa imaginação. E, mesmo juntando desilusões, são os sonhos que nos motivam a continuar vivendo. Você pode encontrar um homem sem dinheiro, mas você jamais encontrará um homem que não acalenta sonhos.

A máquina do tempo existe!

Ela está dentro de nós.

Inácio Augusto de Almeida é escritor e Jornalista

Categoria(s): Crônica
  • Banner - Quixote - Câmara de Mossoró - Transparência - 2021 - Setembro
domingo - 15/05/2022 - 04:00h

Café novinho na casa velha

Por Marcos Ferreira

Acordo a esta hora (pouco mais de meia-noite) e não tenho expectativa alguma de retomar o sono. Parece que as substâncias prescritas pelo Dr. Dirceu Lopes se foram na “festa de espumas” de que nos fala Vinicius num de seus sonetos. É isso, dei uma baita mijada e acho que os antipsicóticos foram juntos. Até mesmo o Rivotril e o Haloperidol. Este último escalado para combater minha psicose (medo) de ir ao banheiro à noite (pois meu banheiro é fora da casa) e topar com um leão.xícaras, café

Imaginem uma coisa dessas! Doido é doido! Agora, já com as mãos devidamente lavadas, penso naquela turma do Canal BCS (Blog Carlos Santos) e no miolo de pote que alguns de nós volta e meia engordamos sobre tomarmos um café novinho nesta casa velha. Odemirton Filho promete trazer bolachas da padaria Meçalba, Carlos Santos (ex-homem dos suspensórios) empenha outras iguarias.

Por último, para a minha honra e felicidade, quem vem se balançando para visitar este humilde domicílio é ninguém mais, ninguém menos que o senhor Rocha Neto. Exato! O homem do irresistível Prato de Ouro. Imaginem vocês eu aqui em casa com uma trinca dessas de reputados extratos da sociedade mossoroense.

Primeiramente, para não passar maior embaraço, eu terei que adquirir (sem ter de onde tirar) uma grana para comprar um jogo de cadeiras X com a clássica mesinha de centro.

Para fechar o quarteto, já contanto com as cadeiras X e duas de plástico que possuo, não poderia faltar o leitor Amorim, a quem só conheço por meio das suas (dele) interações enquanto leitor comentarista. Depois disso é torcer que não seja uma tarde de chuva, tendo em vista que este meu cafofo possui duas amplas áreas de chuva — uma entre a sala única e a cozinha e outra situada num quarto.

Nesta casa velha, então, com banheiro externo e teto chuvar, piso e paredes no estilo queijo suíço, tomaríamos um café novinho e de alta qualidade sob a testemunha pendular das picumãs e ao som do passaredo no quintal.

Temos ainda minha gatinha Pitucha, que no último dia 6 completou quatro meses, a assistir a tudo ressabiada, com uma ou mais pulgas atrás da orelha. Sim, vez por outra Pitucha usa das garras da patinha traseira para se coçar. Talvez seja meramente cacoete.

Outro ilustre leitor que me faria falta aqui, passando a formar um quinteto, seria o amigo e gramático (dos bons!) João Bezerra de Castro, patrimônio intelectual e afetivo que me foi presenteado pelo poeta Francisco Nolasco. A propósito, em data recente, Francisco Nolasco apareceu-me para uma rápida visita. Não podia se demorar, pois ele alegou ter deixado o menino no fogo e o leite chorando.

Nesta minha pequena cafeteira (Nolasco é testemunha) produz-se um dos melhores cafés de Mossoró. A casa é estiolada, mas a rubiácea é um luxo. De quebra, escuta-se, baixinho, um pouco de blues. Se a visita não curte blues, escuta assim mesmo.

Posso até oferecer um pouco de Chopin, Korsakov, Stravinski, Dvorak, embora, assim como o poeta Aluísio Barros em relação aos seus galos tenores, eu já tenha sido acusado de torturar meus vizinhos com esses “sons esquisitos”.

Outrora esta casa, em condições menos depauperadas, já contou com uma mesa tomada por ilustres extratos da sociedade moscovita. Desde médicos, juízes, engenheiros, músicos, jornalistas, artistas de um modo geral, políticos, sindicalistas e até um ex-vice-prefeito sangue bom, além, claro, de muitos espécimes da fauna literária. Mas, como o tempo contra tudo atenta, essa nata picou a mula.

Alguns, decorridos uma porção de anos, voltaram a me frequentar, e aqui eu os recebi e recebo com efusiva bonomia e bem-querença. Outros mais seguem carrancudos, de cara fechada, trocando de calçada quando me encontram no passeio público, entretanto lhes devoto compreensão.

São os extraviados, passam longe deste endereço periférico, contudo não os posso julgar. São pessoas de bem, tipos de coração admirável e com qualidades que não me cabe passar uma borracha.

Bom, agora é hora de jogar a toalha. O segundo Rivotril está mostrando sua força. É uma temeridade seguir redigindo. Perdoem os eventuais equívocos de ortografia, sintaxe e digitação. Meus reflexos de revisor foram para o brejo. Como eu disse outro dia ao João Bezerra de Castro, um revisor não pode se dar ao luxo de ler palavras, tem que ler silabadas. Os dedos tropeçam. As pálpebras me pesam.

Que venha o café novinho na casa velha!

Marcos Ferreira é escritor

Leia também: A hora azul da escrita de Marcos Ferreira.

Categoria(s): Crônica
domingo - 08/05/2022 - 11:42h

O sonhador

Por Inácio Augusto de Almeida 

Anoitece em Mossoró e caminhando para casa, após um dia de trabalho no balcão de uma loja, minha atenção é despertada por um menino vivo, esperto.

Vi o menino na praça do PAX e logo imagino que não fita morrote, mas se entrega a devaneios olhando fotos do Himalaia.Book.

Irrequieto, denota ser possuidor de uma inteligência incomum. Seu desassossego chamou a minha atenção.

Caminhando, carregando na cabeça a figura daquele garoto, apresso o passo pois ainda tenho o colégio onde alterno história com geografia.

Depois de muito falar de oceanos, continentes, Tiradentes e Celina, retorno para o merecido descanso.

Noite carrancuda, sem lua e sem estrelas, apenas nuvens que trazem o agradável cheiro de chuva.

Vejo populares em volta de um corpo coberto com folhas de jornal. Aproximo-me por força do impulso que sentimos para testemunhar tragédias.

Olho e fico estarrecido.

Era o garoto irrequieto.

Ouço comentários de que tentara furtar a bolsa de uma mulher e um passante sacou do revólver e fez vários disparos. Um senhor gordo olhou e rindo disse que bandido bom é bandido morto.

O filete de sangue não trazia a lua para o chão, porque lua não havia na noite escura que, para mim, se tornou mais escura.

Outro dia, mais uma vez o balcão da loja.

Lembro dos meus alunos e busco uma maneira de fazer mais do que falar de continentes e fantasiar histórias criando heróis de mentirinha.

O menino estirado na calçada era como se fosse todos os meus alunos.

No noticiário um imbecil a dizer que tinham dado baixa no CPF de um drogado…

Droga, sempre a maldita droga a desgraçar nossos jovens.

O que fazer para afastar os jovens desta peste?

O esporte se mostrou incapaz de sozinho distanciar a garotada do vício maldito. A especulação imobiliária varreu os campinhos de futebol. Nos colégios quadras esportivas ociosas porque administradores não investem um centavo para estimular o esporte.

Como afastar os jovens das drogas sem contar com apoio do poder público?

Teresa de Calcutá me surge com aquele sorriso e os olhinhos cheios de amor.

Leitura, leitura, desperte nos jovens o gosto pela leitura.

Assustei-me. Tinha certeza de ter visto a Santa e ter escutado a sua voz mansa e amorosa. E antes de perguntar como despertar nos jovens o gosto pela leitura ouvi que criação de concurso literário bastaria. Que os prêmios eu buscasse consegui-los pedindo ou até esmolando.

Ela viera para me mostrar o caminho.

Naquela noite, ao invés de aula, pedi aos alunos que escrevessem uma história qualquer.

Surpreendi-me com a criatividade dos estudantes.

Resolvi fazer um concurso literário entre meus alunos e prometi prêmios em livros que compraria para os melhores colocados.

Não sabia onde arranjar dinheiro para os livros. Sabia que tinha despertado naqueles jovens o gosto pela leitura. E isto me dava uma enorme tranquilidade. Senti ser verdade que nenhum bem faz mais bem ao coração do que o bem do amor.

A notícia se espalhou e de todos os lugares livros chegavam.

E foi a partir da ideia do sonhador, inspirado por Santa Madre Teresa de Calcutá, que nas escolas de Mossoró as crianças foram despertadas para a leitura.

No ano seguinte a Secretaria de Cultura assumiu a realização do concurso literário em todos os colégios de Mossoró. Logo a seguir as faculdades passaram a ter concurso literário.

E assim surgiu a semana da literatura em Mossoró. Mossoró que passou a ser reconhecida como a Capital da Cultura.

O sol forte batendo no meu rosto despertou-me.

Inácio Augusto de Almeida é escritor e Jornalista

Categoria(s): Crônica
  • Banner - Executiva - Detran/RN - 12 de 05 a 10 de 06 de 2022
domingo - 08/05/2022 - 06:38h

Pingos da infância

Por Odemirton Filho 

“Uma noite de tempestade, o vento sacode as telhas, faz tremer portas e janelas. A chuva tamborila no telhado, fustiga as vidraças. Relâmpagos clareiam o quarto, trovões rasgam o silêncio”(…). (Fragmento do livro Olhai os Lírios do Campo, de Érico Veríssimo).

brincando na chuva,Nos últimos dias a chuva tem caído com força nesta terra de Santa Luzia e em algumas cidades no nosso sofrido Rio Grande. O inverno será dos bons, com as benções de Deus, pois os açudes e reservatórios sangrando trazem esperança ao sertanejo.

A chuva cai como nas biqueiras dos meus tempos de menino, ali, nas ruas Tiradentes e José de Alencar, no centro de Mossoró, quando molhava a minha infância.  Hoje, eu vejo a chuva cair, e sobram lembranças. Às vezes, faz até um friozinho em Mossoró, já pensou?

Aliás, dia desses eu li uma crônica de Antônio Maria. “O bom Maria”, como chamavam seus amigos, dizia que, quando criança, brincava com os seus carrinhos na chuva. Ao contrário do cronista, eu “andava” de bicicleta e ficava com a roupa toda “ensopada”. E feliz. Muito feliz.

Naqueles tempos, para mim, inexistiam problemas. Tudo era motivo para brincadeira. Curtia a minha infância com minhas irmãs, primos e amigos. Não tínhamos medo dos raios e trovões. Meu pai, de vez em quando deixava o trabalho de lado e nos acompanhava nesses banhos de chuva, e eu achava “massa” vê-lo alegre como nós, crianças.

Lembro-me de uma bela crônica de Paulo Menezes, colaborador do “Nosso Blog”, que nos deixou no ano passado. Narrou o cronista que seu pai ficava sentado na calçada da casa, escutando um rádio de pilha, à espera dos raios cortarem o céu do sertão.

Pois é, uma chuvinha faz bem, mas falta-me a coragem dos meus tempos de criança. Aqui ou acolá me arrisco a tomar banho no meu quintal, e fico igual a pinto no lixo. Vez ou outra, saboreio um café ou uma dose de uísque para esquentar a alma, vendo a chuva cair, porque, com os pingos d´água, vem à memória os meus tempos da infância.

Diria o saudoso Paulo Menezes:

“Tempos bons. Saudades. Muita”.

Odemirton Filho é bacharel em Direito e oficial de Justiça

Categoria(s): Crônica
terça-feira - 03/05/2022 - 15:46h
Grato

Quinze anos do Blog Carlos Santos

blog_Carlos_Santos_#1_brand_usage_#2_created_by_logasterEsta é a postagem oficial de numero 55.976 do Canal BCS (Blog Carlos Santos). Com ela, o registro de uma data bastante especial para mim, criador e editor do Canal BCS (Blog Carlos Santos) – Jornalismo com Opinião.

Completamos hoje (terça-feira, 03), 15 anos no ar de forma diária, contínua, com escassas paralisações.

Nossa estreia foi no dia 3 de maio de 2007, após experiência de um ano em página experimental no sistema Blogspot (veja AQUI), o Carlos Santos Online.

Por pura coincidência, hoje também é o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa e aniversário de minha Santa Mãezinha (in memoriam), Dona Maura. Coincidências que parecem arranjos divinos.

Muito a comemorar, é verdade. Contudo, prefiro agradecer. Em especial a você, webleitor. A todos os colaboradores, comentaristas, homens e mulheres de boa vontade, de fé; àquela força inexplicável que não permitiu que eu desistisse.

Muito obrigado.

Abaixo, uma crônica postada no dia 3 de maio de 2007 (veja AQUI), há 15 anos, quando tudo “recomeçou”:

De tempo, vida e caravelas

Quero lhes falar sobre o tempo. Virtual? Talvez.

Quero lhes falar sobre a vida. Fugaz? É possível.

Quero lhes falar sobre o recomeçar. Posso, sei.

Falo da crença no possível, despojado do retrovisor da existência e evitando ser apenas trapo humano, moendo e remoendo gente e fatos.

Medo? Muitos. Ainda bem. Tenho-os pulsantes, como necessários sacrários do porvir, bússolas da sobrevivência.

Neste ambiente universal, intangível e imaterial, ganho corpo. De novo. Os propósitos são abstratos: cumprir minha sina-paixão. Transpirar, existir, resistir. Ombrear-se a outros que têm minhas crenças, mas respeitando o contraditório. Estimulando-o até.

Sou filho de uma porção menor, mas nem por isso tacanha ou acovardada. Nada além de um indivíduo normal, que labuta. Estranho, talvez, por não ser parte de uma maioria incomum.

Este novo endereço eletrônico não revela nada de especial. Não o trato como avanço. É mais um passo no eterno caminhar, sem o pânico de olhar para trás. “Antes de tudo há que lutar! As caravelas mandei-as queimar, para não terdes a veleidade de voltar” (Hernán Cortés ).

Obrigado pela visita. Seja bem-vindo.

Vamos recomeçar?

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo Twitter AQUI, Instagram AQUI, Facebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Comunicação / Crônica
  • Banner - Quixote - Câmara de Mossoró - Transparência - 2021 - Setembro
domingo - 01/05/2022 - 13:46h

Reminiscências

Por Inácio Augusto de Almeida 

Sempre às 3h ele começava a tocar o pandeiro. Pandeiro que era seu único amigo. Nunca ninguém o viu a conversar com alguém. Se segredos tinha, os guardava só para si.

Aos sábados fazia as compras que trazia numa sacola de lona.pandeiro

Não era magro nem gordo. Seu nome ninguém sabia. A única coisa que todos sabiam era que tocava pandeiro todas as tardes e que morava sozinho.

Eu era um menino de 6/7 anos que pela manhã frequentava o grupo escolar e que fazia os deveres, logo após o almoço, para ir me distrair ficando na torre da igreja. Igreja que ficava ao lado da casa onde morava.

Subia numa escada tipo caracol e ficava perto do sino de onde avistava toda a cidade, a estrada para Caicó e os morrotes que na minha visão infantil enxergava como montanhas gigantescas, mas que meu pai chamava de serra.

Ali pegava a brisa que amenizava o calor das tardes quentes de Jardim do Seridó. E ali ficava até começar a ouvir o barulho do pandeiro, quando descia e ia pegar a merenda que todas as tardes minha mãe preparava e colocava na grande mesa.

Um dia não ouvi o som do pandeiro e só desci da torre porque minha mãe chamava dizendo ser hora da merenda.

Comendo macaxeira com carne de sol, senti que alguma coisa estava faltando.

Faltava o som do pandeiro.

Falei para minha mãe e pedi para ir até a casa do homem do pandeiro. Ela disse que quando papai chegasse ele iria lá comigo.

A tarde se ia lentamente, preguiçosa até. Torcia para ouvir o som do pandeiro, mas apenas os galos de campina enchiam com seu canto aquele final de tarde.

E antes da noite encher o céu de estrelas, papai chegou.

Depois de muito bater na porta ouvimos o caminhar de alguém arrastando os chinelos.

O olhar do homem mostrava que estava doente. Papai me deixou em casa e foi em busca do único médico da cidade.

Ficamos sabendo, pelo médico, que a “doença” era solidão.

Solidão que se somou a um quadro de desnutrição.

Desnutrição provocada pela falta de apetite.

Eu não entendia bem o que o médico dizia. Achava aquilo tudo complicado.

Coisa de gente grande.

Foi a partir desta tarde que o homem do pandeiro passou a sorrir para mim e a balançar a cabeça, num discreto cumprimento ao meu pai. Mas falar, não falava.

No sábado eu pedi a mamãe para ir à feira tomar caldo de cana e comer pastel. Na verdade, eu queria ver e conversar com o homem do pandeiro.

Ele estava comprando bananas quando me aproximei. Sem falar nada me ofertou uma banana.

Quando lhe perguntei porque morava sozinho, riu. Um riso triste, mas riu.

Repeti a pergunta e dele ouvi ser a vida uma ilusão.

Naquele dia não entendi a resposta que ele deu à minha pergunta.

Falou e foi se afastando, levando consigo a sacola de lona onde carregava as compras e as desilusões.

Esta foi a única vez que eu falei com o homem do pandeiro.

Quando disse a papai o que ouvi, papai riu. Riu e me disse que o tempo me explicaria melhor o que eu agora queria saber.

E os dias se seguiram e todas as tardes eu sendo avisado da hora da merenda pelo som do pandeiro.

Papai se mudou de Jardim do Seridó para São Luís do Maranhão.

O homem do pandeiro já deve estar entre nuvens brancas tocando seu pandeiro. Afinal, 70 anos se passaram do dia em que ele me disse ser a vida uma ilusão.

Lembro do meu pai a me falar que o tempo me mostraria, com clareza, a resposta que ouvi do homem do pandeiro.

Olho para as nuvens brancas e imagino papai e o homem do pandeiro rindo de um menino que teima em continuar uma criança sonhadora.

 Tão sonhadora que ainda escuta o som do pandeiro das tardes quentes de Jardim do Seridó.

 Inácio Augusto de Almeida é escritor e jornalista

Categoria(s): Crônica
domingo - 01/05/2022 - 09:24h

Além do horizonte

Por Odemirton Filho

Olhava o horizonte sentada numa jangada na beira do mar. Estava sozinha. Pensava no ontem, naquilo que viveu. Ou, melhor, no que não viveu.

Os dias passaram rápidos, nem viu o tempo voar. Sobre os seus ombros carregava o peso da vida. Sim, era uma mulher realizada, tinha um bom marido, lindas filhas e belos netos. Mas, ainda assim, queria mais. Embora estivesse aposentada, queria viver, bem vivido, o tempo que ainda lhe restava de vida.  horizonte, mar

Tinha dentro de si, às vezes, uma profunda solidão. Sua alma, de vez em quando, era uma ilha. Precisava habitar a sua vida com novas experiências. Quem sabe, enveredar na arte de escrever colocando no papel os sentimentos d´alma; rabiscos de saudades e lembranças.

Lembrou que por muitos anos acordou de madrugada para preparar o café do marido e das filhas, arrumando-as para irem ao colégio. Ficava o dia inteiro ocupada com afazeres domésticos; mal tinha tempo para se olhar no espelho e ajeitar os seus longos cabelos pretos.

O tempo passou. As meninas crescerem, constituíram família, cada uma seguiu o seu rumo. O marido se aposentou. Chegou a sua vez de fazer o que sempre sonhou: escrever. Em alguns cadernos, com as folhas amareladas pelo tempo, tinham alguns escritos que foram feitos ao longo da vida.

Lembrava que a vida passava rápido como o vento. A infância passou, a adolescência correu, e só restaram a maturidade e as lembranças de uma infância acolhida e de uma juventude repleta de sonhos.

O que passou, passou. Agora, sentia a brisa batendo no seu rosto, e observava a natureza, a qual nos mostra o canto dos pássaros; a beleza do mar. Sem pressa, contemplava o que um dia passou despercebido. Estava ali, sentada em uma jangada, olhando além do horizonte.

“Nós imaginamos que assim que somos arrancados do nosso caminho habitual tudo acaba, mas é apenas o começo de algo novo e bom. Enquanto houver vida, haverá felicidade. Há muito, muito diante de nós”, diria um famoso escritor russo.

Odemirton Filho é bacharel em Direito e oficial de Justiça

Categoria(s): Crônica
  • Repet
domingo - 01/05/2022 - 07:20h

Mistério? Onde?

Por Marcelo Alves

Hoje vou misturar alguns assuntos da minha predileção: os romances policiais/detetivescos e os seus subtipos e a tendência (quase mania) que temos hoje de elaborar listas sobre as mais diversas coisas (os dez mais ricos, as vinte mais bonitas, os cinquenta melhores e por aí vai).

Os especialistas classificam os romances policiais em dois tipos: policiais de enigma e policiais noir, também chamados, respectivamente, de policiais ingleses e policiais americanos, levando em consideração os países de onde esses dois subgêneros teriam se originado.Romance-Policial-ID

Nos policiais de enigma – de gente como Arthur Conan Doyle (1859-1930), C.K. Chesterton (1874-1936) e Agatha Christie (1890-1976), o leitor é “convidado” a desvendar o crime. Ele segue os passos e o raciocínio do detetive através de um jogo de pistas e charadas até o final, em regra, surpreendente.

O mistério é, de fato, o mais importante da estória, muito mais que o ambiente em que ela se passa. Já nos policiais noir – de craques como Raymond Chandler (1888-1959), Dashiell Hammett (1894-1961), James M. Cain (1892-1977) e Ross MacDonald (1915-1983) – temos um mundo estranho e corrompido, e essa atmosfera na qual estão as personagens, “carregada” até visualmente (daí o termo “noir”), é tão ou mais importante do que a trama em si.

A elaboração de listas também é um caso antigo, mas que, até para podermos lidar com a enormidade de informações de hoje, tem virado uma “febre”. Eu mesmo possuo um livrão, “10.000 Things You Need to Know: the Big Book of Lists” (edição de Elspeth Beidas e publicado pela Universe Publishing em 2016), que acho o máximo. Adoro folheá-lo.

O fato é que estes dias topei com uma classificação de romances policiais, com as respectivas listas de títulos indicados, que achei inusitada. Foi no site literário Goodreads, que aponta “100 Mystery and Thriller Recommendations by Setting” – “100 mistérios e suspenses recomendados/classificados pelo ambiente onde se passa a estória”. Tipo: uma biblioteca, um quarto de hotel, no teatro, no escritório, um apartamento decrépito, à mesa, uma casa de campo, um quarto trancado por dentro, em um campus universitário, na igreja, um lugar extremamente frio, aviões e trens, um barco, na praia, uma ilha, através do tempo ou no espaço sideral.

Eu vou escolher três desses locais para tratar. Os de minha preferência para frequentar ou para fins de um bom mistério/suspense/crime (ficcional, deixo isso muito claro). Vou de biblioteca, campus universitário e igreja.

Para a biblioteca, vou com a amiga Agatha Christie em “Um corpo na biblioteca” (“The Body in the Library”, 1942). Em Gossington Hall, na mansão do coronel Arthur e Dolly Bantry, o corpo de uma bela jovem é encontrado na biblioteca. “Quem era a jovem? O que ela estava fazendo na biblioteca? E há uma conexão com outra garota morta, cujos restos carbonizados são achados em uma pedreira abandonada?”, indaga o Goodreads. É um caso para Miss Marple.

Para o campus universitário, vou viajar com Guillermo Martínez (1962-), da Argentina para o Reino Unido. O título é “The Oxford Murders” (“Crímenes imperceptibles”, 2003), pois foi a versão em inglês que li, maravilhado, numa temporada de estudos na cidade universitária. Em um dia de verão, um estudante argentino encontra sua senhoria – uma idosa que ajudou a decifrar o Código Enigma na 2ª Guerra Mundial – friamente assassinada.

Um célebre lógico da universidade recebe uma correspondência anônima com um símbolo estranho. Os símbolos e os assassinatos vão se sucedendo. Cabe aos dois matemáticos deter um serial killer. Já não me lembro mais do final. Vou ler novamente. Embora desta vez em casa, infelizmente.

E, na Igreja, mais precisamente numa abadia da Itália Medieval com uma labiríntica biblioteca, investigo na companhia de Umberto Eco (1932-2016) e seus Guilherme de Baskerville e Adso de Melk, em “O nome da rosa” (“Il nome della rosa”, de 1980). É o cenário de sete dias de “crimes e castigos” imaginados por Eco, misturados nas vidas religiosa e ideológica do século XIV, com suas ortodoxias e heresias, que passaram a compor meu conhecimento (e imaginário).

Por fim, afirmo: não tenho qualquer intenção de me mover para um lugar extremamente frio, para o espaço sideral ou muito menos através do tempo. Nem mesmo tenciono devanear estar por lá resolvendo mistérios. Mas fiquem à vontade. Consultem o Goodreads e o texto “100 Mystery and Thriller Recommendations by Setting”. Cada qual com seu gosto.

Marcelo Alves Dias de Souza é procurador regional da República e Doutor em Direito (PhD in Law) pelo King’s College London – KCL

Categoria(s): Crônica
domingo - 24/04/2022 - 04:00h

O policial siciliano

Por Marcelo Alves

Conheci Andrea Camilleri (1925-2019) por intermédio do meu conterrâneo e amigo Marcelo Navarro Ribeiro Dantas. Toda vez que se fala sobre literatura policial/detetivesca, o outro Marcelo cita – e muito elogia – Camilleri e o seu comissário Montalbano. O amigo tem toda razão.

Andrea Calogero Camilleri faleceu em 17 de julho de 2019 em Roma (Foto: Web)

Andrea Calogero Camilleri faleceu em 17 de julho de 2019 em Roma (Foto: Web)

Andrea Calogero Camilleri nasceu na Sicília, a famosa ilha que é “chutada” pela não menos famosa “bota” italiana. Mais precisamente em Porto Empedocle, comuna batizada em homenagem ao filósofo Empedocles (106-46 a.C.) e que foi a inspiração para a ficcional cidade de Vigata, onde estão essencialmente ambientadas as “investigações” do tal comissário.

Essa mistura fez sucesso: legalmente, chegaram até a amalgamar os nomes das duas cidades, virando, a comuna verdadeira, durante um lustro, Porto Empedocle Vigata. Digo tudo isso porque essa ambientação na Sicília italiana é muito importante para a construção tanto das estórias como da linguagem dos policiais de Camilleri.

Curiosamente, Andrea Camilleri foi durante muito tempo autor, roteirista e diretor de TV (incluindo a badalada RAI) e de teatro. Viveu décadas em Roma até o seu recente encantamento (2019). A TV e o teatro eram as suas praias, pelo menos publicamente, tendo até alguns de seus romances, quando originalmente escritos (lá pelos anos 1960), sido recusados por editoras mais desavisadas. Sua ficção em prosa só ganhou espaço tardiamente.

Como informam os meus guias “Tutto Letteratura Italiana” (De Agostine Editore, 2005) e “Gli spilli fissano le idee – Letteratura Italiana 3” (Edizione Alpha Test, 2016), foi com seus romances e contos de ambientação siciliana, tais como “Un filo di fumo” (1980), “Il birraio di Preston” (1995) “La concessione del telefono” (1998) e “Il re di Girgenti” (2001), e especialmente com os seus romances policiais/detetivescos, centrados na figura sanguínea do comissário de polícia Montalbano, elaborados fazendo uso de uma linguagem fictícia, uma mistura da língua nacional e do dialeto siciliano, tais como “La forma dell’acqua” (1994), “Il cane di terracota” (1996), “La voce del violino” (1997), “L’odore della notte” (2001) e “La Pazienza del Ragno” (2004).

Entretanto, embora tardio, o Camilleri romancista foi um sucesso estrondoso. Sobretudo em fins dos anos 1990 e, solidamente, nestas primeiras décadas do século XXI. Foi e é muito popular na sua Itália e fora dela. Foi naturalmente bater na TV com o seu comissário Montalbano. A RAI mesma produziu duas séries bem conhecidas: “Il commissario Montalbano” e “Il giovane Montalbano”. A BBC e outras redes menos votadas retransmitiram as temporadas. Essa mistura livro, cinema e TV é tudo.

Para vocês terem uma ideia, já no meu excelente “Giallo: poliziesco, thriller e detective story” (Editore Leonardo Arte, 1999), livro publicado sobre a direção/edição de Sergio Giuffrida e Riccardo Mazzoni, era anotado que, “para chegar à atualidade, não se pode esquecer o fenômeno Andrea Camilleri, um caso editorial sem precedentes: oito de seus livros nos primeiros doze lugares na lista dos best-sellers de 1998. Um sucesso que veio tarde para ele e para seu herói Montalbano (o primeiro romance, ele o havia escrito, sem encontrar editores dispostos a publicá-lo, nos anos sessenta), mas a espera foi mais do que recompensada”.

Bom, para terminar, tomando por mote a história do Andrea Camilleri romancista e do seu comissário Montalbano, devaneio com um sucesso tardio. Quem sabe não mudo de praia? Viro outrem: de cronista para ficcionista. Vou me inspirar anotando, página por página, o clássico “A forma da água” (numa edição da BestBolso, de 2011, que tenho em mãos). Nunca é tarde para se apreender. E, pelo visto, nunca é tarde para se fazer sucesso contando crimes, mistérios e assemelhados. E, se sucesso nas letras não for o destino do Marcelo de agora, quem sabe não o é para o outro Marcelo?

Marcelo Alves Dias de Souza é procurador regional da República e doutor em Direito (PhD in Law) pelo King’s College London – KCL

Categoria(s): Crônica
  • Banner - Quixote - Câmara de Mossoró - Transparência - 2021 - Setembro
domingo - 17/04/2022 - 11:26h

A beleza da vida

Por Inácio Augusto de Almeida

Por ser dinâmica é bela. Nada fica parado. Nem mesmo as pedras. Tudo é movimento, mudança.

De Ptolomeu a Coopérnico mais de treze séculos se passaram. Vida, gaiola, liberdade

Mas a mudança aconteceu e a terra deixou de ser o centro do universo. Depois Galileu e a história seguiu em frente.

Nos costumes as mudanças também aconteciam, só que lentamente.

Sócrates tinha escravo, isto mais de três séculos antes de Cristo.

Tiradentes tinha escravos e falava em liberdade, igualdade etc.

Não fosse a bravura dos negros e até hoje a escravidão, na sua forma mais nojenta, ainda existiria. Foi pela luta e com muito sangue derramado que aconteceu a libertação dos escravos.

Mas as injustiças ainda existem. Desigualdades absurdas acontecem e passam despercebidas.

Nos quartéis existem refeitórios separados para oficiais, sargentos e soldados. E com qualidade de comida diferenciada, como se os estômagos não fossem iguais.

Na justiça os que têm dinheiro contratam bons advogados e zombam dos pobres que estão encarcerados

Do tempo que se acreditava na infalibilidade da palavra papal aos dias de hoje, onde poucos levam em conta o que fala o Papa, muito tempo se passou.

Será que tudo realmente mudou?

O homem, na sua essência, mudou?

Lembra-se do dia em que, na seção onde trabalhava, recebeu a visita de um francês, pai de um jovem que tinha falecido junto com a noiva em um desastre automobilístico na Anápolis/Goiânia.

Veio junto com o maior amigo do seu filho, mesma turma da Academia da Força Aérea.

O pai do jovem que perdeu a vida no acidente trazia na mão o texto que tanto emocionou o amigo do seu filho. E ao ler a mensagem fez questão de ir agradecer as palavras que tocaram o fundo do coração de um pai arrasado pela morte prematura do filho tão querido.

E naquela tarde viu aqueles dois homens abraçados chorando. Um a perda do amigo-irmão, o outro a perda do filho.

O tempo passou e tudo caiu no esquecimento a provar que o homem continua tal qual o da época pré-socrática.

A prática do alpinismo social que o torna inferior aos animais ditos irracionais continua presente e ainda mais forte nesta época de tanto avanço tecnológico e de anulação de sentimentos.

Esquece o homem que caminhar sempre para frente termina por levá-lo ao ponto de partida.

Não percebe que assim procedendo não se dá conta do afastamento dos valores que realmente contam e tornam a vida bela. Isto acontece por estar sempre com os olhos fitos na escada que sobe e com orgulho e soberba se proclama um pragmático.

Envolvido por ilusões, não percebe que o tempo passa e mais dia menos dia chega a hora das lembranças e das saudades.

E se arrependerá das saudades que  permitiu por razões diversas, fossem transformadas apenas em vagas lembranças, se é que alguma lembrança ficou.

E nestes dias de saudosismo lembrar-se-á daqueles a quem era tão grato e preferiu o simplismo do esquecimento ao fardo da gratidão.

É fácil condenar por ouvir dizer. É cômodo condenar e se livrar de quem no jogo duro da vida preferiu não ferir os princípios da dignidade e tudo suportou estoicamente, apenas lamentando os contorcionismos feitos por pretensos epicuristas.

Nada dura para sempre. Para sempre é muito tempo. Nem mesmo as mentiras, costuradas, ardilosamente, se mantém indefinidamente.

É no ocaso, onde só a verdade importa, que entre um balanço e outra da velha cadeira, lágrimas e sorrisos se mostrarão e só a desculpa do quanto se deixou enganar servirá de consolo.

Aí será tarde demais para esquecer ou tentar corrigir as injustiças cometidas em nome da justiça.

Existe alguma coisa mais bela do que a vida?

Inácio Augusto de Almeida é escritor e Jornalista

Categoria(s): Crônica
domingo - 10/04/2022 - 13:46h

Foi assim…

Por Carlos Santos

Remexendo gavetas e papéis encontro uma velha foto amarelada pelo tempo. Não sei precisar data, mas acredito que início dos anos 90, no lugar em que mais fui feliz profissionalmente, onde mais aprendi, carregado de todos os sentimentos do mundo – a redação do Gazeta do Oeste.

Foto de autoria de Argemiro Lima, redação do Gazeta do Oeste, início dos anos 90)

Foto de autoria de Argemiro Lima, redação do Gazeta do Oeste, início dos anos 90

Tudo feito de paixão pelo que me arrebata até hoje: o jornalismo.

O registro não é de nostalgia, mas de realização plena por poder olhar para trás com encantamento e leveza, sem um pingo de amargura. Vendo o amanhã com os olhos que ainda brilham, lacrimejam até, por fazer a mesma coisa há quase 37 anos.

Nem me prendo às dores, dissabores, ingratidões e cicatrizes. Tudo vale a pena. Ser intenso, denso, exatamente o que sou, tem um preço que topei pagar até hoje. Posso pagar.

Há alguns anos numa prosa regada a café, em Natal, o amigo jornalista Vicente Serejo reproduziu para mim um diálogo que teve, à época dessa foto, com Canindé Queiroz, diretor-fundador do Gazeta do Oeste. Emocionei-me.

Entre uma baforada e outra em cigarros em série, Canindé resmungou que seu diretor de redação, eu, era muitas vezes indócil, batia de frente com ele na condução editorial do impresso.

– Então, por que você não o demite, Canindé? – indagou Serejo.

– Porque ele é apaixonado por isso aqui, cuida como se fosse dele. Como vou demitir?

Foi assim…

Carlos Santos é o criador do Canal BCS (Blog Carlos Santos) e ex-editor político, ex-editor-geral e ex-diretor de redação do extinto Gazeta do Oeste

*Texto originalmente publicado em meu Instagram pessoal no último dia 24 de fevereiro.

Leia também: Morre Canindé Queiroz e o jornalismo de extremos e extremado.

Categoria(s): Comunicação / Crônica
  • Banner - Executiva - Detran/RN - 12 de 05 a 10 de 06 de 2022
domingo - 10/04/2022 - 10:30h

Pinóquios

Por Marcelo Alves

É sabido que a construção de uma “consciência moral” se dá com quase todos nós desde muito cedo, a partir, entre outras coisas, de histórias/estórias que nos são narradas ainda quando somos crianças, quase todas elas enaltecendo valores como a verdade, a justiça, o amor, a amizade, a solidariedade e por aí vai.

Os clássicos da literatura infantil, da ficção infantil em geral, com suas belas estórias, enfrentando temas universais, às vezes até controversos, em linguagem lúdica, direta e acessível, são frequentemente as melhores aulas de moral e ética.

Ilustração Web

Ilustração Web

É nesse contexto, de literatura infantil “educativa”, que entram “As aventuras de Pinóquio” (“Le avventure di Pinocchio”), de 1883, do italiano Carlo Collodi (1826-1890).

Collodi, na verdade Carlo Lorenzini, nasceu e viveu em Florença. Foi escritor e jornalista. Lutou no exército de Giuseppe Garibaldi (1807-1882). Foi ser funcionário público.

Mas a grande reviravolta na sua vida veio em 1875, quando, para o nosso deleite, ele se volta para a literatura infantil. Publica bastante nesse gênero de literatura. Em periódicos e em livros. Vem a ser diretor da revista Il Giornale dei bambini. Morre, dizem de um aneurisma, na sua cidade natal, em 1890.

Já quanto às mui afamadas estórias do burratino Pinóquio, consta do guia “Tutto Letteratura Italiana” (De Agostine Editore, 2005): “Romance deveras excepcional é obra do florentino Carlo Collodi (pseudônimo de Carlo Lorenzini, 1826-1890). Autor da afortunada série de estórias de Giannettino (1876) e Minuzzolo (1878), em 1881 Collodi começou a escrever para a recém-nascida revista ‘Il Giornale dei bambini’ um romance em capítulos, a história de um boneco, que, a pedido dos jovens leitores entusiasmados, foi sendo construído até o fim de 1883.

Para concluir a estória, o autor foi obrigado a transformar o boneco Pinóquio em uma criança de carne e osso. Nesse mesmo ano, a estória completa sai em volume único com o título As aventuras de Pinóquio. Considerado indiscutivelmente uma obra-prima da literatura infantil, traduzido para uma centena de línguas, formalmente o livro repropõe, em uma linguagem simples e direta, o tema da iniciação à vida de uma criança, da sua gradual descoberta da realidade, nos aspectos positivos e negativos, e também o motivo da queda e do caminho de expiações até a ‘redenção’ final”.

O legado do boneco/fantoche Pinóquio – incluindo aí sua turma, Gepeto, o Grilo Falante, o Gato, a Raposa etc. – é indiscutível. Como dito no manual “Gli spilli fissano le idee – Letteratura Italiana 3” (Edizione Alpha Test, 2016), essa “obra de intenção pedagógica, pela vivacidade narrativa e pela clareza linguística, tornou-se um clássico da literatura universal”. De fato, como consta de uma versão (parcial) em “italiano lingua straniera” que possuo (“Pinocchio, il gato e la volpe”, Editore Hoepli, 2013), “Le avventure di Pinocchio. Storia di un burattino tornou-se a única obra-prima da literatura italiana dos anos 1800 a ter-se estabelecido a nível mundial, como testemunham as muitíssimas traduções, as numerosas imitações e sobretudo as afortunadas adaptações cinematográficas, entre as quais se destaca aquela de Walt Disney”.

Pinóquio foi e é muito – aliás, muito mais do que muito – interpretado, ilustrado, representado, adaptado, reescrito, imitado e tantas coisas mais. São tantos Pinóquios…

Com o tempo, Pinóquio virou um ícone da nossa cultura. Se originalmente um boneco de madeira que, após várias aventuras, vira uma criança normal; se, na fábula, alguém que, após altos e baixos, vence a preguiça e a superficialidade; ele hoje virou, entre nós, o seu nome pelo menos, sinônimo de mentiroso. Aquele cidadão, cujo “nariz só cresce”, ele é um “Pinóquio”, diz-se.

Nestes dias em que as mentiras, as “fake news”, são talvez o maior desafio à nossa democracia, seria muito bom a releitura da obra-prima de Collodi – ou leitura, já que duvido muito que esses mentirosos já tenham lido alguma coisa na vida. O original ou alguma das suas versões. Nunca é tarde para aprender uma verdadeira “educação moral e cívica”.

Pois, para quem não sabe, se na fábula educativa do burratino, ao final, o bem ludicamente vence o mal, originalmente o seu autor pretendia que a estória do mentiroso fosse uma tragédia. A coisa não terminaria bem para o boneco boquirroto. Acredito que essa tragédia prevalecerá, após os baixos de hoje e os altos de amanhã, inexoravelmente, para os nossos Pinóquios desumanos.

Marcelo Alves Dias de Souza é procurador regional da República e doutor em Direito (PhD) in Law) pelo King’s College London – KLC

Categoria(s): Crônica
domingo - 10/04/2022 - 09:08h

Marcas da vida

Por Odemirton Filho

Os passos são lentos, bem diferente daquele andar firme doutros tempos. De vez em quando as conversas se repetem. Talvez, o silêncio represente um mergulho nos tempos idos; o resgate de lembranças; de saudades.  Família, pais

Eu, quando era criança, dava as minhas mãos para me sentir seguro, e os meus pais me conduziam cheios do vigor da juventude.

Agora, eu estendo o meu braço para apoiá-los. Enxergo no rosto do meu pai e da minha mãe as marcas da vida. Das lutas travadas, algumas vencidas. Os filhos foram encaminhados; os netos adocicam a chamada melhor idade.

Por vezes, falta-me paciência para compreender as limitações naturais dos meus pais. Daqui a alguns anos, eu precisarei dos braços dos meus filhos para me apoiar. Infelizmente, pensamos que a juventude é eterna. Quem não quer envelhecer, morra cedo, diz o ditado popular.

A maturidade traz experiência e, ao mesmo tempo, apresenta-nos a conta da idade. Não há como escapar. Sim, a cabeça pode ficar arejada, o espírito jovial, mas o corpo sentirá o peso da vida.

Antes, eu corria pra lá e pra cá, nessa correria desembestada da vida. Hoje, eu gosto de ouvir as conversas dos meus pais. Paro e escuto. São conversas sobre os seus sonhos; as traquinagens da infância; os arroubos da juventude. Ao ouvi-los, redimo-me um pouco das minhas inúmeras falhas, humano que sou.

Gosto de ver o brilho nos olhos de quem muito viveu, muito sofreu, muito amou. De quem tem experiência de vida para dar e vender; de quem tem as marcas da vida.

Queira Deus eu possa estar ao lado deles por muito, muito tempo.

E, principalmente, o tempo me ensine a compreendê-los e amá-los cada vez mais.

Odemirton Filho é bacharel em Direito e oficial de Justiça

Categoria(s): Crônica
  • Banner - Quixote - Câmara de Mossoró - Transparência - 2021 - Setembro
domingo - 10/04/2022 - 07:38h

Para quem agitamos os nossos ramos?

Por Marcos Araújo

Hoje é Domingo de Ramos, festa cristã celebrada no domingo anterior à Páscoa. A data relembra a entrada triunfal de Jesus na cidade de Jerusalém. Diz a tradição que as pessoas jogavam seus mantos à Sua frente e agitavam ramos de palmeiras, saudando em cânticos o Rei dos reis.

A passagem tem registro nos quatro evangelhos canônicos (Marcos 11:1, Mateus 21:1-11, Lucas 19:28-44 e Lucas 19:41).

Foto ilustrativa (Autoria não identificada)

Foto ilustrativa (Autoria não identificada)

No Oriente antigo, era costumeiro cobrir de alguma forma o caminho à frente de alguém que merecesse grandes honras. A saudação com ramos a Jesus foi um acréscimo, superlativando a honraria. Estes eram símbolos de triunfo e vitória na tradição judaica e aparecem em outros lugares da Bíblia (Levítico 23:40 e Apocalipse 7:9, por exemplo.

Bem sabemos que a acolhida festiva de Jesus dura muito pouco, pois uma semana depois já o crucificam. Do dia de sua entrada triunfal ao seu martírio, a tradição cristã denomina de Semana Santa, ou de Semana da Páscoa.

Desta episódica semana, dois enlevos: i) a festa da exaltação ao Cristo, Rei do universo; e, ii) a celebração da Páscoa. A palavra páscoa tem etimologia na expressão hebraica “pesach”, e na grega “pascha”, ambas significam “passagem”.

Na forma religiosa, as expressões podem ter diversos significados, tais como: passagem da morte para a vida; passagem de Deus para nos salvar; passagem da escravidão para a liberdade, enfim, a passagem pela qual o homem que se encontra neste mundo, passa para um novo céu e uma nova terra.

Pois bem. Voltemos aos ramos dos judeus…A elevação de galhos, a salva com agito, foi algo novo naquele tempo. Um excesso. Não demorou muito para serem baixados e transformados em instrumentos de açoite. Os galhos ainda estavam por lá, largados nas ruas de Jerusalém, quando voltaram a ser utilizados na sexta-feira, desta feita para chicotear Jesus.

A mudança comportamental dos judeus é inata à condição humana. Em um dia, estamos endeusando pessoas e situações, euforicamente agitando os nossos “ramos” do elogio fácil e da idolatria; no outro, a pulsão pela destruição, desconstituição e morte social (senão, física) do elevado.

Nas redes sociais, o ídolo de hoje pode ser o “cancelado” de amanhã. No mundo virtual, “curtir” algo ou alguém tem a simbologia de “agitar os ramos”, do mesmo modo que o inverso pode ser o ato tanatológico do “bloqueio”, ou do polegar invertido. Por isso, está justificado o suplício musical reportado por Gustavo Lima ao ser “bloqueado”.

Freud explica isto ao se apropriar dos nomes dos deuses mitológicos gregos Eros e Thanatos para exemplificar as teorias das pulsões, que explica a formação psíquica de todos os indivíduos, entre desejo de vida e de morte. A elevação é símbolo da vida; o açoite, a simbologia da morte.

Essas pulsões são visíveis nos escritos das redes sociais em qualquer temática. São extremadas as posições entre vida e morte. Nem merece parâmetros para o presente lembrar dois respeitosos estilos literários: a poetisa Cora Coralina, destacava sempre a vida, integrando nos seus versos o homem e a natureza; já o inigualável Augusto dos Anjos é o portal traduzido para quem adentrava na dor e nas sombras que conduzem à morte.

Voltando ao dia de hoje, é próprio das festas religiosas buscar no cotidiano ligações significativas, para que o vivido no contexto da religião encontre sua relação com a vida em seu cotidiano. É assim que Jesus institui a ceia. Ele faz isto na páscoa judaica, dando a ela um novo sentido, para o nosso cotidiano (“… todas as vezes que comerdes… e beberdes..”). Por isso, no dia de Ramos, faz sentido perguntar: para que, ou para quem, estamos agitando os nossos ramos? Ou, contra o que, e contra quem, temos deles feito uso?

Marcos Araújo é professor e advogado

Categoria(s): Crônica
domingo - 03/04/2022 - 11:28h

Mil ecos

Por Marcelo Alves

Nunca neguei o meu imenso apreço pelo escritor  (1932-2016). Já escrevi, mais de uma vez, sobre o seu romance “O nome da rosa” (de 1980 e, no original, “Il nome della rosa”); misturando a coisa com o filme homônimo, de 1986, dirigido por Jean-Jacques Annaud e estrelado por Sean Connery, Christian Slater e F. Murray Abraham; e até sugerindo uma espiadela na série “O nome da rosa”, de 2019, uma nova produção italiana, alemã e francesa, que tem John Turturro como o protagonista Guilherme de Baskerville.Umberto Eco em biblioteca

Acho “O Pêndulo de Foucault” (1988) uma obra-prima da ficção, assim como recomendo os romances posteriores, “A ilha do dia anterior” (1994), “Baudolino” (2000), “A misteriosa chama da rainha Loana” (2004), “O cemitério de Praga” (2011), até o seu derradeiro “O número zero” (2015).

Mas a verdade é que há muitos Ecos. Além de romancista – esta, por sinal, com “O nome da rosa”, uma atividade já tardia do grande italiano e, em princípio, até diletante –, ele foi cronista/ensaísta, professor, bibliófilo, pesquisador incansável, filósofo, crítico de arte, linguista, semiólogo/semioticista e teórico da comunicação, entre outras coisas, tudo junto e misturado.

Eu mesmo topei com esses muitos Ecos em diversas fases da minha vida.

No mestrado, na PUC/SP, o semiólogo/semioticista era personagem frequente nas aulas do professor Paulo de Barros Carvalho, na cadeira de filosofia do direito/lógica jurídica. Não entendíamos muita coisa daqueles conceitos e fórmulas matemáticas, mas hoje, passado o sufoco e olhando para trás, vejo como divertido haver padecido naquele “inferno filosófico”.

De toda sorte, tenho aqui comigo o seu “Tratado geral da semiótica” (de 2005, como parte da conhecida “Coleção Estudos” da Editora Perspectiva), que pretende ser uma “verdadeira suma das principais abordagens do tema”, delineando “uma teoria global de todos os sistemas de significação e processos de comunicação”. Eu empresto o dito cujo para quem quiser sofrer também.

Ainda no mestrado e já no doutorado, fiz muito uso de outro livro de Eco, “Como se faz uma tese” (aqui numa edição de 2005, também pertencente à “Coleção Estudos” da Editora Perspectiva). É um livro “antigo”, reconheço. Com as novas ferramentas tecnológicas, pode até ter ficado datado.

Mas, nele misturando duas das duas principais ocupações, a de pesquisador e a de professor, Eco nos ensina como ninguém: “(1) o que se entende por tese; (2) como escolher o tema e organizar o tempo de trabalho; (3) como levar a cabo uma pesquisa bibliográfica; (4) como dispor o material selecionado; (5) como dispor a redação do trabalho”. E isso é muito.

Também topei muitas vezes com o Eco cronista e ensaísta. Uma obra, frise-se, vastíssima. “Quase a mesma coisa” (2003), “História da beleza” (2004), “História da feiura” (2007), “A vertigem das listas” (2009) e “História das terras e lugares lendários” (2013), todos livros mais recentes, fizeram e ainda fazem bastante sucesso.

E me lembro de haver lido, faz muitos anos, o seu “Diário mínimo” (1963), com crônicas e pequenos textos antes publicados na revista Verri, cheios de ironia e pastiches, para o deleite do então jovem leitor. Escrevo também crônicas e pequenos textos. Não tão bem quanto ele. Mas procuro mimetizar os bons.

Mas acho que – e sobretudo – me identifiquei com as ideias de Umberto Eco. Ou, pelo menos, elas me fizeram pensar. E falo das ideias que dele conheço, pois, de uma obra vastíssima, posso tratar apenas de uma ínfima parte.

São coisas como a advertência de Eco às pessoas para não acreditarem nas teorias conspiratórias e outras baboseiras místicas de estilo. Estas, mesmo intrigantes e sedutoras, são ficções. “Gororobas” culturais e ideológicas que não podem ser levadas de vero. Mas muitos as levam, porque, ao deixarem de acreditar na política, nas instituições, na ciência ou mesmo no Deus da tolerância, passam a acreditar em tudo que os outros, mal-intencionados ou apenas amalucados, lhes dizem.

Ou a célebre observação de Eco sobre o “idiota da aldeia”, aquele que ganhou voz com a Internet para espalhar suas platitudes e mentiras, que, desapercebidamente, nós acabamos aceitando. Lembrando que esse não foi um comentário de um “tio do zap”, irascível e reacionário. Mas, sim, a assertiva de um dos maiores teóricos da comunicação da Terra Redonda. Por isso talvez tenha assustado tanta gente. E certamente por isso devemos meditar muito sobre ela.

Marcelo Alves Dias de Souza é procurador regional da República e doutor em Direito (PhD in Law) pelo King’s College London – KLC

Categoria(s): Crônica
  • Banner - Art&C - PMM - Mossoró Cidade Junina - 20-05-22
domingo - 27/03/2022 - 11:30h

A última peça

Por Marcelo Alves

A última peça de teatro que eu assisti, se não estou enganado, foi “A morte acidental de um anarquista” (“Morte accidentale di un anarchico”, de 1970), de Dário Fo (1926-2016). A produção tinha direção de Hugo Coelho, com Dan Stulbach no papel principal.

Foi no Teatro Tuca, da PUC/SP, onde por coincidência estudei. Ainda me lembro dos atores entrando em cena cantando uma versão da música “Os alquimistas estão chegando” (e, no caso, eram os “anarquistas”), do nosso Jorge Ben Jor. Acho que foi no comecinho de 2017. Como o tempo passa e como a pandemia nos tirou alguns prazeres da vida (falo de ir ao teatro ou ao cinema).

A morte acidental de um anarquista (Foto: divulgação)

A morte acidental de um anarquista (Foto: divulgação)

O italiano Dario Fo, o autor da peça em questão, foi um bocado de coisas na vida. Estudou arquitetura. Recusou a guerra ao lado dos fascistas (seus pais eram da Resistência). Foi a partir da arquitetura, apaixonando-se pela cenografia teatral, que Fo “pôs o pé da profissão”, como diria o nosso Milton Nascimento. A profissão de artista como um todo, já que Fo foi ator, comediante, cantor, compositor, cenográfo, diretor de teatro, dramaturgo e por aí vai.

Esquerdista, talvez anarquista ou mesmo apenas anti-establishment, Fo meteu-se até com a política (que não deixa de ser uma forma de “arte”, manejada, para o bem ou para mal, por grandes ou pequenos “artistas”). Mas foi como dramaturgo, claro, que Fo se consagrou. Foi muito popular em vida. Traduzidíssimo, provavelmente chegou a ser o autor mais representado no palco do mundo. “Mistero Buffo” (1969), “Morte accidentale di un anarchico” (1970) e “Non Si Paga! Non Si Paga!” (1974) foram e são sucessos retumbantes. Ele arrebatou, merecidademente, o Nobel de literatura de 1997.

Na verdade, como dito no manual “Gli spilli fissano le idee – Letteratura Italiana 3” (Edizione Alpha Test, 2016), Fo é o criador de uma obra agudamente satírica e profana – anticlerical mesmo, numa Itália profundamente católica –, “que se inspira em questões históricas, políticas e atuais”.

E, como completa o guia “Tutto Letteratura Italiana” (De Agostine Editore, 2005), “definindo-se como ‘palhaço do povo’, ‘comediante itinerante da arte’, Fo liga-se à tradição da comedia dell’arte para recriar um espetáculo aberto, capaz de envolver o público, graças a uma comédia que faz uso de misturas dialetais e invenções linguísticas, interpretadas com força histriônica e com uma mímica irrefreável”. Acrescento: há muitos monólogos e improvisações no teatro de Dario Fo.

É nesse contexto, que mistura história, política, fantasia e crítica inteligente, que entra a peça “A morte acidental de um anarquista”. Antes de tudo, ela parte de um fato real, o famoso “Atentado da Piazza Fontana”, de 1969. Um ato terrorista, em Milão, em que uma bomba acaba matando quase duas dezenas e ferindo quase uma centena de pessoas. A ação foi atribuída inicialmente a supostos anarquistas.

Um deles acaba morrendo/suicidando-se – alegadamente teria caído/pulado do prédio da polícia – durante o interrogatório. Isso gera ainda mais violência e vingança. De toda sorte, posteriormente, o “Atentado da Piazza Fontana” é atribuído a grupos de direita, que queriam fomentar a repressão. O resto é mistério da história.

Basicamente (não vou fazer spolier), a peça visa reinterpretar a coisa, partindo da “morte acidental do anarquista”, com muita ironia e perspicácia. Na produção que assisti, Dan Stulbach faz o papel de um louco, cuja patologia é fingir ser outras pessoas, detido então por falsa identidade.

A confusão na delegacia está feita. O louco aproveita a deixa e se passa por muita gente, inclusive pelo juiz da investigação da “morte acidental” do anarquista. O juiz-louco, que assume várias identidades, engana a todos. A imprensa e a população tomam partido. Ele desmonta o poder. “Mas o que teria se passado ali realmente?”, acho que ainda perguntamos.

“A morte acidental de um anarquista” é uma obra com mais de cinquenta anos. Mas, como um clássico da literatura, é ainda bastante atual. O ano que assisti à produção foi 2017. Tínhamos, aqui no Brasil, os nossos juízes. Ainda me lembro das improvisações.

Desde a entrada em cena dos “anarquistas” ao som de Jorge Ben Jor às manifestações sobre o nosso juiz-herói de então. O ano agora é 2022. E hoje perguntamos, entre nós, sobre a nossa história: “o que, de fato, aconteceu?”, “que peça está faltando?”.

Marcelo Alves Dias de Souza é Doutor em Direito (PhD in Law) pelo King’s College London – KCL

Categoria(s): Crônica
domingo - 27/03/2022 - 09:00h

O jornaleiro

Por Inácio Augusto de Almeida 

Todos os dias o menino passava com uma ruma de jornais em frente a um quartel no centro de Belém na Praça da República.

Ali parava para apanhar algumas mangas e descansar do peso dos jornais. jornaleiro

Ficava chupando mangas sentado no chão embaixo de uma mangueira. Nem das belas estátuas se dava conta.

Aquele garoto despertou a curiosidade de um militar. E por curiosidade, quase sempre o militar atravessava a rua e ficava a conversar com o jornaleiro que mal conseguia falar, tal a maneira como comia as mangas.

O garoto era o tipo amazônico com ascendência indígena sem nenhuma miscigenação. Já o militar, um nordestino típico.

Aos poucos o militar ficou sabendo que o menino estudava e morava num bairro da periferia onde os alagamentos eram constantes. A casa era de madeira; ao invés de uma rua, tábuas servindo de ponte no alagado onde tinham feito o casebre.

Isto lembrava ao militar uma casinha de palha…

Naquele dia observou muitos jornais e resolveu perguntar quantos o menino já vendera naquela manhã que prometia ser chuvosa.

Sem levantar os olhos, sem nada falar, o jornaleiro fez o V da vitória.

Com a chuva ameaçando cair, muito certamente não venderia mais nenhum jornal naquele dia

– Você quer vender todos estes jornais bem ligeirinho?

O jornaleiro deu um pulo, levantou-se e balançou a cabeça.

– Faça o seguinte. Limpe as mãos, pegue os jornais e vá para a esquina. De lá venha gritando AUMENTO DOS MILITARES, AUMENTO DOS MILITARES.

Quando o menino saiu para a esquina o militar atravessou a rua e ficou no portão de entrada do quartel.

Logo começou a ouvir o grito do jornaleiro anunciando o aumento dos militares.

Olhou para um colega e perguntou se ele tinha escutado o jornaleiro anunciar a manchete do jornal. Um outro militar disse ter ouvido alguma coisa como AUMENTO DOS MILITARES

Antes do jornaleiro passar em frente ao portão já havia vários militares com o dinheiro na mão.

E foi um vapt-vupt. Faltou jornal para tantos compradores.

Quando o último jornal foi vendido o menino com os olhos cheios de medo e uma voz baixinha perguntou:

– E agora?

 – Agora? Agora vá embora, ligeiro, não olhe para trás e passe um tempão sem andar por aqui.

Não sabia porque estava nesta viagem de transporte de estudantes do projeto Rondon a se lembrar desta passagem da sua vida. Voava de Santarém para Parintins

Lembrava e ria da cara dos colegas procurando no jornal a notícia que não existia.

Resolveu ir ao banheiro do C-47 que os americanos, após a guerra, tinham doado ao Brasil. E na passagem para o banheiro viu entre os passageiros, universitários que estavam no projeto Rondon, um rosto que lhe pareceu familiar.

Na volta encarou aquele estudante que também o olhava com simpatia e um sorriso bem aberto.

– Gostou de ter vendido todos os jornais?

– Foi a mais rápida venda de jornais que fiz.

– Qual curso está fazendo?

– Medicina.

Em Brasília Geisel era o Presidente da República e nas universidades meninos inteligentes, através do estudo, faziam cursos que mudariam completamente as suas vidas e a dos seus familiares.

Uma enorme alegria dominou por completo aquele piloto. E um grande abraço aconteceu. Lágrimas rolaram nas faces e nos corações daqueles dois homens.

E ainda existe quem diga que a felicidade não existe.

Inácio Augusto de Almeida é escritor e Jornalista

Categoria(s): Crônica
  • Banner - Art&C - PMM - Mossoró Cidade Junina - 20-05-22
terça-feira - 22/03/2022 - 23:10h
Tensão

Horas de ansiolíticos

Aumentará muito o consumo de ansiolíticos nas próximas horas. Quarta-feira taí. Tudo pode acontecer, inclusive nada.

Em todas as direções existe tensão na política do RN.

Certas desistências são engatilhadas, sonhos desfeitos.

Dormirei em paz.

Cuide-se.

Boa noite.

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo Twitter AQUI, Instagram AQUI, Facebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Só Pra Contrariar
domingo - 20/03/2022 - 14:32h

Exemplo de gratidão de um mossoroense

Por Ney Lopes

Recebi gratificante mensagem do pesquisador Francisco Paulo Ramon Rocha Paiva, 26, natural de Mossoró, RN, sobre um gesto político e humano do meu falecido filho Ney Lopes Jr, quando do exercício de mandato de vereador em Natal. Não conhecia o fato relatado, nem o missivista.

A seguir, a transcrição da mensagem:gratidão, flores

“Sr. Ney Lopes, o ano era 2018, eu estudante mossoroense ouvi falar de um vereador em Natal que valorizava a ciência e a tecnologia. Eu, natural de Mossoró, com pesquisas na área oncológica infantil, a qual tinha sido matéria nos Estados Unidos e em Portugal. Desenvolvi o projeto de lei chamado ‘Super K vs câncer’, que instituía aulas de reforço parta crianças portadoras de câncer, que se ausentassem do ambiente escolar por causa do tratamento oncológico. Eu era de Mossoró e o vereador de Natal, Ney Lopes Jr. Em poucos minutos de ligação falei sobre o projeto e o mesmo se apaixonou pela causa. A princípio tive medo, pois sou residente em Mossoró e o tal vereador em Natal. Eu nunca o havia visto. Iria passar um projeto de tão grande importância logo para um desconhecido? Mas senti no meu coração que ele era uma pessoa boa. Pois bem, o projeto que eu enviei para Ney Jr, o qual nunca tive oportunidade de conhecer em vida, mas somente por ligação e vídeo chamada, foi votado e aprovado por todos os vereadores da Câmara de Natal. Logo um mossoroense fazer essa proeza. Dias depois vou ler o projeto e me espantou a iniciativa do vereador. No texto ele destacou que a iniciativa foi de um pesquisador mossoroense chamado Francisco Paulo Ramon Rocha Paiva. Ele me concedeu todos os créditos da pesquisa e da aprovação do projeto.“Foi aí que entendi que aquele vereador era uma pessoa boa. Hoje já tenho outras lutas. Mas sempre com o sentimento de gratidão a Ney Lopes Jr. No mundo existem conhecidos que não devemos confiar. E existem estranhos que Deus coloca em nosso caminho para que possamos lembrar todos os dias, que devemos acreditar sempre na humanidade.“Não pude conhecer seu filho em vida, porém sou grato e rezo todas as noites por ele. Obrigado por ele ter reconhecido o meu trabalho e empenho. Se vivo fosse com certeza estaria comigo nessa nova campanha que faço com a Covid. Ele me deu uma lição, que nunca esqueci, de que nunca devo desistir”.

Realmente, na atividade pública Ney Jr reconhecia e incentivava os talentosos. Em 2010, através da lei Nº 0306/2010, propôs a criação em Natal, do Banco de Talentos para identificação de nova geração de especialistas e gestores, visando cadastrar profissionais qualificados e identificação de nova geração de especialistas e gestores em diversas áreas, com formação multidisciplinar.

Ele partia do princípio de que o talentoso necessita apenas de oportunidade. O mossoroense Francisco Paulo Ramon Rocha Paiva é um dos potiguares qualificados, que Ney Jr prestigiou em vida, sem conhece-lo pessoalmente.

Ele inventou o primeiro game no mundo para crianças com câncer, que já mereceu destaque em matérias de telejornais nos Estados Unidos e Portugal. Alunos do Curso de Jornalismo da UFRN produziram um documentário sobre o ‘Super K vs Câncer’, denominação dada ao jogo infantil.

Inspirado nessa inovação, o vereador Ney Lopes Jr aprovou legislação para que o poder público municipal de Natal ofereça aulas particulares gratuitas aos alunos em tratamento contra o câncer e assim evite prejuízos educacionais aos estudantes.

Paulo Paiva concluiu outra pesquisa, denominada “Dr. Covid”, que é um aplicativo para garantir de forma rápida o agendamento de atendimento ambulatorial a pessoas que tiveram Covid-19 e ficaram com sequelas.

Este artigo visa unicamente estimular a classe política, para que estimule a descoberta de talentos. Fica a sugestão para que o Prefeito Álvaro Dias (PSDB), com base na lei vigente Nº 0306/2010, instale o “Banco de Talentos”, de Natal.

Ao pesquisador Francisco Paulo Ramon Rocha Paiva o agradecimento pelo seu gesto de grandeza e gratidão, ao relembrar a ação legislativa do Vereador Ney Lopes Jr, que hoje existe na saudade.

Como escreveu Mario Quintana, a saudade “é o que faz as coisas pararem no tempo” e recordá-lo sempre.

Ney Lopes é advogado, jornalista e ex-deputado federal

Categoria(s): Crônica
Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2022. Todos os Direitos Reservados.