domingo - 21/11/2021 - 06:26h

Ah, aqueles momentos em família!

Por Odemirton Filho 

Sentados à mesa, eu, meus pais e minhas irmãs. Cada um com seus gostos, aperreando a nossa querida Socorro pela refeição. Socorro era o nosso porto seguro, uma alma boa. Tinha uma santa paciência para aguentar os nossos “lunduns”.

Papai chegava em casa com os problemas de todo pai de família. Ele costumava fazer o sinal da cruz após as refeições, como forma de agradecimento pelo pão de cada dia. Mamãe era professora, talvez estivesse pensando em preparar a aula do dia seguinte ou corrigir provas.  familia

Eu dava um trabalho danado pra comer. Algumas vezes, bebia um copo com leite Alimba, acompanhado com pão e ovo. Minha irmã mais velha gostava de carne de sol com arroz de leite. Meu pai, de picadinho de carne. Minha irmã mais nova fica enchendo o nosso saco.

Falávamos sobre o nosso dia. Era comum levar uns “batidos” por alguma traquinagem. Não podia faltar, é claro, a recomendação para ver o boletim com as notas azuis. Na maioria das vezes, o meu era pintado com a cor vermelha.

Ainda crianças, ficávamos doidos para terminar o jantar, pois não entendíamos como era sagrado aquele momento. Eu comia apressado para ir brincar com os meninos da rua. Minhas irmãs se trancavam no quarto para brincar com as bonecas “fofoletes”. Meus pais iam assistir ao Jornal Nacional e as novelas. O sinal da TV vinha do canal Verdes Mares, do Ceará.

Não havia aparelho celular, muito menos internet. O nosso mundo era real; a rua, o colégio, os amigos de carne e osso. Quando o telefone fixo tocava, eu saía numa carreira desembestada para atender.

Sim, era apenas uma refeição, como em qualquer família. Mas era tão bom. A vida, como é natural, levou cada um para um lado. Meus pais estão jantando sozinhos. A casa da rua Tiradentes não existe mais do jeito que era. Eu sinto falta de Socorro e da sua comida. Dum pedaço do seu bolo de leite. Sinto falta de estar sob a sombra do pé de seriguela, conversando besteira com minhas irmãs.

Vez ou outra, pego-me lembrando daqueles momentos em família. Somente hoje eu dou o valor que mereciam. Permitam-me parafrasear um velho cronista: “A casa, reformaram, mas o menino ainda existe. Na lembrança ficou o quintal daquele tempo”.

Odemirton Filho é bacharel em Direito e oficial de Justiça

Categoria(s): Crônica

Comentários

  1. Amorim diz:

    É caro Odemiron, são momentos sagrados.
    Hoje tive este momento.
    Minha filha voltou
    Saudades deixou,
    Mas a certeza do amor
    Recíproco cada vez mais
    Forte ficou.
    Que Deus a abençoe.
    Um abraçaço.

  2. Inácio Augusto de Almeida diz:

    A vida é uma sucessão de bons momentos só reconhecíveis depois de passados.
    Nesta sua crônica você nos mostra isto de forma clara.
    Nosso mal é vivermos sempre ansiando pelo amanhâ entupido de esperanças e nos lembrando do passado feliz não aproveitado.
    E assim continuamos em todas as fases da nossa vida.
    Um dia aprederemos que o presente existe e aproveitá-lo é a única maneira de ser feliz.
    Parabéns pela bela cŕõnica.

  3. Rocha Neto diz:

    Realmente o grande Inácio tem razão quando afirma que ” A vida é uma sucessão de bons momentos só reconhecíveis depois de passados”.
    Caro Odemirton, você nos mostra retalhos de uma vida os quais só nos causam saudosismo, pois o baú que arquiva as suas histórias/estórias (kkkkkkkkkk) estar muito bem aquinhoado de quadros pincelados por suas mãos movidas pelas peraltices de uma infância bem vivida, acho que as calçadas e muros das ruas José de Alencar, Tiradentes, Francisco Ramalho, Alfredo Fernandes, Cel Gurgel, Pças Felipe Guerra, do Codó e Pax, tem muito ainda a nos ser mostrado!!!! Bem, o tempo é seu e a verdade aos pouco vem, tenho certeza!
    Grato pela peça de hoje!
    Inté domingo.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2022. Todos os Direitos Reservados.