domingo - 26/06/2022 - 12:40h

Bendita compreensão

Por Inácio Augusto de Almeida 

Tem dia que não bate uma saudade. Nem forte nem fraca. Simplesmente não bate saudade alguma. No peito, aquela agulhada no coração, provocada por lembranças que teimam em se fazer presentes. Lembrança, fotografia, fotógrafo, lambe-lambe

Sabe que não é saudade o que lhe incomoda, pois entende ser saudade a lembrança de momentos bons, alegres e com os quais todos sonham, numa hipotética volta ao passado.

Novamente viver? Sabe ser impossível. A vida não é uma fita de vídeo.

O que mexe com ele são as lembranças que não ficaram como saudades.

Lembranças que, às vezes, comportam-se como um duro promotor, de dedo apontado para seu peito, gritando erros cometidos há anos. Erros não esquecidos, e que teimam em atormentá-lo com cobranças cabíveis por conta de loucuras cometidas e que, quando repassadas, vê, com total clareza, o quanto foi insensato, procedendo de maneira tão condenável aos olhos de agora.

Num instinto de defesa, grita que jamais procedeu de forma intencional quando agia daquela maneira, agora entendida como tresloucada.

Lembra de tanta coisa. E de tantas coisas ri, enquanto o promotor, com olhos esbugalhados e com uma baba escorrendo pelo canto da boca, teima em aparecer com cobranças já prescritas.

O tempo tudo cura. Cura quando lhe mostra o quanto mudou daqueles dias para cá. E dia a dia, através do processo natural de amadurecimento, passou a entender que o ele de hoje é outro totalmente diferente.

Foram mudanças lentas, progressivas, imperceptíveis, mas tão profundas que às vezes não se reconhece de imediato e pensa até mesmo ser uma outra pessoa.

E assusta-se ao tentar imaginar como será o amanhã. Chega até mesmo a sentir medo do novo eu, que fatalmente surgirá.

Tem agora consciência de não ser possível mudar o que está em constante mutação…

Aprendeu, pelo sofrimento, que sabedoria sem humildade é como piscina sem água. E, principalmente, que não se adquire sabedoria através da cultura, mas do dia a dia. Lembra-se de Patativa do Assaré e de Cora Coralina a produzirem cultura fazendo uso de um palavreado simples, bem diferente da linguagem rebuscada, utilizada por intelectualóides que mascaram o vazio do amontoado de palavras, escrevendo de uma maneira que obrigaria até Champollion ao uso de dicionário.

Fazem isto para parecer coisa de algum valor as baboseiras que escrevem. Acha tudo isto um sarro. Ou é um medíocre a buscar um academicismo do qual está distante anos luz?

Hoje, prefere repartir o pouco conhecimento com todos a se isolar para posar de intelectual.  Faz, assim, a opção pela generosidade mental.

Aprendeu que a vida é compartilhar. O resto é frescura de egoístas de corruptelas, condenados ao esquecimento.

As lembranças amargas já não lhe provocam tantas dores. Entende perfeitamente que a maneira equivocada como procedeu foi determinada por conhecimentos limitados. O meio lhe encheu de falsos valores. E o maior deles foi achar que felicidade era TER.

TER e ostentar, achava ser o suficiente para mostrar-se um vencedor.

Hoje, vê corruptos agindo desta maneira, e ri. Ri ao constatar que quanto mais pobre o meio social de origem, maior a necessidade de ostentação…

O tempo é capaz de transformar egoístas em generosos. Mas isto só acontece com os que não ficam estáticos e compartilham conhecimento, num alegre jogo de dar e receber, só possível aos de espírito generoso.

Tudo isto avalia, e se convence de que os erros cometidos resultaram da imaturidade de um tempo que foi vivido de forma compatível ao ser que ele era naquela época. E que não podia ser diferente do que foi.

Será que daqui a alguns anos este mesmo sentimento de culpa não irá surgir e um outro promotor vai aparecer no seu imaginário para lhe acusar dos atos praticados hoje?

Será que este incansável acusador se fará presente até o último dia de sua vida?

Vida que nada mais é do que mudanças constantes.

Melhor deixar estes questionamentos de lado, procurar esquecer as lembranças e se refugiar nas saudades.

As saudades são sempre doces …

Inácio Augusto de Almeida é escritor e jornalista

Crônica dedicada ao Pe. Sátiro.

Categoria(s): Crônica

Comentários

  1. Odemirton Filho diz:

    Parabéns, meu amigo. Mais uma vez a sua crônica merece nota dez.

    Aproveito para dizer que terminei a leitura do livro Maranhão, de sua autoria. Uma história envolvente e, ao final, emocionante. Merece ser lido. E relido.

    Abração!

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2022. Todos os Direitos Reservados.