domingo - 21/11/2021 - 11:40h

Ninguém chorou por ti

Por Inácio Augusto de Almeida 

Faz tanto tempo. Eu não era nem nascido. Crupe é o nome da doença que te levou. Hoje, uma coisa boba. Mas naqueles dias antibióticos era difícil. Difícil e caro, principalmente para nosso pai que trabalhava numa mina de carvão no interior de Santa Catarina. Vê, Geraldo, nem mesmo o nome da cidade eu me lembro mais.

Para ti, irmão, faltou um comprimido de penicilina e o homem da mercearia, que sempre te via brincando nos fins de tarde, só soube da tua morte dias depois do teu enterro.  sofrimento, reflexão, solidão, depressão, isolamento, banco de praça,

A preta velha que te rezou, fez de coração, mas, coitada, rezava sozinha, sem nenhuma corrente formada para ajudá-la.

Eu, apesar de não te ter conhecido, sempre me lembro de ti. Papai sempre me falava de teus cabelos pretos, encaracolados, teus olhos castanhos, vivos, de uma vivacidade que denotava uma inteligência muito acima do normal; dizia que tu te foste porque Deus quis.

Sei não, irmãozinho. Sei não.

Ou será que se tu tivesses naquela noite uma equipe médica à tua cabeceira, com todos os medicamentos possíveis e imagináveis; e muitas, muitas pessoas a pedir por ti, será que o Criador não teria um pouco mais de paciência e deixaria para te levar só muitos anos depois?

Tu foste um nordestino que morreu como morrem milhões e milhões de irmãos nossos. Sem um comprimido sequer. E o que é pior irmãozinho, sem que ninguém derramasse uma lágrima sequer. Porque sobre ti e sobre os teus coleguinhas de desgraça não se criou nenhum clima emocional. Não se dramatiza sobre os Zés da vida. E são tantos, Geraldo.

Tantos, tantos que me causa espanto, quando vejo gente tão insensível, à fome e à miséria destes pequeninos, chorando nas ruas por um doente qualquer. E era dos pequeninos que o Senhor mais gostava ou não foi ele que disse: “ai de quem tocar em um dos meus pequeninos…”

Sabe, Geraldo, ainda hoje morrem pequeninos de Crupe. Não, irmãozinho, não. Existem antibióticos, sim. Bastam alguns comprimidos e pronto.

A doença que te matou é hoje fácil de curar. Tão fácil como uma simples gripe. Mas os garotinhos do Nordeste continuam morrendo de crupe. Por quê?

Ora, nenhum destes que choram e oram por um doente que nunca viram, é capaz de mandar para um pequenino uma pílula.

E elas custam tão pouco! Menos do que o preço de uma cerveja.

Não consigo entender a sensibilidade desta gente que chora a morte de um animal de estimação ou de algum famoso a quem nunca viram. Se alguém consegue entender, não sei.

Não, não me pergunte, irmãozinho, eu realmente não entendo esta sensibilidade.

Sinto vontade de rir. De rir e de chorar.

Tu te foste, irmão querido. Não tinhas sequer cinco aninhos. Eu não te vi, mas em mim ficaram as imagens de ti através do meu pai, que como nordestino que era, não podia chorar por ti.

Nem ele nem ninguém chorou por ti. E hoje, ninguém chora, reza ou faz promessas pelas crianças que, como tu, morreram e morrem sem a menor assistência.

Ninguém chora por elas, ninguém, como ninguém chorou por ti.

Inácio Augusto de Almeida é jornalista e escritor

P.S. – Quatro mil crianças morreram de subnutrição em 2020 e ninguém chora por elas. (Fonte: Data SUS- Ministério da Saúde).

Categoria(s): Crônica

Comentários

  1. Rocha Neto diz:

    “NINGUÉM CHOROU POR TI”, que crônica, caro Inácio! Você me remeteu ao passado de uma família cosntituída pelo amor de seu Expedito e dona Conceição, nossos pais, prole composta por nove filhos, mais que só seis conseguiram sobreviver e estão vivos até hoje, dois morreram com poucos dias de vida e uma irmã com cinco anos vividos, Deus a chamou para voltar ao céu aonde atualmenete vive ao lado dos nossos genitores, o Crupe (ou aquele mal da garganta, como nossa santa mãe Conceição, dizia…), foi a doença que vitimou Lourdinha, até hoje ainda nos faz doer o coração e alma, a maneira como ela partiu, sufocada pela garganta fechada sem poder respirar… sintomas que o COVID19 provoca hoje, só que a modernidade ora existente com o avanço da medicina, naquele tempo não era existente! Hoje os tempos são outros, a medicina avançou pra melhor, mais a miséria em nosso país avançou e muito, pra pior, que pena!!!

    • Inácio Augusto de Almeida diz:

      A dor de perder um filho para esta doença meus pais sentiram.
      GERALDO era meu irão mais velho. Eu não era nascido.
      Na realidade não escrevi uma crónica. Apenas fiz um relato.
      Revolta-me ver tanta gente chorando, de MENTIRINHA, para mostrar que é sensível quando morre alguém muito conhecido por conta de uma mídia que fabrica ídolos em série.
      Ninguém chorou, além dos seus pais, a morte da sua irmã.
      Ninguém chora a morte dos 10 brasileirinhos ontem vitimados pela fome. Como ninguém está chorando a morte dos 10 brasileiros que hoje estão morrendo por falta de alimentos. E manhã ninguém vai chorar por mais brasileirinhos que morrerão por falta de alimentos.
      Ninguém chora. E o pior, ninguém faz nada para acabar esta Imoralidade que nos envergonha.
      Quem me acusa de odiar corrupto está coberto de razão
      O corrupto, dando gargalhadas, se banha com o sangue destes inocentes.
      Não entendo a LENTIDÃO da justiça para julgar processos e recursos de corruptos.

  2. Naide Maria Rosado de Souza diz:

    Sr.Inácio. Bela e dolorosa Crônica.

    • Inácio Augusto de Almeida diz:

      E verdadeira.
      Mais do que uma crônica, um relato de fatos que, miseravelmente, se repetem nos dias de hoje por culpa da corrupção que é praticada com garantia de impunidade por leis que condenam ladrôes de dinheiro público a anos de cadeia em regime fechado, mas permitem que a pena seja cumprida em liberdade.
      MENOS IMPUNIDADE, MENOS CORRUPÇÃO.
      MENOS CORRUPÇÃO, MENOS FOME.
      Diariamente morrem 12 criancinhas vítimas da fome provocada pela CORRUPÇÃO.
      Enquanto as criancinhas morrrem de fome os corruptos dão gargalhadas.
      Sabem da lentidão da justiça e contam com a famigerada prescrição.
      TODO CORRUPTO É UM FEDE.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2022. Todos os Direitos Reservados.