domingo - 30/10/2011 - 11:07h

Os espertalhões de feiras

Por Honório de Medeiros

Antigamente não havia feira, no interior, sem um espertalhão. Era o espertalhão de feira.

Chegava insidioso, se imiscuindo por entre as pessoas até um local apropriado, pousava a mala no chão, tirava o chapéu preto encharcado de suor, puxava um lenço amarfanhado do bolso e o passava no rosto e cabelo, abria a mala, sacava uma mesinha de madeira daquelas pré-montadas e a cobria com um pano que fora branco em alguma “era” passada, expunha vários frascos cheios de líquidos coloridos, olhava ao seu derredor, escolhia uma vítima após lançar um olhar experimentado para todos os lados e começava sua “latomia”:

“A senhora, é, a senhora mesmo, me ouça com atenção, porque estou vendo pela sua cor que a senhora apresenta algum incômodo no sangue. Tem dormido mal, de quando em vez, não é? Às vêzes tem sentido uma tristeza que demora a passar, não é? Algumas comidas não estão entrando bem, não é? É como digo, minha senhora, a senhora está com algum incômodo no sangue. Mas eu tenho a solução. E para o senhor também, e para você também, moça bonita. Porque aqui, nesta garrafa, está o mais potente destilado de uma erva que somente existe no coração da Amazônia, e que os índios guardam como sendo o maior segredo deles. Essa bebida cura todo mal que se origina do sangue…”

E por aí vai.

O espertalhão de feira já formou um círculo em seu derredor e prende a atenção das pessoas contando casos e mais casos nos quais a cura milagrosa se estabeleceu a partir de sua beberagem. São estórias escabrosas, produzidas e contadas para prender a atenção.

Voz tonitroante, olhar de águia para perceber quais são os mais impressionáveis, tiradas bem-humoradas de quando em vez, para estabelecer empatia com os ouvintes, poderia ser um estudo de caso de uma retórica firmada no dia-a-dia, na experiência brutal da luta pela sobrevivência, na prática permanente da mistificação.

Na outra ponta do centro da feira, outro espertalhão já montou seu “circo”: também em uma mesinha dispõe sobre a superfície do pano branco uma bolinha de metal acobraeado e três copos de madeira escurecidos pela sujeira e convida os incautos a descobrir onde a bolinha está escondida, enquanto rapidamente os maneja de um lado para o outro.

Alguns dos incautos já ganharam uma pequena importância: isso faz parte do processo de atração das futuras vítimas – o primeiro dinheiro fácil – que começam ganhando e, no fim, sem ter notado, seu “apurado”, tudo quanto ganhou na feira, foi embora para os bolsos do espertalhão, misturado com cachaça ou conhaque barato e pedaços de carne de bode.

Em outro lugar cantadores de viola “simulam” um desafio enquanto alguém “corre o chapéu”. Não há peleja, não há repente, não há criatividade: tudo quanto é cantado já o foi Sertão a dentro, muitas vezes, em muitos lugares.

O público pensa que está assistindo um desafio quando, na verdade, está sendo iludido com versos decorados e antigos.

Os espertalhões de feira são como nossos políticos. E os “bestas” somos nós.

Honório de Medeiros é professor, escritor e ex-secretário da Prefeitura do Natal e do Estado do RN * Clique AQUI e conheça o Blog do autor.

Categoria(s): Artigo

Comentários

  1. Ceica Praxedes diz:

    Ah que saudades do tempo em que os “espertalhoes” da feira eram os maiores enganadores do povo.
    Os espertalhoes de hoje são ambiciosos alem da conta, sofisticados, e invariavelmente abandonam a ação individual para atuarem em grupos.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2021. Todos os Direitos Reservados.