domingo - 07/11/2021 - 04:30h

Pequeno luxo

Por Marcos Ferreira

Estou sozinho em casa e daqui não pretendo ir a lugar nenhum. Que importa que hoje ainda é quarta-feira e a vida lá fora urge, exige movimento, disponibilidade, trabalho e suor de todos. Não, não arredarei o pé. Muito menos em meio a este calor diabólico, infernal. Meu ventilador não aplaca o mormaço. O vento que ele produz é quente feito o de um secador de cabelo industrial. Supondo-se, claro, que existam secadores de cabelo industriais. Coisa bem pouco provável.

Ouço, como de costume, uma de minhas playlists com várias horas de blues. Acabei de fazer café e a cafeteira vai perfumando o ambiente com o aroma da rubiácea. Minha gata Gudãozinho, descansando sob a mesa da cozinha, vez por outra me encara com tédio e preguiça. Nesse horário, o que é absolutamente compreensível, nem ela está disposta a perseguir as lagartixas pelo quintal.casa, residência, moradia, construção civil

Os últimos dias, sob sol inclemente, em meio ao siroco, foram um exaustivo périplo por consultórios médicos e clínicas laboratoriais. Agora não quero contato com o astro-rei. Não ao menos lá fora, trafegando por estas ruas desarborizadas de Mossoró, sobre os paralelepípedos e o asfalto escaldantes. Ficarei aqui entre estas paredes velhas, sob este teto avariado pelos cupins, tomando um banho rápido de meia em meia hora, a porta da frente trancada; só a da cozinha aberta.

Cá estou com o Dom Quixote, óleo sobre tela, oriundo dos pincéis do Túlio Ratto. O cavaleiro da triste figura é testemunha deste calor insuportável neste princípio de tarde. Olho para a face do espanhol e tenho a ligeira impressão de que ele também transpira. Gudãozinho escancara a boca num bocejo extraordinário, abana levemente a cauda felpuda e apoia o queixo sobre a patinha.

Veículos (carros e motos) cruzam a Euclides Deocleciano de um lado para o outro. Levantam poeira. O ronco dos motores interfere no canto dos pássaros ao derredor de minha casa. Aonde vão essas pessoas em seus automóveis e motocicletas? Só podem ter compromissos inescapáveis, inadiáveis, para terem que sair a esta hora. Deveria ser proibido (quiçá uma lei municipal) o mossoroense circular por esta cidade debaixo de uma bola de fogo como esta que paira sobre nós.

Devo ficar em casa e não atenderei a ninguém que porventura bata palmas no portão, chamando ou não pelo meu nome. Não abrirei a porta. Darei o silêncio por resposta. O telefone está desligado. Nada de WhatsApp, Instagram ou Facebook. Muito menos informações sobre o esgoto político, a céu aberto, deste país. Pois eu preciso me desintoxicar. Ao menos durante o dia de hoje.

Um homem, qualquer pessoa, aliás, tem o direito de tirar um dia somente para si. Um dia assim para não se fazer coisa alguma. Exceto, no meu caso, escrever. Pois me convém escrever, embora suspendendo a redação de meia em meia hora para me demorar uns minutinhos sob o jato do chuveiro. Que calor dos seiscentos, prezado leitor e gentil leitora! Se escrevo, portanto, é por opção. Mas eu poderia estar largando dentro da rede, quem sabe assistindo a um filmezinho.

Todavia, como percebem, optei por escrever, ouvir blues e bebericar o meu café puro. Não tenho o hábito de dormir após o almoço, se acaso você me perguntar. Até porque meu almoço costuma ser o café da manhã. Não sinto fome logo que acordo. Também não tenho a menor intimidade com as atribuições alimentares de uma cozinha. Sobrevivo basicamente da geladeira e da cafeteira.

À noite, entretanto, vou à casa de Natália e lá sou brindado com uma refeição de verdade: arroz, feijão, cuscuz, carne, frango — a chamada comida de panela. Às vezes minha sogra faz sopa e eu tomo com muito gosto. Retorno por volta das vinte horas, engulo meus remédios e, enquanto Morfeu não se apodera de mim, vejo alguma coisa da Netflix, acesso este que me foi compartilhado pelo amigo Elias Epaminondas, ele que é o carioca mais mossoroense que conheço.

São treze horas e quarenta minutos. Eu até poderia jurar que Dom Quixote está mesmo transpirando. Deve ser, porém, o brilho da tinta ainda nova. Na representação de Túlio Ratto, que tem se revelado um bom pintor, o herói de Miguel de Cervantes parece um pobre-diabo sobre um cavalinho macérrimo. Estamos aqui, portanto, eu, Gudãozinho, Dom Quixote e seu cavalo desmilinguido.

Daqui não saio, daqui ninguém me tira. Por exemplo, sequer me abalarei até a lotérica, no Centro, para fazer a minha aposta na Mega-Sena. Ouvi dizer que está acumulada em não sei quantos milhões. Dinheiro mais que o bastante para que eu abra mão desse meu auxílio-doença mixuruca e me torne um vagabundo profissional, como no dizer do poeta Manoel de Barros. Ficarei aqui no meu suadouro, sem ar-condicionado, contando apenas com este ventilador barulhento.

— São milhões — uma voz me sussurra.

Apesar do calor, o vento circula impetuosamente. Açoita a grande mangueira na residência aos fundos. Uma lufada quente e empoeirada adentra pela porta da cozinha. Cai uma porção de ciscos do teto, que não possui forro. Há poeira em toda parte, sobretudo nos meus poucos e desorganizados livros nas estantes de ferro. Sinto as micropartículas de areia entre meus dedos e o teclado.

Sem camisa, um colar de suor à volta do pescoço, sigo digitando. Penso se não é o momento de fazer outra pausa para mais um banho rápido. Sim, é o que farei. Depois, com a cuca e o corpo mais arejados, tomarei um novo trago de café e avançarei para outro parágrafo. Antes, todavia, decido concluir este raciocínio, ou parágrafo. Gudãozinho se estica toda e vai para o terraço. São precisamente catorze horas e cinco minutos. Careço quebrantar este suadouro. Até breve.

Bem, estou de volta, refrescado e com outra meia caneca de café. Usufruo, como venho narrando, do pequeno luxo de estar na privacidade do meu humilde lar. Hoje não trocarei esse recolhimento por nenhuma visita imprevista e inoportuna. Só botarei a cara fora bem mais tarde, lá por volta das dezoito horas, quando chegar o instante de ir à casa de Natália. Será este o ponto alto do meu dia.

Marcos Ferreira é escritor

Categoria(s): Crônica

Comentários

  1. Amorim diz:

    Bom dia Marcos, realmente o calor tá demais; estou aqui em Recife na casa de minha mãe, tá um forno, acho que estou em banho-maria, me descontrola todo e é tão que quanto Mossoró.
    Suas crônicas são sempre de uma sensibilidade sem igual.
    Obrigado!
    Abraçaço a você, Natália e Gudãozinho!

  2. Alcimar jales diz:

    Bom dia!!!meu amigo. Marcos Ferreira.
    Meu amigo, sou testemunha desse mormaço de Mossoró. Mas,vejo que o amigo usou muito bem, este fenômeno da natureza, para aquecer os nossos domingos com suas belas crônicas.

    Um abraço meu garoto.

  3. Carlos Silva diz:

    Marcos, parabéns pela crônica que descreve um cotidiano de maneira tão real, que consigo me enquadrar com precisão em cada ambiente descrito. Não sei se serei feliz em meu comentário, mas o farei mesmo assim. O saudoso Luiz Gonzaga juntamente com seu parceiro de composições, Zé Dantas, tinha a semelhante proeza de descrever o seu cotidiano sertanejo da mesma forma que você o faz. Isso é de tirar o chapéu. Mais uma vez, muito obrigado por proporcionar a nós, leitores, o compartilhamento dessa sua PROEZA.

    Um abraço

  4. Aluísio Barros de Oliveira diz:

    Oh, MF, que calor desgraçado é esse? E essa poeira fina, né, q vem do deserto q dizem se instalar gradativamente (adoro esse recurso do Augusto dos Anjos para atender aos ditames da métrica) entre Areia Branca e Mossoró (já disse, repetidas vezes, q um lugar bom para se fazer o novo aeroporto de Mossoró, haveria de ser nesse lugar q desertifica. Um aeroporto nasceria no deserto para atender a Costa Branca e o Vale do Assu. Imaginemos a alegria dos novos donos do Portoilha, a balsa de Grossos se enchendo de turistas, as dunas do Rosado se fingindo das arábias na novela da Globo – vc sabia q “transformaram” montanhas de sal da salina São Camilo em geleiras para explosão cenográfica na série “Verdades Secretas II”? – os cabarés de homem cheinhos de fregueses novos, de longe, a beleza da Ponta do Mel (nunca fui, dado o meu amor por Tibau. Todos os mares do mundo se resolvem, pra mim, no Tibau. Melhor banho de mar q desejo), o vento fresco da praia do Cristóvão… “Turistas trazem tudo, inclusive seus maus costumes de casa”, me garantia CQ).
    O calor lasca.
    Tomara q as muriçocas não retornem.
    Fico sem sono pq o mapinha do RN ainda permanece vermelho, sinal ruim para essa pandemia q não cessa.
    Tá um calor de lascar!
    Vi agora uma barata passante. Que não seja um Gregor.
    Tá bem cumprido o seu papel de cronista, MF. Demora mais no aconchego da casa de Natália, viu. Vai começar novela nova.
    Bons dias.

    Ps.: Vc tem um Túlio na parede! Très chic. Ainda mais um Quixote.

  5. Francisco Amaral CAMPINA diz:

    Bom dia Marcos, muito quente mesmo
    Abraços

  6. Alcides jales bezerra diz:

    Oi meu amigo Marcos bom dia. Realmente o calor que faz em Mossoró-rn é descomunal e desagradável a qualquer ser humano. Porém acho que a tendência é piorar.Mas amigo aqui no Rio de Janeiro, não é diferente. Aí pelo menos a tarde vem aquele ventinho gostoso aqui quando é quente e quente amigo.Mas estamos tendo uma primavera com temperatura s bem amenas.grande abraço e um ótimo domingo você. Há e a Natália e seu gatinho.

  7. Magno diz:

    O homem vive como um adolescente saído da casa dos pais. Desenrole, poeta, deixe de filar comida na casa da noiva, homi. Kkkkkkkkkk O homem não sabe nem fritar um ovo? Kkkkkkkk valeu.

  8. Rocha Neto diz:

    Caro Marcos, como sempre tem acontecido de um certo tempo pra cá, os domingos para aqueles que gostam de uma boa leitura, só se completa com os seus contos inebriantes. Hoje lendo o “PEQUENO LUXO”, confesso que pincei para mim o seu sexto parágrafo, pois ali estão inseridos os comportamentos de uma pessoa normal, isto quando amanhecemos de pá virada, ou mesmo sentados em cima dos ovos.
    Coincidência ou não, foi o que aconteceu comigo no dia 4 do fluente mês; parece que o corpo, a paciência, a tolerância e o escambau vem tudo em um só momento!
    O melhor de tudo é um pouco de isolamento para analisarmos o que houve e nos preparar para tudo que virá. Pois viver é o que importa, o resto… é o resto mesmo.
    Inté a domingo, nobre cronista.

  9. Vanda Maria Jacinto diz:

    Olá, Marcos!

    Lar doce lar!
    Que bom ter um espaço só seu, e vez por outra poder dar um tempo no corre corre da vida!

    Abraços

  10. Francisco Deisimar Nobre diz:

    Eu tb amo ouvir blues jazz tomando um cafezinho e escrevendo ou lendo alguma coisa, também apreciar tudo em volta. Como se os meus olhos saíssem da caixa ocular e ficasse fotografando tudo a pequena,média e longa distância.
    Sei do calor de Mossoró, onde parece estar mais próximo do sol. Aí é a terra do sal, do céu, do cio, do sol e do soul músic.

  11. Simone Martins de Souza Quinane diz:

    Querido,
    Sua crônica é tão verdadeira e realista que, me imagino em seu lar doce lar, sentada ao seu lado, enquanto você escreve, fazendo companhia a você e a gudãozinho e bebericando, de vez em quando, uma xícara de café, alternando com uma chuveirada a fim de amenizar o calor escaldante que faz as tardes quentes em Mossoró. Salvo pelo gongo quando chega a hora de desfrutar da agradável companhia da bela e amada Natália!
    Amoooooooooooo suas crônicas onde você esbanja sensibilidade, maestria na arte de escrever e por que não sensualidade quando se desnuda aos olhos dos seus leitores!
    Isso tudo é apaixonante, meu escritor preferido!

  12. RAIMUNDO ANTONIO DE SOUZA LOPES diz:

    Pois é, Marcos. A sua crônica me lembrou uma cena de Casa Blanca, esta, passada em um bar onde vários homens tentam suportar o calor daquele país, munidos de um copo e um ventilador de teto. No seu caso, gosto do cronista que detalhe, que “nos mostra” às minúcias do seu pensamento. Belo texto! Parabéns.

Deixe uma resposta para Francisco Deisimar Nobre Cancelar resposta

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2022. Todos os Direitos Reservados.