terça-feira - 27/07/2021 - 16:28h
Solidariedade

Albergue de Mossoró pede apoio para sua manutenção e ampliação

Albergue já atendeu pessoas de 18 estados (Foto: divulgação)

Albergue já atendeu pessoas de 18 estados (Foto: divulgação)

O Albergue de Mossoró (ALBEM) iniciou uma nova campanha para arrecadar recursos para manutenção e ampliação dos serviços. O objetivo é atrair sócios, de maneira voluntária.

A unidade hospeda acompanhantes de pessoas internadas em hospitais conveniados ao SUS no município. Fundada em 2016, sem ajuda governamental, o Albem já atendeu mais de 3.000 pessoas de 113 cidades do RN e de 18 estados brasileiros.

No local, as pessoas são acolhidas com atendimento humanizado, hospedagem, café da manhã, almoço e janta, de forma gratuita.

Além disso, há palavra de conforto diariamente, através de parcerias com entidades religiosas.

O albergado fica todo o tempo em que o familiar estiver internado. O acesso ao serviço ocorre somente por triagem do serviço social de hospitais parceiros.

Voluntários

O Albergue de Mossoró funciona de maneira filantrópica, 24 horas por dia. É mantido basicamente com doações de voluntários, que representa cerca de 80% de sua receita. É o único albergue da região a realizar esse serviço de maneira gratuita.

“Todas as pessoas que atuam aqui são de maneira voluntária. Fazemos um trabalho com amor e dedicação, tendo como prioridade o acolhimento das pessoas carentes, que acompanham pacientes em hospitais e que não têm onde comer ou se hospedar durante a internação de seu ente querido. Os custos para manutenção de toda essa estrutura são muitos. Por isso, pedimos a ajuda e colaboração de todos, para essa corrente do bem”, afirma o diretor do Albem, Edson Oliveira.

Para doar, a partir de R$ 9,99, a pessoa pode transferir pelo PIX: (CNPJ) 12.703.179/0001-22.

O telefone para contato do Albem, que também é Whatssap, é o (84) 3062-3155.

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Gerais
terça-feira - 27/07/2021 - 11:42h
Apoio à violência

Styvenson pede desculpas a senadoras e demais mulheres

Em texto sob o título “Nota à bancada feminina do Senado e a todas as mulheres”, o senador Styvenson Valentim (Podemos-RN) tenta oficialmente explicar e justificar comentários grosseiros e endossantes (veja AQUI) à violência praticada contra uma mulher no município de Santo Antônio-RN, agredida vernal e fisicamente por policial militar. Sua posição ocorre após a bancada feminina no Senado (veja AQUI) emitir nota de reprovação à sua postura.Senador Styvenson Valentim com nota às senadoras e a todas as mulheres sobre vídeo dele - 26 de Julho de 2021

Reincidente, Styvenson já postou outro vídeo em que faz chacota da deputada federal Joice Joice Hasselmann (PSL-SP), que teria sofrido uma agressão física. Também numa tentativa de esclarecer o primeiro vídeo polêmico, postou outro culpando a imprensa por espalhar conteúdo descontextualizado.

Nota do Blog – O senador é uma anomalia política desses tempos. Incapaz de entender o que seja democracia, república, o papel de um congressista e com dificuldade de se postar com o mínimo de civilidade, inclusive com a família, pois há poucos meses botou no ar um vídeo com cenas lamentáveis em que humilhava familiares.

Francamente!

Pobre RN Sem Sorte!

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Política
  • Banner - Art&C - Governo do RN - 9 a 28 de Agosto de 2022
terça-feira - 27/07/2021 - 09:46h
Surf

Italo Ferreira, de Baía Formosa, conquista primeiro ouro do Brasil

A vontade era tanta que, logo na primeira onda, a prancha quebrou. Foram pouco mais de dois minutos até que Italo Ferreira – potiguar de Baía Formosa, filho de ‘seu’ Luizinho que vendia peixe e de dona Katiane – nadasse à areia para recomeçar. O que parecia um mau presságio, porém, não passou de um leve percalço.

Italo Ferreira com a prancha quebrada precisou pegar outra e superou adversário com folga (Foto: Ryan Pierse-Getty Images)

Italo Ferreira com a prancha quebrada precisou pegar outra e superou adversário com folga (Foto: Ryan Pierse-Getty Images)

No mar revolto de Tsurigasaki, o surfista brasileiro enfileirou manobras e garantiu o primeiro ouro da história do surfe em Olimpíadas.

Italo, agora, chega a um feito e tanto. Campeão mundial de surfe em 2019, o potiguar de Baía Formosa agora também soma o título olímpico.

O primeiro do Brasil em Tóquio. Diante do japonês Kanoa Igarashi, que eliminou Gabriel Medina na semifinal, o potiguar entrou para o rol de heróis olímpicos do país.

Italo superou Igarashi com sobras. Apesar da quebra da prancha logo em sua primeira tentativa de manobra, o brasileiro não desanimou. Agressivo durante toda a bateria, conseguiu três boas notas, o suficiente para deixar o japonês em combinação. No somatório final, 15,14 contra 6,60 do rival.

A festa começou antes mesmo do fim, a dois minutos do sinal tocar. O ouro já estava garantido.

Veja matéria completa AQUI.

Nota do Blog – Ferreira não é o queridinho da mídia nacional, trono que cabe ao midiático Gabriel Medina. Mas, é um legítimo campeão, com uma história de permanente superação. Emocionou-se ao ser entrevistado, fez o repórter chorar e chorou também, ao lembrar que infelizmente sua avó não estava viva para vê-lo triunfar.

Bravo!

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Esporte
terça-feira - 27/07/2021 - 08:52h
Economia

Projeto do Polo Cloroquímico será apresentado ao BNB em Fortaleza

Apresentação e assinatura de protocolo em Mossoró aconteceu dia 9 de junho desse ano (Foto: PMM)

Apresentação e assinatura de protocolo em Mossoró aconteceu dia 9 de junho desse ano (Foto: PMM)

O Banco do Nordeste do Brasil (BNB) vai promover reunião para apresentação do projeto do Polo Petroquímico Koyo-PCK de Mossoró. Será à próxima semana em Fortaleza (CE).

O empreendimento com capital totalmente privado teve assinatura de protocolo no dia 9 de junho último (veja AQUI) entre a Prefeitura de Mossoró e a a Koyo Intership Trading/TFB & Energy.

Idealizador do projeto, o economista e consultor de negócios Carlos Duarte fará exposição técnica do empreendimento que deverá alcançar inicialmente também outros municípios como Guamaré, Porto do Mangue e Macau.

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Economia
  • Repet
terça-feira - 27/07/2021 - 08:04h
14 horas

TRE-RN empossa novo juiz federal nessa terça-feira

posse-joseteixeiradesouzaNesta terça-feira (27), o juiz federal José Carlos Dantas Teixeira de Souza será empossado como juiz titular da Corte Eleitoral do Rio Grande do Norte para o biênio 2021-2023, na cadeira reservada para magistrados da Justiça Federal.

A sessão solene de posse virtual será conduzida pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE-RN), desembargador Gilson Barbosa, com transmissão ao vivo no canal oficial do TRE-RN no YouTube, a partir das 14h.

Bacharel em Direito e mestre em Direito Constitucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), José Carlos Dantas é titular da 3ª Vara da Justiça Federal do Rio Grande do Norte.

O magistrado atua como juiz Federal desde 2005 e sua indicação para compor a Corte Eleitoral potiguar foi aprovada pelo Pleno do Tribunal Regional da 5ª Região (TRF-5), no dia 6 de maio. José Carlos substitui o juiz federal Carlos Wagner, que finaliza o período como titular e passa a ocupar a posição de suplente para o biênio 2021-2023.

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Justiça/Direito/Ministério Público
segunda-feira - 26/07/2021 - 23:58h

Pensando bem…

“Quem quer que você seja, seja alguém bom”.

Abraham Lincoln

 

Categoria(s): Pensando bem...
  • Art&C - PMM - Arborização - Julho de 2022
segunda-feira - 26/07/2021 - 14:38h
Música

Alzinete di Oliveira e Vivi vão se apresentar no Republic da Pizza

Alzinete di Oliveira - música - 29 de Julho de 2021 - Republic PizzaAos poucos vencendo a pandemia, a cantora Alzinete di Oliveira tem apresentação certa para a próxima quinta-feira (29) em Mossoró.

Será no Republic da Pizza na Avenida Rio Branco, centro, a partir das 19h.

Vai cantar um repertório criteriosíssimo ao lado de Vivi dos Teclados.

Em seguida, às 21h, Weslley Music será a atração da casa logo às 21h.

Se der esbarro por aí, querida Alzinete.

Mas, de antemão, muito sucesso para você e companhia.

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Gerais
segunda-feira - 26/07/2021 - 11:34h
Reação

Senadoras repudiam aval de Styvenson à violência contra mulher

A bancada feminina do Senado emitiu Nota de Repúdio ao senador Styvenson Valentim (Podemos-RN), que em vídeo em suas próprias contas privadas em redes sociais, promoveu endosso à violência contra uma mulher, ocorrido no município de Santo Antônio-RN, há poucos dias.

Ela levou tapas no rosto de um policial e foi destratada verbalmente, quando uma guarnição da Polícia Militar atendia a uma ocorrência na periferia da cidade.

Bancada emitiu uma nota dura contra o colega de plenário (Foto: divulgação)

Bancada emitiu uma nota dura contra o colega de plenário (Foto: divulgação)

Para o senador, a vítima talvez tivesse feito por onde “merecer” os “tapa” (sic):

– Pelo vídeo aí, eu tô vendo que ele está dando dois tapa na mulher… uns tapa aí bom, na mulher. Agora, eu sei lá o que essa mulher fez para merecer os tapa, porra. Será se ela estava calada, rezando… o Pai Nosso para levar dois tapa? Eu num sei, porra… eu num sei!” – disse (veja AQUI).

Nota de Repúdio

NADA justifica o injustificável!

O sentimento de indignação toma conta da Bancada Feminina do Senado Federal neste momento, em que fatos e relatos da prática de violência contra a mulher são retratados nos noticiários nacionais e nos chocam profundamente. Sentimento esse que ganha uma dimensão ainda maior quando a violência é justificada por agentes do Estado ou pessoas públicas que deveriam justamente nos defender e repudiar esse tipo de conduta.

As palavras têm um peso ainda maior por envolver a manifestação de um colega nosso do Senado Federal, o Senador Styvenson Valentim. Nada pode justificar a validação de atos e condutas inadmissíveis que revelam a violência estrutural, cultural e histórica da nossa sociedade.

Todos nós, juntos, precisamos entoar nossa voz e reforçar nossa luta em defesa de todas as mulheres brasileiras e contra qualquer tipo de violência, seja contra quem for.

Por isso, repudiamos qualquer palavra ou ato que venha retroceder na luta que enfrentamos há tanto tempo, dentro e fora do Parlamento.

Nosso maior esforço, enquanto Bancada Feminina do Senado Federal, é pela construção de uma sociedade unida e livre de violência.

Lutemos juntos…

Bancada Feminina do Senado Federal

25 de julho de 2021.

Nota do Blog – No domingo (26), em novo vídeo, Styvenson debochou da repercussão do vídeo e afirmou que era vítima de distorção do contexto de sua fala. Culpou a imprensa por tudo.

O ego de Styvenson é doentio, o que já destruiu muitos projetos e carreiras políticas promissoras. Até hoje, ele não entendeu o papel de um senador e nada que faz foge à teoria do “styvensoncentrismo”: o mundo gira em torno de si.

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Gerais / Política
  • Art&C - PMM - Arborização - Julho de 2022
segunda-feira - 26/07/2021 - 11:12h
Aumento

Nos Estados Unidos, 99% das mortes por Covid-19 são de não vacinados

Estados Unidos vem nova cepa também preocupar nessa fase (Foto: Getty Images)

Estados Unidos vem nova cepa também preocupar nessa fase (Foto: Getty Images)

Da CNN

Os Estados Unidos registram um aumento diário nos casos de Covid-19 desde o último dia 7. O país tem estoque suficiente de vacinas para garantir a imunização de todos os americanos, mas ainda existe resistência de parte da população que não quer se vacinar.

Uma pesquisa mostrou que 51% dos republicanos não querem ser vacinados, enquanto 83% dos democratas querem.

Nos últimos seis meses, 99% dos que morreram de Covid-19 não tinham se vacinado.

No país, 83% dos novos casos da doença são provocados agora pela variante Delta.

Saiba mais detalhes clicando AQUI.

Nota do Blog – A idiotia não é um problema restrito à parcela do país verde-amarelo. Mata aqui e lá fora.

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Saúde
segunda-feira - 26/07/2021 - 10:28h
Fim de semana

Mossoró aplica quase 5.400 vacinas e aguarda novas remessas

Vacinação seguiu nova etapa no fim de semana em Mossoró (Foto: Wilson Moreno)

Vacinação seguiu nova etapa no fim de semana em Mossoró (Foto: Wilson Moreno)

O fim de semana foi encerrado com a campanha Mossoró Vacina registrando 5.378 doses aplicadas contra a Covid-19. Com esse número de pessoas vacinadas, o estoque de D1 (primeira dose), foi totalmente utilizado pelo município, alcançando faixa etária de 30 anos ou mais sem comorbidades.

Governo municipal aguarda chegada essa semana de novas remessas, que já são prometidas (veja AQUI).

De acordo com o setor imunizações do Município, departamento ligado a Secretaria Municipal de Saúde, a fase foi concluída com 3.333 doses aplicadas no sábado (24) e 2.045 doses no domingo (25).

Do total das doses aplicadas, 4.273 foram da primeira dose, enquanto 1.080 para segunda dose. Ainda foi registrada a aplicação de 25 doses únicas do imunizante da Janssen.

Esse foi o segundo maior volume de doses aplicadas em um fim de semana, dentro da campanha Mossoró Vacina. O recorde atual é de 5.793 aplicadas, números registrados nos dias 17 e 18 passados.

De acordo com Etevaldo Lima, coordenador de Imunizações, o Município utilizou todo o estoque de vacinas do último lote enviado pelo Governo do Estado, na quinta-feira (21), num total de 7.961 doses.

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Administração Pública / Saúde
  • Repet
segunda-feira - 26/07/2021 - 09:00h
Skate

Um Brasil finalmente unido

Rayssa Leal faz uma manobra na final (Foto: Ezra Shaw-Getty Images)

Rayssa Leal faz uma manobra na final (Foto: Ezra Shaw-Getty Images)

Bom saber que nessa madrugada, o Brasil finalmente se uniu, deixando de lado a estupidez, as fake news, fanatismo e ódio.

Torceu pela menina skatista Rayssa Leal, 13 anos, Prata nas Olimpíadas de Tóquio.

Meninos eu não vi, mas gostei demais.

Viva a maranhense Rayssa!

Saiba mais sobre essa vitória gigante clicando AQUI.

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Esporte / Opinião da Coluna do Herzog
segunda-feira - 26/07/2021 - 08:26h
Mais vacinas

Governo anuncia chegada de novo lote

O Ministério da Saúde sinalizou o envio de 179.600 vacinas para esta semana, sendo 85.800 doses da AstraZeneca, 35.100 da Pfizer e 58.700 da CoronaVac.

O anúncio é feito pela governadora Fátima Bezera (PT), à noite desse domingo (26).

“Logo que as datas forem confirmadas volto pra informar a vocês”, disse a governadora em suas redes sociais.

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Administração Pública / Saúde
  • Banner - Art&C - Governo do RN - 9 a 28 de Agosto de 2022
domingo - 25/07/2021 - 23:59h

Pensando bem…

“Como as pessoas lhe tratam é problema delas, como você reage, é o seu.”

Wayne Dyer

Categoria(s): Pensando bem...
domingo - 25/07/2021 - 11:36h

O “vai e vem” do convite a Ciro Nogueira

Por Ney Lopes

Prenuncia-se muita tensão política na próxima semana em Brasília.

Após ter dito ao general Ramos que iria substitui-lo na Casa Civil, o presidente surpreendeu a todos anunciando que ainda não confirmou o senador Ciro Nogueira nesta posição no Palácio do Planalto.

Atribuiu-se, que tudo tenha nascido de grande reação militar à saída do general Ramos.Palácio do Planalto - BrasíliaDiz-se que a “troca” na Casa Civil seria vitória de uma manobra do potiguar e atual Ministro das Comunicações, Fábio Faria, amigo-irmão do senador Ciro Nogueira.

Com a mudança, ele terá mais facilidades de encaminhar interesses no “núcleo do governo”, que é a Casa Civil, além de enfraquecer o seu concorrente na política potiguar, o ministro Rogério Marinho.

Em contrapartida, o conterrâneo abriu flanco na área militar e aumentou a extrema vigilância em torno dele, na condução do leilão do 5G no Brasil, o maior negócio do país nos últimos tempos, que envolve bilhões e bilhões de dólares.

Há olhos abertos!

Neste contexto de instabilidade, o senador Ciro Nogueira, terá conversa com Bolsonaro, nesta segunda feira.

Por trás do convite ao senador Ciro, está a intenção do presidente de filiar-se ao PP para disputar a reeleição.

Dois fatores dentro do PP conspiram contra esse propósito de Bolsonaro.

Primeiro, o temor de que a sua chegada à sigla coloque em risco alianças regionais do partido.

Entretanto, há outro obstáculo maior, pelo que declarou o presidente Bolsonaro, de que busca uma sigla para controlar

 “Estou tentando um partido que eu possa chamar de meu“, afirmou.

 É esse domínio, que preocupa os líderes do PP, sobretudo do Nordeste.

Uma das maiores dificuldades parte do deputado Arthur Lira, presidente da Câmara.

Ele avalia, que a eventual derrota de um candidato à presidência da república do PP no pleito presidencial de 2022 prejudicaria a sua campanha pela reeleição ao comando da Câmara, no início de 2023.

Nesse sentido, Lira considera estar mais seguro com Bolsonaro concorrendo à reeleição por outro partido.

Nada diferente do que sempre fez a chamada “velha política”.

Outro fato emblemático são as acusações no passado do senador Ciro Nogueira ao presidente, chamando-o de fascista, além de ter feito elogios ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Bolsonaro minimizou e justificou dizendo que “as coisas mudam”.

O presidente chegou ao ponto de afirmar que quem era político no Nordeste, se não fosse do Lula, não tinha sucesso.

Percebe-se que o presidente perdeu qualquer escrúpulo, no sentido de selecionar os seus correligionários.

A regra é do vale tudo.

Tal aspecto pode reduzir o número de seus admiradores, que o exaltavam pelo afastamento ético das velhas práticas na política brasileira.

Agora é aguardar a conversa do presidente e Ciro Nogueira, nesta segunda.

Tudo poderá acontecer.

Inclusive, voltar à estaca zero e Ciro ser desconvidado para assumir a Casa Civil da Presidência.

Ney Lopes é jornalista, professor, ex-deputado federal e advogado

Categoria(s): Política
  • Repet
domingo - 25/07/2021 - 10:50h

Contos de fadas?

Por Inácio Augusto de Almeida

Pensamos ensinar nossos filhos a serem humildes e a perdoar. Até porque isto está em todas as religiões que conhecemos.

Nem desconfiamos que nas canções de ninar já falamos de violência, quando atiramos o pau no gato, e de medo, quando pedimos ao boi da cara preta para pegar esta criança que tem medo de careta. Contos de fadasDepois passamos a contar estórias que apelidamos de infantis, mas causadoras de inveja a qualquer hemocentro. Tente se lembrar de uma estória, dita infantil, sem sangue. Pobre do carneirinho em Branca de Neve e do lobo em Chapeuzinho Vermelho.

Arrogância e prepotência, inveja e vingança, sempre presentes no que chamamos de Contos de Fadas.

Perdão, humildade não encontramos nas fantasias que passamos a nossos filhos.

Nunca acontece o arrependimento da bruxa malvada que só enche de alegria as nossas criancinhas quando despenca para a morte ao cair de uma grande montanha e desaparece para sempre no despenhadeiro sem fim. O lobo mau com a barriga aberta dá seu último suspiro e a vovozinha abraça a netinha feliz e sorridente.

Em algum Conto de Fada o casamento acontece entre um lavrador e a heroína? Não!

Sempre aparece um Príncipe para que vivam FELIZES para sempre, como se a felicidade só fosse possível se a união for com um membro da realeza.

Não existem nas histórias infantis o PERDÃO, a HUMILDADE, o ARREPENDIMENTO.

Vingança existe e muita.

E já crianças crescidas nós as estimulamos a VINGAR a morte de Jesus Cristo quando fazemos judas de pano, cheios de bombom e de chocolate, para serem espancados até se transformarem em frangalhos.

Depois os jovens se tornam adultos e passam a praticar e a aceitar a violência como um fator normal da vida.

Receberam durante sua formação alguma influência da importância do perdão, da humildade e de que é possível felicidade sem riqueza e poder?

Fico sem entender porque nos assustamos tanto com a agressividade e a ambição das novas gerações se nós é que as preparamos, desde a mais terna idade a buscarem riqueza, poder e vingança.

Por que não contarmos estórias de trancoso com as bruxas arrependidas e regeneradas? Por que não mostramos que felicidade existe também em casas humildes e não apenas em ricos palácios?

Por quê?

Porque projetamos nos nossos filhos os sonhos perdidos, as quimeras desfeitas.

Transferimos para eles nossas ambições e os nossos valores distorcidos.

Terminamos criando seres angustiados, infelizes. Pobres coitados sofrendo cobranças descabidas.

Depois nos espantamos com as drogas, movimentos de rebeldia etc. Os hippies dos anos 60/70 deram o grito de alerta, mas não foram ouvidos.

É hora de repensar a educação, a religião e partir para um novo mundo.

Ou fazemos isso ou vamos desaparecer como seres que se dizem filhos de Deus.

Inácio Augusto de Almeida é jornalista e escritor

Categoria(s): Crônica
domingo - 25/07/2021 - 09:42h

Soprou um vento forte

Por Odemirton Filho 

Dia desses, após ler uma matéria sobre a saúde do ex-governador Geraldo Melo neste Blog, lembrei-me da memorável campanha eleitoral para o Governo do Rio Grande do Norte em 1986. Eu era adolescente, ainda não votava, mas acompanhava os meus pais pelas ruas e avenidas de Mossoró para ver as passeatas e os comícios.

Aldo Tinoco, João Faustino, Geraldo Melo e Sebastião Carneiro eram os candidatos ao Governo. Mas a disputa, pra valer, ficou entre João Faustino e Geraldo Melo.  Gerealdo Melo em campanha 1986

João Faustino era o candidato dos Maia. Geraldo Melo, com apoio dos Alves, percorreu todo o estado e começou a embalar o “povão” com sua oratória e músicas empolgantes. Em Mossoró os comícios tinham um “mar de gente”. Naquela época era possível a realização de showmícios.

Espiávamos o comício do “tamborete”, apelido dado a Geraldo Melo, e o de “João do coração”. Eram “os bacuraus” contra os “bicudos”. Uma verdadeira festa popular.

Meus pais votaram em João Faustino, mas eu gostava, de verdade, eram das músicas de Geraldo Melo. Foram as mais belas músicas de campanhas eleitorais que já ouvi. Arrepiavam. 

As pessoas carregavam tamboretes nas mãos. Ouviam, encantadas, o discurso de Geraldo Melo. Foi uma campanha acirrada, aliás, como quase toda campanha eleitoral de nosso Estado. O nosso povo, apesar dos pesares, defende com unhas e dentes o candidato de sua preferência.

Na apuração dos votos deu-se o improvável. Como bem narrou o jornalista Rubens Lemos Filho:

“No quarto dia, uma sexta-feira, Geraldo Melo ultrapassava João Faustino e impunha os 14.072 votos que o tornaram o primeiro governador de um partido de oposição desde Aluízio Alves em 1960, pois o Monsenhor Walfredo Gurgel sucedeu seu aliado Aluízio em 1965. O povo foi às ruas, Geraldo discursou nas escadas da Tribuna do Norte/Rádio Cabugi e a passeata se estendeu ao amanhecer de um domingo ensolarado de democracia”.   

Pois é, não se trata de avaliar a administração do ex-governador. Isso é outra história. Trata-se, tão somente, de relembrar a campanha eleitoral mais emocionante e bonita que presenciei.

“Sopra o vento, deixe esse vento soprar, esse vento traz Geraldo e a nossa sorte vai mudar”… 

Há trinta e cinco anos. Inesquecível.

Odemirton Filho é bacharel em Direito e oficial de Justiça

Categoria(s): Crônica
  • Banner - Art&C - Governo do RN - 9 a 28 de Agosto de 2022
domingo - 25/07/2021 - 08:38h

Amante

Por Marcelo Alves

Recebi da amiga e confreira da Academia Norte-rio-grandense de Letras Lalinha Barros, emprestado (e devolverei, asseguro), o livro “Memórias esparsas de uma biblioteca” (Coedição Escritório do Livro e Imprensa Oficial, 2004), do bibliófilo José Mindlin (1914-2010). Genibaldo e Lalinha são meus vizinhos. Em tempos de pandemia, ela me disse: “Vou dar um pulo na porta do seu apartamento. Para emprestar um livro. Você vai gostar”. Eu adorei.

José Mindlin, falecido em 2010, na maior biblioteca privada do país (Foto: O Globo/arquivo)

José Mindlin, falecido em 2010, na maior biblioteca privada do país (Foto: O Globo/arquivo)

Mindlin, que exerceu muitos papéis na vida – de jornalista a advogado, de empresário a escritor e membro da Academia Brasileira de Letras – foi o nosso mais célebre bibliófilo. E nos dois sentidos da palavra, como colecionador de obras raras e como amante/amigo dos livros. Gente boníssima, portanto. Muito embora, cá entre nós, até para evitar mais gastos de que já tenho com livros e assemelhados, eu suplique, para a minha singela pessoa, ser apenas dotado da segunda qualidade, a de amante (de livros), sem os custos, digamos, do “casamento”.

As “Memórias” de Mindlin são cheias de histórias sobre livros que eu desconhecia. Sobre tipografias, editoras e edições raras. Sobre livrarias, sebos e antiquários. Interessantíssimas. Mas trata-se também de um livro sobre pessoas. Sobre tipógrafos/editores. Sobre bibliotecários. Sobre livreiros. Do Brasil e do exterior.

Na verdade, sobre amantes de livros. Afinal, o que seriam destes se não fossem as pessoas para lê-los, mas, também, para guardá-los e adorá-los. Algumas histórias merecem destaque. E aqui o faço indo do mais distante ao mais particular.

Tocou-me a narrativa sobre os livreiros/antiquários ingleses. A Maggs Bros, Quaritch e a Francis Edward, alguns deles situados na Old Bond Street, em Londres, cujos proprietários Mindlin enfaticamente elogia pela honestidade. É uma área que conheço razoavelmente. Morei não muito longe. Mas nunca me apercebi dessas casas. Ou não entendo de antiquários de livros ou eles já haviam fechado as portas no meu tempo. Talvez as duas coisas. De toda sorte, posso assegurar o bom preço e a honestidade dos simples sebistas da capital do Reino Unido.

Adorei as referências a vultos da história “livresca” do Brasil. Como Francisco de Paula Brito (1809-1861), empresário, editor, jornalista, escritor, tradutor, ativista e muitas coisas mais. Foi talvez o nosso maior “tipógrafo” (que, a seu tempo, fazia as vezes de editora). Foi o primeiro a publicar Machado de Assis (1839-1908), e isso já diz tudo. Como Rubens Borba de Moraes (1899-1986), grande bibliotecário, bibliógrafo e bibliófilo. Pioneiro no Brasil nessa coisa de ciência dos livros e assemelhados. Foi nada menos que diretor da biblioteca da ONU, em Nova Iorque. Escreveu uma “Bibliographia brasiliana” (1958), até hoje referência no tema, e o manual “O bibliófilo aprendiz” (1965), entre outros títulos. Como um “irmão mais velho”, Borba legou sua enorme coleção de raridades a Mindlin.

A passagem de Mindlin por Natal, que junta João Cabral de Melo Neto (1920-1999), Zila Mamede (1928-1985) e outras figuras da terra, merece eco. Zila preparava uma biobibliografia do poeta pernambucano. Ela “já tinha feito uma biobibliografia de Câmara Cascudo. Era bibliotecária de profissão, mas seu maior destaque no mundo intelectual brasileiro foi de excelente poeta.

Publicou vários livros que mereceram muitos elogios de Manuel Bandeira, João Cabral e Carlos Drummond de Andrade, de quem se tornou grande amiga pessoal. Infelizmente, faleceu ainda jovem, de um colapso cardíaco em pleno banho de mar. (…).

Zila, por sua vez, nos convidou para ir a Natal, levando uma exposição de desenhos de Di Cavalcanti que o MAC possuía. Fomos, e através de Zila fizemos outras amizades. Entre elas com Lalinha e Genibaldo Barros, Selma Bezerra e Fran Martins, que há anos vinha publicando uma revista literária – Clan, que eu conhecia mas não possuía”. Turma boa, incluindo meus vizinhos. E fato histórico.

Por fim, comoveu-me a lição: “Não se deve hesitar quando um livro desperta interesse, e é melhor se arrepender de ter comprado do que de não ter”. Há o risco de cair-se na bibliomania, desordem compulsiva de adquirir livros desvairadamente, é vero. Mas também já se disse – e que minha mulher não escute – que a melhor forma de livrar-se de uma compulsão é render-se a ela.

Marcelo Alves Dias de Souza é procurador Regional da República e doutor em Direito (PhD in Law) pelo King’s College London – KCL

Categoria(s): Crônica
domingo - 25/07/2021 - 07:26h
30 anos

Vacinação em Mossoró chega à nova faixa etária

Mossoró Vacina - vacinação para pessoas com 30 anos ou mais sem comorbidades - 24 e 24 de Julho de 2021Entre 8 e 16h desse domingo (25), o Mossoró Vacina atenderá pessoas com 30 anos ou mais, sem comorbidades, dando sequência à imunização contra Covid-19. E a expectativa é de que essa faixa etária baixa ainda mais durante esse dia.

Alguns documentos são necessários para recebimento da primeira dose. Pessoas incluídas na faixa etária 32 anos ou mais devem apresentar originais e cópias de documento oficial com foto, comprovante de residência e cartão de vacina (se houver).

É importante que a pessoa esteja cadastrada no portal RN + Vacina para dar agilidade à vacinação. (//maisvacina.saude.rn.gov.br/cidadao/). Caso, não tenha o cadastro, ele será feito no local de vacinação.

Locais para vacinação:

UBS Francisco Pereira de Azevedo (Liberdade 1)
UBS Dr. Cid Salém (Abolição 4)
UBS Raimundo Renê Dantas (Boa Vista)
UBS Dr. Sueldo Câmara (Aeroporto 2)
UBS Dr. Joaquim Saldanha (Estrada da Raiz).

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Administração Pública / Saúde
  • Repet
domingo - 25/07/2021 - 06:44h

Um simples vaga-lume

vaga-lumePor Marcos Ferreira

Nestas últimas noites, depois que apago a luz do quarto e estendo sobre a cama este meu fardo de carne e ossos, observo no escuro do quintal, através das grades da janela e dos ramos da samambaia, a dança nervosa dos vaga-lumes em meio à solidão orvalhada do silêncio.

Vão de um lado a outro, de baixo para cima, de cima para baixo com suas levezas e faiscações, suscitando inveja nos besouros e grilos deste arrabalde, indiferentes ao exibicionismo aéreo dos morcegos que arranham o quadro-negro do céu.

São erradios e pequeninos sóis da madrugada. Ora o vento os expulsa, apaga-lhes o brilho de néon, noutro momento os anima e os acende. Vão pontilhando as horas mortas de minha insônia com suas lanterninhas de azul fosfóreo, semelhando insólitos planetas na periférica Via Láctea deste quintal. Vêm quando já não ouço o fragor do serviço doméstico, o tilintar dos pratos e talheres, a babel cotidiana dos meus vizinhos e familiares.

Um deles penetra na atmosfera do quarto, movimenta-se pra lá e pra cá, abalroa num obstáculo e noutro, mas logo descobre o caminho de volta e se mistura à constelação móvel daqueles de sua espécie. Seguem desafiando o rigor das trevas qual diminutos lampiões que a brisa perversamente apagasse e acendesse.

Sempre eloquentes e muito anchos, nenhum galo ponteia pela vizinhança o seu canto gregoriano. E nesta hora azul do silêncio — recordando um certo bruxo de antanho —, eis que me indago intimamente, ouvindo entre as paredes de meu crânio o perpétuo rumor destes pensamentos baldios:

— Por que não nasci eu um simples vaga-lume?…

Mas não obtenho resposta. Talvez porque os pirilampos, assim como as flores, também não falam. Apenas luzem pela noite em fora, enquanto todos pesamos sobre nossos leitos, enquanto a luxúria dos gatos passeia por cima dos telhados e muros, enquanto a saparia emudece nos bueiros e as mariposas se deslumbram perante a luz artificial dos sonolentos postes de minha rua.

Então aqui os invejo e os contemplo na tosca paisagem da janela, ambicionando para esta prosa de brilho emprestado um pouco de sua autenticidade e beleza. Vieram fecundar retalhos de lusco-fusco no meu pensamento, acendendo e apagando os olhinhos azuis da Poesia. De algum modo eles compreendem que representam para mim o que ainda existe de ameno e poético nestes meus enlevos de juventude e caducidade.

O mais é tudo abandono e silêncio. Nenhum fio de luar se derrama pela fresta da telha, sequer um verso torto ou estrofe sem nexo se articula nos escaninhos do meu juízo. Apenas refaço mentalmente a inevitável pergunta de um minuto atrás:

— Por que não nasci eu um simples vaga-lume?…

Marcos Ferreira é escritor

Categoria(s): Crônica
domingo - 25/07/2021 - 05:32h

200 dias de trabalho para mudar Mossoró

Por Allyson Bezerra

Alcançamos os 200 dias de gestão. De lá para cá, não faltaram dedicação, vontade e trabalho para mudar os rumos da história de Mossoró. São dias desafiadores, com esforços concentrados em dar dignidade à população de Mossoró. Estamos dispostos, encorajados, 24 horas por dia, para alcançarmos nosso objetivo. E podemos afirmar, fortemente, Mossoró vive um novo momento de sua história.

Nossa gestão é dinâmica e plural, porque é compartilhada com o nosso povo, ouvindo a todos, anotando as sugestões, e principalmente, apresentando resultados esperados há décadas. Estamos em contato direto com as pessoas nos bairros, nos mercados públicos, nas praças, nas unidades de saúde, nas comunidades rurais. Particularmente, conheço os problemas do povo porque vivi na pele. Ao andarmos pelas ruas de Mossoró, encaramos olho no olho todas as pessoas, que nos recebem com carinho, abraços e sorriso no rosto. Nosso esforço e cada energia dedicada estão valendo a pena.

Prefeito Allyson é autor de artigo que faz um balanço de atividades do início de gestão (Foto: Célio Duarte)

Prefeito Allyson é autor de artigo que faz um balanço de atividades do início de gestão (Foto: Célio Duarte)

Estes poucos mais de seis meses de gestão significam mais do que números, anunciam uma Mossoró obstinada, de portas abertas para o desenvolvimento, para o progresso e de oportunidades para o seu povo. E, se Deus quiser, no que depender de nós, dos nossos servidores, e da nossa equipe, vamos seguir juntos construindo essa nova história. Precisamos avançar ainda mais. E vamos! Esses 200 primeiros dias nos mostram que vontade e coragem não nos faltam.

Saúde

Enfrentamos uma pandemia que mudou as nossas rotinas. O nosso maior desafio, neste momento, é cuidar do nosso povo com toda estrutura possível, tendo como prioridade, a agilidade na vacinação. A campanha Mossoró Vacina tem sido sucesso absoluto e se tornado referência no estado. As vacinas chegam e logo são aplicadas. Abrimos o Centro de Testagem no Ginásio Municipal para receber a todos com conforto. As pessoas puderam aguardar a realização e o resultado do teste rápido em lugar digno, estruturado.  E agora vamos abrir o ginásio para o Centro de Vacinação.

Em meio à pandemia, a Saúde tem sido prioridade também em outros setores. Conseguimos atender a antiga demanda dos mossoroenses que apelavam por médicos em nossas Unidades Básicas. E hoje contam com estes especialistas atendendo diariamente. Regularizamos os exames de raio-X no Pam do Bom Jardim, vencemos uma fila de mais de 2000 exames. E ampliamos as consultas.

Por sua vez, o Ambulatório Materno Infantil não contava com médico neuropediatra há cinco anos. Mudamos esta realidade quando entregamos à população um profissional dessa especialidade atendendo crianças cujas famílias buscam por diagnóstico e tratamento de doenças como autismo e epilepsia. Antes, as famílias precisavam se deslocar para Natal em busca deste atendimento.

Entregamos o Hospital Psiquiátrico Dr. Milton Marques de Medeiros. O antigo Hospital São Camilo estava abandonado, em condições desumanas, que colocava o bem-estar dos pacientes em risco. Mossoró passou a ter um espaço acolhedor para atender os nossos pacientes com qualidade, segurança, responsabilidade, dignidade aos pacientes, familiares e profissionais.

Apoio ao contribuinte

Oferecemos descontos de 25% para o pagamento do IPTU. Criamos o Programa de Parcelamento Incentivado (PPI). Através do programa, contribuintes tiveram descontos de até 90% em juros e multas, e parcelamento em até 60 vezes nos débitos em IPTU, ISS, ITBI, taxas, alvarás, licenciamentos, ou seja, todos os débitos que os contribuintes tinham com o Poder Público Municipal.

Além disso, facilitamos o acesso do contribuinte aos serviços da Prefeitura. Antes, apenas quatro deles eram informatizados, ofertados via site. Agora são 44. Nosso objetivo é informatizar o município de Mossoró 100%, através de tecnologia, e facilitar o acesso dos mossoroenses aos serviços, para que não se perca tempo em demandas que podem ser resolvidas facilmente pela internet.

Infraestrutura

Iniciamos o programa Mossoró Limpa, retirando toneladas de entulho das ruas, canais, galerias, sobretudo em bueiros e bocas de lobo das vias públicas. Realizamos obras importantes de drenagem, especialmente nas imediações do Mercado da Cobal e da Avenida João da Escóssia, vias antes intransitáveis em tempos de chuva.

Recuperamos mais de 150 quilômetros de estradas vicinais, beneficiando várias comunidades rurais do nosso Município, além da ampliação da pavimentação em diversos pontos da cidade e da operação tapa-buraco, que acontece nos bairros. Também iniciamos a reforma e ampliação de praças e prédios públicos. Trocamos lâmpadas a vapor de sódio por led, que contribui para a segurança. Até dezembro serão trocadas 10 mil lâmpadas no município.

Mercados Públicos

O Mercado Central recebeu nova iluminação, reformas nos banheiros e conserto das infiltrações, além da limpeza. Fizemos o mesmo no Mercado do Alto da Conceição com reparos no telhado e pintura de toda área externa. Outros mercados também estão com projetos em execução, como o da Cobal e do Vuco-Vuco. Hoje, os mercados públicos de Mossoró também passam por manutenções semanais e com ponto fixo da Guarda Municipal.

Segurança

Também estamos investindo na segurança do nosso povo. A Guarda Municipal está melhor equipada. Renovamos a frota de veículos, entregamos novos fardamentos e estamos avançando no processo de armamento, esperado há nove anos. Iniciamos o Ronda Rural, patrulhamento ostensivo da Guarda Municipal nas comunidades rurais.

Mobilidade Urbana

Executamos projeto inédito em que as pessoas puderam compartilhar sugestões para melhoria do trânsito da nossa cidade. A partir do “Mossoró Mobilidade”, a população enviou sugestões e ideias para melhorar o trânsito. Demos voz ao povo para traçar um plano, que de fato, funcione e atenda as necessidades de quem transita em Mossoró. Já iniciamos as mudanças.

Assistência Social

Sabemos das dificuldades decorrentes da pandemia. Por isso, realizamos a Vacina Solidária, campanha abraçada por todos os mossoroenses, que participaram doando alimentos para as famílias em situação de vulnerabilidade.A campanha arrecadou seis toneladas de alimentos,que se somam às cestas compradas pelo município, totalizando mais de 35 toneladas de alimentos distribuídas às famílias mossoroenses.

Cultura

Por sua vez, sentimos o momento difícil enfrentado pela classe artística em nossa cidade por conta da pandemia. E assim, surgiu o Mossoró Cidade Junina Virtual, sucesso de público com mais 100 mil visualizações na internet e investimento que contemplou 500 artistas da terra. Do mesmo modo, nossos artistas protagonizaram o belíssimo filme “Chuva de Bala no País de Mossoró”, assistido por milhares de espectadores ao vivo, levando nossa história para o cinema.

Educação

Na educação, entregamos a Unidade de Educação Infantil (UEI) Proinfância da Estrada da Raiz, esperada há 10 anos pelos moradores da região do grande Santo Antônio. A obra, que estava parada, foi reiniciada e inauguramos a unidade em abril, beneficiando 240 famílias. Uma excelente estrutura que está pronta para receber as crianças, que ali terão a oportunidade de sonhar, estudar e buscar um futuro melhor para suas famílias.

Esporte

O Estádio Nogueirão passou a ser oficialmente propriedade do povo de Mossoró e já liberamos para receber jogos.

Empregos

Quanto aos empregos, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério da Economia, colocou Mossoró na liderança do ranking de melhor saldo positivo de empregabilidade do RN. Mossoró é o município que mais gerou empregos no mês de maio em todo o estado. Um resultado prático da modernização da gestão e da confiança no investidor em Mossoró.

Servidor valorizado

Temos tratado o servidor do nosso Município com o respeito e valorização. Estamos pagando os salários dentro do mês trabalhado e não apenas o salário-base, como ocorria antes.  Mas todas as gratificações, plantões, insalubridade, etc. O servidor recebe salário base e adicionais ainda dentro do mês trabalhado.

Garantimos 13º salário no mês de aniversário do servidor. Pagamos o 1/3 de férias para professores, em janeiro. E quanto aos salários atrasados de 2020, anunciamos calendário de pagamento, possibilitando que o servidor organize suas finanças. Esse tem sido um compromisso nosso desde o início.

O diálogo tem sido base nessa relação entre Município e servidor. Depois de  anos, os sindicatos de servidores são recebidos no Palácio da Resistência. A realidade hoje é que as portas do Prefeitura de Mossoró estão abertas para os servidores e para o povo.

Estamos pagando as contribuições previdenciárias todos os meses para o Previ, medida de gestão que não ocorria há mais de uma década.

Zona Rural

Na agricultura, apoiamos, através do Projeto Semear, quatro mil e quinhentos agricultores com o auxílio para preparação da terra para o plantio. Levamos água para 87 comunidades, através do conserto e manutenção de dessalinizadores, poços e bombas; melhoramos a distribuição de água, além da assistência técnica ao homem do campo feita pelas equipes da Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural.

Seguimos trabalhando em ritmo acelerado

Portanto, estes 200 dias têm sido de intenso trabalho. E apresentamos, assim, esta compilação de ações relevantes realizadas até aqui, sobre o que está em andamento e sobre os projetos para os próximos meses. Nesse tempo, nos mantemos sempre conectados com o nosso povo, com transparência e clareza do que estamos executando. Se Deus quiser, continuaremos seguindo o caminho da eficiência e do trabalho árduo em benefício dos mossoroenses. Estamos cientes de que há muito a se fazer, há muito no que avançar. E vamos avançar. Disposição, coragem e entusiasmo para seguir trabalhando pelo nosso povo não faltam.

É um compromisso dessa gestão, estar sempre nas ruas ouvindo o povo, visitando as repartições públicas, fiscalizando os serviços e principalmente fazer a prefeitura funcionar em prol da população. Nossa missão de governar Mossoró para o povo está apenas no começo.

Allyson Bezerra é engenheiro civil e prefeito de Mossoró

Categoria(s): Artigo
  • Repet
domingo - 25/07/2021 - 04:48h
Futebol

ABC e América vencem e comandam grupo na Série D

América de Natal voltou a vencer e garantiu-se na vice-liderança do Grupo A3 da Série D do Brasileirão 2021. Desse feita, ganhou do Sousa por 2 a 0, na tarde deste sábado (24), no estádio Marizão em Sousa-PB. A partida foi pela oitava rodada.

O Mecão não fez um primeiro tempo bom, até tendo certa dificuldade em conter ataques do adversário. Mas, no segundo tempo encontrou o caminho do gol. Erick Varão fez um golaço chutando de longa distância aos 25 minutos e aos 34 Wesley fechou o placar.

Com o resultado, o América ficou na segunda posição do Grupo A3, com 14 pontos, contra 18 do líder ABC. O Sousa, por sua vez, acabou caindo para quinto, com 11, mesma pontuação do Campinense, também com 11.

ABC

O ABC venceu novamente o Campinense pela Série D 2021 do Brasileirão. Jogando no estádio Frasqueirão, em Natal, neste sábado (24), pela oitava rodada da competição, fez 2 x 0 na “Raposa” de Campina Grande (PB).

O alvinegro do Natal sofreu no primeiro tempo com melhor atuação do time paraibano. Mas, na etapa seguinte, aos 16 minutos o meia Valderrama cruzou para a área e acabou acertando o gol. O segundo saiu aos 34 minutos, em marcação contra do volante Patrick.

Essa foi a segunda derrota do time rubro-negro seguida, para o próprio ABC, que continua líder do Grupo A3, com 18 pontos.

O ABC vai enfrentar na próxima rodada no dia 31 (sábado), o Central-PE, em Caruaru.

O Campinense volta a jogar no mesmo dia contra o Atlético-CE, no estádio Amigão, em Campina Grande.

Acompanhe o Canal BCS (Blog Carlos Santos) pelo TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUI e Youtube AQUI.

Categoria(s): Esporte
domingo - 25/07/2021 - 03:42h

Tempos fugídios, normose e o conhecimento fast-food

Por Marcos Araújo

Nesses dias, temos “bebido o tempo”, na expressão do moçambicano Mia Couto. Com imagens no retrovisor da nossa memória de um mundo que não reconhecemos mais, passamos da metade de 2021. Entre os destemperos do DJ Ivis e o comportamento idiotizado da massa que o fez ídolo (e agora lhe demoniza);  para aqueles que trabalham no conforto de casa (remotamente) e os que se sujeitam à labuta sob a exposição do sol; para os que ocupam festivamente as calçadas e bares da vida, contra todas as orientações dos órgãos sanitários; àqueles que desidiosamente não querem aprender no ensino virtual; para os nossos medíocres líderes políticos e os seus pronunciamentos;  diluem-se os dias, escorrem as horas…Normose, normalidade coletiva, máscaras, multidão, rostos, caras, cabeças,Outra característica desse tempo esquisito é o surgimento de vários modismos, numa uniformidade comportamental epidêmica. De uma hora para outra, só pode ser normal quem se enturmar num desses grupos que pedalam, correm nas ruas, frequentam as academias, tomam shakes nos espaços da Herbalife, ou, praticam o must entre os costumes: joga beach tennis… A coerção da vivencia social obriga a você optar por um desses comportamentos.

Roberto Crema, psicólogo brasileiro, intitulou isso de “Normose”, o que ele chama de “patologia da pequenez: o medo de se deixar ser em sua totalidade”. Além do brasileiro, o filósofo, psicólogo e teólogo francês Jean-Ives Leloup, na década de 1980, utilizou esse mesmo termo para definir o conjunto de hábitos considerados normais pelo consenso social que, na realidade, são patogênicos em graus distintos.

Os dois vinham trabalhando o tema separadamente até que um terceiro psicólogo, o francês Pierre Weil, se deu conta da coincidência. Perplexo, Weil conectou os dois, e os três juntos organizaram um simpósio sobre o tema em Brasília, uma década atrás. Do encontro, nasceu uma parceria e o livro “Normose: A patologia da normalidade”.

Mesmo correndo o risco de ser isolado e condenado ao degredo, confesso que não ando de bicicleta, não corro na rua, não frequento academias e não conheço o sabor dos shakes e chás da Herbalife e congêneres. Prefiro a liberdade de ser do contra.

Entre os pensadores, o alemão Erich Fromm (1900-1980), falava do medo de quem toma a liberdade como referência existencial, e o suíço Carl Jung (1875-1961) afirmava que só os medíocres aspiram a normalidade. O escritor britânico G.K. Chesterton (1874-1936) dizia que “louco é quem perdeu tudo, exceto a razão”.

Certa feita, li uma frase provocativa que traduz muito bem essa questão das maiorias: “coman mierda; mil millones de moscas no pueden estar equivocadas”. Por isso, perfilo-me entre as minorias.

Outra característica do presente é a crescente ascensão da fragmentação do saber, convertido cada vez mais em pedaços de conhecimento. O escritor T. S. Eliot bem dimensiona: “Onde está a sabedoria que se perdeu no saber; onde está o saber que se perdeu na informação?”. Vivemos em um tempo em que, cada vez mais, somos movidos por “conceitos sem coisas”. Informação não é saber.

A INTERNET TRAZ MUITA INFORMAÇÃO, mas não proporciona sabedoria. Fomos abduzidos da nossa capacidade de decisão por uma legião de formadores (?) de opinião que atuam na internet, chamados de “influencers”. Esses “alimentam” as redes com suas (des)informações sobre tudo, especialmente coisas e mercadorias. Como lembrou Umberto Eco, qualquer néscio pode alimentar o google, e a internet concedeu palco para alguns imbecis nas redes sociais.

Esse imaginário do conhecimento fast-food avança dia a dia. E chegou à televisão. Nesta semana, a repórter da Rede Globo falava do frio no Sul e, para demonstrar que estava nevando, iniciou a reportagem recolhendo flocos para formação de um boneco. Noutro programa de esportes, o repórter ao contar que um time do interior disputaria o campeonato a galope, colocou como metáfora o técnico do time montado em um cavalo. Noutro canal, para falar da enchente na Alemanha, o repórter quase fica com água pelo pescoço.

Além da metáfora, as matérias jornalísticas agora são isomórficas, isto é, têm que “colar” palavras e coisas… Agora, para “metaforizar” é preciso “mostrar” a “própria” metáfora, ou seja, “demonstrá-la”. Estamos condenados a interpretar. Não há uma imanência entre palavras e coisas. Estamos sendo tratados como idiotas.

Nos cursos de formação, as demonstrações de powerpoint são tão iterativas que as imagens suprimem as palavras. A linguagem e a operacionalidade do Direito também estão sendo modificadas. Muitos advogados têm juntado áudios e vídeos aos processos para substituir textos e palavras.

Um QR Code pode guardar mais informações do que dezenas de páginas escritas. No futuro, não conheceremos mais a utilidade do papel e do lápis. Talvez nem mais das palavras. Vamos ter leitores cerebrais para manifestação do pensamento.

Sofro porque sou um escravo do papel e da palavra, como diria o poeta Manoel de Barros. Recuso-me a ceder ao processo de robotização a que a humanidade vem sendo submetida. Sou um resistente à transumanização. Vivo, por viver, como expectador do incerto que virá. Cabe apenar relembrar Cícero, em seu célebre discurso no Senado romano, “Ò tempora! Ò more!” (“Oh tempos!; Oh costumes!”).

Marcos Araújo é professor e advogado

Categoria(s): Artigo
Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2022. Todos os Direitos Reservados.