quinta-feira - 31/03/2016 - 10:22h
Mossoró

Câmara Municipal poderá passar por profunda renovação


A Câmara Municipal de Mossoró poderá passar por uma das mais largas renovações em seus quadros. Alguns fatores tendem a determinar a materialização dessa hipótese, num plenário com 21 assentos.

A princípio, poder-se-ia imaginar que o perfil da maioria da atual legislatura seja o ponto mais determinante dessa tese. Não exatamente. Concorre, mas não é o principal fator.

Na prática, temos realmente um legislativo muito aquém das demandas sociais, anêmico, pouco participativo e extremamente omisso em relação às suas responsabilidades.

Contudo o que concorre mais para essa alteração de quadro, sem uma reeleição maciça, é a fragilidade das principais lideranças políticas do município. Aparecem com baixa influência na formação de nominatas a vereador e controle de partidos, como acontecia até bem poucos anos.

Prova disso, é que vários partidos estão sob o comando de pessoas equidistantes desses grupos, sem maior tradição política ou mesmo liderança. Adotam estratégias até parecidas para montagem de chapa à Câmara Municipal.

Um desses estratagemas, é montar nominata com pré-candidatos que não tenham mandato no Legislativo. Não querem servir de “esteira” à reeleição de ninguém.

Salto de maior risco

E há caso extremado como o PV, que estimulou a saída dos três vereadores eleitos em 2012 (Francisco Carlos, Alex do Frango e Celso Lanches), em nome da prioridade à reeleição do ex-secretário municipal do Meio Ambiente e seu dirigente, João Gentil.

Diversos vereadores tiveram dificuldades para mudança de partido, vetados e rechaçados. Alguns até obrigados a ficarem onde estão ou a salto de maior risco. É literalmente um salve-se quem puder!

Paralelamente, não se pode omitir que o prefeito Francisco José Júnior (PSD), com a força da máquina municipal, há meses trabalha vários pré-candidatos do seu interesse, que não estão na atual legislatura.

Ele acredita que possa ser reeleito prefeito e contar na Casa com outro perfil de vereadores, gente de menor relação ‘custo-benefício’. Potencializa esses nomes e aparelha várias siglas, com gente de sua confiança.

Calcular quantos novos vereadores teremos, é puro exercício de futurologia. Entretanto é visível que vivemos um tempo incomum, extremamente confuso e propício às mudanças.

Para melhor ou pior?

O futuro dirá.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Opinião da Coluna do Herzog / Política

Comentários

  1. jose luiz da silva diz:

    se a renovação for um radialista bem gordo que trabalha em uma radio da cidade que passou 4 anos defendendo o pior governo que o estado ja teve meu deus tenha piedade de mossoro.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.