segunda-feira - 26/01/2015 - 18:45h
Nota Oficial

Prefeitura diz que não coloca dificuldades para taxistas


A Prefeitura de Mossoró emitiu nota oficial, dando sua posição sobre conflito com taxistas – que recrudesceu no último final de semana e domingo (25).

Veja abaixo:

A Prefeitura não coloca dificuldade para que taxistas de outros municípios realizem transporte de passageiros de suas cidades até Mossoró.

Existem regras acordadas com estes profissionais que precisam ser seguidas, no mais, o trabalho é realizado normalmente.

Porém, da mesma forma que abrimos as portas para estes profissionais, esperamos o mesmo tratamento dos nossos vizinhos, o que não está acontecendo em Tibau, que proibiu que os taxistas de Mossoró retornem de lá com passageiros.

Neste caso, nos obrigamos a utilizar o princípio da reciprocidade para proteger nossos taxistas, até que os amigos de Tibau diminuam as barreiras impostas contra nós.

Nota do Blog – A nota, em síntese, é o que o prefeito já tinha escrito sobre o assunto em redes sociais, que este Blog reproduziu em matéria sobre o caso, postada hoje (veja AQUI).

Categoria(s): Administração Pública
segunda-feira - 26/01/2015 - 18:38h
Mossoró

Prefeito deverá receber agentes suplentes de endemias


Bom sinalizador.

O prefeito mossoroense Francisco José Júnior (PSD) deverá receber ainda esta semana os agentes de endemias, suplentes, que aguardam convocação.

Uma comissão dos suplentes deverá ser recebida pelo prefeito.

Há dias eles empreendem movimento, inclusive acampando à calçada do Palácio da Resistência (sede da Prefeitura), na expectativa de serem ouvidos.

E convocados.

Categoria(s): Administração Pública / Saúde
  • Câmara de Mossoró - Novas Atividades - 27-07-14
segunda-feira - 26/01/2015 - 17:12h
Opinião do webleitor

Bom senso é remédio para crise envolvendo taxistas


Prezado Carlos Santos,

Na minha opinião, deve prevalecer o bom senso nessa questão dos táxis de Tibau e de Mossoró (veja AQUI). Esse tipo de problema já observei quando viajo à Natal. Alguns Táxi-lotação que fazem o percurso Mossoró/Natal/Mossoró, relatam que existe um mal-estar entre o pessoal de Mossoró e Natal, a questão é a mesma.

Como a questão de fundo é a falência do transporte coletivo, não resta outra alternativa, é sentar a mesa e exaustivamente encontrarem um meio termo, mediados pelos gestores(Mossoró/Tibau) e representação das categorias. Nas condições atuais é importante esse fluxo Tibau > Mossoró >Tibau. Aliás, esse fluxo Cidade X, com destino a Mossoró é muito importante para a economia da nossa cidade, como o Blog destaca.

São milhares de pessoas que diariamente se dirige à Mossoró. Na minha opinião, o mais sensato seria estabelecer algumas condições tanto para os Táxis lotação que chega a Mossoró quanto aos Táxis lotação de Mossoró com destino a Tibau, considerando q o veraneio é uma situação atípica.

Naturalmente, ambos os Táxis lotação têm que entender que eles não podem usufruír das mesma regras de conduta q regem o taxista local (seja de Mossoró ou Tibau).

Não sou conhecedor da temática, mas pela experiencia de usar os serviços dos táxis lotação Mossoró > Natal > Mossoró, acho que cabe ao poder público (Tibau e Mossoró) fiscalizar os termos do acordo, entre as lideranças dos táxis lotação.

Acho perfeitamente possível preservar os interesses de ambos os Táxis lotação, que não devem ser confundidos com os interesses dos taxistas tanto de Tibau quanto de Mossoró.

Alem do mais, tem que respeitar o direito de escolha do passageiro, se fui no Táxi lotação p Natal, a opção de escolher voltar no Táxis Lotação de Mossoró é minha. Acho que é por ai.

Sentar, conversar, dialogar ainda é a melhor opção para resolver essa questão. Nada de arrogância, que prevaleça o bom senso.

Neto Vale – Professor, sindicalista e webleitor

Nota do Blog - Sua impressão sobre essa polêmica é praticamente idêntica à nossa, Neto.

Precisamos aplacar os ânimos, serenar nervos e evitarmos que alguns transformem a questão numa contenda política.

O cerne do caso é de ordem social. Assim deve ser tratado.

Abraços.

Categoria(s): E-mail do Webleitor
segunda-feira - 26/01/2015 - 16:32h
Aleluia!

Robinson Faria anuncia pagamento da folha em dia este mês


“O governador Robinson Faria (PSD) vai pagar em dia o salário dos servidores do Estado”. A notícia é passada pela Assessoria de Comunicação Social do Governo do Estado.

O calendário de pagamento de janeiro já está fechado e ocorrerá nos seguintes dias: 29 de janeiro, serão pagos os salários dos aposentados e pensionistas. E, no dia 30 de janeiro, receberão os servidores da ativa da administração direta e indireta.

“Sempre tenho reiterado que o Governo não medirá esforços para cumprir o calendário de pagamento e que não estamos aqui para punir os servidores do Estado. O desequilíbrio fiscal existe, mas desde que assumimos, temos trabalhado incansavelmente para cumprir com o mínimo devido aos servidores do Estado”, disse o governador, Robinson Faria.

De acordo com o secretário de Estado do Planejamento e das Finanças, Gustavo Nogueira, ainda não há condições de se estabelecer um calendário para os próximos meses, devido o desequilíbrio fiscal em que foram encontrados os cofres públicos.

Segundo informações da Seplan, o valor total que será pago aos servidores estaduais é de R$ 283.764.758,87, distribuídos entre 62.596 servidores ativos; 33.447 aposentados e 10.482 pensionistas.

 

Categoria(s): Administração Pública
segunda-feira - 26/01/2015 - 15:47h
Réplica

Governo justifica aumento para governador/vice e secretários


Com relação à reportagem 13 Estados aumentam salários do primeiro escalão do Governo, publicada no Estado de São Paulo deste domingo, 25, o Governador Robinson Faria (PSD) esclarece que o salário do Rio Grande do Norte é o quarto menor da lista de treze, levantada pelo jornal.

O aumento em questão foi definido em dezembro de 2013, na gestão passada, por meio de um Projeto de Lei aprovado pela Assembleia Legislativa, equiparando o salário do chefe do Executivo Potiguar ao dos seus correlatos em outras unidades da Federação.

Com relação ao reajuste dos salários dos secretários de Estado, o Governador ressalta que foi o único caminho encontrado para atrair bons quadros técnicos e montar, assim, uma equipe comprometida com o novo projeto de modernização da maquina pública para desenvolver o estado do Rio Grande do Norte.

O Governador ressalta ainda que está adotando medidas de contenção de despesas tais como a extinção da Residência Oficial do Governador e dos custos que ela representava,  a revisão de contratos e o enxugamento  da máquina pública para reduzir gastos e aumentar o percentual de investimentos em áreas prioritárias como segurança, saúde e educação.

 

Estado Governador Vencimento
Paraná Beto Richa R$ 33,8 mil
Mato Grosso do Sul Reinaldo Azambuja R$ 32,4 mil
Roraima Suely Campos R$ 30,9 mil
Paraíba Ricardo Coutinho R$ 29,6 mil
Piauí Wellington Dias R$ 26 mil
Rio Grande do Sul José Ivo Sartori R$ 25,3 mil
Rondônia Confúcio Moura R$ 25,3 mil
Goiás Marconi Perillo R$ 25 mil
Bahia Rui Costa R$ 22,4 mil
Rio Grande do Norte Robinson Faria R$ 22 mil
São Paulo Geraldo Alckmin R$ 21,6 mil
Mato Grosso Pedro Taques R$ 20,3 mil
Ceará Camilo Santana R$ 16,7 mil

Fonte: Estado de São Paulo

 

 

Categoria(s): Administração Pública
segunda-feira - 26/01/2015 - 09:23h
Souza

Deputado pede equilíbrio e se oferece para moderar conflito


Deputado estadual eleito e diplomado, o ex-prefeito areia-branquense Manoel Cunha Neto (PHS), o “Souza”, intervém no conflito aberto entre taxistas do Tibau e o prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior (PSD) – veja AQUI ou em matéria abaixo.

Para ele, falta bom senso.

Francisco José e Souza: nomes em ascensão, que podem se confrontar (Foto: Robson Carvalho)

Através das redes sociais e mídia convencional na região da Costa Branca, sua área de atuação política, que inclui Mossoró, apresenta-se como moderador dessa crise.

Em sua ótica, a divergência “pode ter desdobramentos piores”, que precisam ser evitados.

Mas emite sinal, ao mesmo tempo, de que não ficará “acuado” ou aceitará intimidação.

Veja abaixo a sua posição pública:

Em defesa do bom senso e dos interesses de Tibau e Mossoró

Estou seriamente preocupado com os rumos de uma crise, que pode ser contornada com uma pitada de bom senso e muito diálogo, envolvendo o prefeito de Mossoró (Francisco José Júnior) e taxistas de Tibau.

Os acontecimentos dos últimos dias em Tibau, com eco em redes sociais, são deploráveis. Preferiram a pirraça e a briga, em vez da conversa civilizada.

Lamento que a divergência tenha chegado a tal nível de radicalização e temo por desdobramentos piores.

Os dois lados perderam o controle. Os dois lados estão com os nervos à flor da pele.

Como já disse às partes, ofereço-me como voz moderadora e elemento mediador, para que possamos aplainar os excessos e chegarmos ao entendimento.

Deixo claro, porém, que na condição de único deputado estadual eleito pela região, não ficarei neutro ou distanciado desse problema.

Também não serei acuado, por qualquer tipo de intimidação. “Toda ação, corresponde a uma reação”, na física, na política e no mundo virtual também.

Acredito que tudo possa ser superado sem maiores sequelas, porque os interesses de Tibau e Mossoró, em verdade são os mesmos.

Uma estrada, que une, feita para encurtar distância, não pode separar homens públicos de trabalhadores honrados, e vice-versa.

É o que penso.

Souza – Deputado Estadual

Categoria(s): Política
  • Repet
segunda-feira - 26/01/2015 - 08:52h
Situação delicada

Crise entre taxistas e prefeito de Mossoró tem forte tensão

Conflito chegou a momentos delicados nesse último domingo e pode ter ainda graves desdobramentos

O final e início de semana em Tibau não foram apenas de saudações ao “deus-sol”. O veraneio tem uma pitada de tensão e confronto, numa guerra sem limites entre a cidade-praia e o prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior (PSD).

O embate escorreu para as redes sociais, com o próprio prefeito indo à infantaria dos acontecimentos, ao lado de um batalhão de militantes cibernéticos. Mal-estar evitável mas que teve elevação em atos e palavras.

Comboio de táxis 'perseguiu' prefeito e circundou condomínio (ao fundo) onde ele tem casa (Foto: Redes Sociais)

Apostou-se no enfrentamento. O pior caminho entre os extremos.

O “xis” da questão é a atuação de taxistas de Tibau e de Mossoró, no período de veraneio. O prefeito, em postagens nas redes sociais, garante que defende a categoria dos taxistas mossoroense e avisou que vai pro ataque.

Entretanto ele passou constrangimento nesse sábado (24), quando participava da III Maratona de Revezamento Mossoró-Tibau. À sua chegada à cidade-praia, como um dos atletas, a recepção foi a presença de dezenas de taxistas em comboio, fustigando-o na cobrança de respeito.

Francisco José Júnior precisou se esquivar. Esgueirou-se e escapou do choque direto, com uso de um carro, saindo do foco de atrito, espécie de Faixa de Gaza.

“Perseguição”

Agentes de Trânsito de Mossoró 'ocuparam' Tibau (Foto: Web)

Mesmo assim, os taxistas passaram a ‘persegui-lo’ por entre ruas, ruelas, praias. Fizeram carreata até sua casa na Praia das Manoelas, circundaram a casa dos seus pais. Com carros pichados com inscrições diversas, uso de faixas e outros meios de protesto, mantiveram a pressão, mas sem encontrá-lo.

“Não somos bandidos, somos trabalhadores”, bradava uma gravação em som automotivo.

Taxistas em Tibau não aceitam que taxistas mossoroenses circulem no período, atraindo passageiros. Eles mesmo resolveram montar vigilância.

Em Mossoró, a Gerência de Trânsito (GETRAN) com seus agentes “azulzinhos” tem realizado rigorosa fiscalização. Multa taxistas de Tibau e outras cidades.

A propósito, grande número de agentes de trânsito de Mossoró e seus veículos motorizados acorreram para Tibau em meio a esse tumulto. A justificativa para atuarem fora da sua jurisdição, circunscrita à área urbana de Mossoró, fora justamente a de balizarem a corrida esportiva da qual o prefeito participara.

Mas a presença ostensiva dessa guarnição terminou elevando o mal-estar. Passou a imagem de uma reação intimidadora do prefeito mossoroense, que há poucos dias foi eleito e empossado como presidente da Federação dos Municípios do RN (FEMURN).

Faixa "recepcionando" prefeito foi arrancada à madrugada (Foto: Web)

O clima de beligerância estava “escrito”. Há vários dias que faixa colocada à entrada da cidade do Tibau hostilizava o prefeito mossoroense. Terminou sumindo por ação de um “comando” não identificado, que à madrugada do domingo arrancou-a.

Outras foram colocadas no mesmo tom.

“Invasão” de Mossoró

Com o diálogo obstruído entre as partes conflitantes, é difícil se adivinhar o que possa ocorrer adiante. Porém é muito provável que algo mais grave faça parte desse enredo. A intolerância generaliza-se.

Mossoró tem quase 400 taxistas. Os números relativos à cidade do Tibau são desencontrados, mas estima-se que passem de 100.

Táxis e vans, carros alternativos em geral, fazem parte da economia de Mossoró. O comércio e a área de serviço da cidade sabem bem disso, pelas características sociológicas e mercantis que a cidade tem desde a segunda metade do século XIX.

Diariamente, Mossoró é “invadida” por mais de 4 mil veículos das regiões Salineira, Médio e Alto Oeste, Vale do Jaguaribe (Ceará) e Vale do Açu.

Eles “despejam” público consumidor que a própria Prefeitura de Mossoró e as entidades empresariais do setor produtivo não sabem estimar.

Podem ser de 15 a 25 mil pessoas/dia em média, todos os meses. Uma multidão que não recebe o minimo de tratamento diferenciado do poder público e do segmento empresarial. Vira-se.

Em redes sociais, prefeito diz seus termos (Foto: Web)

A enorme maioria dessa população flutuante aporta em Mossoró, cidade polo de uma região da ordem de mais de 1 milhão de habitantes, justamente em táxis, vans e outros carros alternativos.

Comércio apreensivo

Quem está de olho nessa arenga, com apreensão, é o setor comercial/serviços. Sabe que esse é o tipo de batalha tem um perdedor certo, com redução no meio circulante e indiretamente o próprio erário municipal.

Por isso, que ontem mesmo, dirigentes empresariais começaram a se mexer. Há dias procuram oportunidade de conversar com o prefeito e representantes da outra banda conflitante. Sem êxito.

“Vamos nos reunir, vamos agir. Mossoró e nós não podemos ficar de braços cruzados”, falou um representante do comércio mossoroense, que pediu para ter seu nome preservado.

Outro aspecto em pauta, é a atmosfera de antipatia que pode ser alimentada com outros municípios. Essa erosão pode estar apenas começando.

“Esse radicalismo não ajuda. É preciso que os dois lados tenham compreensão que estamos todos sobre o mesmo chão. Vamos nos entender, se Deus quiser”, comenta o prefeito de Tibau, Josinaldo Marcos (PSD), o “Naldinho”.

Há poucos dias, ele votou e compôs chapa eleita à Femurn, encabeçada pelo prefeito mossoroense. Os dois são aliados e do mesmo partido do governador Robinson Faria (PSD).

Categoria(s): Economia / Política
segunda-feira - 26/01/2015 - 06:54h
"Missão autorizada"

Deputado Fábio Faria é campeão de faltas em Câmara


Por Túlio Lemos (O Jornal de Hoje)

O deputado federal Fábio Faria (PSD) teve um ano conturbado. Viajou para fora do país algumas vezes, viu nascer o primeiro filho, foi reeleito para a Câmara Federal como terceiro mais votado.

E tudo isso parece ter justificado as 39 ausências dele em sessões plenárias realizadas neste ano, em Brasília, fazendo parlamentar ser o mais faltoso da bancada potiguar.

Segundo dados da própria Câmara Federal, Fábio Faria esteve ausente em 47,6% das sessões plenárias. Ou seja: só compareceu a 43 das 82 duas sessões realizadas durante o ano de 2014. E todas as 39 ausências, segundo o portal da transparência do legislativo federal, foram justificadas como “missão autorizada”.

Categoria(s): Política
  • Fricot - Rodapé - 27-07-14
segunda-feira - 26/01/2015 - 06:38h
... Em Mossoró

À espera de uma audiência


Há mais de um mês que representantes da mídia convencional de Mossoró (rádio, jornal e TV), com exceção do Jornal de Fato, aguardam uma audiência com o prefeito Francisco José Júnior (PSD).

Até aqui, sem resposta.

Mas esta semana, sai.

Ô!!

Categoria(s): Administração Pública / Comunicação
segunda-feira - 26/01/2015 - 06:28h
Governo Robinson Faria

À espera da folha


O governador Robinson Faria (PSD) tem uma semana decisiva.

O servidor estadual que o diga.

A semana fecha o mês de janeiro, o primeiro sob a gestão do novo governador.

A expectativa é quanto ao pagamento da folha de pessoal, que durante boa parte da administração Rosalba Ciarlini (DEM) foi paga aos “pedaços”.

Aguardemos, pois.

Categoria(s): Administração Pública
  • Fricot - Rodapé - 27-07-14
segunda-feira - 26/01/2015 - 06:02h
100%

Robinson Faria é campeão em aumento no próprio salário


Veja O Estado de São Paulo

Apesar de terem começado seus mandatos prometendo austeridade e anunciando cortes de cargos, secretarias e despesas para ajustar as contas públicas em 2015, treze dos 27 governadores brasileiros autorizaram reajustes dos próprios salários e os dos seus secretários. Os aumentos foram aprovados pelas Assembleias Legislativas às vésperas do recesso parlamentar, no fim do ano passado. Isso fez com que houvesse pouca repercussão na ocasião.

Robinson mostra compensação abrindo mão de residência oficial (Foto: Frankie Marconi)

Os valores variaram bastante. Foram de 4,3%, caso do tucano Geraldo Alckmin (PSDB), em São Paulo – o menor aumento –, até 100%, no caso do Rio Grande do Norte. No Estado nordestino, o salário do governador Robinson Faria (PSD), que venceu na disputa do ano passado o atual presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB), foi ampliado de 11.000 para 22.000 reais. No caso do vice-governador, Fábio Dantas, do PCdoB, o salário passou de 9.000 para 17.500 reais.

Leia também: Sartori recua e desiste de aumentar o próprio salário

Os secretários passaram a receber 14.000 reais por mês. Antes o salário era de 8.000 reais. No começo do ano, o chefe do Executivo potiguar tomou posse prometendo reduzir o custo da máquina pública e rever contratos.

Segundo a chefe do gabinete do governador, Tatiana Mendes Cunha, Faria concordou com o aumento para os secretários por achar não ser possível “contratar nenhum técnico competente com o salário anterior”. Ela diz que, para compensar o aumento do próprio salário, o governador abriu mão de residência oficial e do que considerava “mordomias” do cargo.

Os vencimentos de Alckmin, por sua vez, tiveram um reajuste bem mais modesto: foram de 20.600 reais mensais para 21.600 reais. A assessoria do tucano argumenta que o aumento foi menor que a inflação acumulada desde o último reajuste, em janeiro de 2013 – a inflação no período foi de 12,7%.

Alckmin

O aumento, porém, contrasta com o pacote de austeridade anunciado no começo do ano, quando ele prometeu cortar 15% dos cargos comissionados, 10% do custeio da máquina pública e contingenciar 10% das despesas previstas no Orçamento do Estado para este ano, o equivalente a 6,6 bilhões de reais.

Outros governadores, como o da Bahia, Rui Costa (PT), alegaram que o reajuste foi similar ao feito pelo Congresso Nacional e presidente da República. No caso de Costa, seu contracheque foi de 19.300 reais para 22.400 reais. O vencimento do vice e de secretários saltou de 16.200 reais para 19.300 reais. Ao assumir, o petista prometeu extinguir 1.700 cargos comissionados e extinguir três das 27 secretarias.

Entre os que autorizaram reajustes dos próprios salários, apenas o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), afirmou que não tomaria medidas para enxugar a máquina pública. Apenas suspendeu pagamento de fornecedores.

O contracheque do governador gaúcho foi de 17.300 para 25.300 reais, um aumento de cerca de 46%. Porém, diante da repercussão negativa, ele anunciou que iria abrir mão do reajuste, em uma decisão de “caráter pessoal”. O governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), também havia autorizado o aumento, mas depois recuou e decidiu congelá-lo.

Veja matéria AQUI.

Categoria(s): Política
segunda-feira - 26/01/2015 - 04:29h

Pensando bem…


“Aquele que nos combate, fortalece nossos nervos e aguça nossas habilidades. Nosso oponente é nosso colaborador.”

Edmund Burke

Categoria(s): Pensando bem...
domingo - 25/01/2015 - 19:38h
Petrobras

Falta verba para avanço na limpeza do “Lava Jato”


Coluna Painel da Folha de São Paulo

Agentes e delegados da Polícia Federal que atuam na Operação Lava Jato em Curitiba (PR) relatam que a verba destinada para reforçar as equipes acabou.

Investigadores estariam sem receber diárias e sem dinheiro para passagens aéreas. A superintendência do Paraná espera reforço de caixa nesta semana.

A cúpula da PF nega a escassez de dinheiro e diz que, a partir desta segunda-feira, haverá 26 policiais dedicados exclusivamente à operação –o maior contingente até agora.

Categoria(s): Política
domingo - 25/01/2015 - 15:34h
Mossoró

PSDC escolhe ex-candidato a prefeito para sua presidência


Moreira (à direita): presidente (Foto: divulgação)

O Partido Social Democrata Cristão (PSDC) tem novo dirigente. Assume a presidência da sigla o professor. Josué de Oliveira Moreira. Passa a substituir José Reginaldo Sales de Oliveira.

Moreira vai conduzir o partido com foco nas eleições vindouras. O PSDC objetiva sair com 30 candidatos na disputa de vagas para a Câmara Municipal de Mossoró nas eleições de 2016.

A sigla já dispõe de 20 nomes, restam apenas 10 vagas para completar o quadro máximo de candidatos que sairão pelo partido.

A candidatura própria para o poder executivo continua como base para oferecer a sociedade mossoroense “uma opção ética e comprometida com o desenvolvimento econômico, com o social, com a proteção do meio ambiente, com a defesa da sua história de bravura e do seu patrimônio cultural”, argumenta Moreira.

O novo presidente foi candidato a prefeito de Mossoró em 2012 e 2014.

Categoria(s): Política
domingo - 25/01/2015 - 15:18h

O curandeiro virou “coaching”


Por Honório de Medeiros

Abro a rede social e sou inundado por uma maré de anúncios de “coaching”. E de comentários de “Coachs” e “Coachees”, ou seja, os treinadores e os treinandos. Fico perplexo com o que leio.

A propaganda do treinamento é sumamente pretensiosa; o preço, salgadíssimo, e o resultado, bom o resultado é fabuloso para quem ganha dinheiro com isso.

Diz lá a propaganda que o “Coaching” é um“processo que utiliza técnicas, ferramentas e recursos de diversas ciências. Algumas pessoas dizem que Coaching é ciência, mas na realidade é um cocktail, um mix de recursos e técnicas que funcionam em ciências do comportamento (psicologia, sociologia, neurociências) e de ferramentas da administração de empresas, esportes, gestão de recursos humanos, planejamento estratégico e outros.”

Não pude deixar de me divertir com a pretensão desse pastiche de auto-ajuda típico da virada do século. Quer dizer que o treinador entende de psicologia, sociologia, neurociência e administração? É um portento, a criatura.

Quer dizer que o “coaching” se não for ciência, é um mix de recursos e técnicas que funcionam em várias áreas do conhecimento.

Ah, meu Deus… Diverti-me ainda mais quando li a propaganda de um dos cursos afirmando que todo homem poderia encontrar, em si, o macho-alfa que ele é. Bastaria querer e fazer aquele “coaching”. Outro pretendia apresentar o treinando a sua verdadeira essência. Verdadeira essência.

O que danado é verdadeira essência? Tem essência que não seja verdadeira?

A capacidade de ser iludido é infinita, no ser humano. E o dom de iludir, também, é o que parece. Penso que é inerente à espécie. Só pode ser.

Vai ano, vem ano e tudo se repete como farsa. Muda a roupa, mas o corpo é o mesmo.

Na literatura – entendida esta em seu sentido mais lato – o registro da atividade dos “coachs” é muito antigo: tanto aqueles de antigamente quanto os de hoje trabalham a partir de um insumo básico: aparentam saber em profundidade algo que não sabem, e mistificam astuciosamente alguns “standards” do senso comum, tal qual faziam e fazem cartomantes, numerólogos, terapeutas holísticos, pregadores, magos da “auto-ajuda”, mentalistas, em proveito próprio.

Os “coachs” exalam auto-confiança. Andam sempre muito bem “empacotados”, lustrosos, sorriso fácil, simpatia à flor da pele.

Querem passar a imagem de vencedores a todo custo. Dominam alguns truques óbvios do mentalismo de salão, tais quais técnicas de memorização, para pegar os incautos.

São versados na arte de dizer o óbvio de forma sofisticada. Falam em “atitude quântica”, “mentalidade holística”, “seleção do mais apto”. Ou seja: aparentam saber, para saber aparentar.

Não por acaso os melhores, dentre eles, são verdadeiros artistas da mistificação. Alguns até mesmo fundam seitas… E então, das pessoas que lhes impressionaram, caro leitor, durante os anos de sua vida, seja em que área seja, qual delas mesmo fez o curso de “coaching”?

João Paulo II, talvez? Barak Obama? Stephen Hawking? Pelé? Henry Ford?

O último prêmio nobel de literatura? Lula?

Acho que Lula fez!

Honório de Medeiros é professor, escritor e ex-secretário da Prefeitura do Natal e do Estado do RN

Categoria(s): Artigo
domingo - 25/01/2015 - 14:24h

Universo infinito, planeta pequenino


Por François Silvestre

Quando é que vamos admitir uma verdade escancarada sobre o tamanho da Terra?

O Universo onde está implicado, posto e encolhido o nosso planeta é infinito. Muito mais distante do que grandioso. Tão exuberantemente sem medida e sem adjetivação, que todas as palavras disponíveis em todos os idiomas são insuficientes para qualificá-lo.

Nem os gênios da física ou astronomia conseguiram desvendar todas as suas dimensões. Leis físicas que vez ou outra são superadas ou complementadas por teorias novas e novas descobertas.

A Terra, não. Pequenina e desvendada, seus mistérios há muito tempo habitam os anais do passado. Mesmo que muitos desses gênios referidos tenham sido perseguidos ou mortos por desmistificarem dogmas e enunciados.

Enunciados e dogmas que se prestavam ao poder temporal, profano ou religioso, cujo serviço da ignorância sempre foi de vassalagem fiel. Nada assusta mais o poder tirano do que o esclarecimento. A luz afugenta fantasmas e tiranias.

A Terra já foi plana e fixa. Dizer diferente era uma heresia, punível com a morte. Só era plana e fixa na limitação mental da ignorância. Sempre girou sobre si mesma, solta no espaço, pela mágica natural da gravitação. E Newton descobriu que essa magia se dava na razão direta do produto das massas e na relação inversa do quadrado das distâncias.

A Terra é pequenina, belíssima, hospitaleira e limitada. E nós, os pré-humanos, não temos outro lugar para morar. Não temos para onde ir.

Ainda não há migração cósmica. Nem sei se um dia haverá. Certamente que neste milênio não será. Portanto, ou compreendemos a obrigação de zelar por nossa moradia, ou seremos despejados pela ordem judicial da nossa própria estupidez. Não há uma terceira via.

A natureza tem dado sinais claríssimos de que somos os inquilinos mais estúpidos de quantos já alugaram essa pequena mansão. Nem as baratas se equivalem.

Degelo, secas onde nunca houve nem estiagem, furacões em áreas novas, terremotos, maremotos, queda de raios, enchentes, desertificações, tudo isso sempre existiu; porém, entretanto mas porém, nunca com a intensidade de agora e em tantos lugares diferentes. E tão monotonamente repetido.

Será que não dá pra perceber que estamos antecipando em alguns milhões de anos a vida da Terra? Ou melhor, a vida na Terra?

As agressões ao meio ambiente, no mundo todo, sob a desculpa de um desenvolvimento discutível, tem sido de uma intensidade alarmante.

Sem falar nas agressões menores, da burrice nativa de nossa pobre gente ignorante, que se junta ao conjunto da estultice mor. Com a extinção de espécies animais e vegetais.

A terra devastada da ficção começa a ser uma imagem pífia da devastação que promovemos na realidade.

mais.

François Silvestre é escritor

Categoria(s): Artigo
domingo - 25/01/2015 - 13:43h

O Poder de Mando e o Mando do Poder


Por Marcos Pinto

“Entre fortes e fracos, os fortes fazem o que podem e os fracos sofrem o que devem”.

A história, em suas infinitas controvérsias, tem estimulado os perscrutadores dos fatos pretéritos, comumente denominados de pesquisadores/ historiadores a buscarem em documentos oficiais irrefutáveis as facetas escondidas sob particularidades várias. A pesquisa feita com olhar cirúrgico tem proporcionado elucidar fatos e tirá-los do obscurantismo proposital.

Nos meandros do poder há uma proverbial discrição e reserva, com objetivo único de ocultar o libelo, a prova recriminatória de fatos escusos e ilícitos, praticados nos subterrâneos do poder. O celebrado historiador carioca Otávio Tarquínio de Souza fez interessante resgate histórico sobre o Imperador Pedro I, em memorável trabalho intitulado “A vida de D. Pedro I “.

Dentre as descobertas, revela-se um fato emblemático que ele disseca de forma admirável, nos seguintes termos: “Quando Rio Pardo, o antigo Ministro da Guerra, que se mantivera fiel até o último momento, e teve de fugir porque a sua vida corria perigo, chegou a bordo, D. Pedro soltou grandes gargalhadas e caçoou do fugitivo. Paranaguá, antigo ministro da Marinha, tendo que se esconder pelo mesmo motivo, apresentou-se a bordo”.

D. Pedro disse-lhe que dele não se podia encarregar. Respondeu-lhe o outro que, neste caso, só lhe restava tornar a Portugal, onde tinha direito a uma pequena aposentadoria.

Disse-lhe o ex-Imperador: “Espero que não irás a Portugal antes da minha filha estar estabelecida no trono.

“Mas, Senhor, que quer que eu faça? Não tenho fortuna, só tinha meu subsídio”.

- Faça o que quiser, não é da minha conta; porque não roubou como Barbacena? Estaria bem, agora”.

(Episódio ocorrido à bordo do Warspite, navio em que D. Pedro I zarparia para a Europa depois da abdicação, em 1931).

Em nossa amada Província encontramos diversos registros esparsos na tradição oral. Reúnem alguns elementos inéditos que podem ser avocados para ajudar a reconstruir a nossa densa história.

Nesse contexto, sobressaem-se fatos protagonizados pelos ex-governadores Ferreira Chaves (01.01.1914/ 01.01.1920 – segunda gestão), Dinarte Mariz e Aluísio Alves. O primeiro era autoritário, detestava as críticas ao seu governo e perseguia os adversários.

Na segunda gestão, sob pretexto de reformar a magistratura do estado aposentou cinco Juízes de Direito e cinco Desembargadores para nomear seus parentes e amigos, dentre os quais Horácio Barreto e Felipe Guerra, como Desembargadores.

Aluízio e a massa (Foto: Reprodução)

Conta-se que Dinarte Mariz, ao assumir o governo do estado em 1956, fora procurado no Palácio por tradicional e prestigioso líder político da região do Seridó que, sem subterfúgios, solicitou-lhe uma ”acomodação” / emprego de professora para sua filha. Passados seis meses sem que sua reivindicação tivesse sido atendida, eis que o velho líder sertanejo retornou ao palácio do governo, para cobrar o atendimento ao seu pleito.

Estupefato diante esse imbróglio, Dinarte convocou o Secretário de Educação a se fazer presente ao seu gabinete, ocasião em que indagou-lhe sobre o porquê de sua indicada ainda não ter sido convocada para lecionar, tendo recebido a resposta de que a mesma era analfabeta.

Dinarte prontamente determinou:

– Então nomeie ela e em seguida aposente-a!

Três dias após o Diário Oficial do estado trazia a nomeação e a aposentadoria da mesma.

Ainda buscando estabelecer os nexos e as inter-relações dentro do poder, exercido de forma coronelista pela velha raposa política Dinarte Mariz, destaca-se a indicação de um seu apadrinhado político, que submetera-se a concurso para provimento do cargo de Juiz de Direito e não lograra êxito. Ao saber do inusitado, Dinarte convocou o seu Chefe de Gabinete, determinando-lhe que empreendesse diligências em seu nome, para que o seu ”protegido” tivesse o nome publicado no Diário Oficial do Estado como aprovado em primeiro lugar. Dito e feito.

Configurara-se, assim, o poder do mando e mando do poder.

A ostentação e a hipocrisia sempre predominaram nas hostes do poder.

Aluísio Alves, oriundo das alas conservadoras de José Augusto e Juvenal Lamartine, sempre evidenciou em si rasgos de arraigado coronelismo em suas atitudes. Ufanista pela força eleitoral que emprestava-lhe prestígio e poder de mando, sempre predominou com ou sem caráter oficial. A vasta ascendência social massageava-lhe o ego.

Em seu governo (1961-1965), usando de prerrogativas estabelecidas na Constituição estadual, pôs Juízes de Direito em disponibilidade por pura perseguição política. O asqueroso e truculento Golpe Militar de 31 de Março de 1964 encontrou-no no comando do governo do estado. Em poucos dias aderiu ao odiento regime militar.

Mandou buscar em Recife dois renomados torturadores, com cursos em espionagem e contra-espionagem feitos no FBI e CIA, f eitos nos Estados Unidos, o que rendeu-lhes fama e prestígio junto aos militares.

As minudências dessa ignominiosa compostura Aluísio Alves encontram-se muito bem descritas e elencadas no livro intitulado ”1964 – Aconteceu em Abril”, de autoria da professora Mailde Pinto Galvão.

Existe uma farsa sempre hipócrita que nenhuma autocracia resiste: A do ensaio de mascarar a repressão inclemente do inimigo político vencido, sob a aparência da neutralidade do aparelho e das formas jurídicas, previamente submetidos aos desvarios da intolerância”.

Marcos Pinto é advogado e escritor

Categoria(s): Artigo
sábado - 24/01/2015 - 10:57h
Comportamento

A vida corre solta no mundo virtual do “WhatsApp”


As redes sociais na Web continuam efervescentes. E de lá, o mundo virtual, para o cotidiano da vida real, é um passo.

Bom exemplo é a febre dos grupos de “WhatsApp”.

Esse aplicativo usado em smartphones e que agora também pode ser instalado em computadores fixos, tem sido febre mundial com utilização de plataforma multimídia (texto, áudio, vídeo/fotos/ilustrações etc.)

Os grupos são formados conforme os interesses comuns. Funcionam como guetos de convivência virtual, que juntam pessoas dos mais variados matizes e lugares.

Podem ser compostos por familiares, companheiros de trabalho, torcedores de um clube de futebol etc.

Mas também é importante saber administrar o próprio uso dessa modalidade de rede social. O perigo, é não perceber o tempo ser consumido fora do seu foco diário de atividade profissional, familiar e até a direção de  um carro no caótico trânsito das médias e grandes cidades.

Se trabalho e lazer se confundem, certamente o que nasceu para ser útil vai se tornar um peso perigoso.

“Os Coxinhas” garantem que dividem bem essa dualidade entre compromisso e o entretenimento lúdico.

Formado por uma ‘ruma’ de amigos de Mossoró, o grupo Os Coxinhas é um caso típico de grupo no WhatsApp.

Foi criado como uma espécie de “terapia desocupacional”. O nome vem de um personagem de humor apresentado pela TV Diário de Fortaleza (CE).

No mundo online, os participantes do grupo convivem com a transferência do que são no plano real, em carne e osso. Todos são pedra e vidraça na “guerra” de gozações.

A ordem é zoar de qualquer um ou de todos os componentes da confraria cibernética.

Engenheiros, estudantes, empresários, advogados, políticos, farmacêuticos, médicos, servidores públicos e gente de outros setores profissionais e sociais mantêm o grupo em permanente atividade.

São 100 membros, limite do WhatsApp. Por lá, todos os assuntos podem entrar em pauta, com bom humor – principalmente.

O sério não é descartado, mas não chega a ser prioridade. A versão vale mais do que o fato.

Mas hoje (sábado, 24) em Tibau, eles vão sair da “clausura” em que vivem na  infinita infovia das redes sociais. Sem largarem o teclado dos smartphone, que fique bem claro.

Está confirmada a resenha “Coxa Beach” no Condomínio Alto da Praia, que começará ao meio-dia.

Por lá, a musicalidade de David Almeida, comes e bebes, além de muita zoeira.

Saiba mais sobre o WhatsApp AQUI.

Categoria(s): Comunicação / Gerais
  • Fricot - Rodapé - 27-07-14
sábado - 24/01/2015 - 08:02h
Mossoró

PRTB se organiza com foco em eleições municipais


Na primeira semana de fevereiro, em local e horário ainda a serem definidos, o PRTB em Mossoró vai ter reunião já com foco em 2016. Isso mesmo, as próximas eleições municipais.

O partido participou das últimas eleições municipais no ano passado, na coligação Frente Popular Mossoró Mais Feliz, encabeçada pela deputada estadual Larissa Rosado (PSB).

Com vistas ao pleito futuro, o projeto é adiantar montagem de nominata à Câmara Municipal, além de organizar o comando municipal.

Deverá montar chapa com nomes que já concorreram ao Legislativo e outros com bom potencial de votos.

O presidente local da sigla é o ex-candidato a vereador Gérson Nóbrega.

Categoria(s): Política
sexta-feira - 23/01/2015 - 23:58h

Pensando bem…


“Diante de uma larga frente de batalha, procure o ponto mais fraco e, alí, ataque com a sua maior força.”

Sun Tzu

Categoria(s): Pensando bem...
  • Câmara de Mossoró - Novas Atividades - 27-07-14
sexta-feira - 23/01/2015 - 23:55h
Mossoró

Cláudia Regina muito além do “mergulho”


Depois de um longo “mergulho”, a prefeita cassada e afastada de Mossoró, Cláudia Regina (DEM), voltou à cena na cidade.

Circulou pelas novas instalações inauguradas à noite de hoje, no Colégio Diocesano Santa Luzia (CDSL).

Com um sorriso sempre a ilustrar o rosto, posou para fotografias e conversou aqui e acolá com circunstantes.

Prosa política?

Também.

Categoria(s): Política
sexta-feira - 23/01/2015 - 23:35h
Twitter

Prefeito e vereador de Mossoró duelam ao vivo em rede social


A rede de microblogs Twitter foi o “octógono” escolhido pelo prefeito Francisco José Júnior (PSD) e o vereador Genivan Vale (PROS) para um longo duelo. O bate-boca foi agora à noite.

Os dois políticos mossoroenses trocaram críticas e acusações mútuas. Confrontaram opiniões, dispararam indiretas.

Prefeito lista o que seriam realizações do seu Governo (Reprodução)

E, em comum, o cuidado de não citar o nome do antagonista.

“Estamos prontos para ajudar com sugestões e criticas. Súdito, meu Rei, não sirvo para ser. Vereador lagartixa, muito menos”, proclamou Genivan.

Quanto pior, melhor

O prefeito, antes, foi pro ataque:

- Fui vereador por 14 anos com muito orgulho. Fico muito triste, quando um parlamentar torce para o quanto pior, melhor.

Genivan levanta pontos delicados da gestão municipal (Reprodução)

Em seus respectivos endereços, os dois seguiram com suas estocadas.

O vereador desfiou lista de problemas que estariam gerando uma metástase na administração.

O prefeito respondeu enumerando o que seriam realizações e feitos do seu Governo.

A arenga ganhou corpo em face da denúncia – provada com uso até de vídeo – de que a recém-inaugurada Base Integrada Cidadã (BIC), do bairro Barrocas, estava fechada. A população fez a denúncia ao vereador Genivan e ao também vereador Tomaz Neto (PDT).

Com o caso ganhando enorme repercussão, principalmente nas redes sociais, com milhares de compartilhamentos e comentários, o Governo reagiu mobilizando sua força de comunicação.

Paralelamente, a Polícia Militar passou a realizar ostensivo trabalho no bairro e adjacência, após a denúncia dos vereadores (veja AQUI).

A situação ficou tão extremada, que o próprio prefeito resolveu reagir, num contra-ataque dirigido a Genivan no ambiente virtual.

O confronto segue.

Acompanhe bastidores políticos em nosso Twitter clicando AQUI.

Categoria(s): Blog / Comunicação / Política
Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.