sexta-feira - 18/12/2020 - 06:46h
Economia

Natal cai 9 posições entre municípios mais ricos do país

Mossoró e Parnamirim estão entre os 30 municípios de melhor PIB no Nordeste, segundo dados do IBGE

Com R$ 23,8 bilhões, Natal tem o 40º maior Produto Interno Bruto (PIB) entre os municípios brasileiros em 2018. No ano anterior, a capital potiguar estava na 31ª posição. Esse é um dos resultados do PIB dos municípios 2018 cuja elaboração é do IBGE e do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema) do Rio Grande do Norte.

Dos nove municípios que superaram a cidade do Sol em 2018, a única capital é Vitória-ES (R$ 26,3 bilhões). Os três municípios que estão imediatamente à frente de Natal são: Camaçari-BA (R$ 23.822 bilhões), São José dos Pinhais-PR (R$ 24,1 bilhões) e Caxias do Sul-RS (R$ 24,6 bilhões).

Capital potiguar teve recuo em relação a cidades interioranas da região Sul e até do Nordeste (Foto: Canindé Soares)

Entre os cem maiores PIBs municipais, apenas a capital representa o Rio Grande do Norte no ranking. O PIB natalense corresponde a 0,34% de tudo que municípios brasileiros produzem.

O Produto Interno Bruto (PIB) é o total de bens e serviços finais de um país, estado ou município. Também pode ser explicado como a soma dos valores adicionados pelas diversas atividades econômicas acrescida dos impostos sobre produtos e serviços.

Nordeste

Das capitais do Nordeste, Fortaleza-CE (R$ 67 bilhões), Salvador-BA (R$ 63 bilhões), Recife-PE (R$ 52 bilhões) e São Luís-MA (R$ 33 bilhões) têm PIBs maiores do que a capital potiguar.

Com o avanço de Camaçari-BA, Natal tem o sexto maior PIB entre os municípios da região. Mossoró (R$ 6,5 bilhões), na 23ª posição, e Parnamirim (R$ 5,1 bilhões), na 28ª, estão entre os 30 maiores PIBs do Nordeste.

No ranking dos 30 menores PIBs da região, o Rio Grande do Norte tem cinco municípios: Viçosa (R$ 17,2 milhões) é o terceiro menor; João Dias (R$ 21,6 milhões), o 11º; Monte das Gameleiras (R$ 24,5 milhões) fica em 24º lugar; Francisco Dantas (R$ 25,1 milhões), em 28º; e Taboleiro Grande (R$ 25,5 milhões), na 29ª posição.

No RN, cinco municípios concentram 57% do PIB

Natal, Mossoró, Parnamirim, Macaíba e São Gonçalo do Amarante são responsáveis por 57,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do Rio Grande do Norte. Essa é a quarta maior concentração do Nordeste e a 11ª do Brasil quando se soma os cinco maiores PIBs municipais por estado.

Em valores absolutos, os municípios com cinco maiores PIBs geraram R$ 38,5 bilhões em 2018. O grupo também concentra 46,2% da população potiguar. Os 167 municípios potiguares juntos somaram R$ 66,9 bilhões de PIB.

Bodó tira de Guamaré a posição de maior PIB per capita do estado

Com uma população de 2.250 pessoas em 2018, o PIB per capita do município de Bodó chegou a R$ 142.806,47. Esse é o maior PIB por pessoa entre os municípios norte-rio-grandenses e o 32º do Brasil. O grupo de atividades “eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação” é o que mais contribui para a economia bodoense.

O município de Guamaré passou a ter o segundo maior PIB per capita, do Rio Grande do Norte, com R$ 90.678,84. Na comparação com todos os municípios brasileiros, Guamaré tem o 86º maior PIB per capita municipal.

No Brasil, o PIB por pessoa é de R$ 33.593,82. Para obter esse resultado, divide-se o total do PIB pelo número de habitantes do país, estado ou município.

Energia eólica pesa em PIB

No Rio Grande do Norte, os dez maiores PIBs per capita são: Bodó, Guamaré, Parazinho (R$ 85.197,08), São Bento do Norte (R$ 71.914), Pedra Grande (R$ 65.310,13), São Miguel do Gostoso (R$ 44.082,85), Alto do Rodrigues (R$ 33.684,54), Pendências (R$ 32.065,62), Arês (R$ 31.547,93) e João Câmara (R$ 29.598,28).

Energia Eólica no RN, o Complexo Eólico Calangos no Seridó, da Iberdrola (Foto: Canindé Soares)

 

Desse grupo, sete têm suas economias baseadas em “eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação”, com destaque para a energia eólica. Outros dois municípios se destacam pela produção de camarão – Pendências e Arês. Apenas Guamaré ainda representa a indústria do petróleo nesse ranking.

Mudança de posição

O município de Carnaubais subiu 25 posições no ranking potiguar dos PIBs per capita municipais. O valor de R$ 15.370,65 garantiu a 41º lugar no RN em 2018. Em 2017, o município ocupava a 66ª posição.

Embora a administração pública ainda componha a maior parte do Produto Interno Bruto do município, a indústria extrativa passou a ser a segunda atividade mais importante em Carnaubais.

Por outro lado, Taipu (R$ 9.152,34) e Martins (R$ 9.018,77) perderam 22 posições no ranking entre 2017 e 2018. Em Martins, os valores da administração pública e dos serviços variam negativamente. Em Taipu, a agropecuária recuou.

Veja AQUI dados gerais do pais.

* INSCREVA-SE em nosso canal no Youtube (AQUI) para avançarmos projeto jornalístico.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo  TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUIYoutube AQUI.

Categoria(s): Economia

Comentários

  1. João Claudio diz:

    Vaaaaaaalhaaa….eu não acredito. Me belisquem-me. Me belisquem-me. Eu só posso tá sonhando. Nã!!! Eu não a-cre-di-to.

    O que será daquele povo, meu Deus, que estava ‘crentizin’ que já tinham superado Dubai….vaaaaalha…!!!! Isso não é um sonho. É um pesadelo. Nã!!! Vou passar a dormir com uma caixa de fósforo amarrada no lençol. É o jeito.

    A essa altura, aquele povo já saiu em disparada rumo à feira do carrasco para comprar pés de coentro pra se pendurar no maior cajueiro do mundo e….cruz, credo. Num quero nem ver.

    Ei, pensando bem, e se aquele povo fizer uma vaquinha e arrecadar dinheiro para construir outro elefante branco. Hein? Será que voltam a ser ricos?

    Mas o que fazer de Ponta Negra, a praia mais bela do planeta? Oh, céus! Iluminai aquele povo.

    Mas, pensando bem (de novo), com esse estado de pobreza decretado na capital mundial do turismo, chegou a hora de o ‘riquíssimo’ País de Mossoró comprar a Reta Tabajara, e acabar de vez com aquela velha polémica ‘Da Reta Tabajara pra lá…’

    Eu sugiro a compra, mas volto atrás, quando imagino o esforço que o País de Mossoró está fazendo para comprar Fortaleza e região metropolitana.
    O lance já foi dado. Se sobrar dinheiro, aí sim! pode-se pensar em comprar a Reta. Né não?

    Perguntar não ofende:

    – Ei, aquelas lojas ‘ricas’ da Afonso Pena ainda estão abertas ou fecharam ‘pra balanço’ e perderam a chave?

    Nã!!! Vou voltar a dormir e quando acordar de novo espero não ter lido essa trágica notícia.

    Zzzzzzzzzzzzzzzz…..!

Deixe uma resposta para João Claudio Cancelar resposta

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2021. Todos os Direitos Reservados.