domingo - 27/06/2010 - 13:53h

A força, com perfil campeão, do “IV Reich”

Alemanha 4 x 1 Inglaterra. Indiscutível a superioridade alemã no placar e também em campo.

Mas a história precisa ser contada em seus detalhes.

O time de Neuer, Podolski, Müller, Özil, Klose e Schweinsteiger é um misto da disciplina, frieza e solidez alemã, com a alma sulamericana: técnico, inventivo, ousado, habilidoso.

A vitória de hoje na Copa do Mundo da África do Sul, que leva o time às quartas-de final, contra México ou Argentina, inquieta qualquer brasileiro e faz transpirar de alegria os amantes do bom futebol em qualquer parte do mundo.

Prova que força e técnica podem e devem se somar. Não são máquinas, homens é que são.

A Alemanha, vista até bem pouco como um amontoado de guarda-roupas branquelas, baseados na força física, é uma seleção que enche os olhos. Defende-se e ataca em bloco, não confunde violência com vigor e revela talento no varejo e atacado.

Se estivessem com a camisa "Canarinha", não fariam feio. Até lembrariam nossos bons tempos feitos de arte e eficiência na direção do gol.

O placar é relativamente irreal.

A Inglaterra foi goleada, mas chegou a igualar um total adverso. Perdia por 0 x 2 (Klose e Podolski), diminuiu com UPson e empatou o jogo ainda no primeiro tempo.  Lamentavelmente a arbitragem não viu um gol legítimo que asseguraria a igualdade, feito por Lampard.

No segundo tempo, inferiorizada, claro que a Inglaterra se abriu e foi à frente, expondo-se ao contra-ataque mortal do afinado "exército alemão". Daí vieram os dois gols complementares da goleada, feitos por Müller.

Voltassem com 2 x 2, seria pouco provável que os ingleses arriscassem tanto e levassem tamanho prejuízo.

Bem, mas o fato é que o placar está feito e é na verdade inconstestável quanto à superioridade dos vencedores.

Taticamente, a Alemanha é um monobloco surpreendente. Por vezes tem apenas Klose no ataque. Mas pode sufocar o oponente em massa, com Podolski e Müller formando um triunvirato ou mesmo Özil complementando quarteto de atacantes.

Ao se fechar, obrigou a Inglaterra a errar. Limitou avanços dos seus laterais e puxou Podolski e Müller para reforço de marcação. Seu contra-ataque lembrou uma "blitzkrieg" (guerra rápida), com divisão de blindados. Matou o jogo.

Para quem pensava que os 4 x 0 na modesta Austrália fora algo tolo, excessiva demonstração de poder, os 4 x 1 na Inglaterra não deixam dúvidas: estamos diante da força do "IV Reich" (Império).

Quem segura a Alemanha de Özil e companhia?

Categoria(s): We Are The Champions

Comentários

  1. Eduardo Nobre diz:

    mal gosto de referir ao reich num texto sobre futebol. carlos, não colou

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2021. Todos os Direitos Reservados.