terça-feira - 11/08/2020 - 17:40h
Poesia e política

A ‘novidade’ sobre o poeta


Por François Silvestre

Vejo nas folhas que há uma novidade sobre o poeta João Cabral de Melo Neto, retirada das memórias de Tereza Goulart, viúva de Jango. Só não é novidade para mim.Ainda nos tempos do Substantivo Plural, de Tácito Costa, causei alguns arrepios quando contei esse fato. Até o cineasta e romancista pernambucano Fernando Monteiro precisou publicar um texto confirmando o que eu afirmara, para acalmar os ânimos duvidosos de um famoso poeta potiguar. Era tudo verdade.

João Cabral, poeta substantivo, ímpar, era funcionário de carreira da Diplomacia. Sofreu muita pressão da Ditadura, inclusive com transferências continuadas. Seu reduto preferido foi Sevilha, onde teve um pouco de sossego.

A pressão foi tanta que ele renegava o “Vida e morte Severina”. Dizendo publicamente que era poesia pequena, melosa. Uma forma de atenuar o ferrão.

Lotado no serviço diplomático em Buenos Aires, ele recebeu a “incumbência” de relatar os movimentos do Presidente João Goulart, exilado no Uruguai, quando de suas visitas à capital da Argentina. A “incumbência” era ordem funcional.

Ou fazia ou fazia. E ele cumpriu. Relatava em que hotel Jango se hospedava, quantas visitas recebia, a duração das visitas, e se possívelidentificação dos visitantes.

O coitado, vítima de uma cefaleia crônica, não criou qualquer problema para Jango. Criou para si mesmo. Mortificou-se, com uma velhice sofrida e dolorida.

O mal está na Ditadura, não nos perseguidos. E Cabral foi um dos perseguidos.

“Um galo sozinho não tece uma manhã/ precisará sempre de outros galos/. De um que apanhe esse grito/ e lance a outro”… João Cabral de Melo Neto.

* INSCREVA-SE em nosso canal no Youtube (AQUI) para avançarmos projeto jornalístico.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo  TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUIYoutube AQUI.

Categoria(s): Crônica

Comentários

  1. Amorim diz:

    “Um galo sozinho não tece uma manhã”; citado pela virtosa Maria Bethania em uma de suas canções.
    Brigado pela aula.

  2. FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO diz:

    Num país em que a maioria das figuras, inclusive ditas intelectuais, renegam a crítica fundada em face daqueles que se associam ao poder à qualquer preço, renunciando aos postulados ético/políticos, antes reverberados aos quatro cantos do medíocre universo da cultura e da político tupiniquim.

    Na verdade, num país de omissos e alienados, João Cabral de Melo Neto, nos legou exemplo de coerência em vida, que perpassa toda sua obra, sobretudo a natureza da sua poesia, que, por incrível que pareça, construtivismo e cubismo à parte, pode muito nos dizer e falar do nosso complicado e perigoso momento atual, vejamos:

    O esquadro disfarça o eclipse
    que os homens não querem ver
    não há musica aparentemente
    nos violinos fechados
    Apenas os recortes dos jornais diários
    que acenam para mim como o juízo final.

    Um baraço
    FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO.
    OAB/RN. 7318.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.