domingo - 31/07/2011 - 06:44h

Desapego


Pelo chão que
Se resvala
A recatada
Síntese que
Me guia,
Eu, mudo de mim,
Planejo fuga
E perdição.
Eu, surdo de mim,
Alieno noites
E tardes
E manhãs
E invernos
E verões
E outras
Coisas que
Se vão pelo
Seco da manhã.

Mário Gérson é jornalista, escritor e poeta mossoroense

Categoria(s): Poesia

Comentários

  1. Mário Gerson diz:

    Carlos, boa tarde! Obrigado pela generosa publicação deste meu poema. Sucesso e um ótimo restinho de domingo, com muita saúde e paz!

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.