domingo - 27/12/2020 - 09:48h

Desenvolvimento sustentável do rio Mossoró é viável

Por Josivan Barbosa

A futura equipe de secretários do prefeito  eleito Allyson Bezerra (Solidariedade) tem um grande desafio pela frente no que diz respeito ao desenvolvimento sustentável do Rio Apodi – Mossoró. Os recursos para o financiamento do projeto de recuperação do rio podem ser conseguidos com a elaboração de um bom projeto para ser apresentado à Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD).

A AFD tem cerca de ¢ 500  milhões (mais de R$ 3 bilhões) pela taxa cambial atual – à disposição do Brasil para novos projetos públicos e privados no país em 2021.

Os recursos serão disponibilizados para municípios de médio e grande porte para obras de mobilidade urbana, aterros sanitários e iluminação pública. A AFD está negociando com dois bancos privados a possibilidade de financiar outras linhas e que possa disponibilizar os recursos para mais tomadores.Os empréstimos podem ser feitos com ou sem garantia soberana do Tesouro Nacional. Mas, se necessário, a Prefeitura Municipal de Mossoró não terá dificuldades de aprovação do Tesouro em função da sua margem de segurança para empréstimos dessa natureza.

A carteira acumulada da AFD no Brasil, um dos cinco países receptores de seus empréstimos no mundo, já chega a R$ 12 bilhões.

Os empréstimos da AFD são atrelados a projetos em sintonia com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável definidos pela ONU para o período 2015 – 20202, o que  está perfeitamente ajustado com um projeto que contempla a recuperação do Rio – Apodi Mossoró.

Na região Nordeste a AFD já tem experiência com órgãos públicos através do financiamento de estudos com a Fundação Cearense de Meteorologia e com a Companhia de Saneamento do Maranhão.

Uma das exigências para que os empréstimos não necessitem de aval da União é a elaboração de projetos tecnicamente bem feitos, o que exigirá do secretariado do prefeito uma ação sincronizada para que logo nos primeiros dias do mandato abram  um processo licitatório para a contratação de uma empresa especializada para elaborar o projeto de recuperação do rio Apodi – Mossoró.

Isso precisa ser feito com celeridade pois, em média, o tempo entre o primeiro contato com a agência e a aprovação do financiamento costuma levar em torno de 12 meses. Se não for elaborado um bom projeto, corre-se o risco de demorar muito na aplicação dos recursos, o que está acontecendo com RN cidadão, cujas obras já estão no terceiro governo.

Saneamento

Outra oportunidade que os secretários precisam aproveitar é o novo Marco Lega do Saneamento com a aprovação do decreto relativo ao apoio técnico e financeiro da União para a formação de consórcios intermunicipais. Esse decreto trará a oportunidade de disponibilizar para os municípios e estados quase R$ bilhões de reais.

O acesso a esses recursos exigirá do secretariado competência diferenciada para a elaboração de bons projetos, o que fará com que o prefeito eleito possa fazer a diferença na captação de recursos para as obras de saneamento, inclusive para a recuperação do Rio Apodi – Mossoró.

Cidade inteligente

A equipe de gestores do prefeito eleito Allyson Bezerra tem outro desafio importante no que diz respeito a projetos para avançar na área de inteligência digital. Se o município não crescer na área de tecnóloga, especialmente de IoT (inteligência artificial), na mesma velocidade em que cresce de tamanho, muitas dificuldades serão enfrentadas na hora de se transformar em local inteligente. Por isso, o planejamento nessa área ser tão crucial, o que exigirá do novo secretário de planejamento um esforço hercúleo.

Já que não temos uma cidade ubíqua (planejada a partir do nascimento) a saída será rever a relação entre moradores e espaço urbano, o que seria uma cidade inteligente (digitalizar estruturas já em operação).

A ilusão da duplicação da BR 304

Quem já viajou de automóvel particular ou de ônibus para o Sudeste do país, sabe muito bem do que estamos falando quando o assunto é duplicar rodovias federais. Se o Rio Grande do Norte espera que o projeto de duplicação da BR 304 possa ser feito no atual Governo, compare com a famosa `rodovia da morte` (BR 381 em Minas Gerais) que tem a sua previsão de ser concluído somente em duas décadas. E olhe que ela transporta muita riqueza entre o Nordeste e o Sudeste, bem diferente da nossa BR 304.

A equipe do Governo prevê o término da obra, mesmo se entregue à iniciativa privada somente em 2039. Aquele trecho (Belo Horizonte – Governador Valadares) é um corredor importantíssimo para o Estado e para o país como um todo e se tornou um sonho dos mineiros a muitos anos.

Construída nos anos 1950, a rodovia teve 2.218 acidentes com vítimas e 144 mortes no Estado apenas em 2019. Como exemplo da nossa BR 304, a BR 381 em Minas Gerais já foi prometida em vários governos. Pelo jeito vamos ter que esperar muito pela duplicação do trecho Mossoró – Reta Tabajara.

Lembremos que o projeto de duplicação do pequeno trecho da Reta Tabajara já completou 10 anos e ainda necessita de muitas obras para a sua conclusão.

Oportunidade para nossas frutas

A concretização de um novo acordo comercial do Mercosul com Cingapura e Coreia do Sul pode se transformar numa ótima oportunidade para as frutas do Nordeste, especialmente dos Polos de Agricultura Irrigada RN – CE e Juazeiro – Petrolina. O acordo está sendo trabalhado com a perspectiva de ser assinado até 2022.

Josivan Barbosa é professor e ex-reitor da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA)

Categoria(s): Artigo

Comentários

  1. Rocha Neto diz:

    Dois sonhos eternos o professor e doutor Josivan narra em sua coluna de hoje; a duplicação da BR304 e a despoluição do velho rio Mossoró, de onde na década de 60 bebia de sua água na época do inverno, pois no verão se tornava salobra, hoje o seu leito serve de fossa a céu aberto pra poluir o centro da cidade, local que foi banhado pelo secular istimo que deságua às margens das salinas que compõem o parque salineiro de nossa região aonde o cartão termina com a vegetação de mangue que decoram o nosso litoral. Caro Josivan, parabéns pelo artigo de hoje o qual os nossos tataranetos com certeza não alcançarão o sonho se tornar em realidade, principalmente com a bancada chinfrim de políticos que estão em Brasília pra se darem bem, e o resto que se lasque. Tempos de políticos da bancada federal que realmente se preocupava com o bem estar social do nosso estado potiguar, é coisa pretérita, sonhar todos nós temos o direito à esta ilusão.

  2. Nichollas Rennah diz:

    Só uma pequena correção: IoT não é Inteligência Artificial, mas Internet das Coisas (Internet of Things).

  3. Lair Solano Vale diz:

    Se prepare para o GOLPE, meu Federal que talvez seja candidato ao Governo em 2022 vai usar o mesmo truque de “Anrique Alves” , iniciar a duplicação Assú/ Mossoró no ano da eleição.

  4. João Claudio diz:

    A obra de alargamento (não confundir com duplicação) da ponte sobre Rio Açu demorou dois anos para ser concluida. Foram alargados CINCO METROS em cada borda lateral da ponte que mede cerca de 500 METROS de extenção.

    Imagine duplicar quase 260 QUILÔMETROS, construir dezenas de outras pontes, in-clu-si-ve outra sobre o Rio Açu.

    Parabéns ao professor Josivan pelo comentário, e pelo fato de ser um dos poucos a ter uma visão perfeita sobre o assunto.

    Ah, algumas pérolas mossoroenses acham que o brasil faz parte dos Emirados Árabes.

    Querem que o governo construa JÁ; um estádio de futebol; um segundo aeroporto (em nível in-ter-na-cio-nal) e a duplicação da BR 304.

    Lembrando que, a única coisa que Mossoró tem de sobra e os Emirados Árabes não ficam atrás, é o CALOR.
    E para por aí.

  5. Inácio Augusto de Almeida diz:

    A duplicação da Mossoró/Natal pode acontecer por etapas. Poderia começar duplicando o trecho Mossoró/Assu e depois Assu/Riachuelo e assim por diante.
    Conseguir duplicar de uma só vez Mossoró/Natal é muito difícil.

  6. Inácio Augusto de Almeida diz:

    Por tudo que leio do Professor Josivan Barbosa acredito que o prefeito das mudanças vai aproveitar as sugestões deste profundo conhecedor dos nossos problemas.
    Por que não criar o Departamento de Projetos, não precisa ser uma Secretaria, e colocar Josivan na coordenação?
    O custo seria diminuto.

  7. Inácio Augusto de Almeida diz:

    Falar em sugestão eu sei como acabar com o furto e a troca de recém-nascido nas maternidades brasileiras.
    Como ninguém se interessa em saber como isto é possível…

  8. Igy Lea diz:

    Perguntas que nao querem calar, a ufersa nao deveria projetar alguma coisa para o rio e para os recurssos ambientais? Precisa ser prefeito para isso? Outra coisa, em relacao a br, sr josivam tem razao. A br 101 é duplicada pelo lutoral, e para de ser duplicada no pobre rn. A causa é que os pilíticos vem de aviao para cá. O aeroporto meamo fechado sempre é aberto para aa majestadaes políticas. Mas oytra coysa, p q a ufersa e a uern exoasiatema dessws falastraos nao apoia o rn sem sorte? Projetos e tecnologia em turismo, gas, fruticultura, recursoa hidricos (monitorem as aguas do rn por favor) e sal. Ah. E p q o RN SEM SORTE nao tem uma Embrapa? A ufersa e a comunidade politica tem q exolicar esse feito. Mero escritorio dentro da ufersa nao é a mesma coysa

  9. Rocha Neto diz:

    Concordo com Inácio Augusto, Josivan tem tudo pra realizar um bom trabalho em prol de Mossoró, além de bom técnico, sabe como pouco os meandros do poder aqui em Natal e Brasília, também sabe abrir portas para fazer caminhar o planejado.

  10. Q1naide maria rosado de souza diz:

    Prof. Josivan, parabéns! Excelente Artigo.
    Sr. Inácio, a troca de bebês em maternidades é dolorosa. Recentemente soubemos de uma tentativa. A sua ideia deveria ser conhecida e aprovada de imediato.

    • Inácio Augusto de Almeida diz:

      Infelizmente, Sra. Naide, aqui eu falo e não sou escutado. O problema só existe, troca de criança na maternidade, pelo descaso das autoridades. Solução existe!

  11. João Claudio diz:

    Corrigindo:

    Algumas pérolas mossoroenses acham que MOSSORÓ faz parte dos Emirados Árabes.

    • Inácio Augusto de Almeida diz:

      Todas as propostas do Professor Josivan são viáveis. Basta não acontecer desvios de recursos para se tornarem realidade.
      Vamos ver se a nova administração é de mudanças ou de mesmices logo nos primeiros dias com a realização de auditorias na prefeitura e na CMM.
      Passar tudo a limpo é sinal de novos tempos.
      Transparência total e o que mais o povo deseja.
      Vamos ter clareza nos Portais de Transparência? Saberemos os nomes de todos os que são funcionários e quais as suas funções e salários na prefeitura e na CMM? As doacões de terrenos e isenções de impostos serão objetos de averiguações?
      Ou apenas passarão um apagador em tudo?
      Recursos para tornar Mossoró a melhor cidade brasileira para se viver existem.

  12. FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO diz:

    Claro, óbvio e ululante que s ideias e os projetos do Professor JOSIVAN BRABOSA, são elogiáveis e perfeitamente pertinentes do ponto de vista técnico e econômico.

    Todavia, todos esquecem que a morosidade com que os projetos estruturantes e que perpassam e que favorecem toda coletividade, infelizmente, são morosos, pra não dizer inexequíveis do ponto de vista político. O fato, reside e resiste exatamente na chamada e secular trava política existente, sobretudo em função da ignorância acerca do nosso processo histórico fundado na escravocracia, por conseguinte da falta de consciência cidadã da grande maioria, mormente quando da hora e do ato mais importante das suas vidas, O VOTO…!!!

    Exemplos históricos não faltam; A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO (atualmente em seus momentos finais) E QUE FAVORECEU MILHÕES DE NORDESTINOS E QUANDO DA SUA COMPLETUDE FAVORECERÁ AINDA MAIS, NÃO ESQUEÇAMOS, FOI PROMETIDA PELO IMPERADOR D. PEDRO II, HÁ QUASE DOIS SÉCULOS..!!!

    NÃO OBSTANTE NOSSO IMENSO POTENCIAL HIDROELÉTRICO, A ENERGIA ELÉTRICA, SÓ VEIO SER INSTALADA NA GRANDE MAIORIA DOS ESTADOS NORDESTINOS, JÁ EM PLENA METADE DO ´SECULO XX…!!!

    A TRICOTOMIZAÇÃO DO RIO MOSSORÓ, SÓ VEIO EFETIVAMENTE SER REALIZADA PLEO ÚNICO PREFEITO DA MONARQUIA (DIX HUIT ROSADO) QUE TINHA ALGUMA VISÃO OBJETIVA QUANTO ÀS OBRAS ESTRUTURANTES, MAIS DE UM´SECULOS DE INÚMERAS ENCHENTES E INVERNOS, AS QUAIS, ANO APÓS ANO NÃO SÓ INUNDAVAM A PARTE CENTRAL DE MOSSORÓ, COMO IMPUNHA PREJUÍZOS INCALCULÁVEIS AO COMÉRCIO, INDUSTRIA E, SOBRETUDO AOS POBRES E MORADORES DAS PERIFERIAS DO DITO PAÍS DE MOSSORÓ, QUE AINDA, EM PLENO SÉCULO XXI VIVEM A MORAR E CORRER RISCOS DE VIDA À BEIRA DO ATUAL, POLUÍDO E QUASE MORTO RIO MOSSORÓ…!!!

    EM FIM, SE FOSSEMOS ENUMERAR O GRANDE NÚMERO DE OBRAS ESTRUTURANTES, QUE À SEU TEMPO DEMORARAM SÉCULOS PRA SEREM EFETIVAMENTE REALIZADAS E DISPONIBILIZADAS AO CONJUNTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA, TANTO EM MOSSORÓ, COMO NO RIO GRANDE DO NORTE SEM SORTE , BEM COMO NO BRASIL. COM CERTEZA, TERÍAMOS QUE ESCREVER UM GRANDE LIVRO SOBRE A NOSSA FALTA DE CONSCIÊNCIA POLÍTICA, E CONSEQUENTEMENTE A NOSSA INCAPACIDADE QUASE ATÁVICA DE ESCREVER A NOSSA PRÓPRIA HISTÓRIA, ELEGENDO PESSOAS E NÃO AUTORITÁRIOS BONECOS DE PROPAGANDA, COMO, INFELIZMENTE, SEGUIDAMENTE A O CONJUNTO DA SOCIEDADE O FAZ…!!!

    NESSE CONTEXTO,MAIS UMA VEZ REPITA, SEM EDUCAÇÃO E INFORMAÇÃO DE QUALIDADE OPORTUNIZADAS AO CONJUNTO DA SOCIEDADE, CLARO QUE ISSO E UM PROCESSO DE GERAÇÕES, POREM, SEM ESSES FATORES E PONTOS FULCRAIS E CENTRAIS, OBJETIVAMENTE, JAMAIS ACORDAREMOS, DAREMOS UM TCHAU PRA INÉRCIA POLÍTICA , POR CONSEGUINTE, DEIXAREMOS DE SER FIGURANTES E PASSAREMOS SER PROTAGONISTAS DA NOSSA PRÓPRIA HISTÓRICO, EFETIVAMENTE PARTICIPANDO DA VIDA NA SOCIEDADE CIVIL E ELEGENDO REPRESENTANTES MINIMANTES VINCULADOS AOS INTERESSES DA MAIORIA…!!!

    Um baraço
    FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO.
    OAB/RN. 7318.

  13. Inácio Augusto de Almeida diz:

    NADA MAIS RIDÍCULO DO QUE UM MEDÍOCRE TENTANDO SER IRÔNICO.
    Inácio Augusto de Almeida

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2021. Todos os Direitos Reservados.