domingo - 07/03/2021 - 06:20h

E Pluribus Unum (De muitos, um)

Por Marcos Araújo

Nesses tempos em que nada se fixa mentalmente, que estamos dispersos e atônitos no cumprimento – ou desobediência – à diversidade de ordens para a sobrevivência (tomar ou não a Ivermectina, usar ou não a máscara, hidroxicloroquina serve ou não serve, isolamento social, algumas dessas orientações quiméricas e pseudocientíficas), lembrei-me do personagem Xidakwa, do conto “O Bebedor do Tempo”, do escritor português Mia Couto. Xidakwa não bebia cervejas, bebia o tempo. Todos nós estamos como ele, “bebendo o tempo” vivendo um dia por vez, sem saber como será o amanhã.

Aldir Blanc, músico genial, uma das vítimas da praga deste século, complementaria a tirada filosófica do personagem de Mia Couto com sua “resposta ao tempo”: “*Batidas na porta da frente, é o tempo / Eu bebo um pouquinho pra ter argumento / Mas fico sem jeito calado e ele ri / Ele zomba do quanto eu chorei /Porque sabe passar e eu não sei.” Aniversário, comemoração, alegria, brinde

Não estamos sabendo passar o tempo. Porque dele não podemos desfrutar. Meus filhos pequenos ficaram sem comemorar dois aniversários. Meu pai, já idoso, que adora festa de aniversário, vai para o segundo ano sem comemoração. Amores interrompidos, amizades distanciadas, famílias separadas, trabalhos alterados… Com tantas proibições, vivemos a “conta-gotas”, suplantando segundos, minutos e horas, enquanto não somos contaminados pelo vírus.

E o tempo se passando inexoravelmente na celeridade poética de Mario Quintana: “*Quando se vê, já são seis horas! Quando se vê, já é sexta-feira! Quando se vê, já é natal…Quando se vê, já terminou o ano… Quando se vê perdemos o amor da nossa vida (…)”.

Por certo, comungamos de um desejo coletivo em embarcar numa “Máquina do Tempo” (criação da imaginação singular do escritor inglês H. G. Wells, de 1895), para pular essa parte da história da humanidade.

A frase mais repetida na atualidade é “Cuide-se!”. Ou, a advertência sentencial: “importe-se com o outro!” Isso faria valer, em tese, o título desse escrito: E Pluribus Unum! (De muitos, um!). Esse foi o lema escolhido para unificar as 13 colônias na formação de um Estado Federal – os Estados Unidos da América como nação, por ocasião da declaração da independência em relação ao jugo inglês, em 1776. Os revolucionários, sob a inspiração do filósofo genebrino Pierre Eugene DuSimitiere, tomaram por princípio essa frase, para unificar os interesses diversificados dos diferentes Estados americanos.

Viver em sociedade implica, em tese, esse sentimento de que somos um só povo, uma só comunidade, uma só família (a família humana), ou seja, E pluribus Unum! Com sua autoridade moral, Padre Sátiro esta semana escreveu uma convocação aos mossoroenses para que todos se agreguem e se unam em um só propósito.

Insurretos, desorganizados e individualistas, não se aplica a nós brasileiros os ordenamentos mentais de coesão, solidariedade, ordem, disciplina e senso comum. Como diria Ary Barroso, por aqui “*Toda quimera se esfuma/ Como a beleza da espuma, que se desmancha na areia.”

Talvez até pudesse ser invocado o fato de que, do ponto de vista organizacional político-social, somos uma República Federativa. Seguindo o modelo das colônias americanas, o federalismo adotado pelo Brasil, desde a sua independência, tomou como base justamente a obra “The Federalist Papers”, de James Madison, Alexander Hamilton e John Jay (1993).

No Brasil, pelo menos nos termos da Constituição Federal, os Estados e os Municípios formam uma federação indissolúvel. Somos um só povo em um só Estado – o brasileiro. Na prática, porém, vivenciamos um divórcio, um conflito federativo sem precedentes, uma briga encimada por governantes ressabiados do dever de uma unidade constitucional obrigatória.

Assistimos, apáticos, à quebra da noção republicana de um só povo e uma só nação. Deve ser pela falta de exemplo dos nossos dignitários governantes. A deliberada beligerância entre Dória (São Paulo) e Bolsonaro (Brasil) é didática para dimensionar essa crise. Dos 27, apenas 05 Estados acorreram Manaus. Não é só a falta de nobreza no desempenho do cargo (noblesse oblige). Falta a noção de sacrifício. Marcel Mauss & Henri Hubert escreveram em 1899 “Sobre o Sacrifício” para dimensionar a importância de um líder que se sacrifica pelo seu povo.

Vale lembrar, nessas horas, o Cristo. Seu sacrifício em favor da humanidade foi o maior ato na edificação de uma fé que persevera por séculos. É Dele a frase que norteia a campanha da fraternidade deste ano: “Não rogo apenas por eles, mas também por todos aqueles que, por meio de sua palavra, vão crer em mim, para que todos sejam um, assim como, Pai, estais em mim e eu em Vós; para que eles seja um em nós…”(Cf.Jo, 17, 20-21).

Que tudo passe, e que não esqueçamos que somos unos!

Marcos Araújo é professor e advogado

Categoria(s): Artigo

Comentários

  1. François Silvestre diz:

    Bom texto. Permita-me uma correção: Mia Couto escreve em português, mas ele não é português. Nasceu em Beira, Moçambique.

  2. Marcos diz:

    Obrigado, mestre François! Sou seu discípulo! Observação absolutamente pertinente. Agradeço a correção e a exatidão da informação.

  3. Rocha Neto diz:

    Texto impecável amigo Marcos, muitos cuidam da vida mas esquecendo da alma. A vida daqui é efêmera, já a da alma é eterna.

  4. Rocha Neto diz:

    “Cada um descobre o seu anjo…”
    Mia Couto
    Batalho cotidianamente com o meu!!!

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2021. Todos os Direitos Reservados.