domingo - 26/10/2014 - 21:34h
Discurso

Eleita, Dilma propõe diálogo para evitar divisão do país


Do portal G1

Em seu primeiro pronunciamento após ser confirmada como presidente reeleita do Brasil, Dilma Rousseff (PT) afirmou neste domingo (26) não acreditar que a acirrada disputa eleitoral, decidida por uma diferença de cerca de 3,4 milhões de votos, tenha “dividido” o país. A petista ressaltou ao longo dos 26 minutos de discurso que está “disposta ao diálogo” e que quer ser uma presidente “melhor” em seu segundo mandato.

Petista fez pronunciamento de 26 min após ser reeleita para mais quatro anos de mandato. (Foto: Evaristo Sá/AFP)

“Conclamo, sem exceção, a todas as brasileiras e brasileiros para nos unirmos em favor do futuro de nossa pátria. Não acredito que essas eleições tenham dividido o país ao meio.

Creio que elas mobilizaram ideias e emoções às vezes contraditórias, mas movidas por um sentimento comum: a busca por um futuro melhor”, declarou Dilma no pronunciamento realizado em um hotel de Brasília pouco mais de uma hora após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmar que ela estava matematicamente eleita.

Reforma política

Dilma afirmou que pretende efetivar grandes projetos e que a prioridade será a reforma política. “Entre as reformas, a primeira e mais importante é a reforma política. Quero discutir esse tema profundamente com o Congresso e a população ”, disse.

Em meio a investigações de um suposto esquema de propina na Petrobras que teria sido utilizado para abastecer o caixa do PT, a presidente reeleita disse que vai combater a corrupção.
“Terei o compromisso rigoroso com o combate à corrupção, propondo mudanças na legislação atual para acabar com a impunidade”, disse.

Dilma encerrou o discurso dizendo que “não fugirá da luta”. “Vamos dar as mãos e avançar nessa caminha que vai nos ajudar a construir o presente e o futuro. Brasil, mais uma vez essa filha tua não fugirá da luta. Viva o Brasil, viva o povo brasileiro”, disse, sendo aplaudida.

Veja matéria completa AQUI.

Categoria(s): Política

Comentários

  1. Inácio Augusto de Almeida diz:

    ““Terei um compromisso rigoroso com o combate à corrupção e com a proposição de mudanças na legislação atual para acabar com a impunidade, que é protetora da corrupção”,”
    Hoje ou amanhã o Zé Dirceu será solto.
    Se vai voltar a participar deste novo governo petista ainda não sabemos.
    Que belo exemplo para nossos filhos.
    Na continuação do seu discurso Dilma disse:
    ” “Seguirei combatendo com rigor a inflação e avançando no terreno da responsabilidade fiscal. Antes mesmo do início do meu próximo governo eu prosseguirei nesta tarefa”
    Por favor, Presidenta, se for para seguir com este modelo atual de combate a inflação, melhor parar. A carne já passou dos 20 reais. Subiu tanto que a senhora mesma aconselhou a que se comesse ovo. O problema é que o ovo também subiu. Além do mais, sabemos que a gasolina, enérgia elétrica, impostos municipais (IPTU), água/esgoto e muitos outros itens essenciais terão seus preços aumentados.
    O Imposto de Renda que a senhora sempre corrige abaixo da inflação, continuará aumentando a sua garfada nos minguados salários dos trabalhadores.
    Por que não corrigir a tabela de isenção pela inflação mais o PIB?
    Por que não fazer uma imediata atualização da tabela do Imposto de Renda, corringindo as distorções acumuladas o longo dos anos por uma correção de mentirinha? Por que não criar uma nova alíquota para salários acima de 30 salários mínimos, combatendo assim os supersalários sem ferir o famigerado direito adquirido?
    Creio estar atendendo ao seu chamamento quando faço estas sugestões.
    A senhora disse:
    “Conclamo, sem exceção, a todas as brasileiras e todos os brasileiros para nos unirmos em favor da nossa pátria, do nosso país, do nosso povo.”
    Eu encerro dizendo que não permita que as crianças mais pobres deste país fiquem sem MATERIAL ESCOLAR, UNIFORME ESCOLAR (recebem apenas uma blusa), e na MERENDA ESCOLAR de baixíssima qualidade apenas cuscuz com ovo frito. Olhe para os nossos velhinhos e não permita que o dinheiro dos medicamentos se vá pelo ralo da corrupção.
    Crie mecanismos para punir com o máximo rigor a falta de MATERIAL ESCOLAR e de MEDICAMENTOS.
    Concomitantemente a criação destes mecanismos passe a limpo a Petrobrás. Até porque, palavras sem ações são como folhas soltas caídas ao chão.
    COMBATA A CORRUPÇÃO COM RIGOR E TERÁ O APOIO DE TODOS OS BRASILEIROS.
    ////
    QUANDO SERÃO JULGADOS OS RECURSOS SAL GROSSO?
    QUANDO A OPERÇÃO VULCANO SERÁ CONCLUÍDA.
    QUANDO A LEI DA TRANSPARÊNCIA SERÁ REALMENTE CUMPRIDA?

  2. AVELINO diz:

    É querer subestimar a inteligência de grande parte dos brasileiros bem-informados… Qualquer cego político pode notar que dona reeleita, junto com o dono do FRIBOI, há tempos que dividiu o país em duas trincheiras: a dos ricos e a dos pobres!!! Jogou uns contra os outros, pulverizou o ódio entre todos através da disputa nojenta, xiita e radical ao incentivar dizendo que “agora pobre e miserável” já pode comer, estudar, ter uma moradia… SIM, isso agora é possível, mais se tornou possível depois da estabilização da nossa moeda, DEPOIS DO PLANO REAL DE FHC… Arrependeu-se e depois de reeleita pela prática impiedosa dessa maldade, agora quer unir??? Acho muito difícil, viu???

  3. B.Aragon diz:

    Estamos caminhando com esse populismo, para um novo país: O BRAZUELA, ONDE O QUE PREDOMINA, É A DESINFORMAÇÃO, O DOMÍNIO DO PODER SOBRE OS INCAUTOS ATRAVES DE MIGALHAS PRA SOBREVIÊNCIA.

  4. arnaldo honorato lopes diz:

    NÃO HÁ DIÁLOGO COM ESSA QUADRILHA,PT…….

  5. fernando diz:

    Vamos viver com mais intensidade uma secessão entre o Sul\sudeste X norte\ nordeste.

  6. FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO diz:

    Os derrotados pelo povo brasileiro pela quarta vez em quinhentos anos de exploração, de escravidão e de exclusão social manifesta, deliberada e intencional, os que vivem à mercê da desinformação, da chantagem, da manipulação, da tentativa permanente de golpes midiáticos, tentativa de golpes, inclusive através do judiciário, judiciário este que historicamente sempre teve um lado, sabidamente um lado, que não é a favor da esmagadora maioria, deveras excluída, sofrida e humildada do povo brasileiro.

    Senhores, tenham a devida humildade, procurem sair desta redoma de alienação e subserviência ao Status Quo, não tentem, mais uma vez, explicar o inexplicável, justificar o injustificável, sob pena de que Vossas Senhorias igualmente a imprensa golpista, estarem disseminando e semeando a semente do ódio e do separatismo tão afetos aos fascistas de plantão.

    Não continuem trabalhando como urubólogos de Plantão ….!!!

    Não, não façamos deliberada e injustificadamente escola, sob o signo daqueles que se dizendo formadores de opinião, caluniam, manipulam e chantageiam à todos nós, eles que, incapacitados para assumir as carências dos brasileiros como defeitos próprios e sanáveis de todos nós. Ignorantes de que o atraso, a fome e a pobreza só existem e persistem, entre nós, porque são lucrativos para uma elite protegida por eles e, da qual eles diretamente e(ou) indiretamente fazem parte, sobretudo a elite quatrocentona paulistana, infecunda e cobiçosa de patrões medíocres e de políticos corruptos com manifestas alianças e vínculos indiscutíveis com uma indústria de desinformação e manipulação chamada PIG.

    Em minha modestíssima opinião, de fato, aquilo de que o Brasil mais necessita, hoje, é de uma juventude iracunda, que se encha de indignação contra tanta dor e tanta miséria fabricadas pela desinformação deliberada. Uma juventude que não abdique de sua missão política de cidadãos responsáveis pelo destino do Brasil, porque sua ausência é imediatamente ocupada pela canalha com infelizmente está a ocorrer.

    Não, não façamos com que àqueles, que, infelizmente por razões de ordem histórica não foi oportunizado conhecer a história política, econômica e social do nosso país, sejam mais ainda manipulados e aprofundados num poço de alienação com relação ás reais causas da nossa pobreza, exclusão social e falta de oportunidades.

    Concessa Vênia aos que discordam, peço encarecidamente que leiam brilhante escrito do saudoso Darci Ribeiro, brasileiro que dedicou toda sua vida às reais causa da nossa mendicância colonial, do nosso atraso como país e como nação, mas, que sou como ninguém soube estudar, analisar e detectar, também, a nossa riqueza como povo, diversidade cultural, linguística e étnica, como sociedade, como nação em seu processo de formação histórica.

    Vejamos as palavras escritas palavras do mestre DARCI RIBEIRO:

    Talvez eu veja tanto desencantamento, onde o que há é apenas o normal das coisas ou o sentimento do mundo que corresponde às novas gerações. Talvez seja assim, mas isso me desgosta muito. Desgosta, principalmente, porque sinto no fundo do peito que é obra da ditadura militar tamanha juventude abúlica, despolitizada e desinteressada de qualquer coisa que não corresponda ao imediatismo de seus interesses pessoais. É por isso que não me canso de praguejar e xingar, exaltado, dizendo e repetindo obviedades.
    Sobretudo, quando falo à gente jovem em pregações sobre valores que considero fundamentais e que não ressoam neles como eu quisera.

    Primeiro de tudo, o sentimento profundo de que esse nosso paísão descomunal e esse povão multitudinário, que temos e somos, não nos caiu ao acaso, nem nos veio de graça. É fruto e produto de séculos de lutas e sacrifícios de incontáveis gerações. O território brasileiro é do tamanho que é graças à obsessão portuguesa de fronteira, impressa neles por um milênio de resistência, para não serem absorvidos pela Espanha, como ocorreu com todos os outros povos ibéricos. Desde os primeiros dias de nosso fazimento estava o lusitano preocupadíssimo em marcar posses, gastando nesse esforço gerações de índios e caboclos que nem podiam compreender que nos faziam.

    Meu apego apaixonado pela unidade nacional começa pela preservação desse território como a base física em que nosso povo viverá seu destino. Encho-me da mais furiosa indignação contra quem quer que manifeste qualquer tendência separatista. Acho até que não poderia nunca ser um ditador, porque mandaria fuzilar quem revelasse tais pendores.

    Outro valor supremo, e até sagrado, que quero comunicar à juventude, é o sentimento de responsabilidade pelo atroz processo de fazimento de nosso povo, que custou a vida e a felicidade de tantos milhões de índios caçados nas matas e de negros trazidos de África, para serem desgastados no moinho brasileiro de gastar gente. Nós viemos dos zés-ninguém gerados pela índia prenhada pelo invasor ou pela negra coberta pelo amo ou pelo feitor. Aqueles caboclos e mulatos, já não sendo índios nem africanos e não sendo também admitidos como europeus, caíram na ninguendade. A partir desta carência de identificação étnica é que plasmaram nossa identidade de brasileiros.

    Fizeram-no um século depois, quando, através dos insurgentes mineiros, tomamos consciência de nós brasileiros como um povo em si, aspirando existir para si.
    Surgimos, portanto, como um produto “inesperado e indesejado do empreendimento colonial que só pretendia ser uma feitoria. A empresa Brasil se destinava era a prover o açúcar de adoçar boca de europeu, o ouro de enricá-los e, depois, minerais e quantidades de gêneros de exportação.

    Éramos, ainda somos, um proletariado externo aqui posto para servir ao mercado mundial. Criá-lo foi a façanha e a glória das classes dominantes brasileiras, cujo empenho maior consistia, e ainda consiste, em nos manter nessa condição.

    Foi sobre esse Povo-Nação, já constituído e levado à independência com milhões de caboclos e mulatos, que se derramou a avalancha européia quando seus trabalhadores se tornaram descartáveis e disponíveis para a exportação como imigrantes. Os melhores deles se identificaram com o povo antigo da terra e até se tornaram indistinguíveis de nós, por sua mentalidade, língua, cultura e identificação nacional. Ajudaram substancialmente a modernizar o país e a fazê-lo progredir, gerando uma prosperidade ampliada, ainda que muito restrita, e que beneficiou principalmente aos recém-vindos.

    É de lamentar, porém, que vez por outra surja, entre eles, uns idiotinhas alegando orgulhos de estrangeiridade. O fazem como se isso fosse um valor, mas principalmente porque estão predispostos seja a quebrar a unidade nacional em razão de eventuais vantagens regionais, seja a retornarem eles mesmos para outras terras, como fizeram seus avós. Afortunadamente, são uns poucos. Com um pito se acomodam e se comportam.

    Compreendem, afinal, que não há nesse mundo glória maior que participar da criação, aqui, da civilização bela e justa que havemos de ser.

    Tal como ocorreu com nossos antepassados, hoje, o Brasil é nossa tarefa, essencialmente de vocês, meus jovens. A história está a exigir de nós que enfrentemos alguns desafios cruciais que, em vão, tentamos superar há décadas. Primeiro que tudo, reformar nossa institucionalidade para criar aqui uma sociedade de economia nacional e socialmente responsável, a fim de alcançarmos uma prosperidade generalizada a todos os brasileiros. O caminho para isso é desmonopolizar a propriedade da terra, tirando-a das mãos de uma minoria estéril de latifundiários que não plantam nem deixam plantar. Eles são responsáveis pelo êxodo rural e o crescimento caótico de nossas cidades e, consequentemente, pela Fome do povo brasileiro. Fome absolutamente desnecessária, que só existe e só se amplia porque se mantém uma ordem social e um modelo econômico compostos para enriquecer os ricos, com total desprezo pelos direitos e necessidades do povo.
    Simultaneamente, teremos de derrubar o corpo de interesses que nos quer manter atados, servilmente, ao mercado mundial, exigindo privilégios aos estrangeiros e a privatização das empresas que dão ser e substância à economia nacional, para manter o Brasil como o paraíso dos banqueiros. Não se trata de criar aqui nenhuma economia autárquica, mesmo porque nascemos no mercado mundial e só nele sobreviveremos.
    Trata-se é de deixar de ser um reles proletariado externo para ser um povo que exista para si mesmo, ocupado primacialmente em promover sua própria felicidade.

    Essas lutas só podem ser travadas com chance de vitória desmontando a ordem política e o sistema econômico vigentes. Seu objetivo expresso é preservar o latifúndio improdutivo e aprofundar a dependência externa para manter uma elite rural esfomeadora e enriquecer um empresariado urbano servil a interesses alheios. Todos eles estão contentes com o Brasil tal qual é. Se não anularmos seu poderio, eles farão do Brasil do futuro o país que corresponda aos interesses dos países que nos exploram.

    Nestas singelas proposições se condensa para mim o que é substancial da ideologia política que faz dos brasileiros, brasileiros dignos. Tais são o zelo pela unidade nacional, o orgulho de nossa identidade de povo que se fez a si mesmo pela mestiçagem da carne e do espírito; a implantação de uma sociedade democrática onde imperem o direito e a justiça para todos; a democratização do acesso à terra para quem nela queira morar ou cultivar; a criação de uma economia industrial autônoma como o são todas as nações desenvolvidas.
    Eis o que peço a cada jovem brasileiro: repense estas ideias, reavalie estes sentimentos e assuma, afinal, uma posição clara e agressiva no quadro político brasileiro.

    Com certeza senhores Eleitoreiros/Web-leitores, se Vossa Senhorias leram atentamente, notaram o quão atual é o texto do saudoso Darci Ribeiro, repise-se infelizmente atual, mesmo porque, o processo de desenvolvimento e de transformação de um povo, sociedade e nação de cinco séculos, ainda adolescente comparativamente, por exemplo à Europa, não se fazem e muito menos se completam em doze anos.

    OBS. Desculpem os prováveis erros de português, erros gramaticais e outros, porventura cometidos contra nossa língua, assumo, assumidamente assumo, que, não seio ler, escrever e muito menos falar, porém, ao intentar publicizar o meu pensamento e as minhas posições e impressões pessoais e políticas, tento e exercito diariamente, tanto a fala, quanto a leitura, mais ainda, como viram, a reles a escrita.

    Um baraço

    FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO.
    OAB/RN. 7318.

    • Monaliza diz:

      Perfeito.

    • alex madeira diz:

      E isso ai falou legal, data venia excelente discurso, mas como fica o dinheiro do meu imposto pago com tanto suor, que vai para uma pessoa com 12 anos que teve uma filhinha, pois sua mãe a orientou que ela engravidasse para que tivesse direito ao bolsa família. O que esperar dessa ainda criança no futuro e seu filho. Olha nem é nordeste é aqui ao lado em Santo André/SP.

    • josimar soares feitosa diz:

      A inoperância daqueles que ‘governaram” o pais durante décadas,se refletem em suas atitudes atuais, e denigrem de forma absorta o povo brasileiro; esquecem eles que o Brasil é um pais democrático acima de tudo. Parabéns pela sua colocação. Abraços

  7. FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO diz:

    Aos que verdadeiramente não conseguem enxergar e (ou) dizem não conseguir enxergar os desmandos e as mazelas produzidas pela manipulação, pelo achaque ao bom senso e pela desinformação disseminada pelo PIG….

    A esse respeito, assim como a reforma política que viabilize, sobretudo o financiamento público das campanhas eleitorais, não se faz e não se presta demasiado, sempre repetir, que, o monopólio da informação de que detém meia dúzia de famílias a frente dos meios de comunicação social em nosso país, efetivamente precisa ser objeto de aguda e atenta análise por parte da da sociedade e da classe poética brasileira.

    PT derrota a elite (e sua imprensa)
    Vejamos, Por Cynara Menezes, no blog Socialista Morena:
    O PT não é um partido perfeito, longe disso. O PT cometeu erros. Mas, se fosse derrotada hoje, Dilma Rousseff o seria pelos acertos do PT. Não pelos erros. A elite brasileira e a imprensa que a representa odeiam o PT não porque o partido esteve envolvido em denúncias de corrupção ou porque o Brasil “vai mal” economicamente. Eles odeiam o PT porque não concordam com seu projeto para o País. Querem outro, o seu.
    A elite brasileira e a imprensa que a representa odeiam, em primeiro lugar, Lula. Não porque Lula despreza as famílias que são donas dos meios de comunicação. É o contrário: Lula despreza as famílias que são donas dos meios de comunicação porque sempre foi maltratado por seus jornais, TVs e revistas, porque foi vítima de seu enorme preconceito de classe. A elite e a imprensa que a representa não suportam que não seja um dos seus que esteja à frente do poder no Brasil.

    Um baraço

    FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO.
    OAB/RN. 7318

  8. FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO diz:

    Errata:

    Digo…classe política brasileira.

    Um abraço

    FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO.
    OAB/RN. 7318.

  9. B.Aragon diz:

    Blá,BLÁ,BLÁ, TUDO RETÓRICA. Esse governo do PT, está degenerando a família brasileira, onde tudo é permitido, saúde péssima, índice de criminalidade elevado,corrupção extrema. Contra fatos não há argumentos, principal-mente desprovido de conteúdo norteado pela razão e não pela paixão cega partidária.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.