sábado - 30/04/2011 - 08:09h

Falta de perícia ajuda a ampliar violência, diz promotor



O promotor de Justiça Ítalo Moreira explicou o porquê de tanta impunidade não só em Mossoró, mas em todo o Rio Grande do Norte, apesar das pessoas nas ruas e os próprios delegados chegarem ao nome dos autores de homicidios, assaltos e do tráfico de drogas.

Ítalo atua na Vara Criminal de Mossoró e região há vários anos e conhece bem o conteúdo de centenas de inquéritos enviados a Justiça pela Policia, o conteúdo da denúncia do Ministério Público, a sentença proferida pelo juiz no caso.

Em Mossoró, os homicídios começaram a crescer em 2006. De 2000 a 2005, o número de execuções era fixo. No máximo 35 em toda a cidade. A partir de 2006 este número começou a subir na proporção de 30% ao ano, chegando a quase 160 em 2010.

Somente em 2011 já aconteceram 64 homicídios. Deste número, 33 na região Oeste de Mossoró e pelo menos 19 o delegado Rubério Pinto, que investiga todos, já sabe o nome do autor. Dos outros 14, ele acredita que elucidará 6 ou 7.

O promotor confirma que realmente em mais de 60% dos processos a Policia e a família sabem o nome do autor do crime, mas isto não está materializado no inquérito. “Uma coisa é ter convicção de quem fez e a outra é colocar provas concretas no processo”, diz o promotor, lembrando que este é o cenário de todo o Estado e não só de Mossoró.

Ítalo Moreira explica que a prova testemunhal é um indício muito fraco, porque quase sempre o réu e a testemunha mudam seus depoimentos quando chegam a Justiça. Para o promotor, a prova que condena é a matérial, a pericia forense produzida pelo ITEP.

Só que devido à falta de pessoal, material (…) o ITEP não tem produzido as provas técnicas necessárias. “A prova técnica que encontro nos inquéritos é vergonhosa”, diz o promotor Ítalo Moreira, dizendo que já pediu absolvição de réu sabendo que ele era culpado, mas não havia provas no processo que indicasse a culpa” lamenta.

Diante do exposto, o promotor diz que pra reduzir a violência “é preciso mais policiais civis para fazer diligências nos inquéritos, com suporte de um bom serviço de inteligência. É preciso também mais perícias técnicas no local (…). Quando o instituto científico funciona corretamente, não precisa nem da prova testemunhal. Nós estamos refém da prova testemunhal, que é falha”, finaliza.

Do Blog Retrato do Oeste (Cézar Alves) AQUI.

Categoria(s): Segurança Pública/Polícia

Comentários

  1. WILLIAM PEREIRA DA SILVA diz:

    Em outras palavras, é culpa do ESTADO.

  2. Sérgio Fernandes Coelho diz:

    Com certeza Dr. Ítalo está coberto der razão. Pela minha curta passagem por aquele órgão, na condição de subcoordenador, pude observar “in loco” a falta de condições materiais e de pessoal para que se desenvolva um bom trabalho. Ademais, apesar do grande avanço da ciência e da tecnologia, o ITEP do RN encontra-se anos luz atrás de outros Institutos no Brasil e em outros Países. A falta de invetimentos mínimos para acompanhar os avanços tecnológicos, como laboratórios, equipamentos modernos e pessoal apto e bem remunerado, torna qualquer perícia técnica frágil e sem sustentação jurídica, sendo esta facilmente derrubada pelos advogados de defesa.

  3. MARTINS FILHO - NATAL diz:

    Rosalba, já está sendo chamada de Micarla 2. Todo mundo já desconfia que as reuniões dela com Micarla, Zé Agripino e outras feras da política é só para tramar contra o povo! Lembra aquela reunião do Rabo de Palha?

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.