quinta-feira - 04/10/2012 - 08:15h
Dados do IBGE

Mais de 50% dos mossoroenses vivem na miséria

Prezado Carlos Santos, bom dia!!

Há algum tempo não escrevo ou comento no seu Blog, mas continuo a acompanhá-lo. Não sei se lembra, mas sou geógrafa e hoje, atualizando meu banco de dados com as informações do Censo IBGE 2010, fiquei “abismada” com os números referentes aos rendimentos dos mossoroenses.

Em época de sucessão eleitoral, queria dar a minha contribuição, compartilhando as contas que fiz para que possamos refletir ainda mais sobre o que queremos para o futuro da nossa cidade.

Segue o texto com os dados e uma figura “jpeg” que elaborei no power point (em anexo).

Gostaria que, se possível, a publicasse junto com o texto, pois mostra bem a dura realidade dos números: Mossoró é “a Metrópole do FuturoO????!!!!

Façam as contas.

Segundo o último Censo IBGE 2010 temos: População Total: 259.815 habitantes. Deste total: 74.676 pessoas não tem nenhum tipo de rendimento, 73.100 pessoas ganham até 1 salário mínimo.

Resultado: 147.776 habitantes mossoroenses ganham entre 0 e 1 salário (MAIS DE 50% da população).

Será que isso explica alguma coisa? Uma das melhores cidades pra se viver? Com certeza, para a parcela que ganha entre 10 e +de 20 salários mínimos.

Mais uma vez, grata pela atenção e pelos serviços prestados a este município ao abrir espaço do seu Blog para discussões importantes.

Andréa Cristiane de Melo – Geógrafa

Nota do Blog – Andréa, obrigado pela contribuição ao debate elevado nesta página.

Infelizmente, Mossoró é um microcosmos do Brasil, uma parte do todo.

A desigualdade continua acentuada, apesar de termos ampliado o contingente de massa produtiva, com melhor instrução e que ascendeu no mercado consumidor.

Nosso futuro prefeito (a) não poderá resolver ou minimizar esse problema sozinho, mas pode dar contribuição à redução desse desnível. A crítica, a opinião construtiva e a sugestão altruísta podem ajudar sobremodo.

Categoria(s): E-mail do Webleitor / Eleições 2012

Comentários

  1. B.Nunez diz:

    Parabéns Carlos Santos pela informações. Essa é uma contribuição esclarecedora que mostra uma realidade que outrora ficava debaixo do tapete. A face da falácia gradativamente vai sendo expurgada.

  2. Carlos André diz:

    Bom dia Carlos Santos.

    Andréa se vc estender sua pesquisa mais um pouco para todo o RN, antes de terminar a pesquisa vc chora, nosso estado é quase uma sucursal do inferno, e não tenho medo de que me achem hiperbólico, todo tipo de miséria e desgraça se encontra aqui em nosso estado, o que tem mais é político ladrão, é uma praga daninha, dai também um dos motivos para tamanha infelicidade em nossa sociedade regional, somos ainda liderados por coronéis, para corroborar com minha afirmação o estado da federação que vai ter mais tropas do exercito para resguardar o dia de votação é o RN, serão em torno de 118 cidades, mais vejamos bem, são zonas eleitorais ou zonas de guerra? Não infelizmente não, na verdade são zonas de bandalheiras políticas de todo tipo, perto disso as “casas de recursos” parecem mais conventos, mais este é o retrato de nosso estado e do nosso município, não é de se admirar que o trivial sempre esteja a frente do extremamente necessário, que o diga a ROSALBA com seu ELEFANTE DAS DUNAS, entre outras prioridades, bilhões a serem empregados em algo que em nada vai melhorar na FALTA DE AGUA, AGUA, AGUA, EDUCAÇÃO, SAÚDE, SEGURANÇA, só para falar no que extremamente necessário e é pago com nosso suado dinheirinho.
    Que DEUS ilumine este povo sofrido e CEGO POLITICAMENTE no dia 07.

  3. Daniel Victor diz:

    Creio que a Sra. Andrea, se não o fez de caso pensado, deveria rever seus estudos. O índice de quem ganha até 1 salário mínimo não pode ser conjugado com os habitantes declarados “sem rendimentos”, pois nessa categoria também se encontram crianças, estudantes e outras pessoas que fazem parte da chamada população inativa. Um índice como esse, apresentado no post, deve levar em consideração apenas a população economicamente ativa. Qualquer pessoa com nível de estudo primário sabe disso. Faltou também que a “pesquisadora” comparasse o quadro com o RN, Nordeste e Brasil, pois não se pode exigir que Mossoró seja um oásis. No mais, creio que há muito a se fazer por esse povo sofrido, o que não será conseguido com manipulação de dados do IBGE.

    • Carlos Santos diz:

      NOTA DO BLOG – Obrigado por sua contribuição ao debate, doutor. Saudações tricolores.

    • Andréa diz:

      Caro Daniel, esses números são considerados para o universo de habitantes a partir dos 10 anos de idade. Infelizmente, como todos sabemos em nosso País existe um sem número de crianças nessa condição. E, na faixa etária, abaixo dos 10 anos, dados que o IBGE não considera, inclusive. Então, ratifico as informações dizendo que estas não incluem crianças abaixo dos 10 anos e que o universo considera a PEA, população economicamente ativa do município de Mossoró.

      Saliento também que essa realidade não é só nossa, infelizmente. Mas como é o lugar que escolhi para morar, e pelo qual já tenho grande apreço, tive a intenção apenas de corroborar com as melhorias das condições de vida dos mossoroenses. Um abraço.

      • manoel diz:

        IAndrea fique tranquila, pois o DR.Daniel e eleitor do grupo que publicou que mossoro era a metropole do futuro, Por isso quer desqualificar os dados exposto.

  4. Carlos Lopes diz:

    Que lugar é esse onde é mais fácil encontrar alguém faminto nas ruas, dormindo nas ruas, pedindo nas ruas do que encontrar um prato de comida? Onde o clamor do povo faminto é suplantado pelo som de políticos governistas que dão o seu JEITO para que a população continue de pires na mão? Que lugar é esse que insiste em deixar o seu povo refém de uma cesta básica ou da política do assistencialismo? Esse lugar é Mossoró, uma cidade que falta tudo: Falta educação, falta segurança, falta saúde, falta água, falta principalmente VERGONHA NA CARA de parte de seus eleitores que insistem em querer continuar com esse “modelo de sucursal do inferno” em que vivemos, conforme denominou muito bem o Webleitor Carlos André.

  5. Marcos Pinto. diz:

    É por esse cenário plenamente configurado, que a oligarquia político-familiar numerada de Mossoró (ROSADUS) vai se perpetuando no poder, jogando o que sobeja em suas mesas fartas, para a famélica plebe ignara. Uma lástima, pois.

  6. Carlos Freitas diz:

    E ainda tem gente que vem defender esse atual modelo de gestão, é bem que o povo não sabe os motivos.

  7. Orlando diz:

    Concordo com Daniel victor, estes dados podem sim esta corretos, mas, não estão claros em relação a parte da população inativos. e falando em eleições, o povo de Mossoró é culpado de tudo q acontece, já que, não aprenderam a votar, saindo de um grupo politico e votando em outro, que na realidade dos fatos se configura o mesmo, é só pensar e ver. politico de uma mesma familia se dividem em dois grupos no intuito de monopolizar o cenário eleitoral da cidade.

  8. Neto Vale diz:

    Muito interessante e esclarecedor esses dados, Andréa, logo após o lançamento oficial desses dados pelo IBGE, em uma de minhas aulas comentara em sala de aula: Mossoró é a “berlinda” dos dias atuais. Tudo isso fruto de um velho e obsoleto modelo de crescimento. Se a gente observar que na faixa de 02 até 10 salários vai ter um peso significativo dos funcionários públicos da rede municipal, estadual e federal. na dos 10 até 20 salários pega ainda uma parcela menor do funcionalismo municipal (basicamente o profissional médico) e do estadual (novamente o profissional médico e alguns outros profissionais de nível superior, só que em final de carreira e que trabalham na rede hospitalar ou de referência do estado), além dos docentes das instituições de nível superior(Doutores e demais docentes, em final de carreira), profissionais liberais. detentores de cargo de comando na área privada. A concentração mesma está na última faixa, a dos de quem ganham acima dos 20 salários, nessa faixa está a turma dos “tecos dos tecos” e outros poucos apaniguados. Quer dizer, Mossoró segue o velho modelo, crescendo sem dividir o bolo. Agora vc imagina o peso dos programas público de transferência de renda, e se não tivessem? Como não estaria o quadro de desagregação social. Tenho dito, para o futuro gestor(a) que queira enfrentar isso de frente, os desafios serão enormes. Mas, nada é impossível, alguém já dizia: “A humanidade só coloca os problemas que pode resolver”, sou esperançoso, o Brasil iniciou no governo Lula um novo momento, Mossoró precisa entender isso. Muito, nesse período foi feito, mas ainda, há muito por fazer. Avança Mossoró.

    • Andréa diz:

      Obrigada Professor Neto Vale…seu comentário elucida ainda mais a gravidade do problema que estamos discutindo. Também acredito que a mudança começou, mas que somos nós os maiores responsáveis pela continuação ou não destas mudanças. Um abraço!

  9. João Garcia diz:

    Meu caro Carlos Santos de acordo com os parâmetros do Ministério do Planejamento do governo Dilma Hussein, Mossoró é um verdadeiro paraíso pois por este mapinha se chega a conclusão de que existem 188.824 pessoas na classe média, ou seja aquelas que recebem acima de R$ 295,00 (bolsa família). Já na classe média alta existem 21.931. Ricos são 6.585 e milionários são 3.244. Quer mais o que?

    • Pedro Victor diz:

      João, você devia se informar mais e variar suas fontes de informação. A classe média utilizada pelo governo é a de que possui renda familiar de mais de R$ 1.000,00, e não acima do mínimo que o estado dá para um cidadão sobreviver (Bolsa Família) de R$ 295,00, como apregoam alguns semanais sustentados pelo governo tucano.

  10. Rui Nascimento diz:

    Estes dados não revelam nenhuma surpresa para quem realmente conhece a realidade de Mossoró, basta andar pelos “arredores” da cidade, onde a “Mossoró do futuro” mais parece uma cidade dos tempos das cavernas, sem o mínimo de infra-estrutura para se viver com dignidade. Agora, para quem acostumou-se a ver apenas as grandes construções, os grandes empreendimentos “importados” que aqui se instalam e os imponentes “arranha-céus” que riscam o horizonte da cidade, aí sim, imagina-se que estamos no paraíso.

  11. laís diz:

    Noto que nos últimos dias os blogs e as redes sociais foram tomadas por reportagens e vídeos desfavoráveis ao Governo. Em véspera de eleição, não acredito que sejam registros imparciais. Acho que esse blog, imparcial e observador da política local, deveria fazer uma análise sobre a gestão do braço da família Rosado (leia-se Layre e Sandra e filhos) na APAMIM/Casa de Saúde Dix Sept Rosado, gerida por eles há anos. É do conhecimento de todos que a APAMIM / Casa de Saúde Dix Sept Rosado não apresenta, vamos dizer assim, padrões Albert Einstein de qualidade. Muito pelo contrário, o cenário é de sucateamento, suspeitas de desvios, atraso no pagamento de salários, etc.. Se a proposta da família Sandra/Lahyre e Larissa é fazer uma gestão diferente, pergunto a razão da Casa de Saúde Dix Sept Rosado nunca ter servido de laboratório para isso. Como dizem… a mudança começa pela nossa casa…

    • Carlos Santos diz:

      NOTA DO BLOG – Dona Laís, boa tarde. Quantas vezes ainda precisarei declarar por escritor que o editor deste Blog é imparcial? SOU PARCIAL. O que não admito ser é leviano. Os milhares de webleitores que estão diariamente acessando – comentando ou não – este Blog o fazem porque têm a chance de saber o que é o contraditório. Há pluralidade de opiniões e ideias. Um final de campanha tem que ser assim. Ou a senhora quer apenas atacar e não ser atacada? Só existem defeitos nos adversários e no seu grupo/governo/candidato é só o “bem”? A governadora pode se instalar na cidade e prometer uma série de obras e serviços, sem nada concreto, mas servidor não pode protestar contra falta de ocmpromisso e questões salariais? Sejamos pelo menos razoáveis. Não há nada de estranho nisso. É o normal. Dê uma passada por rádios, Tevês, jornais, sites/blogs etc ligados ao governo para observar qual a linguagem empregada e qual o foco político que é dado. Será que todos mostram os dois lados, apesentam o contraditório, possuem “imparcialidade”? Abração e obrigado pela leitura diária e fiel

      • laís diz:

        Caro Carlos,
        Assim como alguns douram a pílula (ops! ou seria a candidata?), eu apenas comento na intenção de lembrar o eleitor de que a outra face da moeda não brilha tanto assim. Jamais entrei no seu blog para atacar ninguém, como o fazem diariamente grande parte de seus leitores. Tento sempre manter o nivel e não assassinar o português, risos… E longe de mim achar que o meu candidato é do bem e o outro grupo é o do mal. Há tempos não acredito em vilão e mocinho, nem nas novelas, muito menos na política… Um abraço e boas eleições para todos nós.

        • Carlos Santos diz:

          NOTA DO BLOG – Obrigado pela participação, Laís. Na verdade, se você observar, a grande maioria dos comentaristas tem participação equilibrada, mesmo que possam demonstrar paixão por essa ou aquela tese, candidatura etc. Uma minoria é que não consegue respeitar os outros, tem dificuldade de conviver com os contrários. Alguns até utilizam nomes e endereços falsos, provando a própria fraqueza. Mas eles passam.

  12. Marcelo Salazar diz:

    Como não poderia ser, quem ganha acima de 2 salários, que é valor razoável para começar a se viver, são os apadrinhados da prefeitura, desafio um sequer que ganhe menos que isso!

  13. Marcelo Salazar diz:

    Acho o momento apropriado para dizer algo que só iria deixar para trás. Um cidadã mossoroense que tenho como conhecida a pouco tempo, que já trabalha em um emprego e ganha 4 mil por mês, sem falar que seu esposo tem um trabalho particular que ganha um pouco mais que isso, venho até minha família com uma missão, pedir votos para Claudia Regina. Tinha uma conversa muito bonita, perguntou se conhecia sobre o escanda-lo dos sanguessugas, ai tive que explicar que conhecia sobre este ocorrido, sobre a operação sal grosso, mafia dos postos de gasolinas que a prefeitura faz vista grossa, sobre a mafia dos camisas brancas e até mesmo já tinha visto pessoalmente Claudia Regina trabalhar na câmara. Falei tudo isso com respeito é claro, e senti que ela ficou com aquele sentimento que poderia ter dormido sem essa, ela não me conhece muito bem, se visitasse os blogs e visse meus comentários, nem perderia seu tempo. A sim, ia esquecendo o mais importante, avaliado os fatos e feita as pesquisas, o verdadeiro motivo da missão da cidadã é uma tetinha de quase 3 mil reais na prefeitura, ora a melhor missão do interesseiro é a feita em proveito própria! Desculpa Carlos, agora que reparei que a matéria é sobre miséria em Mossoró, e eu aqui falando em abundancia!

  14. Matheus diz:

    Se isso fosse particularidade de Mossoró, o restante do Brasil iria se juntar e nos ajudar, porém essa é a realidade de 95% das cidades Brasileiras! Só falta vocês dizerem que é culpa da……deixa pra lá!

    • Carlos Santos diz:

      NOTA DO BLOG – Matheus, boa tarde. Por favor releia o texto. Não é caso de interpretação de texto, como aprendemos nos bancos escolares, é apenas de leitura pura e simples. Abração

    • Carlos lopes diz:

      Não entendo porque algumas pessoas acham Mossoró uma Metrópole do futuro. Só pode ser porque “tem ou terá” algum cargo no governo. Exaltam uma senhora que em TRES mandatos de Prefeita só fez DUAS obras em Mossoró: O Teatro (Com recursos da Petrobras) e o Ginásio de Esporte com recursos da CAIXA e SÓ. FINALMENTE nos livraremos dessa PESTE que vem transformando Mossoró numa SUCURSAL DO INFERNO. Xõ Satanás…

  15. Francy Granjeiro diz:

    Sr Franciscco,dar uma espiadinha nesse vídeo em que a sua candidata Cláudia Regina diz: O VERDADEIRO ABRAÇO DE CLÁUDIA REGINA – VOTANDO CONTRA O POVO e é favor do desmanche de PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS DOS EDUCADORES
    e outras votações.
    http://www.youtube.com/watch?v=n9WJuWOu-PE&feature=youtu.be
    Em apenas um dia (29/11/2011) ela votou contra 21 projetos, desde Creches, UBS’s, Áreas de Lazer, Pavimentação de ruas, Poços nas Zonas Rurais e etc.

  16. Nilson Gurgel diz:

    Caro Carlos;
    Ia levantar alguns pressupostos técnicos, mas quando abri os comentários vi que já tinham sido muito bem colocados pelo Daniel Victor, mas preciso complementar o que foi colocado na postagem, até porque é uma visão muito pessoal, é o que sinto e vivencio. Lá vai exemplos: Tenho um amigo que tem fazenda vizinha a Vila Santana, a cerca de quatorze km de Mossoró, lá todas as casas tem TV parabólica, uma ou mais moto e, até carro. Há poucos meses atrás, para concertar uma cerca lá, me pediu para arranjar Alexandria RN, os trabalhadores necessários (3), pois a mão de obra local, para usá-la, tem que entrar na fila e, tem mais, de lá de Alexandria, soube, saem por semana, cerca de cinco ônibus com mão de obra para o grande Mossoró, no caso para atender demandas da construção civil e dos plantios de melão de Baraúnas e arredores. De outras cidades devem vir também. Tenho amigos industriais que estão precisando encarecidamente de mão de mão de obra, de muita gente mesmo, pediu até para ver se eu viabilizava de Alexandria, cidade que mantenho contato permanente. Outro conseguiu gente em Tabuleiro do Norte e Limoeiro. Eu, mesmo, há poucos meses atrás, tive dificuldade de contratar pedreiro e carpinteiro, trouxe de fora. Tenho um amigo que tem umas vaquinhas, delas tira e vende o leite, possui um bom carro e duas motos. Se perguntarem a ele ou a mulher dele a renda com certeza, vai jurar de pé junto que é zero com medo de perder uma ruma de bolsas e benefícios do governo e, ainda, a mulher dele faz um bom dinheiro, arrumando casa, lavando e engomando. Vá aos bairros Santo Antônio, Sumaré e outros e veja se casa tem sem internet, talvez, mas raras e honrosas exceções. No bairro onde moro, o Santo Antônio, arredores da Avenida Rio Branco de uns tempos para cá, apareceu supermercados, salões de beleza, butiques, carrinhos nas portas, motos nem se fala, lojas com materiais de construção e por aí vai e ninguém usa isso sem renda. Só de prédios de apartamento contei, um dia desses, mais de cem e, só para lembrar, os três primeiros fui eu e a minha família quem construiu, há 28 anos que durante muito tempo, ficaram únicos. Novas construções devem ter pelo menos umas dez mil projetadas e, empresário, normalmente, investe onde sabe que vai ter retorno com a venda. Então! Tem comprador e se tem, há renda. Para finalizar, poderia me estender por horas dando exemplos, mas finalizo deixando aqui a estatística de 2007 dos diversos tipos veículos existente em Mossoró e olhe que de lá para cá houve um boom de crescimento deste setor seja: Automóveis 34.201, Caminhões 3.127, Caminhões-trator 421, Caminhonetes 5.254, Micro-ônibus 1.293, Motocicletas 253, Motonetas 35.022, Ônibus 9.687 e Tratores 196. Sei que o IBGE faz um grande trabalho para nós e o resto do país, mas ele não tem sentimento e nem está, pelo menos ainda, interessado em ter uma visão mais harmônica com a cultura e os hábitos de cada cidade. Quem entende do Japão, são os japoneses e de Mossoró, nós mossoroenses. Ah! Ia esquecendo, alguém tem visto pedintes por aí, se viu, fora deficientes que inclusive tem salário garantido por lei. Lembro também que reportagens de revista Veja e televisão Record deram grandes destaques, econômicos, sociais e culturais a esta cidade.

    Nilson

    • Manuel costa diz:

      È isso ai Nilson, pelo amor de Deus quase 75,000 pessoas em Mossoró sem rendimento, vcs aqreditam em Papai Noel, Bicho Papão, Saci em que mais, me perdoem que tanta ipocresia.

      • Manuel costa diz:

        Mas uma coisa como vcs me esplicam que Mossoró com cerca de 150,00 pessoas vivendo na miseria como menciona essa pesquisa, se tem a maior frota de moto do pais, poracaso a Honda esta distribuido de graça por ai, como é que eu perdi essa promoção, antes de dar criedibilidade a essa pesquisa pelo amor de Deus conheção outras cidades, estados do Brasil.

  17. Marcos Pinto. diz:

    Só que o nobre conterrâneo e amigo NETO VALE está incorrendo numa grande contradição, quando cerra fileiras para eleger exatamente um dos lados da oligarquia politico-familiar numerada, qual seja a que ganha acima dos 20 salários mínimos e que são os detentores de vultosos patrimônios registrados em nomes de laranjas. Ô Neto, será que votar numa candidata que representa o que há de mais retrógrado em termos de política é avançar rumo à justa distribuição de renda ? Votar numa candidata de uma oligarquia que há cerca de 60 anos usa e ilude a plebe ignara com as migalhas que caem de suas mesas fartas consituti fator de MUDANÇA ? Olha, sei que vc. vai falar que já conviví com essa Casta política mossoroense. Só que os equívocos surgem para serem corrigidos. Tomara que vc. também corrija o seu erro de percurso, como eu corrigí, em tempo hábil. Abração.

    • Neto Vale diz:

      infelizmente
      Não foi possível dialogar com o amigo antes, a minha saúde não permitiu. A questão, hoje, é destravar Mossoró, colocá-la em sintonia com o planalto central, preferencialmente, como mostra os dados do IBGE, resgatando a questão social. É simples. Entro de cabeça erguida e saio tranqüilo com o dever cumprido. Maior que as questiúnculas pessoais é impor uma derrotar a esse modelo perverso. Pense. Na nossa querida Apodi tem certas companhias que não difere muito das de Mossoró, e a aí? tirará o brilho da nova geração, por isso? claro que não. O nosso palanque é o palanque do LULA, da DILMA, do PT,PSB,PCdoB, PDT, … . Vem, precisamos de sua inteligência. Abraços

  18. Marcos Pinto. diz:

    Causa-me profunda tristeza e desalento em ver um professor universitário (NETO VALE) defender com veemência uma das candidatas da oligarquia ROSADUS,(Larissa) e ainda ratificar seu analfabetismo político, afirmando: AVANÇA MOSSORÓ. Mas já dizia o grande BRECHT que o pior analfabeto é o analfabeto político. Cai como uma luva no professor em tela.

    • Neto Vale diz:

      O Bertold Brecht era genial, leiamos o que ele diz:

      Nada é impossível de mudar

      Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo.
      E examinai, sobretudo, o que parece habitual.
      Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural nada deve parecer impossível de mudar.
      Essa se aplica melhor, a minha suposta “contradição”:

      Elogio da Dialéctica

      A injustiça avança hoje a passo firme
      Os tiranos fazem planos para dez mil anos
      O poder apregoa: as coisas continuarão a ser como são
      Nenhuma voz além da dos que mandam
      E em todos os mercados proclama a exploração;
      isto é apenas o meu começo

      Mas entre os oprimidos muitos há que agora dizem
      Aquilo que nòs queremos nunca mais o alcançaremos

      Quem ainda está vivo não diga: nunca
      O que é seguro não é seguro
      As coisas não continuarão a ser como são
      Depois de falarem os dominantes
      Falarão os dominados
      Quem pois ousa dizer: nunca
      De quem depende que a opressão prossiga? De nòs
      De quem depende que ela acabe? Também de nòs
      O que é esmagado que se levante!
      O que está perdido, lute!
      O que sabe ao que se chegou, que há aì que o retenha
      E nunca será: ainda hoje
      Porque os vencidos de hoje são os vencedores de amanhã

      Abraços fraternos

  19. Zé Paula diz:

    É pouco!
    Vem aí,talvez,mais um Rosado,para garantir,que no futuro próximo,nada muda.Somos uns CAGÕES,merecedores de tudo isso.

  20. lampejao diz:

    É TUDO ISSO PQ A INCOMPETENTE ROSALBA ESTÁFAZENDO ACONTECER,IMAGINA SE O ESTADO ESTIVESSE PARADO…..RISOS

  21. Inácio Augusto de Almeida diz:

    É triste saber que uma cidade RICA como Mossoró, bafejada pela sorte do petróleo, tenha a metade do seu povo vivendo na pobreza.
    Não vamos culpar o governo A ou B.
    Não, não se trata do nosso governo.
    O que acontece em Mossoró acontece em Pelotas, em Campina Grande, em Santarém, em Dourados, enfim, em todas as cidades do Brasil e do mundo. E não pensem que na China comunista é diferente. Mais de 70% dos chineses vivem na mais extrema miséria. Na Rússia a mesma coisa. E no rico EUA a coisa se repete.
    Trata-se de um sistema econõmico que mantém a maioria na miséria para que uma minoria viva na riqueza, como se fosse possível alguém viver numa ilha de riqueza num mar de miséria.
    E o resultado disto é que os privilegiados economicamente não podem desfrutar com tranquilidade da vida que poderiam ter, já que qualquer sinal de que goza de um bom padrão de vida passa a ser visto como ostentação e acarreta PERIGO DE VIDA para quem assim procede. E o resultado são as mansões gradeadas, as cercas eletrificadas, os cães de guarda, a vigilãncia particular, a perda privacidade e o pior de tudo, O MEDO!
    Vale a pena viver assim, com MEDO?!
    Viver assim, com medo, ou viver na miséria, não sei o que é pior.
    Será que não já é passada a hora de se repensar este modelo econômico que aí está?
    Até quando a Suiça conseguirá conviver com Biafra no mesmo espaço físico?
    Até quando a religião irá segurar as camadas mais desprotegidas?
    Lembro-me da época em que religiosos justificavam o uso da chibata nos escravos, como se escravizar um semelhante fosse uma coisa de Deus.
    Isto teve um fim.
    Breve este modelo social que aí está será modificado.
    Está apodrecendo e ruirá, ruirá como tudo o que é podre.
    È só uma questão de tempo.
    /////////////
    REPRODUÇÃO PROIBIDA

  22. Andréa diz:

    Caros leitores, bom dia!

    Fico feliz com a repercussão dos dados do IBGE, mas, ao mesmo tempo, triste, por ver que tantas pessoas esclarecidas defendem com veemência, o INDEFENSÁVEL. Antes de qualquer coisa, que deixar claro que o meu interesse não fazer campanha pra ninguém, graças a Deus, sou um trabalhadora qualificada e honesta, não tenho cargo público comissionado e NÃO PRECISO DEFENDER GESTOR PÚBLICO PRA GANHAR ALGUM TIPO DE FAVOR OU VANTAGEM. Minha intenção é tão somente mostrar que a realidade da cidade é diferente do que publica a Revista VEJA (vale lembrar que estas matérias são pagas).

    Tenho vários amigos de outros estados que acham que vivo em um oásis de abundância e fartura e Mossoró, está longe disso…Quero salientar que aqui existem pedintes sim, favelas, violência (em termos estatísticos, ocorrem mais homicídios em Mossoró do que na violenta Recife ou São Paulo). Aqui não existem hospitais públicos municipais, o único que temos: o Hospital da Mulher inaugurado este ano já recebeu denúncias de improbidade administrativa.

    Aqui não existe atendimento pediátrico especializado. Até o atendimento particular é bastante restrito…se seu filho adoecer aqui, a via crucis é grande. Nossa cidade está repleta de problemas, como tantas outras do País e não adianta usar isso como desculpa. Vamos nos conformar com isso? temos é que lutar e fazer valer os nossos direitos.

    Reflitam, antes de defender maus gestores…afinal, um dia eles vão sair do poder e você, vai pra onde?

  23. João Garcia diz:

    Meu caro Pedro Victor o Ministro Guido, o manteiga, disse ao vivo e a cores que quem ganha na faixa entre R$ 295,00 e 1.060,00 é classe média de acordo com os parêmetros de avaliação do seu Minsitério. então se existe alguma manipulação de dados é pelo “manteiga” e não por mim. Quem ganha de R$ 1.060,00 até R$ 2.500,00 é classe média alta. Acima desse teto até 5.000 é rico e acima de 5.000 é milionário.

    • Inácio Augusto de Almeida diz:

      Caro João Garcia
      Mas o Mantega não disse que com o acúmulo de vários salários, ele recebe dos cofres públicos maisde 60 mil reais todos os meses.
      Mantega faz parte de uma penca do conselhos de estatais.
      E não vamos nem enveredar pelas informações privilegiadas que ele tem e pode utilizar, através de parentes e amigos, seja na Bolsa de Valores (quando a gasolina aumenta o preço das ações da Petrobrás sobem,etc), seja na contratação de empresas de construção de casas e de rodovias, etc.
      É muito bom falar que tudo vai bem quando se tem as facilidades que o Mantega tem.
      È bom e rendoso.

    • CALIBRE 50 diz:

      João Garcia vá pastorar Micarla vá!

  24. Everton diz:

    “Quem entende do Japão são os japoneses, e de Mossoró, nós mossoroenses”. Eu pensei que o IBGE fosse um instituto brasileiro…

  25. Paula Mota diz:

    Caros leitores, Boa tarde!!

    SEGUE ALGUNS FATOS REGISTRADOS NA CIDADE DE MOSSORÓ (PERÍODO: DEZ/2011 À OUTUBRO/2012):

    .> Praça dos Seresteiros vira ponto de encontro de moradores de rua
    JORNAL O MOSSOROENSE. Domingo, 11 de Dezembro de 2011 às 00:00 / Por: Redação

    Ponto de encontro de artistas mossoroenses décadas atrás, a Praça dos Seresteiros está hoje completamente abandonada. Situada no centro da cidade, às margens do rio Apodi-Mossoró, o local serve atualmente como abrigo para moradores de rua e não recebeu nenhum tipo de apoio do poder público recentemente.
    Construída em um espaço estratégico, a praça, que deveria ser mais uma opção de lazer para a população mossoroense, acabou preocupando aqueles que transitam pelo local diariamente. “O abandono gera uma certa insegurança. Quando chega a noite, fica perigoso para quem trabalha próximo à praça e também para os estudantes, já que existe uma escola perto do local”, destaca a discente Carla Adriane.

    http://omossoroense.uol.com.br/cotidiano/11793-praca-dos-seresteiros-vira-ponto-de-encontro-de-moradores-de-rua

    > 102° HOMICÍDIO EM MOSSORÓ EM 2012. 05 DE OUTUBRO DE 2012
    Uma pessoa conhecida como “Paulista” aproximadamente 25 anos de idade, foi encontrada morta no inicio da manhã desta quinta feira, 4 de Outubro de 2012, por volta das 5h30min no cruzamento da Rua Campos Sales com a Travessa Rodrigues Alves, próximo a caixa de água da CAERN no bairro Bom Jardim, região do Alto do Louvor.
    Segundo informações, a vítima é conhecida na região pela pratica de roubo e já possui passagem pela polícia por esse tipo de crime. A Polícia Militar esteve no local realizando o isolamento como também o ITEP que realizou a perícia no local e remoção do cadáver para a sede do instituto para os procedimentos de necropsia. As investigações daram inicio pelo titular da recem inaugurada Delegacia de Homicídios da cidade de Mossoró.
    http://www.passandonahora.blogspot.com.br/

    > JORNAL O MOSSOROENSE. Mossoró – RN, 5 de outubro de 2012 – Nº 16.160 SEXTA-FEIRA
    MAIS DE 50% DA POPULAÇÃO
    MOSSOROENSE VIVE NA MISÉRIA
    Capa (Cotidiano)
    Segundo pesquisa do IBGE, mais de 140 mil pessoas sobrevivem com menos de um salário mínimo mensal e pelo menos 70 mil não têm qualquer tipo de renda.

    > TERÇA-FEIRA, 25 DE SETEMBRO DE 2012
    PMs apreendem quatro envolvidos com drogas em Mossoró
    Policiais Militares apreenderam uma dupla de adolescentes suspeitos de tráfico de drogas, além de um traficante e um usuário após denúncia de usuário que tinha dívida com traficante. Participaram das oeprações PMs do 2º e 12º BPM.

    http://sgtpmglenio.blogspot.com.br/2012/09/pms-apreendem-quatro-envolvidos-com.html

    PRECISA DE ALGO MAIS!!!!????

  26. jorge diz:

    Quer dizer professora Andrea que mais da metade da população de Mossoró recebe Bolsa Familia? Eu acho que sua pesquisa está equivocada, seus entrevistados mentiram, pois as pessoas diminuem seus rendimentos para conseguir algum beneficio social

  27. Andréa diz:

    Em resposta ao comentário do Sr. Jorge, postado ontem, 05/10 as 21:21 h

    Caro Jorge, bom dia.

    Apenas a título de esclarecimento, eu não entrevistei ninguém, estes são os dados do Censo IBGE 2010, portanto oficiais, os quais estão acessíveis a qualquer cidadão, via Internet. e algum entrevistado mentiu ou omitiu sua renda para o recenseador, eu não sei. O fato é que os números estão aí e se estão mascarados, como algumas pessoas insistem em afirmar, deixemos as estatísticas de lado e vamos para as ruas, periferias, UPAs, hospitais, vamos andar de ônibus, vamos visitar as galerias de esgoto a céu aberto, que deveriam ser para escoamento pluvial.

    Vamos ver os números de casos de Aids, Dengue…vamos visitar as escolas da zona rural, onde, em muitos casos (e isso eu vi pessoalmente) crianças de 2º, 3º e 4º ano estão aglomeradas em uma mesma sala, com um único professor pra atende-las em condições precárias.

    Aqui tem muito petróleo, é verdade…mas quantas vezes visitei moradores na zona rural que veem um poço de petróleo no quintal do vizinho e tem palma no fogo para o almoço. Pra quem serve esses royalties?

    Vamos visitar as escolas da zona rural, onde, em muitos casos (e isso eu vi pessoalmente) crianças de 2º, 3º e 4º ano estão aglomeradas em uma mesma sala, com um único professor pra atende-las em condições precárias.

    Isso tudo, sem falar no número crescente de homicídios, envolvendo, principalmente a questão das drogas. Acho que isso já é suficiente pra entender que estejam os números do IBGE mentindo, ou não, o fato é que o desenvolvimento dessa cidade é pra inglês ver.

    Vamos refletir melhor, cidadãos mossoroenses…assistir a tudo de camarote é fácil, ler a revista Veja com propaganda enganosa (paga e muito bem, pelo dinheiro do contribuinte), também. Mais uma vez, Mossoró não está em situação muito diferente da maiorias dos municípios do RN e do País…o meu questionamento é, tão somente, a propaganda que se faz dessa cidade, considerando-a uma “metrópole do futuro”, lugar bom pra se viver e um do melhores pra se trabalhar no Brasil. Diante dos meus olhos a realidade é outra, infelizmente, meus amigos.

    Ao Jorge e a todos que tem corroborado para este importante debate o meu abraço.

  28. Marcelo Salazar diz:

    Então com o crescimento depois de 5 anos, hoje deve ter uns 20 mil ônibus em Mossoró. Ou esta explicado o caos no transito, ou basta um pequena analise de um órgão com câncer para saber o diagnóstico !

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2021. Todos os Direitos Reservados.