domingo - 30/12/2012 - 09:34h

Mensagens de final de ano e a paz que não realizamos


Por Marcos Araújo

Prenuncia-se a entrada de um novo ano. Os computadores domésticos e profissionais já assinalam o envio e a entrada de milhões (ou bilhões) de mensagens aspirando e desejando invariavelmente o mesmo substantivo: a paz. Nesse período, as igrejas de todas as crenças e os profitentes dos mais diversos credos afinam-se num único discurso:  um pedido de paz.

Santa hipocrisia ou pura hipostasia…

Esse desejo de paz, no plano da convivencia social e religiosa, tem muito de hipocrisia e hipostasia. Já que todo mundo sabe que hipocrisia é fingimento, apenas esclareço que hipostasia é um equivoco cognitivo onde se  atribui existência a uma realidade fictícia, abstrata. Quando as pessoas desejam paz, e afirmam viverem em paz, convivendo desarmonicamente, é uma hipostasia.

Ora, a paz é sinônima da tranquilidade pública; da harmonia, da concórdia… Nem entre os religiosos conseguimos concórdia. Basta ver esse conflito milenar entre os cristãos e os muçulmanos na terra santa. A barbárie e o cometimento de toda espécie de crimes e atentados terroristas são praticados em nome de Deus ou de Maomé. Lembrando o Salmista, “Quando eu digo: “Paz”, eles dizem: “Guerra”. (Sl 120, 7).

Narra o evangelista Marcos que Jesus Cristo ao pronunciar o sermão da montanha sentenciou: “Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus.” (Cap. 5, v. 9)

Se são felizes os que promovem a paz, como disse Jesus, quem por acaso pode se dizer um agente da paz?

Entre nós, católicos, falta paz quando os cânones proíbem o batismo das crianças havidas de pais solteiros ou nascidas de pessoas não matrimoniadas nos seus costumes.  Os mesmos cânones obrigam a prelazia a ser intolerante com os descasados e divorciados, impedindo-os do sacramento da eucaristia.

Como podemos realmente almejar a paz se endossamos essas orientações  tão excludentes?

Entre os pentecostais,  o alcoolismo e o homossexualismo são tidos como manifestações demoníacas. A santidade, para algumas dessas igrejas, somente é medida ou demonstrada pelo tamanho da doação do devoto.

Pratica-se, com muito gosto, a teologia da prosperidade e a simonia (a venda de coisas sagradas). A televisão anuncia a cada minuto, nas primeiras horas da manhã, a cura das doenças espirituais e a salvação das almas,  tudo com preço fixado, a gosto do pagante. Ainda se pode desejar a paz nessas circunstancias?

Entre os evangélicos, vigora o entendimento de que somente serão salvos 144.000 crentes autênticos. É a leitura radical do livro do Apocalipse, escrito por João. Somente na cidade de Natal, existem mais de duzentos mil evangélicos. Quem desses será salvo? Quem fará essa separação?

Nem me atrevo a falar nos demais setores sociais ou profissionais. Fico apenas no campo religioso, para não ter que relatar desentendimentos graves entre os políticos, na Ordem dos Advogados, na classe médica, no Poder Judiciário etc.

Nessa hora, lembro São Francisco de Assis e a sua oração pela paz: “Senhor, Fazei-me instrumento de vossa paz…”.  A Oração de São Francisco quer fazer de nós instrumentos de paz, daquela paz que nasce do coração de Deus e que penetra no íntimo de todas as pessoas que Nele creem.

A paz haverá quando as igrejas e as pessoas se preocuparem unicamente com a perfeita comunhão entre o seu pensamento benigno e as suas ações. Não adianta desejar a paz se o seu coração age como se estivesse em guerra. Haverá paz, quando “a paz de Deus domine vossos corações”, como dizia São Paulo (Colossenses, 3:15).

Como desejar a paz, se fazemos adversários gratuitos e tecemos críticas indébitas? Somos construtores da paz quando produzimos pensamentos contraditórios e arremessamos pedras da incompreensão sobre outros irmãos? Que paz advém de nossas atitudes se em nossos comentários nos blogs usamos de sarcasmo, agressividade e menosprezo pelos nossos semelhantes?

Pelo visto, não queremos paz, embora falsamente desejamo-la para o próximo nas nossas mensagens de fim de ano. Somos o que pensamos. Como ensinava Buda, com nossos pensamentos, fazemos o nosso mundo.

Teremos paz, entretanto, se guardarmos a serenidade e se atuarmos na extensão  do bem, porque, como disse Chico Xavier, “resguardando a consciência tranqüila, terás nos recessos da própria alma a paz de Cristo que ninguém destruirá”.

Nesses momentos de angústia e de guerra social, só a fé em Cristo mantém-nos serenos.  Nada agrada mais a Deus do que a genuflexão de um homem livre.

Rezemos pela paz!   Quem sabe se mudarmos os nossos hábitos, não poderemos dizer para o próximo: Shalom!

Marcos Araújo é advogado e professor universitário.

Categoria(s): Artigo

Comentários

  1. Sergio Levy diz:

    Parabéns Marcos Araújo pelo belo texto. Feliz 2013, com paz verdadeira nos corações de todos os homens e mulheres de fé.

  2. CALIBRE 50 diz:

    Eu queria parabenlizar Dr.Marcos pelo texto,mas é bom que se reflita,nem sempre o bem comportado dentro dos padrões religiosos tradiconais,é o semeador da paz,como disse um pensador contemporâneo,PAZ SEM VOZ É MEDO!
    Vivemos em uma sociedade que está a cada dia mais “adoecida”,estamos vivendo nos tempos do consumismo desrregrado,escravos do dinheiro,e essa dependência,fruto do NEOLIBERALISMO,contraria totalmente os ensinamentos de Jesus!Que tratamento o Dr.Marcos daria a grupos políticos que se perpetuam no poder,detem a maioria dos meios de Comunicação de massa,que usam da mentira,jogam sujo com seus adversários,compram votos nas ventas das altoridades competentes para fiscalizar eleições?Tenho certeza que a PAZ que almejamos com a boca em silêncio sepucral em relação ao lamaçal da corrupção que tem como efeito a exclusão social,nunca virar! Modelo econômico e político que nos põe praticamente de joelhos diante de circunstâncias
    injustas,em hipótese nenhuma por mais calados que fiquemos alcaçaremos a PAZ,o Dr.Marcos descorreu muito bem sobre a PAZ,como não ser sarcástico com determinados políticos que deixam seres Humanos amontoados em macas nos corredores do Hospitais? o Dr.Marcos quer eu os aplauda? O Dr.Marcos quer eu respeite governantes que deixam aos olhos de toda mídia,amestrada ou não,um ser Humano ser atendido na sarjeta de um Hospital? JESUS foi enfático,CONHECEIS A VERDADE E ELA VOS LIBERTARÁ! E a verdade pregada pelo CRISTO JESUS é nua e crua,quem quiser duvidar duvide,e em sua verdade não existe excessões,se usamos do sarcasmo para criticar determinadas pessoas é por que elas estão colhendo o fruto da opressão,do orgulho de pertencer a determinada classe Social,exercer determinado poder e usá-lo contra o próprio povo que o delegou e se achar no direito de literalmente pisar na cabeça do próximo,nunca haverá PAZ quando seres humanos despresarem seu semelhante,JESUS foi mais uma vez enfático,objetivo e extraordinariamente sábio quando afirmou,A SEMEADURA É LIVRE,MAS A COLHEITA É OBRIGATÓRIA,enfim,a PAZ do CRISTO não se alcança,exercendo o silêncio e “bom comportamento”,só para dar satisfação a Sociedade que somos bons moços,não é frequentando IGREJAS e rezando até secar a língua e estudando a BÍBLIA,fazendo de conta que o próximo que passa fome e vive na faixa abaixo da dignidade é um ser diferente que o que podemos fazer por ele é enganá-lo com uma esmola e bajulármos quem o oprime? Termino repetindo:A PAZ SEM VOZ É MEDO!É só! Feliz 2013 aqui nesse mesmo Batblog!

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.