domingo - 29/03/2020 - 08:10h

Minha sabiá-laranjeira


Por Paulo Menezes

Há quarenta e três anos, quando estava na construção do alicerce da minha morada, plantei no quintal da casa um caroço de manga e uma castanha de caju como sementes para o nascimento de uma mangueira e um cajueiro. Elas brotaram, se fizeram árvores e hoje me dão além de uma sombra grandiosa e fria, nesse clima tão quente, os frutos de delicioso sabor.

Há um ditado que diz: não aprisione pássaros, plante uma árvore que eles vêm. Pois bem. Hoje os frutos e a sombra, apesar de importantes, são para mim secundários.O grande valor que hoje atribuo à mangueira e ao cajueiro é que eles servem de abrigo, do alvorecer ao sol poente, com voos alternados de idas e vindas, a presença constante de uma sabiá-laranjeira que com seu belo canto, flauteado, faz do meu quintal um local extremamente bucólico e agradável.

Agrega-se a isso o zumbir das abelhas, o gorjeio de galos-de-campina, canários-da-terra, bem-ti-vis, rouxinóis e até os barulhentos e inconvenientes pardais que vêm se alimentar do xerém de milho que coloco para atraí-los.

Há também a visita frequente de algumas espécies de beija-flores que vêm sugar o néctar de algumas roseiras existentes nos canteiros.

É  nesse ambiente urbano em que a natureza está tão presente que tenho conseguido “tirar de letra” as preocupações cotidianas dentre as quais se inclui, no presente momento, o isolamento social da quarentena por conta do coronavírus.

Com essa sinfonia de pássaros e o manejo das jandaíras, além de não sentir o tempo passar ainda me livro do noticiário televisivo com suas veiculações voltadas exclusivamente para a tragédia que ora apavora todo o planeta terra.

Como diz o Zeca Pagodinho, é desse modo que vou vivendo e deixando a vida me levar.

Paulo Menezes é apicultor

Categoria(s): Crônica

Comentários

  1. Rocha Neto diz:

    O seu artigo em tela, me arremete a nossa velha Mossoró do passado, aquela aonde encontrávamos a calmaria, mansidão, segurança e paz, hoje estes valores são coisas pretéritas. Mas embora convivendo com o inverso das bonanças referidas, o bairro em que habitamos ainda tem o privilégio de nos oferecer um espaço geográfico parecido com ar interiorano.
    P.S. Integro o seu clube de alimentador diário de pássaros, e suponho que o seu Sabiá divide o canto de flauta no palco do meu quintal.

  2. Ramalho diz:

    Mais uma crônica perfeita. Parabéns

  3. Q1naide maria rosado de souza diz:

    Que Crônica linda! Fechei os olhos e fui até aí. Bela sinfonia.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.