domingo - 06/04/2014 - 06:24h

Nas masmorras da solidão


Por Jorge Mota

Nas masmorras da solidão
Meu pensamento está inebriado
Com rompantes de euforia e convulsão
Deixando o cérebro, atordoado

Nas masmorras da solidão
O tempo é movediço e infinito
Na asfixiante senzala da razão
Por vezes sussurra-se um grito
Nas masmorras da solidão

Nas masmorras da solidão
Ecoa no ar um lamento
A procura da liberdade
Quão nefasto tormento
Quase beirando a insanidade

Nas masmorras da solidão
O amor fica enclausurado
Como um ermitão,
Profundamente isolado

Nas masmorras da solidão
O homem transforma-se, ficando arredio
Sem discernir se está correto ou não
Sua vida é atribulada, um torturante arrepio
Nas masmorras da solidão…

Jorge Mota é servidor público e poeta

 

Categoria(s): Poesia

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.