• Banner Lion Brazil Fim de 2019 - 05-12-19
sexta-feira - 29/02/2008 - 10:29h

Nomes, métodos e mentalidade de “Souza”


O retorno do agrônomo Manoel Cunha Neto – "Souza" (PP), à Prefeitura de Areia Branca, nos próximos dias (ou horas), não será apenas um recomeço. Promete ser o início de outro tempo. Outra era, digamos.

Os mais de seis meses de segregação forçada o levaram à intensa reflexão sobre o poder, as pessoas e às circunstâncias. Não tenho dúvidas. O mundo cai. Daí em diante, a missão é como aquele castigo imposto a Sísifo, que na mitologia grega era obrigado a fazer rolar uma pedra montanha acima.

O homem é produto das circunstâncias, mas elas não podem ser justificativas – sempre, às suas decisões infames. Ser racional é ser esperto, oportunista e traidor? Talvez seja apenas conservar algum traço de humanidade e não o instinto animal.

As razões do lobo, que sempre estão amparadas em sua vocação predatória, não devem nortear o homem. Nesse tempo de exílio, o prefeito foi levado à execração pública, passou da condição de líder para quase-nada, além de descobrir o que é comum à toda entressafra: não sobra muito a quem  tem fome. Às vezes, o mínimo de solidariedade.

"O cachoro gosta do dono; o gato, da casa," ensina um ditado japonês. Os "bichanos" que sempre procuram se enroscar nas pernas de quem manda, não são felinos por acaso. A camarilha que ronda o chefe, é manhosa porque se interessa pela casa e não por seu amo.

Sou obrigado a recorrer, apesar de tantos desencantos com a espécie, àquela frase que me persegue há décadas, pronunciada pelo grande Mário Covas:

- Sou, por formação e por índole, um homem que fundamentalmente crê. Desejo morrer réu do crime da boa-fé, antes que portador do pecado da desconfiança.

Porém reconheço não ser fácil.

As lições desse episódio estão espalhadas por toda parte. Visíveis aos mais sensíveis, quase imperceptível aos intolerantes e inacessível àqueles que não compreendem a sabedoria de duas palavras: "Tudo passa."

Nunca o poder foi tão efêmero em Areia Branca. Mesmo para quem volta, assim o será. Ele também terá passado um dia, outra vez, por Souza.

De certo, o prefeito selecionará os seus não pelo critério bíblico da continuidade da espécie: a tarefa coube a Noé em sua arca pré-diluviana. Haverá reformulação em nomes, métodos e mentalidade. Do contrário, de que terá valido tanto sacrifício?

Também é bíblico e recomendável citarmos algo a mais aos que voltam e aos que se foram: "Toda a glória do homem é como a flor do feno; seca-se o feno e a flor murcha!"

Categoria(s): Blog

Comentários

  1. Marinalva Alves diz:

    O comentário é piegas e com claros sintomas de babação.

  2. Marcelo diz:

    Tento fazer um comentário a esta matéria, mas, na verdade, não nada que comentar. E por que? Porque ela simplesmente está espetacular. Parabéns. Sigo sendo fã do seu Blog.

  3. MAZINHO CAPOTE diz:

    Carlos Santos,
    Parabéns pela inspiração.. Muito oportuno o texto. Faz-me lembra outro texto bíblico, escrito em Provérbios 18:24, que diz: “Há companheiros que estão dispostos a se fazerem, mutuamente, em pedaços. Mas, existe um amigo que se apega mais do que irmão.”

    A Bíblia nos exorta – sempre – a sermos vigilantes com os “amigos” de ocasião.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.