domingo - 12/07/2020 - 09:22h

Exercício do bem comum e culto à felicidade na quarentena


Por Paulo Menezes

“Como não conheço nenhum escrito sob Jandaíra, fui obrigado a frequentar a escola das Jandaíras, observar seus hábitos, seu trabalho, sua família, sua casa, sua organização, manias e travessuras. Isto por mais de trinta anos. Serviu de aprendizado, lazer, higiene mental e reconstituinte, passatempo, espanta tédio e sobretudo é o segredo de manter-me em contato com Deus.” (Padre Huberto Bruening no livro “Abelha Jandaíra”)

A pandemia que atingiu toda a humanidade, ceifando milhares de vidas e transformando totalmente o nosso cotidiano num vale de lágrimas, alvejou de forma arrasadora nosso dia a dia, principalmente no que se relaciona com o distanciamento social. O afastamento da família, dos filhos, netos e amigos, entretanto, me alcançou numa proporção um pouco menor, graças a Deus e às minhas abelhas.

É que apesar de aposentado do Banco do Nordeste, empresa à qual dediquei 24 anos de minha vida laboral, adotei, em paralelo, uma atividade que além de prazerosa, serviu de terapia ocupacional, lazer e espanta tédio como afirma o padre Huberto no livro que citei. Sou meliponicultor desde o distante ano de 1983.Dedico-me com muito amor ao manejo da abelha Jandaíra. Tenho colmeias na minha residência e na zona rural. E como essa atividade tem me ajudado nessa quadra de dificuldade que atravessamos! Administro meu tempo dividindo-o entre o quintal da minha morada e a zona rural, sempre dedicado ao manejo das abelhas.

Na residência, além de acompanhar o desenvolvimento dos enxames, que vai da multiplicação de colônias até à coleta do mel, pratico também um pouco de marcenaria na confecção das caixas racionais, morada das fazedoras do saboroso mel.

O trabalho vai da serragem das tábuas, montagem, até à pintura.

O tempo dedicado à zona rural começa manhãzinha cedo e ocorre duas ou três vezes por semana, onde me desloco ao Meliponário situado no campo. Lá a Covid não chegou, pois só tem a natureza ainda em festa com a mata florida e cheirosa, fruto da quadra chuvosa e as queridas jandaíras. Nem de máscara necessito.

Vivo uma manhã diferente, em outro mundo, somente com as polinizadoras da natureza. O tempo passa rápido sem mesmo senti-lo. Não há o que pensar em outra coisa senão no nascimento de uma nova princesa que será entronizada como rainha e que conduzirá um novo enxame garantindo a perpetuação da espécie.

No manuseio, o que vemos é o milagre da criação onde uma família com castas bem definidas desempenha com perfeição a vida de cada colônia. Cada abelha tem uma função específica a partir da limpeza corporal na hora do nascimento, depois a alimentação da rainha, o controle da temperatura do ninho, a desidratação do mel e finalmente a saída para o campo a partir do décimo sexto dia, visitando milhões de flores até a morte, em busca do néctar que transformará em mel.

Abelha não tem infância, já nasce trabalhando do nascimento até o último dia de vida.

A existência de uma colônia de abelhas é de uma perfeição admirável.

Diferentemente de nós humanos, todas trabalham pelo bem comum.

Quanta diferença !

Paulo Menezes é meliponicultor

* Meliponicultura é a criação racional de abelhas sem ferrão.

Categoria(s): Crônica

Comentários

  1. Odemirton Filho diz:

    Ótimo texto. Estava sentindo falta de suas crônicas, Paulo. Escreva mais.
    Abraço!

  2. Honório de Medeiros diz:

    Que maravilha! Parabéns, Paulo. Um texto maravilhoso. Tenho esse ensaio de Padre Huberto, oferecido a meu pai, Chico Honório, que chegou a criar abelhas jandaíras. Lembro quando, menino, assisti um ataque de abelhas italianas aos seus poucos cortiços. Foi dramático. Mas algo importante: a vida é luta, e lutar é viver. Abração.

  3. Erione Pinheiro diz:

    Muito bom conviver com nossas abelhas sem ferrão, em especial a nossa rainha do sertão, que são as jandairas. Parabéns pelo texto Seu Paulo Menezes!

  4. Victor diz:

    Paulo e outras centenas de criadores mosoroenses exercita-se diariamente, manejar abelhas é uma terapia, uma meditação contemplativa. Cada parágrafo bem editado faz parte de nossa rotina, parabéns meu amigo.

  5. Q1naide maria rosado de souza diz:

    Crônica maravilhosa! Intensa a cada momento como a vida mesmo curta das abelhas. Pensei na ausência de infância delas, compensada com a morte, após visitar milhões de flores. Belo percurso para chegar ao fim…

  6. Q1naide maria rosado de souza diz:

    Parabéns, Paulo Menezes.

  7. Q1naide maria rosado de souza diz:

    Que alegria, Paulo Menezes! Um afago na minha saudade .

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.