quarta-feira - 08/07/2020 - 09:42h
Economia

O presente e o futuro de um setor importante


Mesa para ser reinventada (Foto ilustrativa)

Bares, restaurantes e turismo terão seriíssimas dificuldades de retorno à normalidade e público, enquanto não existir vacina contra a Covid-19.

O que tenho lido em sites e portais da Europa, além de conversas com pessoas que moram no exterior, aponta para isso.

Só decisões restritivas ou não do poder público não serão suficientes para o retorno à normalidade.

Colaboração de consumidores presenciais, cuidados sanitários rígidos e a reinvenção dos negócios vão determinar o tracionamento da economia no setor.

Ou uma vacina já, o que é menos provável.

Apenas e tão somente reabrir o negócio não salvará ninguém.

* INSCREVA-SE em nosso canal no Youtube (AQUI) para avançarmos projeto jornalístico.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo  TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUIYoutube AQUI.

Categoria(s): Economia / Opinião da Coluna do Herzog / Saúde

Comentários

  1. Lair Solano Vale / médico diz:

    Aqui no Oeste: que os deputados consigam iniciar a construção da ponte Areia Branca/Grossos. Que o hotel termas sirva para o povão e não apenas para as pessoas que ganham acima de dez salários mínimos.
    Eventos públicos precisam ser feitos com artistas da região. Entre outras ações.

  2. Beijamim Uózton diz:

    Aqui em Mossoró: o mossoroense tá num pé e noutro pra ver a B 304 duplicada.

  3. John Clodô diz:

    Aqui do Alta do Pelonha: a povo num vê o horra do prrefeita constrruirr a novo aerroporrto. O velho tá bichado e non suporrta o demanda de milhões de passageirros e passageirras. Sorry, perriferria.

  4. Conde Clô diz:

    Aqui em Natal: Gente, o natalense (pense num povo chique, vice?) não vê a hora de ver e aplaudir o início das obras da construção da ponte Natal/Fernando de Noronha.

    Aplausos! A-do-ro.

  5. Q1naide maria rosado de souza diz:

    É o momento do fator povo. Cobra-se atuação do governo, leitos, respiradores e o que acho fundamental: medicação no início da doença, desafogando filas hospitalares.
    Agora, voltando ao início, fator povo. Ou o cidadão se enquadra nos cuidados fartamente divulgados, ou escolhe adoecer e, o pior, contaminar os outros.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.