segunda-feira - 06/07/2020 - 08:50h
Crônica

Paulo Macêdo


Por François Silvestre

Noite de velório sem companhia. Apenas na madrugada uma olhada rápida do sétimo para o corredor do oitavo, de onde nos cumprimentávamos quase todos os dias, com acenos largos.

Paulo faleceu ontem (Fotomontagem: Território Livre)

Não tive convivência com ele nos seus tempos de prestígio e de bajulações. Isso mesmo mesmo, ele não era apenas respeitado. Era bajulado. E nessa condição, o ostracismo fere o peito e produz amargura. Mas Paulo Macedo conseguia disfarçar, com seu jeito suave abastecia-se de um passado onde bailavam fatos e fantasias.

Nos últimos dez ou onze anos não fomos apenas amigos. Vizinhos de flats e convivência de irmãos.

Certa vez, um morador aqui do Ayambra, também muito conhecido em Natal, me indagou: “Você tem paciência com essas histórias de Paulo Macedo”? Respondi: “Paciência, não. Tenho prazer”.

Ele me contava sua vida, a vida do Diário de Natal e a geografia humana daquele jornal onde sua Coluna fazia a crônica diária da “vida em sociedade”, como se dizia antigamente.

E coisas deliciosas, como encontrar Marlene Dietrich num restaurante de Nova York ou cumprimentar Sophia Loren na saída de uma loja de chapéus, em Paris.

Tinha um programa numa televisão, até pouco tempo, e vivia me enchendo o saco para que eu fosse entrevistado. E eu enrolando desculpas. Ou então, me cobrando candidatura para a Academia de Letras, da qual ele era o vice-presidente. Respondia: “Paulinho, essa história de Academia é adolescência da idade intelectual”. Ele dava risada.

“Eu tenho condecorações de todas as Armas, Exército, Marinha e Aeronáutica. E títulos de cidadania de mais de cento e trinta municípios”. Me disse, certa vez. Eu respondi: “Paulinho, isso é uma mancha no seu currículo”. Ele curvou-se, rindo, que quase bate com a cabeça nos joelhos. Levantou a cabeça ainda rindo e disse: “Você num tem jeito, não”.

Ultimamente ele andava promovendo umas festas, nos fins de ano, chamadas “noite das celebridades”. Parece que era esse o nome. Aí, todo ano vinha me convidar pra ser homenageado. Como eu sabia que a regra da festa não aceitava colaboração do homenageado, eu me antecipava e fazia um cheque de colaborador. Ele recebia, fazia uma careta e dizia: “Ano que vem a gente conversa”. E assim eu me livrava da honraria.

Durante minha participação no Novo Jornal, ele era leitor cativo da minha coluna. Às vezes eu chegava de Martins e ele me atalhava pra comentar o último texto. E arrematava, “Eu quero ir a Martins. Sabia que sou cidadão de lá”? Dizia e não esperava a resposta, saindo rápido e rindo.

Noite de solidão e tristeza. Não o verei no corredor de cima, quando sair para caminhar. Nem na conveniência de Dona Sônia. Antes dele, habitantes daqui, já partiram Jansen Leiros e Fred Teixeira. Fazer o quê? Tecer saudade.

Leia também: Morre em Natal o jornalista Paulo Macêdo.

* INSCREVA-SE em nosso canal no Youtube (AQUI) para avançarmos projeto jornalístico.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo  TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUIYoutube AQUI.

Categoria(s): Crônica

Comentários

  1. Rocha Neto diz:

    Que retalhos bem contornados estes que você consegui juntar e fazer a real história do jornalista Paulo Macedo, você foi discreto e com diplomacia mostrou o real comportamento de uma figura humana que foi batizado com o nome de Isaac Miro Feina, nascido em Limoeiro do Norte, e que veio pro nosso estado pra inicialmente morar em Patu, Alrxandria e finalmente em Natal de onde partiu pra morada eterna. Conhecia-o de perto, militamos em rádio e as histórias e estórias por Ele contadas guardo na minha biblioteca mental.

  2. Honório de Medeiros diz:

    Um belo necrológio. Triste, como todos, mas verdadeiro. Eis o que é o talento genuíno: diz quase tudo, com quase nada.

  3. João Claudio diz:

    Conheci PM quando o mesmo promoveu um Rallly no início dos anos 70.

    O Rally teve como ponto de partida a Praça Cívica, em Natal, passou por Mossoró, foi até Boqueirão de Cesário, no Ceará. Em seguida, entrou na BR 116, sentido Sul, passou por Cajazeiras e pernoitou em Souza, PB, onde aconteceu um baile para os participantes do Rally.

    No dia seguinte seguiu viagem passando em muitas outras cidades do interior da Paraiba e do RN.

    Tudo muito organizado. Cada veículo só podia transportar no máximo 3 participantes e, pasmem, todos eram obrigados a usar capacetes, sob pena de desclassificação do veículo.

    Durante o trajeto existiam várias barreiras para cronometagem dos veículos. Tudo muito rigoroso.

    Eu participei, mas fui desclassificado porque parei em todos os lugares onde havia uma placa de Coca-Cola pregada na parede. Quando chegava na barreira de fiscalização, a mesma já estava sendo desmontada. Os fiscais, ao verem o veículo adesivado, perguntavam: ‘O carro quebrou, foi?” Eu respondia: ‘Não! Tô cum o ( * ) chêi de cana.’ Os fiscais em côro: ‘Tá DES-CLA-SSI-FI-CA-DO.

    Um detalhe: a primeira fiscalização aconteceu na cidade de Riachuelo, a cerca de 80 de Natal, e eu já não conseguia ficar em um pé só.

    Fui um dos primeiros a sair de Natal (8 da manhã de um sábado) e o último a chegar, também em Natal (no domingo, por volta das 5 da tarde).

    Eita tempo bom que não volta mais.

    P. S – Após essa leitura, todos imaginam que eu pisava no acelerador com o ( * ) cheio de cana. Erraram. Eu partipei o tempo todo sentado no banco do carona.

  4. Rocha Neto diz:

    Que retalhos bem contornados estes que você consegui juntar e fazer a real história do jornalista Paulo Macedo, você foi discreto e com diplomacia mostrou o real comportamento de uma figura humana que foi batizado com o nome de Isaac Miro Feina, nascido em Limoeiro do Norte, e que veio pro nosso estado pra inicialmente morar em Patu, Alrxandria e finalmente em Natal de onde partiu pra morada eterna. Conhecia-o de perto, militamos em rádio e as histórias e estórias por Ele contadas guardo na minha biblioteca mental.m

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.