terça-feira - 23/07/2013 - 12:27h
Bye!

Petrobras vai parar sondas e aumentar desemprego

Denise Luna (Folha de São Paulo On Line)

A Petrobras decidiu parar sondas terrestres e outras operações na Bahia, no norte do Espírito Santo e no Rio Grande do Norte dentro de seu Programa de Otimização de Custos Operacionais (Procop), que visa economizar R$ 32 bilhões de 2013 a 2016.

A empresa precisa aumentar o fluxo de caixa, que até 2016 deve ficar abaixo de sua necessidade de investimentos de US$ 236,5 bilhões (2013-2017). Hoje, a produção de petróleo em terra perfaz 10% de sua produção total, de 208 mil barris diários.

Na avaliação do ex-diretor de exploração e produção da Petrobras Wagner Freire, a decisão vem com atraso.

“Há campos que produzem cinco barris por dia –não é econômico para ela, mas pode ser para pequenos produtores que invistam na produção”, diz, sugerindo a devolução dos campos à Agência Nacional do Petróleo.

A redução dessas operações pode significar 5.000 demissões, afirma José Maria Ferreira Rangel, do Conselho de Administração da empresa e coordenador do Sindipetro no Norte Fluminense.

“Não são apenas os terceirizados, há uma série de outras atividades que são ligadas ao petróleo”, diz.

Segundo ele, 500 pessoas já foram demitidas na Bahia.

Na semana passada, Rangel se reuniu no Estado com a presidente da Petrobras, Graça Foster, e obteve a suspensão por 30 dias das demissões por firmas terceirizadas que operam as sondas, além da reversão da transferência de 430 empregados dos setores financeiro, contábil e tributário para a sede, no Rio.

“Na reunião, a presidente se comprometeu a conversar com as empresas para segurar as demissões”, disse.

Ele acrescentou que há pressão de parlamentares para evitar a paralisação de operações. Na semana passada, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (PMDB-RN), reuniu-se com Foster no Rio acompanhado da bancada do seu Estado.

Saiba mais AQUI.

Nota do Blog – E nossos políticos engolindo mosca e vendendo potocas para a massa-gente.

Bye! Quem não aproveitou o ciclo de petróleo, dançou.

Infelizmente, boa parte dos recursos provenientes do petróleo terminaram no bolso de espertalhões, em praças, calçamentos e nada de mais importante para o futuro.

Culpa da Petrobras? Não.

Culpa nossa.

 

Categoria(s): Administração Pública / Economia / Política

Comentários

  1. Carlos André diz:

    Agora Mossoró quebra de vez, pois nem de longe nos temos, hoje ou numa perspectiva futura, um segmento industrial que gere tamanho investimento em nossa região, e que gere a quantidade de empregos que a velha peroba gerou.

    É sombrio, muito sombrio o futuro econômico de nossa região.

  2. nildo diz:

    Quero saber a quem servirá as inúmeras qualificações na área petrolífera com inauguração de escola sonda e tudo… nossos jovens estão se formando para trabalhar em que e onde mesmo hein? acorda meu povo… vamos para rua…

  3. Inácio Augusto de Almeida diz:

    “Na reunião, a presidente se comprometeu a conversar com as empresas para segurar as demissões”,
    Mais pirulito na boca dos tolos.
    Esta Presidenta da Petrobrás quando se aposentar já tem o que fazer:
    ABRIRÁ UMA FÁBRICA DE PIRULITOS.
    Os bocós que foram ao Rio há coisa de alguns meses e torraram dinheiro dos mossorenses em passagens, restaurantes e hospedagem estão se sentido uns verdadeiros patetas.
    Deveriam era devolver o dinheiro gasto no passeio.
    Digo passeio, porque até o Zé Doidinho sabia que a viagem era perdida.
    Não há como a Petrobrás continuar com poços que produzem cinco barris por dia.
    Nem a Petrobrás nem empresa petrolífera nenhuma no mundo.
    Lamento profundamente pelos pais de famílias que perderam e pelos que agora perderão os seus empregos.
    A desgraça maior foi Mossoró não ter se preparado para a era pós-petróleo.
    Será que não avisaram aos gênios que administraram Mossoró por todos este anos que petróleo é uma riqueza finita?
    Todos os segmentos da economia Mossoroense irão sentir a saída da Petrobrás.
    A contrução civil que teima em manter os preços dos imóveis nas alturas irá amargar um encalhe nunca visto numa cidade do porte de Mossoró.
    A rede hoteleira também sofrerá.
    O comércio já está sentindo.
    Para complicar ainda mais o quadro temos uma prefeita que só se preocupa com festas e propaganda, que mal assessorada não percebe o barco afundando.
    Gente, o Titanic em que transformaram Mossoró já bateu no iceberg.
    De nada adianta mandar a banda continuar tocando.
    O show já terminou.
    A hora é de voltar à realidade, de apertar os cintos, de partir para novas alternativas.
    Mossoró já existia antes da Petrobrás.
    Mossoró continuará existindo depois da Petrobrás.
    Só que para isto é preciso mudar a maneira de administrar esta cidade tão bonita e que pode ter um futuro mais promissor do que muita gente medíocre possa imaginar.
    Para administrar Mossoró agora será preciso CRIATIVIDADE!
    E CRIASTIVIDADE É COISA RARA EENTRE OS POLÍTICOS DE MOSSORÓ.
    Falo da criatividade construtiva, não daquela outra criatividade…
    ////
    O SALÁRIO DA PREFEITA DE MOSSORÓ É DE R$ 23.550,00
    O SALÁRIO DO PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE MOSSORÓ É DE R$ 15.000,00
    O SALÁRIO DA GOVERNADORA DO RN É DE R$ 11.660,00
    O SALÁRIO DE UM AGENTE DE SAÚDE É MENOS DE R$ 800,00
    Parece ou não parece uma piada?

  4. chagas nascimento diz:

    Acredito na capacidade do povo de Mossoró de superar mais uma crise.
    Basta ler um pouco da história desta cidade, para ver as diversas superações enfrentadas desde os tempos de sua fundação. A saída da Petrobras pode até trincar, mas jamais quebrará esta cidade. Quem viver verá.

    • Francy Granjeiro diz:

      É os políticos deixarem mais de roubarem de passar a mao no dinheiro público e trazer novos investimentos….até parece que o RN não tem!
      E o pior é que o governo, meu Deus!!Como que pode um estado quase falido a beira dum ataque devendo até o talo.Os credores, nheck!!

  5. Francy Granjeiro diz:

    De quebrar não quebra não!! Mais que já quebrou boa parte isso é verdade..E agora Mossoró, qual será o seu,o nosso rumos sem a Petrobrás?

    • Inácio Augusto de Almeida diz:

      Francy
      Futuro Mosoró tem.
      Mossoró fica numa situação privilegiada no que diz respeito a grandes centros consumidores.
      Mossoró tem um povo que adora trabalhar.
      Só falta a Mossoró gestores que consigam criar uma política de desenvolvimento para que esta cidade se tranforme na Manchester brasileira.
      Infelizmente não há alternãncia do poder.
      O mesmo grupo que domina Mossoró politicamente há mais de 60 anos não tem o menor interesse em que os mossoroenses se desenvolvam economicamente.
      Fazem a velha política do quanto mais pobre o povo mais fácil a aplicação da política paternalista que usam e que é a única que sabem usar.
      Todos sabem que a pobreza é a escravidão na sua forma mais cruel.
      Manter o povo na pobreza interessa aos que se dividem de mentirinha e colocam as pessoas nas ruas com rodos na mão enquanto juntos riem da idiotice de uma gente que conseguiram imbecilizar.
      Agora o petróleo acabou e a política administrativa de Mossoró vai ter que mudar.
      Não dá mais para manter na igonorância uma cidade que conta com diversas universidades.
      O mossoroense de hoje é bem diferente do de 30 anos atrás.
      Aos poucos mais e mais pessoas estão adquirindo senso crítico e não mais se deixando levar por esta guerrinha de cores que mais lembra as velhas disputas nas quermesses juninas.
      Você disse certo quando afirmou que Mossoró não vai quebrar.
      Mossoró tão logo tenha uma administração que saiba explorar todas as suas potencialidades iniciará uma arrancada rumo ao desenvolvimento que a tornará numa das cidades mais ricas deste país.
      Mossoró será a Manchester brasileira.
      ///
      CUSCUZ COM OVO SEM CAFÉ É SERVIDO NA MERENDA ESCOLAR
      O UNIFORME ESCOLAR AINDA NÃO FOI DISTRIBUÍDO EM MOSSORÓ

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2021. Todos os Direitos Reservados.