domingo - 20/12/2020 - 06:52h

Poema para Gibran

Por François Silvestre

Não me interessa mais/

que horas são./

Nem quais são as orações/

de cada hora.

Não poderei dizer/ com Khalil Gibran/

que “ninguém nunca ouviu minha boca pronunciar uma oração”./

Muitas foram pronunciadas/

numa reza sem qualquer convicção./

Terços debulhados/ para salvar almas/

ou espantar fantasmas inexistentes./

Tudo perdido num relógio do sol,/

marcando a perda do tempo./

Mas se o tempo não se recupera/

a reza também não./

Fica tudo pronunciado/ na anunciação do desperdício,/

que é o destino da oração./

Gibran Khalil Gibran, “Jesus, o filho do homem:”/

“Vossos filhos vêm de vós, mas não são vossos”.

Quanta oração jogada ao vento,/

e quanto vento a jogar orações/

no despenhadeiro de ouvidos moucos./

Não me interessa que horas são./

Nem qual seja a oração da hora certa./

François Silvestre é escritor

Categoria(s): Poesia

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2021. Todos os Direitos Reservados.