domingo - 21/04/2019 - 10:24h

Um beijo para dizer que “te amo”


Por Carlos Santos

Levei uma “cinturãozada” histórica do meu velho quando devia ter uns oito a nove anos, talvez um pouco menos. Não recordo bem; da peia, sim. Doeu bastante.

Renitente, estoico, resiliente, não queria ceder aos argumentos ásperos que queimavam meu corpo raquítico, mas principalmente a alma.

Fiquei dias amuados. Monossilábico.

Muitos, muitos anos se passaram em nossa convivência. Próximo ao seu fim, algumas vezes me deparei com ele numa cadeira, semi-inválido, com dificuldades à fala. Era um homem preso em novos limites, angustiado pela imobilidade que nunca se permitira.

Seus olhos quase sem brilho perscrutavam meu rosto. Ou mapeavam meu coração. Eram vivos, vivos apesar de… Pareciam querer falar o que ele nunca conseguira, por encabulação de quem não tinha jeito para afagos, chamegos e dengos paternais. Era fechado em si.

Compreendia-o. Compreendo-o até hoje, pois fui um pouco assim em boa parte da vida, herança da convivência.

Ficar ali quase estático era sobrecarga incomum para um homem que sempre fora ativo e multifário, inimigo da indolência. Viver ou sobreviver àquele modo era dolorido. Doía também em nós.

Irrequieto por natureza, pai de família, amante da leitura e incapaz de maltratar um animal, difícil saber muito mais sobre o que se passava em sua cabeça.

Bem diferente do que fora sempre, não tinha muito a oferecer. Antes, para tudo tinha solução própria. Era nosso “MacGyver, aquele personagem de uma série de TV (Profissão: Perigo) dos anos 80, que com astúcia e engenhosidade era capaz de resolver qualquer problema utilizando a inteligência, mãos e alguma ferramenta tosca, de um canivete a pedaço de arame.

Guardo até hoje um par de chinelões em couro que, imprestável aos meus olhos, ele refez. Aquela cadeira à mesa de refeições que seria trocada, ganhou reparo com o talento de um artesão. A cisterna com rachadura, o telhado em goteiras, o fogão sem chamas em uma das bocas, a TV que teimava em subtrair a imagem de nós – tudo era solucionado por sua ação e espírito inventivo.

MacGyver. Nosso Chico.

Cheirava e beijava sua cabeça, agradecido por tudo. Cada peia, inclusive. Foram raríssimas. Acho que só essa mesma da cinturãozada. Se houve mais, por favor, não precisa ninguém lembrar. Eu esqueci.

Até seu orgulho de mim, era comedido. Mas eu sabia que o tinha. Aprendi a dizer-lhe “te amo!” antes da partida. Fiquei leve. Ficamos. Sorríamos do nosso jeito.

Mesmo com aquele ar ensimesmado, sem malemolência ou tato para agrados físicos, tinha um zelo incomum por nós e retidão de caráter. Até o bichano “Pimpolho”, membro do clã, sabia disso. A propósito, recebia dele cuidado especial e tinha o poder de lhe provocar raros sorrisos.

Explorava-o, que se diga. Tirava-o do sério, mas não da serenidade. Chegava a forçá-lo a abrir a porta ao quintal pela madrugada – após espetá-lo com as garras -, saindo à esbórnia ou às necessidades mais primitivas.

Do meu quarto, quantas vezes não acompanhei os “diálogos” entre ambos? Daria um quadro de “Sitcom” (comédia de situação) de “A grande família”.

Faleceu no Hospital Wilson Rosado (HWR) em Mossoró, após dias de agonia.

Um pouco antes, meu irmão antecipou que nosso Chico estaria nas últimas. “Não vai durar muito mais”, alertou-me.

- Você quer vê-lo?

“Não. Vou guardar uma imagem dele sorrindo para mim, feliz com um beijo.”

(‘Que descanse em paz até nosso reencontro”) – complementei em pensamento.

Carlos Santos é editor do Blog Carlos Santos

Categoria(s): Crônica

Comentários

  1. Naide Maria Rosado de Souza diz:

    O editor de “Nosso Blog”, Jornalista Carlos Santos, abriu seu coração, expondo momentos familiares de carinho, afeto, respeito, admiração e amor.
    Hoje é dia propício para revelarmos sentimentos porque, independentemente de nossas crenças , vale apostar nas lembranças… e renascer na beleza delas.

  2. Rocha neto diz:

    Com as lágrimas a descer pelo rosto pela saudade do meu pai Expedito, quantas coincidências comportamentais entre o meu pai e o seu velho Chico. Obrigado amigo pelo instante de poder sentir de verdade uma saudade que ainda faz sangrar o coração. Pela maestria perfeita da crônica feita pra seu Chico, que Deus te conserve sob suas bênçãos edificantes de sabedoria e inteligência ímpar. Mais uma vez obrigado pelas lágrimas vertidas pela emoção da saudade que sinto de seu Expedito. Para mim um homem e Pai Herói.

  3. Ailson Fernandes Teodoro diz:

    Que maravilha de texto, Carlos. Parabéns!

  4. Allany Medeiros diz:

    Emocionei.

  5. Jose Anchieta de Oliveira Medeiros diz:

    Boa noite meu caro Carlos Santos, meu irmão, comecei a lê o texto/crônica, sem perceber quem era a “personagem”, a quem você se referia, mas comecei a achar familiar, e fique emocionado. Quando li “nosso
    Chico”, a ficha caiu, e descobri que a crônica nos ligava aos mesmos fatos, e o mais importante a mesma pessoa – nosso Chico, seu Chico Medeiros, nosso mesmo pai. Passamos pela mesma escola dele, e hoje, podemos dizer que, o “nosso Chico” cumpriu a sua missão, nos ensinou as lições primordiais para a vida, repassando os valores para nossa existência, dos quais nos lembramos até os dias atuais, como também retransmitiremos as futuras gerações por nós produzidas. Parabéns pela Crônica/Homenagem . ” Um beijo para dizer que “te amo” ao nosso
    carinhosamente Chico. Feliz Pascoa

  6. João Claudio diz:

    Dispensa comentários. Só elogios.

    Se me permite, vou acrescentar um fundo musical à la New Age, na voz de Enya, a ‘Estrela Invisível’.

    https://m.youtube.com/watch?v=w8LS3qDbqzQ

  7. João Paulo Gurgel de Medeiros diz:

    Um texto tocante! Parabéns, meu caro!
    Um forte abraço!

  8. François Silvestre diz:

    Belíssimo!

  9. Inácio Rodrigues diz:

    Lindo. Emocionante. Não deu pra não lembrar do meu velho. Ele partiu dias depois de eu completar quinze anos de idade, deixando Dona Mazé e quatro filhos menores na selva de pedra que já era a capital cearense. Que saudade. Te amo pai!

  10. Tarcisio Gurgel dos Santos diz:

    Parabéns Carlos. Você é mestre nesses textos de evocação. Arrume tempo para se dedicar – não precisa ser já-já, mas vá organizando – a trabalho mais demorado e abrangente no campo da memória. Parabéns. Seu texto não é apenas bem escrito. Emociona, sobretudo pela grandeza de descobrirmos a real dimensão humana dos nossos pais, apenas em situação limiar, como a que descreve.
    abraços do velho leitor

    Tarcísio Gurgel

    • Carlos Santos diz:

      NOTA DO BLOG – Obrigado, Tarcísio.

      Como “escritor” Mundialmente Desconhecido, quem sabe um dia eu produza algo, hein?

      Abraços.

  11. Marcos Pinto. diz:

    Evocações siamesas que resvalam para o mesmo caudaloso rio de memoriais recordações. Esta evocativa crônica suscita interrogações várias que carimbam pedaços da alma, do último ABRAÇO que não pude dar, do último beijo que não dei na fronte lívida dos meus pais, de ter vivido e sentido o olhar derradeiro. SÓ mesmo Deus e o senhor TEMPO para nos proporcionar o lenitivo da serenidade e da resignação. ABRAÇAÇO amigo

  12. Edilson Pinto diz:

    Belíssimo texto, caro Patrão

    • Carlos Santos diz:

      NOTA DO BLOG – Çei…

      Vamos deixar de ajeitado. Há tempos você não escreve uma exclamação para Nosso Blog.

      Vou submeter seu nome para nosso Conselho Inquisitorial, democraticamente formado por eu mesmo.

      Tô avisando.

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.