quinta-feira - 09/08/2012 - 10:24h
Gestão e ensino

UnP balança com crise sem precedentes

O Curso de Direito da Universidade Potiguar (UnP), Campus de Mossoró, vive há vários dias uma crise sem precedentes. O redemoinho produz círculos concêntricos que ameaçam estilhaçar a imagem da instituição fora de sua estrutura física, no âmbito do Ministério da Educação (MEC) e Justiça Federal.

Tudo começou com a imposição de decisões pela diretoria da instituição, que é controlada há alguns anos por poderoso grupo multinacional. A partir daí ocorreu demissão sumária do diretor do curso no Campus em Mossoró, o conceituado professor Marcelo Roberto dos Santos.

A Laureate International Universities — maior rede de universidades do mundo -, que controla a UnP desde 2007,  pretende um reordenamento de custeio da máquina pedagógica, sacrificando justamente quem mais precisa de incentivo: o docente. Quer reduzir custo punindo seu melhor insumo, o professor.

Essa chamada “reengenharia” passou a suprimir benefícios da remuneração do professorado, traduzidos de forma mais clara no que se denomina de “hora-aula”, assentada em trabalhos, orientações de cursos etc.

Punição

Marcelo resolveu escudar os professores.

Opondo-se à mudança, ele mostrou em seu arrazoado que o Curso de Direito do Campus de Mossoró mostrava resultados que mereciam incentivo e não punição. Sua performance eclipsa congêneres da mesma instituição, que funcionam na capital do estado. Em Natal, o corte começou há mais tempo e de modo incisivo.

Até o momento, a Laureate não conseguiu contorna o caos que se formou a partir da demissão de Marcelo Roberto. A direção do curso em Mossoró virou um vácuo.

Professores prometem debandar, solidários e insatisfeitos com a supressão de ganhos pecuniários. Noutra frente, há mobilização com dossiê que denunciaria a instituição ao MEC e Ministério Público Federal, por supostas e graves irregularidades. A UnP estaria maquiando desempenho e certas exigências legais.

Categoria(s): Educação / Gerais

Comentários

  1. Carlos Andre diz:

    Bom dia Carlos Santos.

    Só uma coisa a dizer como aluno UNP: TENHO SAUDADE DO SR. PAULO DE PAULA NA ADMINISTRAÇÃO DA MESMA.

  2. Lauro diz:

    Já ouviu o outro lado?
    Será que não existem outras versões?

    Vamos ver quantos realmente vão pedir demissão e se vai existir esse ‘dossiê’…

    • Lauro diz:

      Quantos mesmo pediram demissão?
      Cadê o dossiê?

      Marcelo Roberto é um profissional íntegro, não merece ser jogado na fogueira das vaidades de uns poucos tresloucados e confusos. Aguardemos os fatos.

  3. Melissa Trindade diz:

    acho isto tudo um absurdo. alguns poucos professores estão sendo na verdade corporativistas. Quem viu a Unp antes e vê agora, pode notar o quanto a Universidade cresceu. Sou aluna e sinceramente? Muitos me dizem que nunca nem viram a cara do diretor de direito. Mal pisava lá. A Unp é uma universidade importante para a nossa cidade e fico muito triste que 3 ou 4 queiram, em nome de suas “ämizades e favores” manchar o nome da instituiçao. Mas nao é isso? no senado, na câmara, em brasilia…. é uma lástima. Um circo isso!

    • hermiro vieira gurgel filho diz:

      Melissa Trindade,
      Tenho informações que se um velinho em plena caduquice quiser estudar nesta instituição é só à família ter recursos financeiros (não tem vestibular). Isso está correto?

      • José diz:

        Na verdade isso não está em pauta na discussão. Na verdade pode até ser, pode ser não, é muito fácil entrar para ser estudante na UnP, isso é fato.
        Mas caro colega, quando entra, lá dentro é bem diferente! Não é “atoa” que o curso de Direito da UnP recebeu nota máxima e foi o primeiro lugar na OAb em número de alunos aprovados. Ensino existe na UnP e a qualidade é boa! Grandes professores renomados.

      • Carol Paiva diz:

        Todos devem ter acesso à educação, é garantia constitucional. Seja criança ou idoso. Nâo critico por não haver critério rigoroso de seleção de docentes, pois sei que o determinante sim é a vontade em aprender. Sabemos que o mundo, o mercado de trabalho não está restrito às quatros paredes de uma sala de aula, no curso de Direito por exemplo, o primeiro passo decisivo é o Exame de Ordem. Então, qualquer pessoa idosa (aliás, aplausos pra essas que tem vontade e vigor de estudar) podem ingressar na UnP.

      • Everton Paulo diz:

        Ora se não é verdade Hermiro, veja só os erros de pontuação de uma aluna de lá. KKK deve ser de “direitcho”.

        • Lauro diz:

          O senhor Everton Paulo deveria se desculpar publicamente por tentar ser um arauto da gramática, ele sabe – e eu sei, e posso provar copiando aqui produção dele – que ele não redige um bilhete sem erros. Os arautos da gramática carregam dentro de suas carcaças vazias o pedantismo e a vaidade, mas esquecem que não tê, estofo suficiente para um mero embate verbal ou escrito. Minto E.P.?

        • ADONIAS SOTERO DA SILVA JUNIOR diz:

          Melhor escrever errado a coisa certa Do que escreve certo a coisa errada…

    • Monaliza Trigueiro diz:

      Amiga, acho que você não está sabendo o que aconteceu…

    • Jorginho Direito diz:

      O outro lado não fala, “Melissa”. Só impõe. Agora o diretor interino Gilvan ameaça demitir mais professores, apenas por não concordarem com as estrepolias da UNP. Se vc quer defender uma faculdade que fraudou, enganou o MEC, aí é problema seu.

      • MANOEL diz:

        Jorginho (se é que seu nome é esse), conheço o professor Gilvan, o senhor falta a verdade com essa afirmação de demissão. Agora, cada um pode pagar por seus atos impensados.

    • Andrei Molina diz:

      Incrivel o posicionamento de alguns aqui, se fala tanto em valorização do professor e melhoras na educação, mas quando vemos uma situação dessas, tem gente ai que critica a atuação de uma diretoria que sempre foi a favor do aluno e que da mesma forma busca melhores condições de trabalho aos professores.
      O professor Marcelo tinha uma equipe excelente em suas mãos, ele como Direitor Administrativo tinha atribuições da esfera burocrática do curso de Direito, e quem fala mal dele é porque quando o buscava para resolver algum assuno que a Diretora Adj. Gilvanete dizia não ter solução, recebia um não… isso prq professora Gilvanete sempre ajudou e buscou fazer o máximo pelos alunos… no entanto sem quebrar as regras da instituição e das diretrizes de educaçao.
      A UNP ta voltando a fazer o que no passado no antigo método de fiscalização do MEC…. em que bastava um mestre para mante-la funcionando… não esta preocupada com a qualidade de ensino e corpo docente qualificado… e sim pro grana…

  4. Lauro diz:

    Pronto, uma aluna se pronunciou. Será que todo o campus de Mossoró não notava que quem levava o curso nas costas era a adjunta?
    Homens ilustres de Mossoró, como por ex. Laíre Rosado formou-se recentemente lá, será que ele se enquadra nesse perfil que o Sr. hermiro vieira gurgel filho diz?
    Ah, Cid Augusto, brilhante jornalista, também terminou Direito lá. Escolheram porquê?
    Poderia citar muitos outros mas basta esses dois nomes para dar credibilidade aos alunos e ex-alunos da UNP e refutar como grosseira e infeliz a afirmação do Sr. Hermiro.

    • hermiro vieira gurgel filho diz:

      Concordo em parte seu Lauro, mas, deveriam esses alunos recém formados tentar uma vaga em uma universidade pública estadual ou federal, ai, saberíamos se os mesmos são inteligentes. Já tinha esquecido: O Dr. Laire ainda está lúcido

      • hermiro vieira gurgel filho diz:

        Seu Lauro,
        Você sabia que tem muitas pessoas que procuram essas instituições privadas somente e somente para conseguir um diploma para arriscar um concurso público principalmente direito? E por outro lado, leia o comentário do estudante de Arquitetura Rubens Segundo nesse espaço.

        • JUNIOR diz:

          DE QUALQUER FORMAR, CREIO QUE O SUCESSO DO CURSO DE DIREITO DA UNP TEM COMO FATORES PRINCIPAIS, OS ALUNOS, OS PROFESSORES E A INSTITUIÇÃO. MAS, INFELIZMENTE, O ELEMENTO CENTRAL DIGAMOS DESTA EQUAÇÃO, COMO SEMPRE NO BRASIL (SÓ PRA VARIAR) É O QUE ESTA SENDO COLOCADO EM CHEQUE, EM OUTRAS PALAVRAS NÃO IMPORTA O RESULTADO, QUANDO AS CONTAS NÃO BATEM, OS TRABALHADORES SEMPRE PAGAM A CONTA. EIS O RETRATO DE COMO O BRASIL, INDEPENDENTEMENTE DE SETOR PÚBLICO OU PRIVADO, TRATAM A EDUCAÇÃO E SEUS EDUCADORES. E AINDA ENCONTRO PESSOAS QUE ACREDITAM QUE O PAIS TEM JEITO. PODE ATÉ TER JEITO, MAS SEGUINDO ESSE MODELO DE FORMAÇÃO TECNOLÓGICA-CIENTÍFICA COM CERTEZA NÃO.

      • Andrei diz:

        É… vamos pra uma universidade pública passar pela greve… ótimo!!! Sai da faca pra ir pro espeto….

      • Lauro diz:

        Agora com as cotas em universidades publicas para negros, pardos e indígenas talvez fique mais fácil filho de pobre entrar em universidade pública, essa aberração brasileira que despreza o ensino fundamental, dando todas as condições para os filhos dos ricos poderem cursar universidades públicas sem pagar um centavo, enquanto isso os pobres que se virem nos FIES e outras invenções. Os mais aquinhoados estão rindo dessa discursão tola, estão preparando seus filhos para ocuparem os bem pagos cargos públicos, já quem não tem condições agora pode apelar pela raça para ao menos ter uma chance. O aluno de arquitetura, senhor Hermino não disse coisa com coisa, mão vejo porquê reler o reles comentário dele.

    • Andrei Molina diz:

      Conheça primeiros as atribuições de cada um, não é porque professora Gilvanete (curriculo excelente na área de pedagogia e direito) que buscava auxiliar os alunos ao máximo era quem resolvia 95% das questões envolvendo os alunos, que ela levava a faculdade nas costas. Professor Marcelo tinhas as atribuições dele tambem mas voltada mais a área administrativa e burocrática. Fato é que os 5% das coisas que professora Gilvanete não resolvia, iam tentar com Marcelo, porém, se professora Gilvanete não havia resolvido, era porque estava fora do direito do aluno, cosnequentemente Marcelo negava dai todo mundo dizia que Marcelo não fazia nada. Professor Marcelo sempre tentando obter livros atualizados para os alunos, melhores condições de trabalho para os professores, instalações mais adequadas…. melhorias em todos os aspectos…. mas aqui só temos gente pra criticar… sem conhecer como realmente funcionava a coisa… só especulando…

  5. Monaliza Trigueiro diz:

    Sou formada pela UNP, e, a nota máxima (05) atribuída pelo MEC ao curso de Direito é uma piada. Com toda propriedade, eu digo: não merecia 03. Professores desinteressados (a maioria) e mal pagos, biblioteca desatualizada (menos quando o MEC visitou), e, principalmente, a UNP forma pessoas que não possuem a mínima condição de atuarem como profissionais. Obviamente, não são todos, mas muitos saem sem saber o que fazer com o “canudo”. Espero que os professores tenham coragem e denunciem ao MEC. Só acho interessante, que o “coletivo” só aflora quando o individual é tolhido. Hehehehe… Na hora de maquiar a realidade, todo mundo topa. Enfim… Graça a Deus que não sou mais aluna, pois os maiores prejudicados são os “clientes/alunos” mesmo.

    • José diz:

      Na verdade cara colega, você demonstra o quanto está equivocada em termos de suas declarações. A Unp realmente, todos sabem, especificamente no curso de Direito, que os livros da biblioteca são bem atrasados. Existiu uma renovação mas não suficiente. A direção do curso, não todos, mas boa parte, jamais tiveram um contato direto e contínuo com os alunos de direito, isso é fato! O curso de Direito da UnP, digo isso como aluno, sempre determinou aos aulonos fatos e deveres, jamais tentou dialogar com os alunios, sempre foi atravês da imposição e acabou! Os “direitos dos estudante de direito” na UnP sempre foram limitados pela autoridade que se acjava ter a direção de curso, o que ainda é válido ressaltar, com execeção de uma grande e educada diretora que temos, o restante, boa parte, sempre foi mal educados, não dando atenção aos alunos, sendo impositivos e tratando mal. Isso era fato para todos os alunos. Aluno de direito na UnP nunca teve direito a voz! Os próprios professores reinvidicavam aos alunos atitudes mais tivas.
      Contudo, cara colega, quanto a qualificação dos professores vc está altamente equivocada. Apesar da diretoria limitada e com base na ditadura, os professores da UnP são altamente qualificados e dispostos a dar o máximo de aprendizado aos alunos. Exceções existem sim, em todas as Universidades tem os professores desinteressados, e lhe afirmo mais, nas Estaduais e Federais grande parte dos professores dão aula quando querem e bem entenderem, não estão nem ae para os alunos. Na UnP vejo professores, como procurados, juízes, grandes advogados renomados interessados verdadeiramente no aprendizado estudantil. Cara colega, não é atoa que o número de aluno de direito que passam na Oab cresce cada vez mais na UnP campus Mossoró! Chegando a bater a própria Uern muitas vezes. Quadro de professores excelente! Agora atenção, com certeza o quadro pode estar se quebrando, examente pela práticas abusivas e inaceitáveis da direção da UnP, a qual sempre foca o capital!!!

  6. Rubens Segundo diz:

    Sou aluno do curso de Arquitetura e Urbanismo e desde o início do curso temos enfrentado problemas aos quais as únicas respostas que recebemos para nossas questões são que “como somos a primeira turma é NORMAL passar por algumas situações”. Chegamos ao cúmulo de ter no quadro docente profissionais que não tem qualificação acadêmica para lecionar em salas de instituições de ensino superior, além de enfrentar racionalização de estrutura e uso de pranchetas sucateadas vindas do Campus de Natal, dentre outros problemas. Sei que esse comentário poderá trazer-me problemas dentro da instituição uma vez que colegas de classe que questionaram algumas situações já foram INDIRETAMENTE convidados a deixar a instituição, mas diante de mensalidades cada vez mais caras e de uma estrutura cada vez mais aquém de UNIVERSIDADE DIFERENTE não posso mais me calar!

  7. vicente Venancio diz:

    Carlos Santos, boa tarde.
    Para mim, isso não é novidade.

  8. Denis Nogueira diz:

    Até q a Melissa tem razão viu. [quanto a falta de presença do diretor] Talvez desde há época não ganhava satisfatoriamente, mas não é motivo, pedisse pra sair, ora. O resto é babação dela, Mossoró não deve nada a UNP, e sim o inverso. [e como deve]

  9. Rannieri Oliveira diz:

    primeiramente digo que: “quem faz o profissional não é o diploma e sim conhecimentos”, a UnP é uma universidade que visa R$ (real), atualmente está inventanto disciplinas a distãncia na grade curricular presencial, isso é um absurdo. com relação a remuneração ao professor, acho que tanto a unp e as outras seguem as mesmas normas, pois tenho amizade com professores de todas as insituições e tods reclamam dos seus salários. a UNP está mais exigente e menos eficiente em todos os sentidos.

  10. FRANSUELDO VIEIRA DE ARAUJO diz:

    Caro Carlos Santos, nenhuma noovidade no front, se a UNP já não era nenhuma Brastemp, quando da adminstração anterior, imagine sob o comsndo de falcõe mericanos, os auis pensam vointe e quwtro por dia em retornos fiannceiro e apra tal não titubeiam em reprimei alunos e professores seja no âmbito didático pedagógico e (ou) econônico-financeiro.

    A participação do alunado e do professorado na adminstração da dinâmica do ensino das universiddades privadas, de fato inexiste, memso por que os interesses privados em seu tentáculos inclusive na órbita polítca, podam qualquer iniciativa séria a esse respeito.

    Ora caro joranlista, até as estrelas sabem o quão, é de fato incompatível, a procura do lucro a qualquer preço com a administração de uma universidade (EDUCAÇÃO) e (ou) a administração de um Hospital (SAÚDE) são serviços não só essencias e indispensaveis à coletiviidade. PORÉM, DESDE TEMPOS ANTANHOS QUE ESSA SUGESTA CHAMADA PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE E DA EDUCAÇÃO VEM CAUSANDO INDESCRITÍVEIS E INCOMENSURAVEIS DANOS COLETIVOS E INDIVIDUIAS NO ÂMBITO DA CONFORMAÇÃO, DO CRESCIMENTO E DA ESTABILIDADE DA SOCIEDADE MODERNA.

    NO CASO DA unp, a saída do respeitável e capacitado colega Marcelo do cargo de direitor do curso de direito, apenas e tão somente assinala e evidencia de forma patente mais um dos dessatres que foi a entrega da UNP aos interesese dos falcões dos interesses privados americanos.

    Não esqueçamos, já nas antigas o saudoso e engajado dramaturgo alemão Bertolt Brecht assim nos ensinava:

    Privatizado…

    Privatizaram sua vida, seu trabalho, sua hora de amar e seu direito de pensar.
    É da empresa privada o seu passo em frente, seu pão e seu salário.
    E agora não contente querem privatizar o conhecimento, a sabedoria, o pensamento, que só à humanidade pertence.
    Bertolt Brecht

    Que continuemos a nos omitir da política é tudo o que os malfeitores da vida pública mais querem.

    A senhorita melissa, um aviso, por favor….acorde…!!!

    uM ABRAÇO

    FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO.
    OAB/RN. 7318.

  11. Pedro Paulo Sena diz:

    Será que essa suposta “maquiagem” seria provada? Será que os fiscais do MEC são tão burros a ponto de não perceber coisas desse tipo, que, só em Mossoró, vi divulgado 4 conceitos máximos (5) e outros tantos conceitos 4 ?! A insinuação é referente a todos esses conceitos, ou só ao do direito do Marcelo Roberto?
    Quem acusa tem que provar!

    • Monaliza Trigueiro diz:

      Acredito que os professores poderiam provar sim. Pelo que fiquei sabendo, não foi apenas no curso de direito, mas também no de enfermagem, ciências contábeis e administração. Até caminhão de livros foi utilizado para ludibriar os fiscais…
      Ah! Existem ótimos profissionais que saem de lá, mas igualmente, muitos não possuem a mínima condição de exercerem as respectivas profissões. A UnP não valoriza o professor, tampouco o aluno… O lucro é o objetivo, independente dos meios.

    • Rubens Segundo diz:

      Faça uma pesquisa na hora do intervalo, segunda feira, primeiro dia de aula do semestre, perguntando qual aluno na UnP viu e/ou conversou DIRETAMENTE com um fiscal do MEC! Você com certeza terá sua resposta!

  12. Pedro Paulo Sena diz:

    Ah! só para ter o que pensar: será que a educação superior pública brasileira está tão legal assim?
    Tem alguma IES (Instituição de Ensino Superior) Pública no RN em greve? E porque estaria?
    Tem alguma IES Pública com infra-estrutura para o aluno com conceito 5?
    Tem algum professor de IES pública (Marcelo Roberto e muitos outros que também “mamam”da unp e/ou de outras IES, pública ou privada!) satisfeito com o salário?
    Tem alguém ainda que não consegue entender que também o Brasil do PT vive hoje numa lógica 100% capitalista, e que já somos a imagem e semelhança dos “deuses que nos USA” há muitos anos!?
    Creio que nos falta o que fazer para perdermos tempo em discutir sobre uma decisão de uma empresa privada, certamente com motivos (pois não se mexe em time que está ganhando, nem se arrisca a esse ponto sem um bom motivo!!!) e muita ética para não revelá-los!
    Pior: nos falta inteligência para não perder esse tempo!!!

  13. Rubens Segundo diz:

    É uma questão simples Pedro Paulo: a instituição se auto intitula como UNIVERSIDADE DE EXCELÊNCIA DIFERENTE DAS OUTRAS e cobra CARO, em contra partida oferece um serviço MUITO AQUÉM do que deveria! É BEM SIMPLES!

  14. Marcelo Pereira diz:

    Isso só revela o que já vem acontecendo com UNP de alguns anos pra cá. Nada de novo! Mas que a qualidade e o corte a cada dia estão maiores estão, e a mensalidade só aumenta… A Laureat só quer LUCRO e LUCRO!!! A Universade tem seus pontos positivos, isso ninguém pode negar, mas nos últimos semestres, temos vistos que cada dia a coisa tá pior, terminei Direito nesse semestre, e posso dizer com propriedade, muita coisa mudou(pra pior, infelizmente!).

  15. josé de oliveira diz:

    A Unp é, indubitavelmentre, um patrimônio dos potiguares, havendo formado alguns milhares de alunos, desde o seu surgimento.
    A minha manifestação, tem esteio na experiência de haver custeado e formado dois filhos na Faculdade de Direito da referida IES.
    É importante ressaltar, porém, que tal fato, ocorreu, nos primórdios da sua atuação, em solo mossoroense, ainda, nas vetustas dependências do Colégio Diocesano Santa Luzia.
    Apenas a conclusão dos cursos, efetivou-se, já, na atual estrutura.
    Entendo que nenhuma instituição de ensino, em qualquer nível, faz a qualidade de um estudante, apenas pela, digamos “grife”, dessa instituição.
    Tudo depende do esforço, dedicação e vocação.
    Meus filhos, antes de ingressarem na Unp, prestaram vestibular tanto na UFRN, quanto na UERN, e não conseguiram ser aprovados.
    Como não quis vê-los interromper os estudos, direcionei-os à Unp, récem-instalada em Mossoró.
    Pois, bem. Os dois cursaram a Faculdade de Direito, e, submetidos, ao “terrível” Exame de Ordem, da OAB, após a conclusão dos referidos cursos, foram brilhantemente aprovados.
    Fica, portanto, a lição de que o corpo docente de uma Academia de Ensino Superior, é muito importante, porém, terá pouca eficácia se não houver a contrapartida por parte do corpo discente.
    Vestibular, é, na verdade, mera filigrana, que serve muito mais ao objetivo de mascarar a incompetência do Estado, em não disponibilizar um Ensino Superior de boa qualidade, a todos os que concluem o Ensino Médio.
    Agora, parece haver verossimilhança à tese de que, a tão propalada “internacionalização” da Unp, não lhe foi salutar.

  16. CALIBRE 50 diz:

    A Educação no Brasil é uma preocupação nacional, tanto em nível político quanto em todos os segmentos da sociedade. Embora a Constituição Federal declare ser a educação dever do Estado e direito de todos e apoiado pela nova Lei de Diretrizes e Bases, ela segue em passos lentos no rumo a uma melhor qualidade de ensino. Essa preocupação se verifa em todos os níveis do ensino, principalmente no médio e fundamental. Hoje o Ensino Superior tornou-se uma complementação do ensino médio, pois a maioria dos acadêmicos chega aos bancos universitários sem bases para uma formação superior. e infelizmente forma-se sem uma preparação adequada para o mercado de trabalho. Não só este governo como os anteriores vêm dando ao longo de seus mandatos indicativos de interesse uma melhorra do ensino nacional, mas não passam de meros paliativos.Outros que até têm acertado ou pelo menos brilha uma luz da esperança no sistema educacional, mas o que falta são políticas publicas e um compromisso maior do Estado com a educação brasileira. Quanto uma medida está dando certa, muda-se de Ministro ou de Governo e tudo aquilo que foi feito, volta à estaca zero.Outro lado é o neo-liberalisno na educação que amarrou a soberania nacional, e assim, outros interesses políticos se sobrepoem aos que o Governo considera prioritários.

  17. Gisliano diz:

    O que mais acho incrivel , é o fato está sendo tão abafado.

    • Lauro diz:

      Abafado? pelo que eu sei o fato não foi abafado, foi apenas reduzido a sua real dimensão, crise nenhuma, tudo muito normal, alguma dúvida?

  18. Flávio Cesar diz:

    Quanto ganha um professor especialista na UNP por hora/aula? Na Faculdade Mater Christi são míseros 15 reais. Uma vergonha!

    • Fernanda diz:

      Concordo TOTALMENTE com você, Monaliza Trigueiro! A UNP já prestou, hoje em dia está uma verdadeira bagunça, bibliotecas totalmente desatualizadas, coordenação do curso de DIREITO não tem um coordenador ( a ) que tome a frente para nada, atendentes das coordenações não sabem dar informações coerentes, isso é um absurdo! Alunos, pais, ficam horas e horas esperando um atendimento e quando é atendido, eles não sabem nem resolver nada. A UNP, só tem propaganda enganosa! essas propagandas que eles fazem na TV é só para se promoverem, porque na verdade não existe nada de ensino e estrutura com excelência. Quando o aluno vai se matricular, vai feliz da vida achando que vai estudar na melhor universidade do RN, mas na verdade engana-se pois, é totalmente diferente!

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011 - 2021. Todos os Direitos Reservados.