domingo - 23/02/2020 - 09:46h

A prodigiosa arte de fazer omelete sem quebrar ovos


Por Paulo Linhares

Nas ruas e praças, nas noites de lua (e sem a dita cuja), nos bares e botequins, no “happy hour” dos que estão bem de todas as vidas, nas conversas veladas e segredos sussurradas, o assunto é um só nestas paragens do bravo Poti: são enormes as dificuldades que teria o governo Fátima Bezerra para fazer a reforma da previdência dos servidores estaduais.

Com uma carreira política sem dúvida brilhante forjada nas lutas sindicais – deputada estadual de duas legislaturas (1994 e 1998); deputada federal  de três legislaturas ( 2002, 2006 e 2010), com consagradoras votações; senadora da República (2014); e, governadora do Estado do Rio Grande do Norte (2018) -, a paraibana de Nova Palmeira, Fátima Bezerra, militante do Partido dos Trabalhadores, é um desses fenômenos da política potiguar equiparável à Wilma de Faria ou mesmo a Aluizio Alves.Poderia Fátima Bezerra permanecer na zona de conforto como senadora da República até 2022, mas, topou o desafio de governar o Estado que adotou como seu, o Rio Grande do Norte, que, aliás, estava imerso numa das maiores crises fiscais de sua História, cujo resultado mais imediato era o não pagamento das remunerações dos servidores estaduais, ativos e inativos (entre estes inclua-se os pensionistas) do governo de Robinson Faria.

À míngua de recursos financeiros, optou a governadora Fátima pelo pagamento em dia das remunerações dos servidores estaduais ativos e inativos a partir do início de sua gestão.  Assim, em 2019, a folha de pessoal do governo potiguar foi paga, inclusive a gratificação natalina. Nestes tempos bicudos, isto passa a ter enorme peso político, embora pagar as folhas de servidores ativos e inativos seja apenas o prosaico de qualquer governo.

Sob uma ótica eminentemente política, essa ação da governadora Fátima Bezerra põe contra a parede o seu antecessor, Robinson Faria, que, em condições iguais, chegou a sacrificar servidores públicos a até quatro meses de atraso. Gostasse ela de mirar o velho retrovisor da política, seria um ‘prato cheio’ em seu favor. E não tem usado esse recurso diversionista a atual governadora do RN, para favorecer a sua relação com o incisivo Fórum de Servidores, uma forte coalizão sindical que se opõe ao projeto de reforma previdenciária gestado pelo governo Fátima Bezerra.

Reside na reforma previdenciária estadual o maior pesadelo do governo Fátima Bezerra porque afigura-se inequívoco que o seu ônus maior recairá nas costas dos servidores estaduais, o que arrosta a formação sindical que é a base da carreira política da governadora. Esses são ônus inafastáveis de quem aceita o encargo de governar.

Bem que ela poderia ter seguido o exemplo do brilhante parlamentar gaúcho seu correligionário, senador Paulo Paim, sindicalista de raiz (ex-metalúrgico), eleito seguidamente por quatro mandatos consecutivos de deputado federal e três mandatos de senador, igualmente seguidos, pelo Rio Grande do Sul, na condição de filiado ao PT. Eleita senadora pelo RN, Fátima Bezerra topou sair da zona de conforto senatorial para abraçar o enorme desafio de governar um dos Estados federados em pior situação de crise fiscal.

E não fosse a herança maldita de três folhas de servidores em atraso e, mais recentemente, o poderoso fantasma da (inevitável!) reforma da previdência estadual, quase tudo poderia ser equacionado.

Bom, as questões do atrasos podem ser resolvidas no curto e médio prazos. Aliás, o atraso do mês de novembro/2018 foi solucionado em 15 de fevereiro de 2020. Efetivamente, “coisa difícil” é a reforma da previdência dos servidores estaduais: em face do astronômico déficit mensal, que supera os 100 milhões de reais, se não houver um ajuste de contas, o Estado do RN ficará, no mínimo, inabilitado a receber as transferências voluntárias de recursos da União, sobretudo, aquelas oriundas de convênios.

E nem é preciso alertar sobre o abismo político-ideológico que separa Natal de Brasília, nestes tempos de olvido das práticas republicanas sob os auspícios da velha máxima política calhorda: “aos amigos os favores da lei; aos inimigos, os rigores da lei”. Pelo visto até agora, a regra mais republicana do governo Bolsonaro, salvo pouquíssimas exceções, tem sido discriminar os governos estaduais da Região Nordeste: “nada de dar carne a gato, somente sebo quente”.

É este o dilema que se coloca não apenas para a governadora do RN, mas, de vários  Estados federados de outras regiões e não necessariamente petistas de carteirinha. Aquela coisa, “tão amarga de tragar”, como diz Chico Buarque na canção “Teresinha”. Numa conjuntura em que o pacto federativo é reduzido a extrato de pó de traque, como hoje ocorre, todas as receitas serão amargas pra quem não é amigo do rei inquilino do Planalto.

Por essas e outras é que, nos trilhos da reforma da previdência já aprovada pelo Congresso Nacional, são forçados os Estados e Municípios a intentar mudanças em seus regimes próprios de previdência, no desiderato de reduzir respectivos déficits previdenciários. Claro, por mais absurdo e grotesco que seja, a fatura será paga por todos os servidores estaduais, com perverso peso àqueles, ativos ou inativos, de menores remunerações e que são, lastimavelmente, uma desventurada maioria.

Daí que, para pessoas de aguçada sensibilidade social, como certamente é a da governadora Fátima Bezerra, pois, seja tão difícil e mortificante fazer essa indigesta omelete sem quebrar os ovos. Algo prodigioso e logicamente inatingível, bem próximo daquele conhecido dilema filosófico: quem surgiu primeiro, o ovo ou a galinha?

E ter, enfim, que quebrá-los, por absoluta impossibilidade de proceder de modo diverso, por mais doloroso que possa afigurar-se. Afinal, não seriam os pesados ônus daquilo que se entende como práticas do bom governo? O tempo   implacável – e somente ele – dará a resposta.

Paulo Linhares é professor e advogado

Categoria(s): Artigo

Comentários

  1. François Silvestre diz:

    Analise correta, observação fotográfica. Abraço, meu amigo. Saudade.

  2. Carlos Andre Gomes de Araujo lima diz:

    muitos rodeios e argumentos para terminar em um lugar comum de um petista de carteirinha.

    Bem que poderia economizar nas palavras e no tempo dos leitores desse importante espaço jornalístico.

    Até as pedras já sabem as opiniões políticas do Dr Linhares

    • Carlos Andre Gomes de Araujo lima diz:

      Chega a ser risível a inclusão do presidente bolsonaro em uma questão que o mesmo não tem nada haver..

      Mas petista é petista!!!

  3. Q1naide maria rosado de souza diz:

    Muito bem, prof. Paulo Linhares. Seu Artigo brilhante faz-me sentir ousada, presunçosa, ao comentar. No entanto, a governadora Fátima sabia da gravidade do quadro do RN e, não obstante, decidiu governá-lo. Sentiu-se apta, entrou na chuva tem de se molhar.
    Quanto ao extrato do pó do traque, aqui usa-se a expressão ‘subnitrato do extrato do pó do traque do cavalo do bandido…’
    Respeitoso cumprimento.

  4. FRANSUELDO VIEIRA DE ARAÚJO diz:

    Conforme se vê, não ha´como dialogar com fascistas…!!!

    Vejam que os Burro Narianos Chapados adeptos da Tortura, da exclusão social, da subserviência, do entreguismo, da bizarrice política, da violência como método e do diversionismo retórico como estratégia, tentam ler o brilhante artigo do Professor Paulo Linhares.

    Portanto, tentam realizar um esforço colossal na brigar por uma rara sinapse que viabilize uma interpretação de texto, porém, conforme se verifica, ao fim e ao cabo mergulham no reducionismo delirante, demente e imbecil, qual seja…Ser petista é um crime…!!!

    Vejam que até a Monarquista, embora reticente e constrangida, quedou-se ao belo artigo do Advogado e articulista Paulo Linhares. Todavia, os outros supostos comentaristas, efetivamente por terem como único cardápio de leitura: Paginas e Programas Policiais, bem como os 140 caracteres dos Twiter’s Da Cavalgadura Mor: JAIR MESSIAS ASCO NARO juntamente com o 01, 03 e 03, ou seja a colossal famiglia Burro Nariana, jamais ultrapassaram os dilemas, as amarras e os ainda latentes traumas derivados do Processo de Desconstrução Cognitiva, DAÍ A TRAGÉDIA ANUNCIADA REVERBERADA EM PALAVRAS….!!!

    PS. Não nos avexemos, pois esta pagina ainda se encontrar “viva” nos pós carnaval, com certeza aparecerão utras estultices, BIZARRICES E TRAGÉDIAS LITERÁRIAS EM FORMA DE COMENTÁRIOS, QUANDO DAS SUPOSTAS ANÁLISES DOS BURRO NARIANOS, CONQUANTO A ATUAL CONJUNTURA “REFORMISTA E POLÍTICA” CONTIDA NO ARTIGO DO PAULO LINHARES…!!!

    Um baraço
    FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO.
    OAB/RN. 7318.

  5. Carlos Andre Gomes de Araujo lima diz:

    Haja advogado para defender o PT, não tem mais nem graça, é muita elasticidade jurídica para chegar onde todos sabemos que chegará, e quando alguém não concorda ainda é chigando, nem isso mais é novidade.

    A questão desta matéria do Dr Linhares não é para explicar a necessidade da reforma previdenciária Estadual mas para tentar ludibriar os incautos que acreditaram na narrativa petralha de quê; a reforma da previdência do governo bolsonaro era uma reforma draconiana, mas a reforma do governo petralha de Fátima Bezerra não ser, apesar de ser uma proposta muito mais Cruel com o servidor público.

    Pode escrever um livro que não explica o porquê desta incoerência, quiçá hipocrisia.

    Esperar coerência é realmente um insulto, não é por menos que ganham a vida nas trincheiras de defesa do petismo.

    • barbosa diz:

      Digno de aplausos meu caro Carlos, não obstante o respeito ao professor Linhares, porém, ao que parece que a medida da governadora ser a salvação do pobre RN recai agora como única saída. Nunca é tarde p lembrar professor Linhares que a governadora desfilou na linha de frente quando do gesto do então governador Robson Farias e fincou trincheira apitando todo tipo de impropérios contra a intenção de Robson. Acho que o professor lembra.
      Fica a pergunta: o profe6teria feito o mesmo artigo se a mesma medida tivesse sido feito por Robson??
      Co. Certeza não. Espero que a moeda ñ tenha duas caras.
      O discur6deve ser outro, Bolsonaro não foi a melhor opção, porém, daqui a pouco chega 2022 e teremos a oportunidade de mudança.

  6. Olívio araujo diz:

    Os mais prejudicados na tal reforma de Fátima Bezerra foram os aposentados que ganham pouco.Superou Bolsonaro na maldade

  7. João Claudio - Já é carnaval 'Piiiiiiii...! Ê ê ê ê , João Claudio quer apito, se não der pau vai comer.' diz:

    - ‘Cientista político’ João Claudio, dá pra fazer uma ‘Foto e o Fato?

    - Homi, vontade eu tenho, mas tô com preguiça.

    - Homi, faça. Faça! Faaaaaaça…!

    - Tá bom. Já que insiste tanto…!

    A foto e o fato.

    A imagem fala por si só, e ri. Reveja-a e confira:

    - Pela ordem, Senhor Presidente. Professô, se eu tivesse ovos o sinhô já tinha arrancado. Maneeeere. Isso é feio ki ki ki ki…! Obrigado pelo aparte, Senhor Presidente.’

  8. Francisco Canindé da Silva diz:

    Tia Fatima, saiu da zona de conforto, Kkkkkkkkk, a Rosa TAMBÉM fez isso.

  9. Francisco Canindé da Silva diz:

    Que babada, a sorte que é uma senhora!

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.