domingo - 18/08/2019 - 05:30h

Meu filho (a) é autista! O que faço agora?


Por Thiago Fernando de Queiroz

Nossa!!! Desconfio ou descobrir realmente que meu filho é autista, e agora? O que eu faço? A quem devo procurar? Como será a educação de meu filho?  Quais os direitos que ele tem? Essas são algumas perguntas que a maioria dos pais têm quando descobrem que seu filho é autista. Em breve palavras, serão expostas algumas explicações:O que faço? O primeiro passo é buscar o apoio de profissionais da saúde como um Pediatra, Psiquiatra, Psicólogo ou Neuropediatra. Esses profissionais da saúde irão encaminhar seu filho para um Fonoaudiólogo, um Terapeuta Ocupacional, e na questão da educação, para um Psicopedagogo; e, após toda uma avaliação desses profissionais, é dado um parecer final com o laudo médico.

Sabe o porquê de tudo isso? É que hoje o diagnóstico da pessoa autista é biopsicossocial. Isto está implícito no Artigo 2 Parágrafo 1º da Lei Brasileira de Inclusão (Lei nº 13.146/2015):

Art. 2º Considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas.

§ 1º A avaliação da deficiência, quando necessária, será biopsicossocial, realizada por equipe multiprofissional e interdisciplinar e considerará:

I – os impedimentos nas funções e nas estruturas do corpo;

II – os fatores socioambientais, psicológicos e pessoais;

III – a limitação no desempenho de atividades; e

IV – a restrição de participação.

Como será a educação de meu filho ou filha? No aspecto da educação, seu filho ou filha terá o direito de estar em sala de aula com as demais crianças no ensino regular, terá o direito quando necessário, a um acompanhante em sala de aula para dar todo o apoio e suporte para sua educação e seu desenvolvimento, bem como será dever da escola propiciar os materiais necessários para a aprendizagem da criança.

Aonde encontro esses direitos para a educação de meu filho ou filha? No Artigo 58 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei nº 9.394/96); no Artigo 3, Inciso IV Parágrafo Único da Lei Berenice Piana (Lei nº 12.764/2012); no Artigo 24 da Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (Decreto nº 6.949/2009) e nos Artigos 27, 28 e 30 da Lei Brasileira de Inclusão (Lei nº 13.146/2015).

Quais os direitos que meu filho ou filha tem? Primeiro, dependendo de sua renda ou o quanto é gasto com o tratamento, seu filho ou filha terá direito ao amparo social por meio do Benefício de Prestação Continuada – BPC, onde as regras estabelecidas sobre esse direito se encontram nos Artigos 20, 21 e 21-A da Lei nº 8.742/93.

No tocante a saúde, o Artigo 18 da Lei nº 13.146/15 aborda que a pessoa com deficiência deve ter todo o apoio necessário, bem como ter o laudo médico conforme as normas existentes como o Código de Ética Médica em que no Capítulo III, Artigo 11 explica o como deve ser feito os laudos médicos e atestados; e, a Resolução do Conselho Federal de Medicina n. º 1.658/2002 expõe o que deve conter nos atestados e laudos médicos, vejamos:

I. Deve identificar-se como emissor, mediante assinatura e número do registro no CRM; II. Registrar os dados de maneira legível; III. Preencher o diagnóstico. No caso do paciente, ou representante legal, solicitar que seja escrito, isso deverá constar, caso não seja, é obrigação médica colocar apenas o CID; IV. Discorrer a conduta terapêutica; V. Relatar as consequências à saúde do paciente e provável tempo de repouso estimado necessário para a sua recuperação.

Além do mais, teu filho ou filha tem por garantia todos os direitos sociais previstos no Artigo 6º da Constituição Federal, ao qual, tem suas regulamentações por meio da Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e da Lei Brasileira de Inclusão, aqui já citadas.

Em face de todas essas informações, se seu filho ou filha tiver alguns desses direitos restringidos, procure Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) mais próximo de sua casa, procure os órgãos do Controle Social de seu município, como o Conselho dos Direitos da Pessoa com Deficiência e o Conselho Municipal de Saúde; procure a Comissão da Pessoa com Deficiência da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de sua região. Informe ao Ministério Público de sua cidade.

Na luta pela inclusão das pessoas com deficiência, precisamos lutar juntos, pois, como sempre digo: Juntos somos mais fortes!!!

Thiago Fernando de Queiroz é aluno especial do Mestrado em Educação (UERN) e conselheiro municipal de Saúde de Mossoró.

Categoria(s): Artigo

Comentários

  1. Daniel Praxedes de Queiroz diz:

    Muito gratificante parabéns filhão que Deus cada dia venha te dando mais sabedoria dedicação o Brasil precisa de você as pessoas precisam de você que Deus te abençoe

    • Thiago Fernando de Queiroz diz:

      Muito obrigado pai Daniel Praxedes de Queiroz, agradeço o carinho e por sempre confiar em mim. Aproveito o momento para agradecer a Carlos Santos, pois, permitistes publicar meu texto que fiz com o intuito de ajudar familiares que descobrem que seus filhos são autistas. Espero que ajudem muitas pessoas!

  2. Q1Naide Maria Rosado de Souza diz:

    Artigo importantíssimo, merecedor de grande atenção.
    Os Direitos do Autista vêm explicados, bem como o procedimento dos pais da criança autista que, muitas vezes, não têm orientações e se sentem perdidos.
    Parabéns, Thiago Fernando de Queiroz! Ficaremos gratos se aparecesse mais vezes em “Nosso Blog” com informações sobre o Autismo e tudo sobre Educação que puder nos brindar!

  3. Joana Amélia diz:

    Parabéns amigo Thiago. Bem esclarecedor seu texto. Tenho certeza que ele ajudará muitas pessoas. Obrigada por dividir conosco seus conhecimentos. Parabéns ao blog por trazer um tema tão importante e necessário, principalmente para papais e mamães ou responsáveis que não sabem o caminho a percorrer quando desconfiam ou descobrem que tem filho autista.

  4. FRANSUELDO VIEIRA DE ARAÚJO diz:

    No Brasil, por diferentes motivos, as iniciativas governamentais propriamente direcionadas ao acolhimento das pessoas com diagnóstico de autismo desenvolveram-se de maneira tardia. Até o surgimento de uma política pública para saúde mental de crianças e adolescentes, no início do século XXI, esta população encontrava atendimento apenas em instituições filantrópicas, como a Associação Pestalozzi e a Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), ou em instituições não governamentais (como as instituições assistenciais desenvolvidas por familiares de autistas.

    Com o gradativo desmonte da estrutura do SUS e do pouco que havia no âmbito das entidades ditas filantrópicas que dia-a-dia mais ainda se aprofunda a olhos vistos, infelizmente, temos um quandro de pouca ou nenhuma abertura para que os doentes autistas, especiais ou não, possam ser tratados a tempo e modo com esmero, apreço e dignidade….!!!

    O FATO É QUE, ATUALMENTE, NEM TARDIAMENTE TEMOS ESPERANÇA DE QUE ESSES AVANÇOS TENHAM ALGUMA PERSPECTIVA DE CONTINUIDADE, ANTE O DESMONTE DO POUCO QUE HAVIA DE ESTADO SOCIAL EM NOSSO PAÍS.

    Não esqueçam senhores, o comandante Mor do Burro narianismo em nosso país…Sr. JAIR MESSIAS ASCO NARO, já disse em alto e bom som que o Estado Brasileiro, necessariamente deve existir para servir aos Banqueiros, latifundiários em especial do agronegócio, Pastores Picaretas Milicos AMESTRADOS, SBT, RECORD, MILICIANOS E DEMAIS GRUPELHOS QUE LHES DIGAM AMÉM…!!!

    Não fui , por acaso tenha gritado aos microfones…AS MINORIAS OU SE ADEQUAM AO MEU GOVERNO OU TERÃO QUE DESAPARECER….!!!

    NO CASO, MELHOR TRADUZINDO…. AOS PLANOS DE SAÚDE AGIOTAS DA VIDA E MORTE DAS PESSOAS …tudo, AOS DOENTES, SIMPLES E COMUNS MORTAIS morte….!!!

    UM BARAÇO

    FRANSUÊLDO VIEIRA DE ARAÚJO.
    OAB/RN. 7318.
    oiab/rn. 7318.

    • Thiago Fernando de Queiroz diz:

      Grande mestre Fransueldo,
      precisamos ao máximo fortalecer os órgãos de controle social, pois, muitas das questões abordadas pelo senhor são discutidas nesses órgão. Pelo demostrado, o senhor é advogado, e, as Comissões da OAB é um caminho super importante para se discutir as arbitrariedade que o Governo vem adotado. Assim, para mim, até agora, o maior absurdo fui Bolsonaro ter extinto o CONADE, grande retrocesso. E o pior, ele está querendo acabar com a participação popular no tocante as discussões por meio desses controles ao qual a sociedade pode atuar.
      Conto com o senhor para lutarmos pela dignidade humana, pelos direitos fundamentais e as garantias mínimas estipuladas pela nossa Carta Magna.

  5. Risalva Ferreira Nunes de Medeiros diz:

    Parabéns amigo Thiago. Maravilhoso o seu trabalho. Vai contribuir imensamente aos pais e familiares sobre o autismo e o que devem fazer nessa situação. Sempre é muito bom compartilhar conhecimentos para ajudar as pessoas. Sucesso!

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.