sexta-feira - 09/05/2014 - 17:31h
Ecos das eleições suplementares III

Futuro já começou para Larissa Rosado após 4º insucesso

Deputada estadual poderá ficar oito anos fora de cena; quadro é bastante complexo para seu grupo

Depois da quarta derrota seguida à Prefeitura de Mossoró, num espaço de dez anos, o que resta à deputada estadual Larissa Rosado (PSB), na política local e estadual? Chegou ao fim e ao seu limite?

Quem se apressar em afirmar que “sim”, pode estar se precipitando numa leitura difusa dos fatos e perfil de Larissa. Há muito ainda a ser contado. A roda-viva continua girando, sobretudo na política.

Tenaz, articulada, com perfil popular, Larissa tem novos e difíceis desafios (Foto; Coligação Unidos por Mossoró)

Larissa Rosado foi ‘vítima’ de uma conjunção de fatores, que a levou a um retumbante fracasso nas urnas no último domingo (4), em eleições suplementares de Mossoró. A começar dos desdobramentos da campanha e eleições de 2012, uma história ainda sem fim que pode lhe causar estrago maior: ficar inelegível por oito anos e sequer concorrer à reeleição à Assembleia Legislativa este ano.

Eleições de 2004 (Fonte: TSE/UOL)

- Fafá Rosado (PFL) – 57.743 (49,06%);
- Larissa Rosado (PMDB) – 34.688 (29,45%);
- Maioria pró-Fafá Rosado de 23.075 (19,61%).

Eleições de 2008 (Fonte: UOL/TSE):

- Fafá Rosado (PFL) – 65.329 (53,01%);
- Larissa Rosado (PSB) – 46.149 (37,44%);
- Maioria pró-Fafá Rosado de 19.018 (16%).

Eleições de 2012 (Fonte: UOL/TSE):

- Cláudia Regina (DEM) – 68.604 (50,90%);
- Larissa Rosado (PSB) – 63.309 (46,97%);
- Maioria pró-Cláudia Regina de 5.295 (3,93%).

Eleições de 2014 (Fonte: Justiça Eleitoral de Mossoró):

- Francisco José Júnior (PSD) – 68.915 (53,31%);
- Larissa Rosado (PSB) – 37.053 (27,55%);
- Maioria pró-Francisco José Júnior de 31.862 (25,76).

Como ocorre com a outra “banda” do clã Rosado, o grupo da deputada – da Coligação Unidos por Mossoró – prefere atribuir a situação vivida agora a um protagonismo da Justiça Eleitoral. Para se usar um termo em moda, à “judicialização” da campanha eleitoral. Menos, menos.

Rosalba e Cláudia: autofagia com uso da Justiça na campanha de 2012 (Foto: Raul Pereira)

Este Blog já afirmou, na primeira matéria dessa série “Ecos das eleições suplementares” (AQUI), que “cada eleição tem um metabolismo próprio. Contextualização e conjuntura precisam ser analisadas, para um melhor entendimentos dos fatos”.

O pleito suplementar é único na história de Mossoró. Porém até pela proximidade e como reflexo de 2012, uma disputa está umbilicalmente ligada à outra. A enxurrada de demandas eleitorais de 2012, provocada pela coligação de Larissa, àquele ano, reforçada pelo papel fiscalizador decisivo do Ministério Público Eleitoral (MPE), respingou nas eleições suplementares.

“A toda ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade”, diz uma das leis da física, formulada pelo físico inglês Isaac Newton.

No confronto de 2012, a coligação que empinou a candidatura da então vereadora Cláudia Regina (DEM), patrocinada pelo casal Carlos Augusto Rosado (DEM)-governadora Rosalba Ciarlini (DEM), utilizou do mesmo método de cerco judicial, para aniquilar a postulação de Larissa. Conseguiu.

Por conta e risco

As duas “morreram abraçadas” em 2014.

A própria Cláudia foi impedida de ser outra vez candidata – depois de cassada e afastada – e sequer obteve prerrogativa para promover “atos de campanha”. Já Larissa, insistiu até o fim com uma postulação natimorta, flechada por duas sentenças condenatórias na Justiça Eleitoral em Mossoró e reiteradas no Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Como declarou diversas vezes o juiz eleitoral José Herval Sampaio Júnior, ela empurrou a candidatura até o fim “por sua conta e risco”. Não conseguiu reverter situação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Foi candidata pisando um cadafalso de insegurança jurídica.

Seus votos foram contabilizados, mas não formalizados. Estão misturados aos votos nulos.

Duas correntes de pensamento se rivalizaram no grupo liderado pela deputada federal Sandra Rosado (PSB), mãe de Larissa, durante a campanha. Sua voz tonitruante imperou. Larissa foi mantida, pelo “fio de esperança” de um julgamento favorável e a tempo no TSE.

Laíre Rosado

Outra tese, era de que deveria se promover a mudança da candidatura. Existiram movimentos de bastidores que prepararam o nome do ex-deputado federal Laíre Rosado (PSB), pai de Larissa, para substitui-la.

O Blog Carlos Santos noticiou a hipótese em primeira mão (veja AQUI), mas foi contestado numa versão “light” (leve) da assessoria da candidata. Entretanto os fatos dão razão ao Blog.

Laíre: negociação de multa para ser candidato

Vamos a eles.

No dia 28 de abril, seis dias antes do pleito, a assessoria da Coligação Unidos por Mossoró consultou a Justiça Eleitoral. Indagou se existia algum impedimento legal de Laíre Rosado.

Constatou-se que o ex-parlamentar empurrava uma multa eleitoral com a barriga há vários anos, no valor de R$ 53.205,00. Estava na dívida ativa da União, o impedindo de ser candidato.

Receita Federal

Feito acerto na Receita Federal, com pagamento de uma primeira parcela de negociação, Laíre habilitou-se a substituir a filha – como o Blog antecipara. Contudo é importante salientar que outros nomes estiveram sendo lembrados, como vereador Lahyrinho Rosado (PSB), professor Pedro Almeida Duarte e Noguchi Rosado (ex-secretário da Controladoria Municipal, governo da irmã Fafá Rosado-DEM, hoje no PMDB).

O futuro de Larissa é o próprio futuro de seu grupo e, talvez, da oligarquia Rosado. Jovem, tenaz, articulada, com identidade popular, ela aguarda decisão final do TSE.

Se ficar inelegível por oito anos (tempo que conta a partir de 2012, ano do fato gerador da decisão judicial), tudo ficará bem mais difícil. Será obrigada a conviver com um banimento a que poucos resistem, sobretudo no dinâmico mundo da política.

Um atalho, é trabalhar e torcer pela vitória da coligação da qual faz parte no pleito estadual deste ano. Com o deputado federal Henrique Alves (PMDB) eleito ao Governo do Estado, ela será nome iminente à sua equipe, ganhando holofotes à visibilidade. Em caso contrário, ostracismo.

Reciclagem

Paralelamente, emerge o nome do prefeito provisório, eleito, Francisco José Júnior (PSD). Ele soube catalisar sentimentos populares para aposta em nova alternativa de poder e entrou no vácuo da luta autofágica de Rosado do A e Rosado do B. Atropelou.

Se conseguir se firmar, pavimentando caminho para liderança própria, tornará a tarefa de ressuscitamento de Larissa bem mais difícil. A exumação de direitos políticos da deputada, enfim, pode ser o recomeço – mas não necessariamente por cima.

Sua votação a prefeito, em quatro disputas, revelam que o grande momento de sua trajetória foi mesmo em 2012, quando havia no ar uma aspiração de contraponto ao governo do DEM e à então prefeita Fafá Rosado. Larissa obteve 63.309 (46,97%) dos votos válidos.

Agora, em 2014, despencou para 37.053 (27,55%). Talvez seja seu capital básico hoje. Bom para começar de novo, mas em oito anos, pode não ser o suficiente.

É nítido e assinalamos há anos, que seu grupo precisa se oxigenar, se reciclar e se adaptar às novas exigências da política local e estadual. Se não compreender a mensagem das urnas e continuar em transferir responsabilidades, pode não perceber a tempo o prejuízo e desperdiçar, de uma vez, um grande quadro: Larissa Rosado.

*Veja o link para a segunda matéria da série “Ecos das eleições suplementares”, sob o título “Pleito de Mossoró causa efeitos diferentes para jogo estadual” (clique AQUI).

Categoria(s): Política

Comentários

  1. AVELINO diz:

    ENTÃO, APÓS O SEU 4º INSUCESSO, LARISSA JÁ SE QUALIFICA SER O NOSSO LULA DE SAIA… SÓ FALTA AGORA O PINGUÇO PTRALHA, CHEFE DO MENSALÃO, TER TAMBÉM OS SEUS DIREITOS POLÍTICOS CASSADOS, SÓ QUE DEFINITIVAMENTE, NÉ, NÃO???

  2. Sebastião diz:

    O(a) único(a) Rosado que teria condições de vencer as eleições suplementares, se pudesse disputar, seria Fafá, mesmo com o desgaste natural de 2 administrações. Isso mostra algo que percebo há anos, eles não se renovam! Vou além, a eventual renovação que tem não se mostra de qualidade.
    A família tem bons nomes; alguns, diria, ótimos, mas não lança mão deles.
    O clã não desaparecerá, mas, para tal, há de renovar, todavia, não com qualquer nome, mas com sangue jovem e qualificado!
    Fico em apenas 3 exemplos de bons nomes: Noguchi filho, Igor e Marcelo rosado!
    Se os que ostentam cargos vão ter coragem de oxigenar, é outra história, mas se não renovarem, serão reciclados à força!
    Abçs!

  3. Leitor diz:

    Parabéns pela belíssima reportagem!

  4. Leitor diz:

    Essa matéria é a 3ª da série Ecos das eleições suplementares?
    Acho que perdi a 2ª! :/ Poderia colocar o link?
    Agradeço. E parabéns pelo blog.

  5. ROSANA diz:

    POR QUE CLAUDIA NÃO TEVE A OPORTUNIDADE DE SER “JULGADA” PELO POVO ? JÁ QUE A LARISSA TEVE .CONSIDERO ISSO INJUSTO .

  6. Carlos Escóssia diz:

    O amigo jornalista e blogueiro esqueceu um parágrafo na sua analise: “e se a cassação da deputada Larissa Rosado, for transformada em multa, que é o caminho mais provável!

  7. Math diz:

    Bom Dia!

    A Deputada Larissa estando livre de processos, pode ser um bom nome do PSB para vice de Henrique Eduardo Alves. Robinson ganha gas com vitoria de Silveira, Henrique precisara de um bom nome em Mossoró para reduzir esse vantagem.

    • Carlos Santos diz:

      NOTA DO BLOG – Faz sentido, Fernandes. Em 2010 ela esteve perto de ser candidata a vice de Iberê Ferreira (PSB), mas recuou, “a pedido” de Carlos Augusto Rosado, através de um emissário da própria família. Em 2014, poderia ser candidato a vice. Faz sentido, sim. Abração.

  8. jb diz:

    Minha impressão é que o grupo político de S..Ex.ª dep @larissarosada , foi “vítima” do que na psicologia cognitiva chama-se viés de confirmação (confirmation bias), que ocorre quando as pessoas só dão crédito a informações que confirmam suas crenças ou hipóteses, ignorando as evidência em sentido contrário. Estava “evidente” que campanha era desfavorável à deputada só não via quem não queria.

Trackbacks

  1. [...] diferentes para jogo estadual AQUI; – Futuro já começou para Larissa Rosado após 4º insucesso AQUI. Categoria(s): [...]

  2. [...] “Novo prefeito ganha para para dividir história ou confirmar os Rosado” e também AQUI “Futuro já começou para Larissa Rosado após 4º insucesso“. Categoria(s): [...]

Faça um Comentário

*


Current day month ye@r *

Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.